Bibliotecas no mundo antigo

Artigos > Antiguidade Geral  |  103 visualizações  |  3043 palavras

Capa do artigo: Bibliotecas no mundo antigo

Representação da Biblioteca de Alexandria no jogo Assassin's Creed: Origins

Tradução feita a partir de artigo publicado no site Ancient.eu. O texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Mark Cartwright e publicado em julho de 2019. O texto foi traduzido a partir do inglês, e algumas pequenas alterações foram feitas em seu conteúdo. Também adicionei algumas fotos visando tornar o texto mais ilustrativo.

As bibliotecas eram uma característica das maiores cidades do mundo antigo, com exemplos famosos sendo os de Alexandria, Atenas, Constantinopla, Éfeso e Nínive. Raramente eram bibliotecas voltadas para o empréstimo de livros, mas tipicamente projetadas para eruditos visitantes estudarem e copiarem o que mais lhe interessassem.

Somente no período romano as bibliotecas genuinamente públicas permitiam que todos os visitantes chegassem e lessem como quisessem. Os textos das bibliotecas antigas eram tipicamente guardados em rolos de papiro ou couro, inscritos em tábuas de cera e argila ou encadernados em códices de pergaminho, e cobriam desde leitura de presságios até as cartas enviadas entre os antigos governantes.

Os livros eram adquiridos através de compra, cópia e doações, mas também eram um dos itens retirados das cidades por seus conquistadores; tal era o valor atribuído ao conhecimento na antiguidade.

O conceito de Biblioteca na antiguidade

As bibliotecas da antiguidade nem sempre eram projetadas para o público consultar livremente os textos ou retirá-los do local da forma como bibliotecas funcionam atualmente, embora algumas oferecessem esse serviço.

Muitas bibliotecas no Oriente Próximo e no Egito estavam anexadas a templo ou faziam parte de um arquivo administrativo ou real. No mundo grego e romano essas bibliotecas continuaram existindo, mas as coleções particulares também se tornaram muito mais comuns.

Quando as bibliotecas eram abertas ao público, elas geralmente visavam permitir que os pesquisadores visitantes consultassem e copiassem textos, como uma biblioteca de referência moderna ou um arquivo de um instituto de pesquisa.

No périodo romano as bibliotecas começaram a oferecer mais do que apenas livros, mas palestras com oradores convidados para impressionar e reuniões de intelectuais para discutir assuntos com outros visitantes na tranquilidade do auditório da biblioteca ou do jardim.

O formato dos livros

Os textos antigos podiam vir em várias formatos, como pergaminhos feitos de papiro (a forma dominante) ou couro, ou ser inscritos em tábuas de cera ou argila. Os rolos de papiro eram longos, de 6 a 8 metros sendo o padrão e, às vezes, os dois lados eram usados ​​para escrever, normalmente em colunas e com uma larga margem deixada em branco para anotações posteriores.

Na antiga Mesopotâmia muitos textos também eram escritos em prismas de pedra como esse exemplo, conhecido como Prisma de Senaqueribe. 691 a.C. Museu Britânico. N° 91032

O papiro era enrolado em um bastão de madeira e podia receber tratamento para preservar o material. Óleo de cedro era adicionado para afastar vermes.

Esse é um dos mais antigos papiros sobreviventes do Egito Antigo. Foi escrito na época do rei Queóps, no século 26 a.C. Museu do Cairo.

Os rolos de couro eram feitos curtindo o material ou, no caso de pergaminho, embebidos em lodo e depois raspados e alisados ​​com pedra-pomes. No período romano (século 1 ao 4 d.C), as folhas de pergaminho também podiam ser amarradas usando tiras de couro ou costura para formar um livro de codex, às vezes com capa de couro ou madeira.

O códice era muito mais fácil de usar, pois permitia uma maior quantidade de texto, era possível encontrar passagens mais facilmente (o marcador nasceu daí) e ocupava menos espaço na prateleira do que um pergaminho.

Os temas dos textos antigos envolviam todos os aspectos das sociedades antigas e incluía religião, ciências, matemática, filosofia, medicina e a correspondência de governantes.

Bibliotecas no Oriente Médio

As bibliotecas eram parte das cidades do Oriente Médio desde a segunda metade do 2° milênio a.C. Assírios, babilônios e hititas as possuíam, assim como cidades sírias como Emar e Ugarit.

Tabletes de argila como esse, contendo inscrições em cuneiforme, foram encontrados aos milhares nas areias da antiga Mesopotâmia, atual Iraque. Esse é chamado de Tablete do Dilúvio e faz parte do conjunto que narra a Epopéia de Gilgamesh. É um dos tabletes mais famosos já descobertos. Museu Britânico. n° K.3375

Os textos assumiam diferentes formas e podiam ser escritos em rolos de couro (magallatu), tábuas de madeira cobertas de cera, papiro e tábuas de barro. Estes últimos são os únicos a sobreviver (em números prodigiosos), mas eles mesmos fazem menção a outras mídias usadas para manter registros e textos escritos em segurança para as gerações futuras de leitores. Muitas vezes, um texto era dividido em vários tabletes, às vezes até 100. Os idiomas usados incluíam acadiano e sumério, hurriano (em cuneiforme) e grego.

As culturas do Oriente Médio tinham três tipos de bibliotecas, uma diversificação que foi vista em muitos estados posteriores em outros lugares. Essas eram as bibliotecas dentro de um palácio real, nos templos e em casas particulares. A mais comum foi a segunda categoria, pois era nos templos que se encontravam a maioria dos estudiosos e aqueles capazes de ler e escrever.

Uma representação moderna da biblioteca de Nínive. Autor desconhecido.

A biblioteca do palácio assírio na capital Nínive, muitas vezes chamada de Biblioteca de Assurbanipal em homenagem ao rei da Assíria com esse nome (r. 668-627 a.C),  foi na verdade reunida por vários governantes diferentes, tendo sido iniciada no século 8 a.C, se não antes.

Essa biblioteca era composta em grande parte de textos em cuneiforme e cobria praticamente tudo o que os reis podiam obter, desde hinos a mitos. Os textos foram adquiridos copiando ou simplesmente pegando os encontrados em outras bibliotecas, através de doações de particulares e como resultado da conquista. Os estudiosos estimam que apenas a seção de tabletes continha cerca de 30 mil tabletes de argila, e aqueles que faziam parte da coleção particular de Ashurbanipal foram escritos e selados de maneira especialmente refinada.

Relevo do palácio de Nínive que representa o rei Ashurbanipal caçando leões. Museu Britânico.

Embora todo mundo lamente a perda da Biblioteca de Alexandria (veja abaixo), a biblioteca de Nínive sofreu uma tragédia semelhante quando foi destruída durante a invasão dos medos em 612 a.C. Felizmente, muitas das obras já haviam sido copiadas e sobreviveram em outras bibliotecas assírias.

Famosas bibliotecas de templos existiam na Babilônia, Kalhu, Sippar e Uruk. Nesses locais, estudiosos - em residência ou apenas fazendo visita - faziam cópias de textos, muitos dos quais podiam acabar em uma biblioteca particular.

Estas não eram tão particulares quanto o nome sugere, mas eram corpos de textos sobre assuntos específicos a serem usados ​​por certos professores ou outras profissões e também poderiam estar vinculados a um templo.

Os trabalhos cobriram temas como ritual e religião (especialmente encantamentos, orações por exorcismo e qualquer outro ritual que exigisse uma fórmula precisa para ser falada), descobertas acadêmicas em matemática e astronomia, medicina e informações sobre como ler presságios corretamente.

Bibliotecas Egípcias

Coletas de recursos textuais semelhantes aos arquivos modernos eram mantidas no Egito antigo já no Antigo Reino (cerca de 3200–2160 a.C.), e incluíam documentos sobre cultos, textos sagrados, textos mágicos e registros administrativos. As bibliotecas egípcias eram mais do que repositórios de textos antigos, e a elas eram regularmente adicionadas textos contemporâneos, especialmente a respeito do governo e até cartas dos faraós.

Os egípcios também tinham muitos tipos diferentes de biblioteca, que eram distinguíveis de arquivos e que podiam levar nomes como 'casa dos livros' (per-medjat), 'casa dos escritos' (per-seshw) e 'casa dos palavras divinas '(per-medw-netjer).

O significado preciso desses termos não é conhecido e, sem dúvida, variou ao longo do tempo. Como no Oriente Médio, as bibliotecas egípcias eram frequentemente associadas a templos e palácios reais. Uma pequena biblioteca escavada em Edfu revela que os rolos de papiro eram mantidos lá em baús em nichos nas paredes.

O Templo de Edfu no Egito.

A Biblioteca de Alexandria

Os egípcios possuíam talvez a biblioteca mais famosa de todos os tempos em Alexandria. Mas, apesar de sua fama, ainda não sabemos exatamente quando ela teria sido fundada ou quando foi destruída. A maioria das fontes antigas credita Ptolomeu II Filadelfo (r. 285-246 a.C) por sua fundação.

Busto de monarca ptolomaico, provavelmente Ptolomeu II Filadelfo. Museu Arqueológico de Nápoles. Via Wikimedia Commons.

Ela era uma combinação de biblioteca real e pública, e foi uma das primeiras a permitir que alguém não encarregado entrasse e estudasse os 500-700 mil pergaminhos. É improvável, no entanto, que o acesso tenha sido aberto a todos, pois ele provavelmente era restrito a uma pequena comunidade de estudiosos.

A dinastia ptolomaica gastou muito tempo e dinheiro construindo a biblioteca de Alexandria, adquirindo textos por todo o Mediterrâneo. Os livros eram comprados em mercados em cidades como Atenas e Rodes, e todas as correspondências oficiais eram adicionadas. Copistas e comentaristas criaram livros totalmente novos, e até os navios que chegavam a Alexandria poderiam ter qualquer texto que carregassem confiscados e adicionados à coleção da cidade.

Uma representação moderna da antiga biblioteca de Alexandria. Autor desconhecido.

Os bibliotecários, operando sob um diretor, eram implacáveis e muito determinados a construir a maior reserva de conhecimento do mundo, não deixando nenhuma fonte e nenhum assunto de lado.

Para facilitar a localização de um pergaminho, o vasto conteúdo da biblioteca era dividido em seções por gênero, como poesia trágica, comédia, história, medicina, retórica e direito. Os bibliotecários não apenas acumularam textos, como também os catalogaram, os organizaram em livros, capítulos e sistemas de numeração (muitos dos quais ainda são usados ​​hoje) e acrescentaram notas detalhando, por exemplo, quando uma peça de teatro havia sido executada e onde.

Às vezes, uma breve avaliação crítica era adicionada a um texto e eram escritos guias sobre grupos de textos, elaboradas listas de quais autores deveriam ser consultados sobre um determinado tópico e criadas mini-enciclopédias que davam breves biografias de autores e seus principais trabalhos. Havia até estudiosos especializados em verificar a autenticidade de textos antigos.

A biblioteca, que não era mais totalmente apoiada pelo estado, entrou em declínio a partir de meados do século 2 a.C.. Júlio César (100-44 a.C) foi posteriormente culpado por escritores antigos como Plutarco (45-125 d.C) por incendiar a biblioteca, embora ela tenha sobrevivido de alguma forma, apenas para sofrer mais incêndios em 270 e em 642 d.C.

Qualquer que seja a história exata do desaparecimento da biblioteca, felizmente para a posteridade, muitos dos textos alexandrinos foram copiados ao longo dos séculos e, muitos, acabaram nas bibliotecas bizantinas que foram impressas durante o Renascimento, criando um elo tangível entre os antigos pergaminhos de papiro e essas edições encontradas hoje em bibliotecas universitárias e em outros lugares.

Bibliotecas Gregas

As bibliotecas gregas continuaram a ser dominadas por rolos de papiro, mas os livros agora estavam se tornando uma visão mais comum fora das instituições.

Para os gregos, o termo biblioteca poderia se referir tanto ao local onde os textos eram armazenados quanto a qualquer pequena coleção de livros, que agora eram facilmente encontrados nos mercados do século 5 a.C. de Atenas.

Um dos proprietários de uma famosa coleção era o tirano Polícrates de Samos (r. 538-522 a.C). A primeira biblioteca pública grega é creditada por autores antigos aos esforços de Pisístrato de Atenas (608-527 a.C). Os pensamentos de famosos filósofos gregos eram uma das grandes fontes de livros - o próprio Aristóteles era um notável colecionador - mas ainda havia um debate sobre o que era superior na prática do ensino: a palavra falada ou escrita.

Busto de Aristóteles. Cópia de mármore romana de um original grego em bronze feito por Lisipos em 330 a.C. A manta de alabastro é uma adição moderna. Museu Nacional Romano do Palazzo Altemps. Via Wikimedia Commons.

Os líderes helenísticos costumavam ver as bibliotecas como uma maneira de promover seu governo e se apresentar como governantes instruídos e esclarecidos. Assim, eles podiam patrocinar ou endossar publicamente certos escritores que obtinham aceitação intelectual (e política) ao ter seus trabalhos admitidos em uma biblioteca oficial.

Já vimos os esforços dos ptolomeus em Alexandria, mas outras bibliotecas do período incluíam Pella, Antioquia e Pérgamo, criados pelos reis Atálidas  (282-133 a.C), que teria tido cerca de 200 mil pergaminhos. Outra tendência em desenvolvimento foi o ginásio presente em muitas cidades gregas receber uma biblioteca, pois esse local se tornou tão associado à aprendizagem quanto ao exercício físico.

Bibliotecas romanas

A primeira referência a uma biblioteca em Roma é a coleção de livros que o general e cônsul Emílio Paulo Macedônico (229-160 a.C) trouxe para casa depois de derrotar Perseu da Macedônia (212-166 a.C) em 168 a.C. Esse foi uma lógica repetida muitas vezes, e talvez a mais infame foi a apropriação da biblioteca de Aristóteles por Sulla quando ele saqueou Atenas em 84 a.C.

Alguns estudiosos acreditam que esse busto seja um retrato do ditador romano Sulla. Museu Glyptothek em Munique.

Como nas culturas anteriores, as bibliotecas estavam particularmente associadas a templos, palácios e arquivos estatais e, na Grécia, existia a combinação academia-biblioteca, agora chamada de palaestra.

Os escritores romanos eram comentaristas prolíficos das obras de seus antecessores gregos e, portanto, claramente tinham acesso a esses textos nas bibliotecas. As bibliotecas romanas tendiam a ser divididas em duas áreas: uma para obras latinas e outra para obras gregas.

O crescente número de crianças enviadas para serem ensinadas por educadores estimulou um crescimento rápido  da criação de livros, e desenvolveu-se a idéia de que um cidadão romano respeitável deveria não apenas possuir um bom conhecimento da literatura, mas também ter sua própria coleção de livros, uma biblioteca privada onde costumavam ser disponibilizados a um amplo círculo de familiares e amigos.

Uma dessas bibliotecas foi escavada em Herculano. Ela pertencia a Lúcio Calpúrnio Pisão Cesonino (sogro de Julio César), lá foram encontrados restos carbonizados de cerca de 1.800 pergaminhos que eram mantidos em nichos de parede ou armários (armaria) dispostos em torno de uma mesa de leitura central.

Herculano era uma antiga cidade romana na região italiana da Campânia, província de Nápoles. Ficou muito conhecida por ter sido conservada, junto com a cidade de Pompeia, depois de ter sido soterrada pelas cinzas da erupção do vulcão Vesúvio em 79 d.C.

No final da República Romana, figuras como Júlio César, o cônsul Asínio Polião (75 a.C - 4 d.C) e o imperador Augusto (r. 27 a.C - 14 d.C) começaram a agir com a idéia de que os livros pertenciam a todos e assim eles construíram as primeiras bibliotecas genuinamente públicas, em oposição às instituições voltadas para estudiosos convidados, que eram o padrão em anteriores.

O fato de as bibliotecas estarem realmente disponíveis para todos e terem sido projetadas para serem assim é referenciado por escritores como Ovídio (43 a.C - 17 d.C) e Plínio, o Velho (23-79 d.C). Um sinal que sobrevive da biblioteca de Panteno, em Atenas, afirma: 'Nenhum livro deve ser retirado ... Aberto do amanhecer ao meio-dia' (Hornblower, p.830). Normalmente, um atendente buscava o pergaminho desejado enquanto copistas e restauradores podem estar trabalhando nos bastidores.

Ruínas da biblioteca de Flávio Panteno, construída em Atenas na época de Trajano. Via Wikimedia Commons.

Havia tantas bibliotecas - só a cidade de Roma tinha talvez 28 bibliotecas - que Vitrúvio (90-15 a.C), o famoso arquiteto e estudioso, dedicou uma seção de sua Sobre Arquitetura às considerações apropriadas ao construir uma biblioteca. Ele recomendou que uma biblioteca estivesse voltada para o leste para obter a melhor luz e reduzir a umidade. Outros escritores aconselharam que o piso da biblioteca deveria ser de mármore verde e os tetos certamente não deveriam ser dourados, a fim de evitar qualquer brilho e tensão desnecessária nos olhos.

As bibliotecas romanas passaram a ser locais onde um autor lançava seu trabalho ao público, lendo em voz alta para uma pequena audiência. A biblioteca palatina de Augusto foi usada adicionalmente para todos os tipos de reuniões, incluindo audiências imperiais e sessões do Senado Romano.

Outra possível combinação de funções era a existência de  bibliotecas nos banhos romanos; os banhos de Trajano (r. 98-117 d.C), Caracala (r. 211-217 d.C) e Diocleciano (r. 284-305 d.C) em Roma, tinham salas identificadas por pelo menos alguns estudiosos como bibliotecas, embora presumivelmente, se fossem, não era permitido levar um pergaminho para a sauna a vapor.

Uma reconstrução moderna da Biblioteca de Adriano em Atenas.

Assim como outros elementos de sua cultura, os romanos espalharam a idéia de bibliotecas públicas por todo o império, com a criação de famosas em Éfeso (a Biblioteca de Celso, concluída em 117) e em Atenas (a Biblioteca de Adriano, concluída em 134). Outras bibliotecas famosas do século 2 d.C. incluíam as de Rodes, Cós e Taormina.

O legado das bibliotecas bizantinas

Embora o Império Bizantino possuísse uma biblioteca imperial e uma patriarcal (liderada pelo bispo) por grande parte de sua história, e ostentasse a grande biblioteca de Constantinopla com seus 120 mil rolos, em geral, no final de Antiguidade, as bibliotecas públicas começaram a desaparecer no mundo romano-grego.

Os livros certamente não desapareceram completamente, e os mosteiros bizantinos se tornaram os grandes preservadores de textos antigos em suas bibliotecas. Adquiridos através de cópias diligentes e doações de leigos, um mosteiro típico estava se saindo se contasse com 50 livros, e estes eram realmente apenas para a consulta de estudiosos, já que o papel das bibliotecas estava voltando a ser limitado conforme havia sido no Oriente Médiio e no Egito.

Novos livros foram produzidos, em grande parte graças à religião cristã, que, diferentemente das crenças pagãs mais antigas, transferia idéias para novos seguidores usando a palavra escrita em vez de apenas instruções orais.

Os convertidos também eram lembrados de histórias, hinos e rituais graças aos textos. Os intermináveis ​​debates que os estudiosos cristãos criaram com novas idéias e interpretações de textos mais antigos, seus comentários e os cismas resultantes foram um estímulo a produção e a leitura de livros (mas às vezes também foram responsáveis pela destruição de livros considerados subversivos).

Mosteiro bizantino do Monte Athos.

Exemplos notáveis ​​de bibliotecas bizantinas são as dos mosteiros do Monte Athos e do Monte Sinai, que contêm cerca de um quarto de todos os manuscritos medievais sobreviventes. É em grande parte graças aos monges bizantinos, então, sempre ocupados produzindo seus lindos e caros manuscritos cheios de iluminuras, que hoje podemos ler, estudar e apreciar as obras de nomes como Heródoto, Sófocles e Tucídides.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Antiguidade Geral

Animais na arte do Antigo Oriente Próximo

Urartu

Os exércitos do antigo oriente médio

Fontes bibiliográficas:

Bagnall, R. ed. The Encyclopedia of Ancient History. Wiley-Blackwell, 2012
Hornblower, S. The Oxford Classical Dictionary. Oxford University Press, 2012.
Mango, C. ed. The Oxford History of Byzantium. Oxford University Press, 2002.
Oleson, J.P. ed. The Oxford Handbook of Engineering and Technology in the Classical World. Oxford University Press, 2009.
Rasmussen, T. A Handbook of Roman Art. Phaidon Press Limited, 1994.
Vitruvius Pollio. The Ten Books on Architecture. CreateSpace Independent Publishing Platform, 2018.

Artigo publicado em 10/10/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.