Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Arthur Evans e a descoberta da civilização Minóica

Artigos > Grécia Antiga  |  2,2 mil visualizações  |  1452 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Arthur Evans e a descoberta da civilização Minóica

Parte da pintura de Sir William Blake Richmond retratando Arthur Evans nas ruínas de Cnossos, Creta.
Obra pintada em 1907. Atualmente no Museu Ashmolean, em Oxford.

A existência de uma civilização antiga na ilha de Creta não era completamente desconhecida no século 19, ela já havia sido referenciada em obras antigas de Homero, Tucídides e Heródoto, e nas lendas gregas de Teseu e do Minotauro, e de Dédalo e Ícaro. E objetos como selos de pedra e tabletes de argila com estranhas inscrições eram constantemente encontrados por camponeses locais.

Mas no final do século 19, quando a arqueologia dava os seus primeiros passos, nenhuma escavação profissional ainda havia sido realizada na ilha.

Heinrich Schliemann, o descobridor das ruínas de Tróia, Micenas e Tirinto.

Schliemann, o arqueólogo alemão que havia descoberta as ruínas de Tróia, Micenas e Tirinto alguns anos antes, decidiu ir até a ilha para descobrir mais uma grande civilização, conforme nos conta Will Durant:

(ele) anunciou sua convicção de que aquele local cobria as relíquias da antiga Cnosso, e encetou negociações com o proprietário da terra de modo a começar as escavações. Porém o proprietário regateou e tentou trapacear; e Schliemann, que fora negociante antes de virar arqueólogo, retirou-se, encolerizado por ter perdido a maravilhosa chance de acrescentar à história mais uma civilização. E pouco depois morreu. (DURANT, p.5)

Então, entra Arthur Evans...

Arthur Evans foi um arqueólogo inglês nascido em 1851. Seu pai e avô eram ligados a pesquisa científica e à estudos antropológicos e arqueológicos, e ele logo se interessou pela área, se tornando um colecionador de antiguidades.

Evans era fascinado pela História e se especializou em moedas e jóias romanas e gregas. Ele também tinha interesse em idiomas, sendo fluente em francês, italiano e alemão. Entre 1884 e 1908, ele foi o Guardião do Ashmolean em Oxford, realizando um grande trabalho de reorganização do museu.

O Museu Ashmoelan de Arte e Arqueologia de Oxford.

No final do século 19, parte de seus estudos eram voltados para a questão da extensão e do caráter da influência das antigas culturas orientais nas primeiras civilizações da Europa. No outono de 1893, Evans anunciou à Sociedade Helênica sua crença de que tinha uma pista para a existência de um sistema de escrita pictográficas em terras gregas.

Em 1894, aos 43 anos, ele visitou Creta pela primeira vez, e encontrou com os camponeses da região muitos selos com escritas pictógraficas, além de uma escrita linear presente em pedras, vasos e figuras de argila e bronze.

A partir de então a cultura cretense passou a ser o seu principal foco de interesse, e o museu Ashmoleam, onde ele trabalhava, passou a contar com um tesouro de objetos cretenses incomparável fora da ilha.

Nessa época, Evans já adquirira terras em Heraclião, onde trincheiras superficiais haviam descoberto uma parede maciça e cacos de cerâmica que lembravam aqueles encontrados nas tumbas circulares de Micenas. Visitas a ilha se repetiram em 1895 e 1896.

Esta compra deu a Evans a capacidade de vetar escavações de qualquer outra pessoa; e então se tornou fácil adquirir as demais propriedade, e solicitar uma licença de escavação como proprietário de terras de Creta. Um Fundo de Exploração Cretense foi organizado e as escavações começaram em 23 de março de 1900.

As escavações

Os resultados da primeira temporada superaram todas as expectativas. Um grande palácio foi descoberto, além de diversos achados como afrescos, estátuas de cabeças de touros e deusas e um grande número de tabletes de argila com uma escrita linear. E isso foi só o começo.

A figura de Arthur Evans se destaca usando um terno branco em meio as escavações em Cnossos.Fotografia de 1901 mostrando uma série salas de armazenamento com gigantescos vasos de cerâmica. Cada um dos vasos podia suportar mais de 132 litros, eram usados para armazenar azeite de oliva, vinho ou grãos.A Sala do Trono durante as escavações em 1900.


Nos oito anos seguintes o trabalho continuou e novos escavações foram abertas ao redor do palácio e em cemitérios próximos. Ao mesmo tempo, outras escavações eram levadas a cabo em outros sítios da ilha de Creta, tais como Psicro, Presos, Palaicastro, Zacro, Faestos, Hagia Tríada, Mália e outros.

O reconhecimento pelas escavações foi imediato. Arthur Evans recebeu muitos títulos honorários, e uma renda considerável foi adicionada ao fundo da escavação. O que era muito necessário agora que as escavações se espalhavam por uma área gigantesca, e tinham mais de 7 metros de profundidade, chegando ao subtrato neolítico.

Mas com o tempo o interesse popular diminuiu, como era inevitável, e o ônus financeiro caiu pesadamente sobre o escavador.  Evans se usou de heranças pessoais para continuar as escavações.

Contribuições e publicações de Arthur Evans

Devido a falta de pessoal especializado, Evans se responsabilizou por boa parte da interpretação dos achados e foi fazendo publicações em jornais acadêmicos e no The Times, narrando os avanços das escavações.

O aspecto linguístico precisou de um tratamento especial e, em 1909, Arthur Evans (agora com 58 anos) lançou "Scripta Minoa", descrevendo os símbolos pictográficos que primeiro haviam chamado sua atenção.

Uma edição da obra Script Minoa de 1909. O subtítulo do livro é Os documentos escritos da Creta Minóica com referências especiais aos arquivos de Cnossos.

Em 1921 ele publicou o primeiro volume de uma série chamada The Palace of Minos (O Palácio de Minos). Essa obra foi terminada em 1936 (quando Evans tinha 85 anos). A dificuldade de tal composição era excepcional, pois novas descobertas estavam sendo feitas ao longo dos quarenta e dois anos desde que Evans desembarcou em Creta, e houve muitos rearranjos e ilustrações adicionais. Confira abaixo algumas fotos da edição inglesa lançada na época:


"Você não faz a menor ideia", ele disse categoricamente no volume I, "como é editar uma quarta edição antes que a primeira seja lançada". Para facilitar as pesquisas uma versão condensada foi publicada em 1933 por  J. D. S. Pendlebury.

A Handbook to the Palace of Minos Knossos, de J. D. S. Pendlebury. A versão condensada da obra de Evans.

Reconhecimento ao trabalho de Arthur Evans

Em 1922, com Evans já com 71 anos, começaram negociações para a transferência da sua propriedade em Creta para a Escola Britânica de Arqueologia em Atenas. Quando a negociação foi concluída, Arthur Evans foi aclamado publicamente como cidadão honorário de Heraclião, coroado de louros, e um busto seu em bronze foi apresentado e colocado na cidade, próximo ao palácio de Cnossos.

O busto de Arthur Evans em Heraclião.

Arthur Evans é até hoje conhecido como um grande arqueólogo e seu gigantesco trabalho de escavação, catalogação e publicação das descobertas de Creta é admirável. Mas muitas críticas são feitas a ele, porque muitos erros foram cometidos durante as escavações e algumas decisões, como a de reconstruir parte do palácio de Cnossos é vista até hoje como muito controversa. Falaremos mais sobre isso em outro artigo.

Creta no Museu de Ashmolean de Oxford

O Museu Ashmolean, onde Arthur Evans trabalhou durante mais de duas décadas (1884-1908), tem hoje uma das maiores coleções de objetos da Creta Minóica fora da Grécia, são mais de 10 mil itens. Arthur Evans é o grande responsável pela construção da coleção, e muitos objetos de propriedade dele foram legados para o museu após a sua morte.

Abaixo você pode conferir algumas fotos da exposição do museu com os objetos recuperados por Arthur Evans. A exposição conta com um setor que homenageia o arqueólogo, com uma grande pintura dele feita por Sir William Blake Richmond em 1907.

Vaso de Cnossos. 1450–1400 a.C. 74,5 cm de altura. N° AN1911.608


Os demais objetos encontrados em escavações em Creta estão espalhados pelos diversos museus da ilha, principalmente no Museu de Heraclião, próximo a Cnossos.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Grécia Antiga

A Oliveira e o óleo no antigo Mediterrâneo

Teseu, a história do Herói de Atenas

Deuses e práticas religiosas gregas

Fontes bibiliográficas:

Art History Resources. Arthur Evans and the Palace of Minos. Acesso em 08 de maio de 2019.
Ashmolean Museum. Aegean World. Acesso em 08 de maio de 2019.
Ashmolean Museum. The Sir Arthur Evans Archive. Acesso em 08 de maio de 2019.
DURANT, Will. Nossa Herança Clássica. Rio de Janeiro: Record, 1995.
GIORDANI, Mario Curtis. História da Grécia. Petrópolis: Vozes, 2008.
The Royal Society. Arthur Evans Obituary. Acesso em 08 de maio de 2019.

Artigo publicado em 09/05/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Escrito por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL