Os sarcófagos romanos do Baixo Império

Artigos > Roma Antiga  |  111 visualizações  |  1329 palavras

Capa do artigo: Os sarcófagos romanos do Baixo Império

Sarcófago romano mostrando batalha entre soldados e amazonas. Século 2 d.C. Museu de Belas Artes de Houston.

Tradução feita a partir de artigo publicado no site do MET, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Heather T. Awan, do departamento de arte greco romana do museu, e publicado em abril de 2007. O texto não possui bibliografia, mas a autora adicionou uma lista de leituras recomendadas. Essa lista foi colocada abaixo nas referências biliográficas. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo, além de subtítulos.

Um sarcófago (que significa "comedor de carne" em grego) eram caixões para sepultamentos por inumação, amplamente usados em todo o império romano a partir do século 2 d.C. Os mais luxuosos eram de mármore, mas também eram feitos de outras pedras, chumbo e madeira.

Antes do século 2, o enterro em sarcófagos não era uma prática romana comum; durante o período republicano (509-27 a.C.) e nos primeiros períodos imperiais, os romanos praticavam a cremação e colocavam ossos e cinzas remanescentes em urnas ou ossários.

Urna funerário romana em mármore do século 2. Museu Britânico. N° 1805,0703.173

Os sarcófagos já eram usados ​​há séculos pelos etruscos e gregos; quando os romanos o adotaram como sua principal prática funerária, ambas as culturas tiveram um impacto no desenvolvimento dos sarcófagos romanos. A tendência se espalhou por todo o império, criando uma grande demanda por sarcófagos durante os séculos 2 e 3 d.C.

Os principais tipos de sarcófagos romanos

Os três tipos regionais mais importantes, que dominaram o comércio foram o Metropolitano romano, o Ático e Asiático.

Roma era o principal centro de produção na parte ocidental do império, começando em 110-120 d.C. A forma mais comum para os sarcófagos romanos é uma caixa retangular baixa e uma tampa plana.

A tampa kline, com retratos esculturais de corpo inteiro do falecido reclinado como se estivesse em um banquete, foi inspirada nos monumentos funerários etruscos anteriores. Esse tipo de tampa ganhou popularidade no final do século 2 e foi produzido nos três centros de produção de sarcófagos de luxo.

Sarcófago ático com tampa kline de cerca de 180 d.C. encontrado na Grécia. Museu do Louvre. N° LP 2584

O lenos, um sarcófago em forma de banheira, semelhante a um cocho para pressionar uvas, foi outro desenvolvimento do final do século 2 e muitas vezes apresenta duas cabeça de leão na frente. A maioria dos sarcófagos romanos ocidentais eram colocados dentro da mausoléu contra uma parede ou em um nicho e, portanto, eram decorados apenas na frente e nos dois lados mais curtos.

Sarcófago romano lenos de 150 d.C. Observe as duas cabeças de leão na frente. Museu do Vaticano. Via Wikimedia Commons.

Decoração de sarcófagos

Um grande número de sarcófagos era esculpido com guirlandas de frutas e folhas, evocando as guirlandas reais frequentemente usadas para decorar túmulos e altares. Cenas narrativas da mitologia grega também eram populares, refletindo o gosto romano da classe alta pela cultura e literatura gregas.

Sarcófago feito com mármore da Docimia e exibindo padrões de guirlandas. Cerca de 150-180 d.C. The Walters Art Museum, Baltimore

Outros temas decorativos comuns incluem cenas de batalha e caça, casamentos e outros episódios biográficos da vida do falecido, bustos com retratos e desenhos abstratos, como estrígils. Sarcófagos mais simples e menos dispendiosos eram encomendados por libertos e outros romanos que não pertenciam a elite e, às vezes, apresentavam detalhes da profissão do falecido.

Sarcófago romano com desenhos abstratos de 220 a.C. O mármore é originário de Prokonessos, na Ásia Menor. MET. N° 2005.258

Sarcófagos gregos e asiáticos

O principal centro de produção de sarcófagos da Ática era Atenas. A pedreira próxima do Monte Pentelicos fornecia o mármore, e as oficinas produziam sarcófagos principalmente para exportação. Os sarcófagos da Ática são tipicamente de forma retangular, decorados nos quatro lados, com entalhes ornamentais elaborados ao longo da base e da borda superior. As tampas geralmente têm a forma de um telhado de duas abas.

Sarcófago ático de 150-170 d.C. Museu Arqueólogo Nacional de Atenas.

Os temas mitológicos eram a forma mais popular de decoração, especialmente as batalhas da Guerra de Tróia, Aquiles e as Amazonas, e refletem o estilo e as composições da arte clássica grega.

Na Ásia Menor, o uso de sarcófagos tem uma longa história em certas regiões. Durante o período imperial romano, o principal centro de produção de sarcófagos asiáticos era Docimia, na Frígia. As oficinas de Docimia se especializaram em sarcófagos de grande escala que exibiam formas arquitetônicas.

As colunatas se estendiam por todos os quatro lados, com figuras masculinas e femininas nas intercolunas e um motivo de porta de um lado. As tampas eram principalmente do tipo telhado de duas abas com acrotérios ornamentais. O estilo arquitetônico pode ter sido inspirado em monumentos funerários reais anteriores, como o Mausoléu de Halicarnasso do século 4 a.C. 

Essa imagem é uma reconstituição moderna da provável aparência do Mausoleu de Halicanarsso. Essa construção não existe mais, os únicos vestígios que possuímos são relatos de observadores da época e algumas estátuas que decoravam a construção.

Alguns estudiosos veem esse estilo de sarcófago como uma “casa” para o falecido, enquanto outros o consideram um “templo” para um falecido que se tornava um herói. Outras cidades da Ásia Menor também produziram grandes quantidades de sarcófagos, algumas seguindo o formato arquitetônico, outras decoradas com guirlandas de folhas apoiadas por Nikai e Erotes, tabuletas inscritas e rostos de Górgonas.

Sarcófago com guirlandas. A traseira e a frente desse sarcófago estão inacabadas, e o espaço para inscrição está em branco, o que pode significar que nunca foi usado na antiguidade. 200-225 d.C. MET. N° 70.1

Eles eram decorados em três ou quatro lados e foram exibidos de várias maneiras. Muitos eram vistos de todos os lados em locais ao ar livre, elevados em pedestais ou colocados nos telhados de túmulos construídos, mas alguns também eram colocados dentro de túmulos contra as paredes.

Algumas pedreiras, como Prokonessos (atual ilha de Mármara) na Ásia Menor, produziram e exportaram sarcófagos semi-acabados. Eles tinham os principais elementos decorativos feitos pela metade, para serem desenvolvidos mais completamente em seu destino, de acordo com o gosto do cliente. Às vezes, os sarcófagos eram usados ​​com alguns elementos inacabados, talvez devido a restrições de tempo ou finanças, mas possivelmente devido à preferência do cliente.

No Egito romano, desenvolveu-se uma forma especial de caixão que combinava caixas tradicionais de múmias egípcias com retratos pintados em painéis de madeira, renderizados no estilo romano.

Retratos como esse eram colocados sobre os corpos de múmias egípcias no período romano. São normalmente referidos como as Múmias do Faium, embora nem todos os exemplos venham da região do Faium. Esse exemplo é de cerca de 150 d.C. MET. N° 18.9.2

O significado da decoração dos sarcófagos

A iconografia mitológica dos sarcófagos tem sido objeto de considerável interesse; os mitos mostrados nos sarcófagos são geralmente os mesmos que são escolhidos para decorar casas e espaços públicos, mas podem adquirir significados diferentes quando vistos em um contexto funerário.

Alguns estudiosos pensam que as imagens são altamente simbólicas das crenças e concepções religiosas romanas sobre a morte e a vida após a morte, enquanto outros argumentam que as imagens refletem um amor pela cultura clássica e serviram para elevar o status do falecido, ou que eram simplesmente motivos convencionais sem significado mais profundo.

Sarcófago de uma mulher chamada Arria do século 3. Os relevos mostram o mito de Endimião e Selene. MET. N° 47.100.4a, b

Por exemplo, os mitos de Endimião, Eros e Psique são histórias de mortais que são amados pelas divindades e garantem a imortalidade; na arte funerária, acredita-se que essas cenas expressem a esperança de uma vida após a morte feliz no além.

Cenas com heróis como Meleagro ou Aquiles podem ser expressões da bravura e virtude do falecido. As cenas dionisíacas evocam sentimentos de celebração e libertação dos cuidados deste mundo; o culto a Dionísio também parecia oferecer esperança para uma vida após a morte agradável. Os rostos de Górgonas são imagens apotropaicas que atuavam como uma proteção contra as forças do mal.

Sarcófago com representação do deus Dionísio e de quatro jovens homens representando as estações do ano. 260-270 d.C. MET. N° 55.11.5

As estações do ano podem representar os ciclos de morte e renascimento da natureza ou os estágios sucessivos da vida humana. Dizem que personificações da vitória, representam a  vitória sobre a morte, mas também podem representar o sucesso do falecido durante sua vida. É provável que essas imagens tenham vários níveis de possibilidades interpretativas, que variaram entre os espectadores individuais.

O uso de sarcófagos continuou no período cristão, quando se tornaram um meio importante para o desenvolvimento da iconografia cristã primitiva.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Arte greco-romana

Sobre as cópias romanas de estátuas gregas

Fontes bibiliográficas:

Koch, Guntram, and Hellmut Sichtermann. Römische Sarkophage. Munich: Beck, 1982.
Koortbojian, Michael. Myth, Meaning, and Memory on Roman Sarcophagi. Berkeley: University of California Press, 1995.
McCann, Anna Marguerite. Roman Sarcophagi in the Metropolitan Museum of Art. New York: Metropolitan Museum of Art, 1978.
Toynbee, J. M. C. Death and Burial in the Roman World. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1996.
Walker, Susan. Memorials to the Roman Dead. London: British Museum Publications, 1985.

Artigo publicado em 15/09/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.