Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Morte, sepultamento e vida após a morte na Grécia antiga

Artigos > Grécia Antiga  |  6,3 mil visualizações  |  847 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Morte, sepultamento e vida após a morte na Grécia antiga

Placa funerária com figuras negras em terracota. Final do período Arcaico. 520-510 a.C. MET. N° 54.11.5

A antiga concepção grega da vida após a morte e as cerimônias associadas ao enterro já estavam bem estabelecidas no século 6 a.C. Na Odisséia, Homero descreve o submundo, no fundo da terra, onde Hades, o irmão de Zeus e de Poseidon, e sua esposa, Perséfone, reinavam sobre incontáveis ​​multidões de figuras sombrias - as “sombras” de todos aqueles que haviam morrido. Não era um lugar feliz. De fato, o fantasma do grande herói Aquiles disse a Odisseu que preferiria ser um pobre servo na terra do que o senhor de todos os mortos do Submundo.

Os gregos acreditavam que, no momento da morte, a psique, ou espírito dos mortos, deixava o corpo como um pequeno fôlego ou sopro de vento. O falecido era então preparado para o enterro de acordo com os rituais consagrados pelo tempo. Fontes literárias antigas enfatizam a necessidade de um enterro apropriado e referem-se à omissão de ritos funerários como um insulto à dignidade humana.

Rituais funerários

Parentes do falecido, principalmente mulheres, conduziam os elaborados rituais funerários que tinham normalmente três partes: a prothesis (postura do corpo), a ekphora (procissão fúnebre) e o enterro do corpo ou dos restos cremados do falecido.

Depois de ser lavado e ungido com óleo, o corpo era vestido e colocado em uma cama alta dentro da casa. Durante a prothesis, parentes e amigos vinham lamentar e prestar seus respeitos. A lamentação dos mortos é retratada na arte grega pelo menos desde o período Geométrico, quando os vasos eram decorados com cenas que retratavam os mortos cercados por enlutados.

Vaso de argila do período Geométrico com cena principal mostrando um funeral. Cerca de 750-735 a.C. Ática. 108 cm de altura. MET. N° 14.130.14

Após a prothesis, o falecido era levado ao cemitério em uma procissão, a ekphora, que geralmente acontecia pouco antes do amanhecer. Pouquíssimos objetos eram colocados no túmulo, mas montes monumentais de terra, túmulos retangulares construídos e estelai e estátuas de mármore elaboradas foram muitas vezes erguidas para marcar a sepultura e garantir que o falecido não fosse esquecido.

A imortalidade estava na lembrança contínua dos mortos pelos vivos. De representações em lekythoi de chão branco, sabemos que as mulheres da Atenas Clássica faziam visitas regulares ao túmulo com oferendas que incluíam pequenos bolos e libações.

Vaso lekythos funerário mostrando uma estela funerária cercada por enlutados. Vaso do período Clássico, cerca de 440 a.C. produzido na Ática. 37 cm de altura. MET. N° 1989.281.72

Monumentos funerários

Os monumentos funerários mais luxuosos foram erguidos no século 6 a.C. por famílias aristocráticas da Ática em cemitérios privados ao longo da estrada, na propriedade da família ou perto de Atenas. Esculturas em relevo, estátuas, estelas coroadas por capitéis e florões marcaram muitas dessas sepulturas.

Estela funerária de mármore dedicada a um filho morto. Ática, cerca de 530 a.C. 4 metros de altura. MET. N° 11.185a–c, f, g

Cada monumento funerário tinha uma base inscrita com um epitáfio, muitas vezes em verso que relembrava o morto. Um relevo representando uma imagem generalizada do falecido algumas vezes evocava aspectos da vida da pessoa, com a adição de um servo, posses, cachorro, etc.

Nos primeiros relevos, é fácil identificar a pessoa morta; entretanto, durante o quarto século a.C., mais e mais membros da família foram acrescentados às cenas, e muitas vezes vários nomes foram inscritos, dificultando a distinção entre o falecido e os enlutados. Como todas as esculturas de mármore antigas, as estátuas funerárias e as estelas funerárias foram brilhantemente pintadas, e extensos restos de pigmento vermelho, preto, azul e verde ainda podem ser vistos.

Laje funerária do período helenístico. 42 cm de altura. MET. N° 4.17.4

Muitos dos mais belos monumentos áticos situavam-se num cemitério localizado na periferia de Kerameikos, uma área no extremo noroeste de Atenas, nos arredores da antiga muralha da cidade. O cemitério esteve em uso por séculos - os monumentais kraters geométricos marcaram os túmulos do século 8 a.C., e as escavações também descobriram uma disposição clara dos túmulos do período clássico.

No final do quinto século a.C., famílias atenienses começaram a enterrar seus mortos em simples sarcófagos de pedra colocados no chão em recintos de sepulturas dispostos em terraços construídos pelo homem, sustentados por uma alta parede de contenção que dava para a estrada do cemitério. Monumentos de mármore pertencentes a vários membros de uma família eram colocados ao longo da borda do terraço, em vez de sobre as próprias sepulturas.

Estela funerária de mármore com grupo familiar. Ática, cerca de 360 a.C. 1,7 metros de altura. MET. N° 11.100.2

Tradução de texto escrito por Departamento de Arte Greco-Romana do MET
Outubro de 2013

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Grécia Antiga

A trágica história de Aristodemo de Esparta, um sobrevivente das Termópilas

Intelectuais e apoio ao conhecimento na Era Helenística

Introdução à arquitetura na Grécia Antiga

Fontes bibiliográficas:

Garland, Robert. The Greek Way of Death. Ithaca, N.Y.: Cornell University Press, 1985.
Grant, Michael, and John Hazel. Who's Who in Classical Mythology. London: Dent, 1993.
Hornblower, Simon, and Antony Spawforth, eds. The Oxford Classical Dictionary. 3d ed., rev. New York: Oxford University Press, 2003.
Howatson, M. C., ed. The Oxford Companion to Classical Literature. 2d ed. New York: Oxford University Press, 1989.
Pedley, John Griffiths. Greek Art and Archaeology. 2d ed. New York: Harry N. Abrams, 1998.
Pomeroy, Sarah B., et al. Ancient Greece: A Political, Social, and Cultural History. New York: Oxford University Press, 1999.
Robertson, Martin. A History of Greek Art. 2 vols. Cambridge: Cambridge University Press, 1975.

Artigo publicado em 03/04/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL