Dez coisas que os romanos não tinham

Artigos > Roma Antiga  |  82 visualizações  |  1775 palavras

Capa do artigo: Dez coisas que os romanos não tinham

Lucius Vorenus personagem da série de TV Roma, da HBO, que narra os conflitos do final da república romana.

Tradução de artigo do escritor de romances históricos Ian James Ross, que vem pesquisando e escrevendo sobre o Império Romano há mais de uma década. O artigo foi publicado em seu site oficial fevereiro de 2016. O texto original pode ser conferido aqui. O autor não disponibilizou nenhuma referência bibliográfica para as informações apresentadas.

Havia muitas coisas que os cidadãos do império romano não tinham que a maioria de nós vê como natural hoje. Batatas, tomates ou o sufrágio universal, são alguns exemplos. Eles cavalgavam sem estribos e adoçavam a comida com mel, pois não tinham açúcar.

Mas ainda existem muitas idéias equivocadas sobre coisas que os romanos tinham ou comumente fizeram. Os romancistas históricos, é claro, geralmente tentam evitar cair nessas armadilhas, mas é surpreendente quantas vezes eu tive que pensar duas vezes sobre alguns detalhes ou outro do mundo que estou descrevendo.

Tantas noções sobre sociedades antigas ou outras sociedades históricas estão profundamente enraizadas e são difíceis de deixar de lado. Então, aqui estão dez coisas que os romanos (provavelmente) não tiveram ou fizeram - digo provavelmente, pois nossas idéias sobre história estão mudando constantemente!

1. Escravos nas galés

Apesar das cenas famosas em filmes antigos, como Ben Hur e Cleópatra, as galés romanas não eram remadas por escravos acorrentados. Os remadores romanos eram profissionais pagos e os da marinha estavam alistados nas forças armadas. Escravos de galés existiram, mas não até séculos depois; navios medievais das potências cristãs e islâmicas do Mediterrâneo os usavam extensivamente. De fato, os franceses ainda usavam prisioneiros acorrentados para remar suas galés até o século 18.

Cena do filme Ben-Hur, onde são retratadas as galés romanas do período Imperial.

2. "aperto de mão" no antebraço

Este é outro favorito de Hollywood. O aperto viril dos antebraços aparece por todo o lado, mas não tem base em fatos históricos. Os romanos apertavam as mãos da mesma maneira que nós, embora talvez não com tanta frequência; era um gesto de amizade, usado para fazer acordos e tratados. O aperto de mão aparece nas moedas romanas, simbolizando confiança e concordância mútua. Aparentemente, também fazia parte do ritual do casamento. Provavelmente não foi usado como uma saudação casual: os romanos preferiam abraçar, ou até beijar, quando se encontravam, assim como as pessoas nas sociedades mediterrâneas fazem até hoje.

Moeda romana do período de Augusto (27 a.C. - 14 d.C.), mostrando um aperto de mãos como sinal de harmonia e paz. NGC Collectors Society. Código: Cohen 338; BMCRE 200; RIC I 420.

3. Bainhas barulhentas

Imagine alguém puxando uma espada; você provavelmente conseguiu imaginar o efeito sonoro. O ruído de desembainhar uma espada é onipresente nos filmes e na TV; mesmo em livros, raramente uma espada é sacada sem pelo menos uma raspadinha. Na verdade, as bainhas eram feitas de madeira e couro e produziam muito pouco som. Talvez apenas um chocalho, quando a lâmina batia contra o interior. Uma pena, talvez, já que esse barulho é tão bonito...

4. Armadura ineficaz

O exército romano era um dos mais fortemente blindados da antiguidade. Por uma boa razão: a armadura romana era muito eficaz em manter seu usuário vivo e relativamente ileso. O tipo mais famoso, é claro, é a couraça de ferro com faixas conhecida pelos historiadores como a lorica segmentata, embora malhas e escamas provavelmente tenham sido mais comuns, especialmente no Baixo Império.

Armadura lorica segmentada recriada pela Legião XV, um grupo de recriadores profissionais da Áustria. Via Wikimedia Commons.

Apesar disso, em muitas representações da guerra antiga, poderia-se pensar que as armaduras não tinham muitas qualidades protetoras. Na prática, era quase impossível cortar ou esfaquear a armadura com uma arma de mão. Testes realizados em pedaços de armaduras de malha (medievais, mas a tecnologia era a mesma) sugerem que um golpe penetrante precisaria de muito mais energia do que seria possível com uma espada ou lança.

Os soldados romanos utilizavam a malha de ferro como proteção principal. Ilustração de soldado romano produzida por Sean O' Brogain para a obra Legionários romanos de 69-161 d.C, publicado pela editora Osprey. Apenas em inglês.

Uma lança de cavalaria ou dardo pesado podia rompê-la; uma flecha de um poderoso tiro de arco a curta distância podia perfurá-la. Mas contra a maioria das armas que um soldado romano encontraria no campo de batalha, suas malha, escama ou armaduras segmentada seria uma proteção muito boa. Quando os próprios romanos encontravam oponentes blindados, era mais provável que eles tentassem espancá-los até a morte com armas pesadas. Um método eficaz, embora talvez não tão fotogênico.

5. Óleo altamente inflamável

As cenas de batalha em filmes sobre guerra romana e medieval geralmente apresentam grandes bolas de fogo. É verdade que os romanos usavam armas incendiárias: combinações de piche e nafta, ou apenas palha seca incendiada. Essas armas foram usadas até no mar; um graffito do século 1 a.C. mostra uma galé com uma caldeirão suspenso sobre o aríete.

Modelos de lâmpadas à óleo em exposição no Museu Britânico.

Os romanos também conheciam o petróleo natural: asfalto ou óleo de infiltração. Mas o "óleo" do mundo antigo, usado em luminárias e alimentos, e por massagistas de casas de banho, era derivado do azeite e não era particularmente inflamável. Cobrir algo com ele podia torná-lo muito escorregadio, mas não o faria explodir em chamas.

6. Cavalos incansáveis

Como a maioria das sociedades pré-industriais, o império romano dependia do poder dos cavalos. Os cavalos romanos eram comparativamente pequenos para os padrões modernos - com 1.4 metros, do tamanho de pônei, sendo a média provável -, mas sem dúvida eram criaturas resistentes.

Mas, como todos os cavalos, as montarias romanas precisavam de quantidades consideráveis ​​de forragem e água e muito descanso. Houve casos na história romana de jornadas muito longas realizadas muito rapidamente, mas isso só foi possível porque os romanos mantinham um sistema de postos nas principais estradas, onde os cavalos eram trocados e deixados para descansar. O serviço de mensagens do estado - cursus publicus - podia cobrir 80 quilômetros por dia, ou distâncias muito maiores, usando esse sistema de retransmissão.

Um trecho em excelente estado de conservação da antiga Via Ápia, uma das principais estradas romanas que saía de Roma.

Os mensageiros provavelmente não montavam os cavalos, mas viajavam em carruagens leves, com as equipes sendo substituídas regularmente. As forças de cavalaria, a menos que trouxessem um grande número de remontagens, não poderiam igualar essa velocidade. De fato, um coronel americano que escreveu na década de 1860 estimou que, em longas distâncias, a infantaria em marcha poderia ultrapassar a cavalaria.

Portanto, a menos que Maximus Decimus Meridius se valesse do sistema imperial de postagem, é muito improvável que ele pudesse andar de cavalo do Danúbio até a Espanha em menos de alguns meses!

7. Tambor no exército

O tambor faz parte da nossa concepção de exércitos históricos, é difícil imaginar que os romanos não contassem com eles. De fato, o tambor como o conhecemos hoje era praticamente desconhecido no mundo romano - o instrumento mais próximo que eles possuíam era uma espécie de grande pandeiro, como o tamburello siciliano.

O Tamburello siciliano.

Algumas fontes sugerem que os romanos pensavam que o tambor era de alguma forma um instrumento afeminado e o associavam a certas seitas religiosas do leste. Então, como os exércitos romanos mantinham o passo quando marchavam? Talvez eles usassem flautas, como os gregos, ou gaitas de foles primitivas - mas é muito provável que eles não tivessem o costume de marchar.

8. Minutos

Em um mundo sem relógios, a cronometragem romana costumava ser algo bastante casual. O dia e a noite eram divididos em doze horas cada, mas a duração dessas horas flutuava dependendo da estação. Havia relógios de sol, é claro, para mostrar o horário aproximado à luz do dia, e relógios de água, comumente usados ​​em tribunais para medir a duração dos discursos de advogados. Mas a menor quantidade de tempo mensurável por um relógio de água era de um quarto de hora.

Dois modelos de relógios de água usados por gregos e romanos para marcar o tempo de discursos em audiências públicas.

Como os romanos falavam sobre períodos mais curtos? A idéia do minuto é tão profunda em nosso pensamento - falamos de coisas que levam "alguns minutos", dizemos às pessoas que "esperem um minuto" ou pensamos em algo por "um minuto" que é difícil imaginar um mundo em que essas pequenas medidas de tempo não pudessem ser consideradas. Os romancistas que escrevem sobre o mundo antigo costumam contornar isso, fazendo seus personagens medirem o tempo em batimentos cardíacos - eu também o faço, embora eu não tenha idéia se alguém realmente contou seu próprio batimento cardíaco dessa maneira!

9. Pulseiras de couro robustas

A desgraça dos reencenadores históricos conscientes, a pulseira de couro, ou vambrace, é outra daquelas anomalias que parecem ter sido inventadas por Hollywood e que se vincularam profundamente às concepções populares do mundo antigo.

Na série Roma da HBO, todos os personagens do sexo masculino usam grandes pulseiras de couro o tempo todo, embora não haja nenhuma finalidade prática para elas.

Elas provavelmente se originaram com braçadeiras de ouro ou prata, chamadas armillae, concedidas pelo exército romano como uma condecoração de bravura. Estas são frequentemente mostrados em imagens de lápides romanas. No entanto, nas representações de filmes e TV da década de 1930 até os dias atuais, essas pulseiras atingem proporções absurdas. Muitas vezes, elas são reforçados com fivelas, pregos, pedaços de pêlo ou até placas de metal. Por quê?

Uma teoria é que os diretores artísticos precisavam de algo para esconder a marca pálida visível deixada por uma pulseira de relógio no pulso de um ator. Possivelmente sim - mas suspeito que é mais provável que alguém tenha decidido parecer duro e de alguma forma "antigo", e a ideia se mostrou muito atraente para ser deixada de lado desde então.

10. Orgias

Orgias, como sangrentos duelos de gladiadores e pessoas reclinadas em sofás comendo uvas, estão entre as referências por excelência do cenário popular antigo. Existem razões bastante óbvias para isso: o sexo vende.

Essa pintura de Thomas Couture (1815-1879) retrata uma orgia romana. Intitulada Romanos da decadência, essa pintura mostra um preconceito comum, a ideia de que os romanos teriam se destruído por sua depravação moral. No entanto, as histórias mais exóticas sobre imperadores e suas orgias, são do período de auge do Império.

Os romanos tinham uma atitude bastante livre em relação ao sexo, como proclamam sua literatura e poesia. Mas em uma época sem qualquer contracepção eficaz e quando o parto era fatal, o sexo desenfreado nunca poderia ser comum. Enquanto o sexo em si não era considerado imoral, a sociedade romana tinha uma obsessão pelo autocontrole, e ceder à luxúria era perder o controle de si mesmo e tornar-se bestial, incivilizado e até não-masculino.

Os excessos sexuais de vários imperadores e outros notáveis, como descrito pelos historiadores romanos, provavelmente eram considerados exemplos de más práticas morais; muitos deles são quase certamente exageros. Como tantas outras coisas, não devemos levar as evidências da literatura romana muito literalmente!

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Roma Antiga

Os sarcófagos romanos do Baixo Império

Inscrições romanas

Carruagens na Roma Antiga

Artigo publicado em 04/11/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.