Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Uma introdução à Mitologia Egípcia

Artigos > Egito Antigo  |  3,1 mil visualizações  |  2571 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Uma introdução à Mitologia Egípcia

O deus Osíris. Ilustração moderna.

A Mitologia egípcia era a estrutura de crenças e formas subjacente da cultura egípcia antiga de pelo menos cerca de 4000 a.C (como evidenciado por práticas funerárias e pinturas de tumbas) até 30 d.C com a morte de Cleópatra VII, a última dos governantes ptolemaicos do Egito. Todos os aspectos da vida no antigo Egito eram informados pelas histórias que relacionavam a criação do mundo e a sustentação desse mundo pelos deuses.

As crenças religiosas egípcias influenciaram outras culturas através da transmissão via comércio, e se tornaram especialmente difundidas após a abertura da Rota da Seda em 130 a.C, já que a cidade portuária egípcia de Alexandria era um importante centro comercial.

O significado da mitologia egípcia para outras culturas, foi o desenvolvimento do conceito de uma vida eterna após a morte, divindades benevolentes e a reencarnação. Tanto Pitágoras quanto Platão da Grécia teriam sido influenciados pelas crenças egípcias na reencarnação, e a cultura religiosa romana emprestou muitas ideias do Egito, assim como de outras civilizações.

O Templo de Luxor em seu auge, Ilustração moderna de Millmore.

A existência humana era entendida pelos egípcios como apenas um pequeno segmento de uma jornada eterna, presidida e orquestrada por forças sobrenaturais nas formas das muitas divindades que compunham o panteão egípcio. Segundo o historiador Bunson:

Heh, chamado Huh em algumas épocas, foi um dos deuses originais do Ogdoad (as oito divindades adoradas durante o Reino Antigo, 2575-2134 a.C) em Hermópolis e representava a eternidade - a meta e o destino de toda a vida humana nas crenças religiosas egípcias, um estágio da existência em que os mortais poderiam atingir a felicidade eterna (p.86).

A vida terrena não era, no entanto, simplesmente um prólogo para algo maior, mas fazia parte de toda a jornada. O conceito egípcio de vida após a morte era um mundo-espelho da vida na Terra (especificamente, a vida no Egito) e era necessário viver bem essa vida, se se quisesse aproveitar o resto da jornada eterna.

A criação do mundo

Para os egípcios, a jornada começou com a criação do mundo e do universo a partir das trevas e do caos rodopiante. Uma vez não havia nada além de infinitas águas escuras sem forma ou propósito. Existindo dentro desse vazio estava Heka (deus da magia) que aguardava o momento da criação. Desse silêncio aguado ("Nu") surgiu o morro primordial, conhecido como Ben-Ben, sobre o qual ficava o grande deus Atum (ou, em algumas versões do mito, Ptah).

Atum olhou para o nada e reconheceu sua solidão e assim, através da ação da magia, ele acasalou com sua própria sombra para dar à luz dois filhos, Shu (deus do ar, que Atum cuspiu) e Tefnut (deusa da umidade, a quem Atum vomitou). Shu deu ao mundo primitivo os princípios da vida enquanto Tefnut contribuía com os princípios da ordem.

Deixando seus pais no Ben-Ben, eles partiram para estabelecer o mundo. Com o tempo, Atum ficou preocupado porque seus filhos se foram por tanto tempo e então tirou os olhos e os enviou em busca deles. Enquanto seus olhos se foram, Atum sentou-se sozinho na colina no meio do caos e contemplou a eternidade.

Shu e Tefnut retornaram com o olho de Atum (mais tarde associado com o olho de Udjat, o Olho de Rá ou o Olho Que Tudo Vê) e seu pai, grato por seu retorno seguro, derramou lágrimas de alegria. Essas lágrimas, caindo na terra escura e fértil do Ben-Ben, deram origem aos homens e mulheres.

Olho de Hórus encontrado na tumba do faraó Tutancâmon. Museu do Cairo.

Essas criaturas primitivas não tinham onde morar, e Shu e Tefnut acasalaram e deram à luz Geb (a terra) e Nut (o céu). Geb e Nut, embora irmão e irmã, apaixonaram-se profundamente e eram inseparáveis. Atum achou seu comportamento inaceitável e empurrou Nut para longe de Geb, bem alto no céu.

O deus Osíris. Estátua do período tardio, século 7-6 a.C. Museu de Belas Artes de Boston. N° 29.1131

Os dois amantes eram sempre capazes de ver um ao outro, mas não podiam mais se tocar. No entanto, Nut já estava grávida de Geb e, finalmente, deu à luz Osíris, Ísis, Set, Néftis e Hórus - os cinco deuses egípcios mais frequentemente reconhecidos como os primeiros ou, pelo menos, as mais familiares e mais antigas representações de figuras de deuses. Osíris mostrou-se um deus pensativo e judicioso e recebeu o domínio do mundo das mãos de Atum, que então partiu para cuidar de seus próprios assuntos.

Osíris e Set

Osíris administrava o mundo eficientemente, co-governando com Ísis, sua irmã e esposa, e decidiu onde as árvores cresceriam melhor e onde a água fluiria mais docemente. Ele criou a terra do Egito em perfeição com o rio Nilo, suprindo as necessidades do povo.

Representações de Osíris, Ísis e Néftis. Via Wikimedia Commons.

Em todas as coisas, ele agiu de acordo com o princípio de Ma'at (harmonia) e honrou seu pai e irmãos, mantendo todas as coisas em equilíbrio harmonioso.

Seu irmão Set, no entanto,  ficou com inveja da criação e também do poder e glória de Osíris. Ele tirou as medidas exatas de seu irmão em segredo e, em seguida, ordenou a construção de um elaborado baú, criado precisamente para essas especificações. Quando o baú ficou pronto, Set promoveu um grande banquete para o qual convidou Osíris e setenta e dois outros.

No final da festa, ele ofereceu o grande baú como um presente àquele que melhor coubesse dentro dele. Osíris, é claro, se encaixava perfeitamente e, assim que ele entrou no caixão, Set bateu a tampa com força e o jogou no rio Nilo. Ele então disse a todos que Osíris estava morto e assumiu o domínio do mundo.

Set, Osíris e o caixão. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Ísis recusou-se a acreditar que seu marido estava morto e foi procurá-lo, finalmente encontrando o caixão dentro de uma árvore em Biblos. As pessoas da terra estavam contentes em ajudá-la a recuperar o caixão da árvore e, por isso, Ísis os abençoou (como eles se tornaram os principais importadores de papiro do Egito, acredita-se que esse detalhe foi acrescentado por um escriba posteriormente como uma homenagem a cidade). Ela trouxe o corpo de volta ao Egito e começou a reunir as ervas e preparar as poções que devolveriam à vida a Osíris; deixando sua irmã Néftis para guardar o lugar onde ela havia escondido o corpo.

Durante esse tempo, Set começou a se preocupar que Ísis pudesse localizar o corpo de Osíris e encontrar uma maneira de trazê-lo de volta à vida, já que ela era muito poderosa e conhecedora desses assuntos. Ao encontrar Néftis, ele lhe perguntou onde ela estava e, quando a deusa respondeu, ele soube que ela estava mentindo.

Ele conseguiu chegar ao local onde o corpo de Osíris estava escondido e, ao chegar lá, abriu o caixão e cortou o corpo em quarenta e dois pedaços (embora algumas fontes afirmem apenas quatorze). Ele então arremessou os fragmentos de Osíris por toda as terras do Egito, de modo que Ísis nunca seria capaz de encontrá-los e, depois disso, retornou ao seu palácio para governar.

Set espalha os pedaços de Osíris pelo Nilo. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Quando Ísis retornou e encontrou o caixão destruído e o corpo desaparecido, ela caiu de joelhos em desespero e chorou. Néftis, sentindo-se culpada por ter traído seu segredo, contou a Ísis o que havia acontecido e se ofereceu para ajudá-la a encontrar as partes de Osíris. As duas irmãs começaram então a procurar a terra pelas partes de Osiris. Onde quer que encontrassem uma parte do corpo, elas o enterravam no local e construíam um santuário para protegê-lo de Set. Deste modo, as quarenta e duas províncias do Egito foram estabelecidas pelas duas deusas.

Elas finalmente reuniram todo o corpo, exceto o pênis, que havia sido comido por um peixe. Ísis então criou um substituição para o falo e acasalou com o marido, ficando grávida de seu filho Hórus. Osíris foi trazido de volta à vida com sucesso por Ísis, mas, por estar incompleto, não podia governar o mundo como antes. Em vez disso, ele desceu ao submundo para se tornar o justo juiz e governante da terra dos mortos.

A famosa Cama de Osíris (Bed of Osiris) no Museu do Cairo. Ísis se senta sobre o pênis de Osíris em forma de pássaro. Dessa união nasce Hórus.

Hórus (às vezes conhecido como Hórus, o Jovem, para diferenciar de Hórus, o irmão de Osíris) foi criado em segredo para protegê-lo de Set e, tendo crescido à idade adulta, desafiou seu tio pelo governo do antigo reino de seu pai. A batalha durou oitenta anos, até Horus derrotar Set e bani-lo do Egito para que vivesse nos desertos áridos (embora existam muitas variantes desta história e, em algumas, Hórus e Set concordaram em dividir o reino e, em outros, Set é destruído). Hórus então governou tendo sua mãe Ísis e tia Néftis como suas conselheiras, e a harmonia foi restaurada novamente à terra.

A importância do Ma'at

Embora existam muitas versões diferentes desse mito, o único elemento que permanece padrão em todas elas é o conceito de harmonia que é interrompido e deve ser restaurado. O princípio do Ma'at estava no coração de toda a mitologia egípcia;  e todo mito, de uma forma ou de outra, depende desse valor. O historiador Jill Kamil escreve:

“Contar histórias desempenhou um papel importante na vida dos antigos egípcios. As ações dos deuses e reis não foram escritas nos primeiros tempos e só encontraram o caminho para a literatura através da tradição oral. ”(Nardo, p.52).

É interessante notar que, independentemente da época em que os contos foram compostos, o princípio do equilíbrio harmonioso, do ma'at, está no centro de todos eles.

A repulsa de Apep [Apófis], a criatura maligna que se escondia no horizonte, era uma história popular. Todas as tardes, ao pôr do sol, ela tentava impedir a passagem do sol poente através do submundo. Se o céu estava claro, indicava uma passagem fácil; um pôr do sol vermelho-sangue mostrava uma batalha desesperada entre as forças do bem e do mal; mas o sol era o vencedor e sempre havia um novo amanhecer. [Os egípcios] contaram histórias de como a vegetação que morreu com a colheita renasceu quando o grão brotou, assim como o deus-sol "morreu" todas as noites e renasceu na manhã seguinte (Nardo, p.53-54).

Tudo no universo foi pensado para ser mantido em um equilíbrio constante, sem um término e, como os seres humanos eram uma parte desse universo, eles também participavam deste equilíbrio eterno. O Ma'at era possível graças à força subjacente que existia antes da criação e possibilitou todos os aspectos da vida: heka. Heka era o poder mágico que permitia aos deuses realizar seus deveres e sustentava toda a vida e era personificado no deus Heka, que também permitia que a alma passasse da existência terrena para a vida após a morte.

Apófis, a serpente das trevas. Ilustração egípcia, origem desconhecida. Via Wikimedia Commons.

Quando a alma deixava o corpo quando morria, pensava-se que ela aparecesse no Salão da Verdade, para ficar diante de Osíris para seu julgamento. O coração do falecido era pesado em uma balança dourada, contra o peso da pena branca do Ma'at. Se o coração fosse mais leve do que a pena, a alma era autorizada a avançar para os Campo de Juncos, o lugar de purificação e felicidade eterna. Se o coração era mais pesado do que a pena, ele era jogado no chão, onde era comido pelo monstro Ammut (o glutão) e, assim, a alma deixaria de existir.

Livro dos Mortos de Nany. MET. N° 30.3.31

Embora existisse um conceito de submundo, não havia "inferno" como entendido pelas religiões monoteístas modernas. Como Bunson escreve: "Os egípcios temiam a escuridão e a inconsciência eternas na vida após a morte, porque ambas as condições desmentiam a transmissão ordenada de luz e movimento evidentes no universo" (p.86).

Existência, sendo uma parte da jornada universal que começou com Atum e Ben-Ben, era o estado natural de uma alma, e o pensamento de estar eternamente separado daquela jornada, da não-existência, era mais aterrorizante para um egípcio antigo do que qualquer submundo de tormento poderia ser. Mesmo em uma terra de sofrimento eterno, ainda era possível existir.

Campos de Juncos, local da vida eterna. Jogo Assassin's Creed® Origins.

O conceito de um submundo semelhante ao inferno cristão se desenvolveu no Egito, mas não era universalmente aceito. Bunson escreve: “A eternidade era o destino comum de cada homem, mulher e criança no Egito. Tal crença infundiu a visão do povo ... e deu-lhes uma certa exuberância pela vida, inigualável em qualquer lugar do mundo antigo ”(p.87).

A mitologia dos antigos egípcios refletia a alegria de viver, e inspirou os grandes templos e monumentos que hoje fazem parte do legado do Egito. A admiração duradoura pela mitologia egípcia, e a cultura por ela transmitida são um testemunho do poder da mensagem de afirmação da vida inerente a esses contos antigos.

Tradução de texto escrito por Joshua J. Mark
Janeiro de 2013

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Egito Antigo

Cães no Mundo Antigo Oriental

Casamento e divórcio no Antigo Egito

A Maldição da Múmia: A tumba de Tutancâmon e a Mídia Moderna - Parte 2

Fontes bibiliográficas:

Bunson, M. The Encyclopedia of Ancient Egypt. Gramercy Books, London, 1991.
Ikram, S. Death and Burial in Ancient Egypt. Longman, 2003.
Nardo, D. Living in Ancient Egypt. Thompson/Gale, 2004.
Pinch, G. Egyptian Mythology: A Guide to the gods, Goddesses, and Traditions of Ancient Egypt. Oxford University Press, 2004.
Wallis Budge, E.A. Egyptian Religion. Cosimo Classics, 2005.
Wilkinson, R. The Complete Gods and Goddesses of Ancient Egypt. Thames & Hudson, 2003

Artigo publicado em 02/02/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL