Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Casamento, divórcio e infidelidade na Mesopotâmia

Artigos > Mesopotâmia  |  3,8 mil visualizações  |  2309 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Casamento, divórcio e infidelidade na Mesopotâmia

Figuras votivas do templo de Inanna, Nippur. Cerca de 2500 a.C. Museu do Iraque, Bagdá.

O Casamento

Atenção especial foi dada ao casamento. Bertman observa:

Os casamentos eram negócios sérios na Babilônia, especialmente para aqueles que poderiam mudar de opinião. De acordo com o Código de Hamurabi, um pretendente que mudasse de idéia perderia todo o seu depósito (presente de noivado) e o preço da noiva. Se o sogro em perspectiva mudasse de idéia, ele teria de pagar ao pretendente desapontado o dobro do preço da noiva. Além disso, se um pretendente rival persuadisse o sogro a mudar de ideia, não só o sogro teria que pagar o dobro, como o rival não podia se casar com a filha. Essas penalidades legais agiam como um poderoso impedimento contra mudanças de ideia e um poderoso incentivo tanto para a tomada responsável de decisões quanto para um comportamento social ordenado (BERTNAN, 2003, p.276, tradução nossa).

Esses incentivos e penalidades eram particularmente importantes porque os jovens da Mesopotâmia, como jovens nos dias de hoje, nem sempre desejavam cumprir os desejos dos pais. Um rapaz ou uma mulher podiam muito bem amar alguém que não fosse a “melhor opção” que havia sido escolhida por seus pais.

Um poema com a deusa Inanna, conhecida por sua propensão ao “amor livre” e por fazer o que quisesse, e seu amante Dumuzi, ilustra os problemas que os pais tinham em orientar seus filhos, filhas em particular, na conduta apropriada (embora Inanna e Dumuzi fossem um casal muito popular na literatura religiosa e secular, é duvidoso que os jovens interpretassem o poema da mesma maneira que seus pais). O estudioso Jean Bottero descreve o trabalho, apontando como Inanna foi encorajada a se casar com o bem-sucedido fazendeiro deus Enkimdu, mas amava o deus pastor Dumuzi e assim o escolheu. Bottero escreve:

Ela saiu furtivamente de casa, como uma adolescente amorosa, para ir ao encontro de seu amado sob as estrelas, "que brilhava como ela", depois para se encantar sob suas carícias e de repente se maravilhar, vendo a noite avançar, como ela ia explicar sua ausência e atraso para a mãe: 'Deixe-me ir! Eu devo ir para casa! Me deixe ir, Dumuzi! Eu devo entrar! / Que mentira devo dizer à minha mãe? / Que mentira devo dizer à minha mãe Ningal? ”E Dumuzi sugere uma resposta: ela dirá que as companheiras dela a convenceram a ir com elas para ouvir música e dançar (BOTTERO, 1992, p.109, tradução nossa).

As penalidades e incentivos, então, deveriam manter um jovem casal no caminho desejado para o casamento e impedi-los de se envolver em romances sob as estrelas. Quando o casal estava devidamente casado, esperava-se que eles produzissem filhos rapidamente.

O sexo era considerado apenas mais um aspecto da vida e não havia nenhum dos constrangimentos, timidez ou tabus dos dias modernos envolvidos na vida sexual dos mesopotâmios. Bottero afirma que “o amor homossexual podia ser desfrutado” sem medo do estigma social e os textos mencionam os homens “preferindo assumir o papel feminino” no sexo.

Além disso, ele escreve: “Várias posições incomuns poderiam ser adotadas: 'em pé'; `em uma cadeira '; "do outro lado da cama ou do parceiro"; tomá-la por trás 'ou até' sodomizá-la 'e a sodomia, definida como sexo anal, era uma forma comum de contracepção (BOTTERO, 1992, p.101, tradução nossa). Além disso,

poderia acontecer que um cenário excêntrico fosse escolhido ... em vez de ficar no seu lugar favorito, o quarto. Você pode pensar em "fazer amor no terraço da casa"; ou 'no limiar da porta'; ou 'bem no meio de um campo ou pomar' ou 'em algum lugar deserto'; ou 'na estrada'; ou mesmo 'no meio da rua', seja com qualquer mulher que você tenha 'cruzado' ou com uma prostituta (BOTTERO, 1992, p.100, tradução nossa).

Bottero observa ainda que, “Fazer amor era uma atividade natural, enobrecidA culturalmente como a comida era elevada pela culinária. Por que diabos alguém deveria se sentir humilhado ou diminuído, ou culpado aos olhos dos deuses, praticando-o da maneira que lhe agrada, desde que nenhum terceiro seja prejudicado ou que nenhuma das proibições sociais que controlavam a vida diária estejam sendo infringindas? ”(BOTTERO, p.97).

Isso não quer dizer que os mesopotâmios nunca tivessem casos ou nunca tivessem sido infiéis com seus cônjuges. Há muita evidência textual que mostra que eles o fizeram. No entanto, como Bottero observa, “quando descobertos, esses crimes foram severamente punidos pelos juízes, incluindo o uso da pena de morte: os dos homens na medida em que fizeram causaram danos a terceiros; as das mulheres porque, mesmo quando secretas, poderiam prejudicar a coesão da família ”(BOTTERO, p.93). Bottero continua:

Na Mesopotâmia, os impulsos e capacidades amorosas eram tradicionalmente canalizados por restrições coletivas com o objetivo de garantir a segurança do que era considerado o próprio núcleo do corpo social - a família - e, assim, prover sua continuidade. A vocação fundamental de todo homem e mulher, seu "destino", como eles diziam, referindo-se a um desejo radical por parte dos deuses, era portanto casamento. E como está escrito em um texto antigo, o jovem que ficou solitário ... não tendo tido esposa nem criado filhos, nem a jovem que não foi deflorada ou engravidada, e de quem nenhum marido desfez o fecho de sua vestimenta e pôs de lado seu manto, para abraçá-la e fazê-la ter prazer, até que seus seios inchem com leite e ela se torne mãe, eram considerados marginais, fadados a definhar em uma existência infeliz (BOTTERO, 1992, p.92, tradução nossa).

Procriação como objetivo do casamento

As crianças eram uma consequência natural e muito desejada do casamento. A falta de filhos era considerada uma grande desgraça e um homem poderia ter uma segunda esposa se a noiva se mostrasse infértil. Bottero escreve: “Uma vez estabelecida em seu novo status, toda a jurisprudência nos mostra a esposa inteiramente sob a autoridade de seu marido, e as restrições sociais - dando ao marido rédea livre - não eram gentis com ela.

Em primeiro lugar, embora a monogamia fosse comum, todo homem - de acordo com seus caprichos, necessidades e recursos - poderia adicionar uma ou mais "segundas esposas", ou melhor, concubinas, à primeira esposa "(BOTTERO, p.115). A primeira esposa era freqüentemente consultada na escolha das segundas esposas, e era sua responsabilidade garantir que elas cumprissem os deveres para os quais haviam sido escolhidas. Se uma concubina tivesse sido acrescentada à casa porque a primeira esposa não poderia ter filhos, os filhos da concubina se tornariam filhos da primeira esposa e seriam capazes de herdar e manter o nome da família.

Como o principal objetivo do casamento, no que dizia respeito à sociedade, era produzir filhos, um homem poderia acrescentar tantas concubinas à sua casa quanto pudesse pagar. A continuação da linhagem familiar era mais importante e, por isso, as concubinas eram bastante comuns nos casos em que a esposa estava doente, em geral com problemas de saúde ou inférteis.

Um homem não podia se divorciar de sua esposa por causa de seu estado de saúde; ele continuaria a honrá-la como a primeira esposa até que ela morresse. Sob essas circunstâncias, a concubina se tornaria a primeira esposa após a morte da esposa e, se houvesse outras mulheres na casa, elas subiriam uma posição na hierarquia da casa.

Divórcio e Infidelidade

O divórcio carregava um sério estigma social e não era comum. A maioria das pessoas se casava por toda a vida, mesmo que esse casamento não fosse feliz. Inscrições registram mulheres fugindo de seus maridos para dormir com outros homens. Se pegos em flagrante, a mulher poderia ser jogada no rio para se afogar, junto com seu amante, ou poderia ser empalada; ambas as partes tinham que ser poupadas ou executadas. O Código de Hammurabi afirma: "Se, no entanto, o dono da esposa quiser mantê-la viva, o rei também perdoará o amante da mulher".

O divórcio era comumente iniciado pelo marido, mas as esposas tinham permissão para se divorciar de seus companheiros se houvesse evidência de abuso ou negligência. Um marido poderia se divorciar de sua esposa se ela se mostrasse infértil, mas, como ele teria de devolver o dote, era mais provável que ele acrescentasse uma concubina à família.

Parece não ter ocorrido às pessoas da época que o homem pudesse ser culpado por um casamento sem filhos; a culpa sempre era atribuída à mulher. Um marido também podia se divorciar de sua esposa por motivo de adultério ou negligência da casa, mas, novamente, teria que devolver sua propriedade e também sofrer o estigma do divórcio. Ambas as partes parecem ter escolhido comumente tirar o melhor proveito da situação, mesmo que não fosse a ideal. Bottero escreve:

Quanto à mulher casada, contanto que ela tivesse um pouco de coragem e soubesse como usar seus encantos, empregando toda a sua astúcia, ela não era menos capaz de fazer com que seu marido se conformasse. Um oráculo divinatório menciona uma mulher grávida de uma terceira pessoa que incessantemente implora a deusa do amor, Ishtar, repetindo: "Por favor, deixe a criança parecer com meu marido!" [E] somos informados de mulheres que deixaram sua casa e marido para traí-lo não apenas uma vez, mas duas, três ... até oito vezes, alguns retornando depois, desanimadas ou nunca mais voltando (BOTTERO, p.120).

As mulheres que abandonavam suas famílias eram incomuns, mas aconteciam o suficiente para terem sido escritas. Uma mulher viajando sozinha para outra região ou cidade para começar uma nova vida, a menos que fosse uma prostituta, era rara, mas isso ocorreu e parece ter sido uma opção tomada por mulheres que se viram em um casamento infeliz e que optaram por não sofrer a desgraça de um divórcio público.

Como o divórcio favorecia o homem, “se uma mulher expressasse o desejo de se divorciar, ela poderia ser expulsa da casa do marido sem um tostão e nua” (Nemet-Nejat, 140). O homem era o chefe da casa e a autoridade suprema, e uma mulher tinha que provar conclusivamente que o marido não havia conseguido cumprir a sua parte do contrato de casamento para obter o divórcio.

Mesmo assim, deve-se notar que a maioria dos mitos da antiga Mesopotâmia, especialmente os mitos mais populares (como A Descendência de Inanna, Inanna e a Árvore Huluppu, Ereshkigal e Nergal) retratam as mulheres de uma forma muito lisonjeira e, muitas vezes , como tendo uma vantagem sobre os homens. Embora os homens fossem reconhecidos como a autoridade tanto no governo quanto no lar, as mulheres poderiam possuir suas próprias terras e negócios, comprar e vender escravos e iniciar o processo de divórcio.

Bottero cita evidências (como os mitos mencionados acima e contratos comerciais) que mostram as mulheres na Suméria desfrutando de maiores liberdades do que as mulheres após a ascensão do Império Acadiano (cerca 2334 a.C). Após a influência de Acáde, ele escreve, "se as mulheres na Mesopotâmia antiga, embora consideradas em todos os níveis como inferiores aos homens e tratadas como tais, parecem ter desfrutado também de consideração, direitos e liberdades, é talvez um dos resultados dos vestígios da misteriosa e antiga cultura suméria" (BOTTERO, p.126).

Essa cultura permaneceu predominante o suficiente, ao longo da história da Mesopotâmia, para permitir a mulher a liberdade de escapar de uma vida infeliz e viajar para outra cidade ou região para começar uma nova.

Vivendo felizes para sempre

Através de todas as dificuldades e legalidades do casamento na Mesopotâmia, no entanto, como agora, havia muitos casais felizes que viveram juntos por toda a vida e desfrutaram de filhos e netos. Além dos poemas de amor mencionados acima, cartas, inscrições, pinturas e esculturas atestam o afeto genuíno entre casais, não importa como o casamento tenha sido arranjado.

As cartas entre Zimri-Lim, Rei de Mari e sua esposa Shiptu, são especialmente comoventes na medida em que é claro o quanto elas se importavam, confiavam e contavam uns com os outros. Nemet-Nejat escreve: “Casamentos felizes floresceram nos tempos antigos; um provérbio sumério menciona um marido gabando-se de que sua esposa lhe dera oito filhos e ainda estava pronta para fazer amor ” (p.132), e Bertman descreve uma estátua suméria de um casal sentado (veja foto abaixo), de 2700-2500 a.C, assim:

Um casal idoso sumério lado a lado fundido pela escultura em uma única peça de rocha de gesso; o braço direito dele envolve o ombro dela, a mão esquerda abraçando-a com ternura, os olhos grandes olhando diretamente para o futuro, os corações envelhecidos lembrando o passado (p.280).

Figuras votivas do templo de Inanna, Nippur. Cerca de 2500 a.C. Museu do Iraque, Bagdá.

Embora os costumes dos mesopotâmios possam parecer estranhos, ou mesmo cruéis, para uma mente ocidental moderna, as pessoas do mundo antigo não eram diferentes das que vivem hoje. Muitos casamentos modernos, iniciados com grande promessa, terminam mal, enquanto muitos outros, que inicialmente enfrentam dificuldades, perduram por toda a vida. As práticas que iniciam tais uniões não são tão importantes quanto o que os indivíduos envolvidos fazem de seu tempo juntos e, na Mesopotâmia como no presente, o casamento apresentou muitos desafios,  os quais um casal superou ou sucumbiu.

Tradução de texto escrito por Joshua J. Mark
Maio de 2014

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Mesopotâmia

O Código de Hamurabi - Pena de morte, punições físicas e ordálio

A redescoberta da Assíria

Vida cotidiana na Mesopotâmia - Parte 2

Fontes bibiliográficas:

Bertman, S. Handbook to Life in Ancient Mesopotamia. Oxford University Press, 2003.
Bottéro, J. Everyday Life in Ancient Mesopotamia. Johns Hopkins University Press, 1992.
Nemet-Nejat, K.R. Daily Life in Ancient Mesopotamia. Greenwood Press, CT, 1998.

Artigo publicado em 18/11/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL