Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Você fez sua assinatura APOIADOR mas ainda não confirmou a realização do pagamento. Já fez o pagamento? Se ainda não fez o pagamento clique aqui.

Obrigado por avisar!

Contando o tempo no Egito Antigo

Artigos > Egito Antigo  |  1,8 mil visualizações  |  1525 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Contando o tempo no Egito Antigo

Sennedjem e Iineferti nos campos de Iaru. Parte da parede da cripta de Sennedjem.
19° Dinastia. Século 13 a.C. Cópia feita por Charles K. Wilkinson, presente no MET. N° 30.4.2

Uma característica de quase todas as culturas conhecidas é algum tipo de sistema para traçar a passagem do tempo. Acredita-se que, como a maioria das sociedades agrícolas, os antigos egípcios originalmente organizaram seu calendário de acordo com os ciclos da lua e das estações agrícolas.

A maioria dos estudiosos concorda que o dia do Egito começava ao amanhecer, antes do nascer do sol, ao invés de ao nascer do sol. O ciclo diário era dividido em vinte e quatro horas: doze horas do dia e doze horas da noite, esta última aparentemente calculada com base no movimento de grupos de estrelas ("decanos") através do céu noturno. Começando no Novo Reino (cerca de 1500 a.C), há evidências de que relógios de sol, relógios de sombra e relógios de água foram usados ​​para medir a passagem das horas.

Não há evidências de que os egípcios tenham contado minutos ou segundos, embora haja termos gerais para segmentos de tempo menores que uma hora. O mês foi organizado em três semanas de dez dias cada, com o início do mês lunar marcado pelo desaparecimento da lua minguante.

Por volta da metade do Antigo Reino (cerca 2450 a.C), e possivelmente vários séculos antes, os egípcios haviam desenvolvido um calendário “civil” composto de doze meses de trinta dias cada (360 dias), dividido em três estações— Inundação (Akhet), Emergência (Peret) e Colheita (Shemu) - de quatro meses cada, com cinco dias epagentais (dias fora dos meses regulares) adicionados no final do ano.

As datas oficiais eram expressas de acordo com este sistema, como um dia específico dentro de um mês específico de uma estação (por exemplo, Dia 15, Mês 3 da Temporada de Inundação). Pelo menos desde o Reino do Meio (cerca 2030–1650 a.C), os meses tinham nomes alternativos que parecem ecoar algum tipo de cálculo lunar.

É provável que o Dia de Ano Novo tenha sido originalmente associado à ascensão heliacal da estrela mais brilhante do céu noturno, Sopdet (também conhecida por seu nome grego Sothis ou pelo nome latino de Sirius). No Egito, essa estrela ressurgia após uma jornada de setenta dias no horizonte, aproximadamente na mesma época que os primeiros sinais da enchente anual do Nilo, que trazia as águas vivificantes das terras altas da Etiópia.

A correlação entre Sopdet e o Ano Novo é baseada em parte em um texto antigo (de cerca de 2.500 a.C.) que diz: “É Soptet, sua filha que você ama, neste seu nome como Ano”; uma inscrição do Novo Reino que menciona o surgimento de Isis-Sopdet na manhã do Ano Novo (cerca 1250 a.C); e uma referência a Isis-Sopdet do templo muito posterior em Dendera (final do primeiro milênio a.C), que diz especificamente que os anos são "contados a partir de seu brilho".

Desde que um verdadeiro ano astronômico tem 365,25 dias, o calendário civil egípcio atrasava um quarto de dia a cada ano. Isto significou que a ascensão de Sopdet/Sothis e as estações deste calendário não correspondiam às estações agrícolas reais por grande parte da história egípcia. Estudiosos tentaram usar essa desconexão, especialmente entre a ascensão atual do Soth e o Dia de Ano Novo no calendário civil, que correspondem apenas uma vez a cada 1.460 anos, para calcular quando o sistema civil foi estabelecido, mas nenhum acordo sobre esse ponto foi alcançado.

Nomes de meses baseados no ciclo lunar, a importância do surgimento heliacal de Sothis, o fato de que alguns festivais egípcios foram programados de acordo com o ciclo lunar em vez de ligados a dias específicos no calendário civil e algumas datas duplas, levaram os estudiosos a postular um calendário lunar-estelar que teria funcionado ao lado do calendário civil. Isso presumivelmente teria sido corrigido regularmente (talvez adicionando um décimo terceiro mês ou um dia extra intercalado a cada vários anos) para ficar em sintonia com o ano astronômico real.

Embora o formato exato mude com o tempo, os anos foram contados de acordo com o reinado de um rei específico. Na 1° Dinastia (cerca 3100 a.C), cada ano civil dentro de um reinado foi identificado por eventos importantes como a fundação de um templo ou a instalação de uma estátua de culto, uma prática que durou até o Antigo Reino (cerca 2649- 2130 a.C). É também durante a 1° Dinastia que o germe de um sistema para numerar os anos por reinado aparece, em um registro da "primeira ocasião do festival" Djet ("eternidade"), "provavelmente referindo-se à primeira vez que este festival foi celebrado durante o reinado do rei Djer.

No final da 2° Dinastia (cerca de 2900 a.C), os anos foram marcados de acordo com o censo aparentemente bienal dos ativos minerais, animais e/ou agrícolas do país. Este ano parece ter sido o evento chave pelo qual os anos foram contados: até o fim do Antigo Império (cerca 2130 a.C), anos podem ser nomeados como renpet zep N (Ano da Contagem Nth) ou renoche em khat zep N (ano após a Contagem Nth).

Estudiosos há muito tempo presumiram que essas contagens eram sempre bienais, e que os tamanhos mínimos de reinado para os monarcas do Antigo Reino poderiam ser estimados dobrando o mais alto recenseamento atestado. No entanto, estudos recentes começaram a questionar essa ideia e sugerem alternativas como as contagens bienais que gradualmente se tornaram anuais; contas feitas conforme crescia a necessidade para arrecadar fundos para projetos do governo; ou contagens realizadas em anos durante os quais um décimo terceiro mês foi adicionado ao calendário teórico solar do mês. Parece provável que a contagem anual tenha se tornado a regra por volta da 6° Dinastia (cerca 2323-2150 a.C), mas no geral, essa questão permanece em aberto.

Em algum momento, provavelmente durante o Primeiro Período Intermediário (cerca 2130–2030 a.C), os anos começaram a ser numerados de acordo com o mandato de cada rei no trono. Durante o Império Médio (cerca 2030–1650 a.C), esses anos foram contados de um dia de ano novo para o próximo; o período de tempo entre a coroação do novo rei e o Dia 1 do Mês 1 pode ter sido contado como seu Ano 1, mas, alternativamente, pode ter sido deixado para seu predecessor.

No Reino Novo (cerca 1550–1070 a.C), a contagem real começava quando o novo rei assumiu o trono, e os anos eram calculados de um aniversário da coroação para o próximo, todos de acordo com o calendário civil. É provável que o mesmo sistema tenha existido durante o Terceiro Período Intermediário (cerca de 1070–664 a.C). Durante o período tardio (cerca de 664-332 a.C), a segunda opção esboçada como uma possibilidade para o Reino Médio estava em uso: o ano 1 do rei era contado da coroação ao Ano Novo, e seu ano 2 começava com o ano novo, para que o Ano 1 pudesse durar de uma semana a quase um ano

.Também extremamente importante na antiga concepção egípcia do mundo era sua maior atitude em relação ao tempo. Inscrições referem-se a dois tipos de eternidade. O tempo linear, ou djet, associado ao deus funerário Osíris, teve um começo e teria um fim, ainda que no futuro infinitamente distante. Neheh, tempo cíclico, foi amarrado à passagem do sol através do céu durante o dia e o Netherworld durante a noite. Idealmente, um egípcio que tivesse vivido de acordo com os preceitos do maat, apoiando e mantendo a ordem apropriada de um cosmos justo, e que tivesse recebido um enterro apropriado, viveria para sempre (djet) e sempre (neheh).

Tradução de texto escrito por Janice Kamrin
Fevereiro de 2017

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Egito Antigo

Uma introdução à Mitologia Egípcia

A Maldição da Múmia: A tumba de Tutancâmon e a Mídia Moderna - Parte 1

[Vídeo] Excelentes vídeos do canal SmartHistory sobre o Egito Antigo (legendados)

Fontes bibiliográficas:

Clagett, Marshall. 1995. Ancient Egyptian science. a source book Volume II. Philadelphia: American Philosophical Society.
Spalinger, Anthony P., 2001. “Calendars,” in Donald B. Redford, ed., The Oxford encyclopedia of ancient Egypt. Oxford: Oxford University Press, pp. 224-227.
Wells, Ronald A. 2001 “Astronomy,” in Donald B. Redford, ed., The Oxford encyclopedia of ancient Egypt. Oxford: Oxford University Press, pp. 145-151
MET. Sennedjem and Iineferti in the Fields of Iaru. Acesso em 17 nov. 2018.

Artigo publicado em 17/11/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL