O Fórum na Roma Antiga

Artigos > Roma Antiga  |  957 visualizações  |  1366 palavras

Capa do artigo: O Fórum na Roma Antiga

Reconstrução do fórum romano feita pelo ilustrador Hermann Bender (1844-1897) . Via Wikimedia Commons.

Tradução de artigo do site SmartHistory, escrito pelo Dr. Jeffrey A. Becker. O texto original pode ser lido aqui. Diversas fotos foram adicionadas ao artigo para torná-lo mais ilustrativo e informativo. As referências bibliográficas usadas pelo autor foram colocadas ao final do texto.

O Forum Romanum era o centro monumental da vida religiosa, política e social, e o coração da Roma Antiga.

Em sua peça Curculio (O Gorgulho), o dramaturgo latino Plauto oferece talvez uma das descrições mais abrangentes e perspicazes do Fórum Romano já escritas (ll. 466-482). Em seu trabalho, Plauto dá ao leitor a sensação de que se podia encontrar quase todo tipo de pessoa no fórum - de criminosos e traficantes a políticos e prostitutas. Seu texto nos lembra que, na cidade de Roma, o Forum Romanum era o principal centro político, ritual e cívico.

As ruínas do antigo Fórum em Roma. À esquerda está o Arco do Triunfo de Sétimo Severo.

Localizado em um vale que separa os montes Capitolino e Palatino, o Fórum se desenvolveu desde os primórdios da cidade e permaneceu em uso após o seu eventual declínio; durante esse período, o fórum testemunhou o crescimento e a eventual contração da cidade e de seu império.

Os restos arqueológicos do Fórum Romano em si continuam a fornecer informações importantes sobre as fases e processos associados ao urbanismo e a monumentalidade na Roma antiga.

História antiga: de necrópole à espaço cívico

Situado às margens rio Tibre, Roma é conhecida por suas colinas baixas, separadas por vales profundos. As colinas tornaram-se o foco do assentamento a partir do início da Idade do Ferro; o desenvolvimento do assentamento continuou durante o primeiro milênio a.C., com a história romana tradicional de que a cidade teria sido fundada em 753 a.C. (Livío 1.6)

A narrativa tradicional da fundação sustenta que um dos primeiros atos de Rômulo, o fundador que deu o nome a cidade, foi estabelecer um muro de fortificação ao redor do Monte Palatino, local de seu novo assentamento. O monte Capitolino, em frente ao Palatino, surgiu como a cidadela da cidade (arx) e local do culto de Júpiter Optimus Maximus, entre outros.

As populações da Idade do Ferro usaram o vale pantanoso que separa os montes Palatino e Capitolino como uma necrópole (um grande cemitério antigo), mas o crescente povoamento da Roma arcaica precisava de espaço comum e o vale foi reaproveitado, se convertendo de uma necrópole em um espaço utilizável.

Isso exigiu várias transformações, tanto da atividade humana quanto do ambiente natural. A atividade funerária teve que ser transferida para outro lugar; por esse motivo, a necrópole se mudou para o outro lado do monte Esquilino.

Mapa com a localização das sete colinas de Roma à leste do rio Tibre.

Enfrentar os problemas das chuvas e inundações sazonais mostrou-se mais desafiador - o vale exigia um projeto de aterro, bem como a construção de um canal de drenagem para gerenciar a água parada. Como o rio Tibre tendia a deixar suas margens regularmente, o vale era propenso a inundações significativas, pois uma parte baixa de terra conhecida como Velabrum conecta o vale do fórum à zona ribeirinha.

Como mostraram os estudos de condução conduzidos por Albert J. Ammerman, um projeto deliberado de aterro sanitário depositou-se no vale do fórum, a fim de criar níveis utilizáveis ​​e secos durante o século 6 a.C.

Essa galeria apresenta algumas fotos das escavações de Giacomo Boni no Fórum de Roma, realizadas entre 1898 e 1925.Giacomo Boni usou um balão militar para tirar fotos aéreas da área do fórum. A grande estrutura ao fundo é a Basílica de Constantino e Maxêncio.


As escavações do século 20, incluindo as de Giacomo Boni (fotos acima) e Einar Gjerstad, revelaram importantes restos de enterros da Idade do Ferro que antecederam o estabelecimento do vale do fórum como um espaço cívico; em particular, a necrópole na área conhecida como Sepulcreto ao longo da Via Sacra (“Caminho Sagrado”, a principal estrada processional sagrada da cidade) tem sido extensivamente estudada e publicada. As investigações dos próprios enterros e os padrões que eles seguiram permitiram aos arqueólogos entender não apenas os costumes funerários, mas também a dinâmica social durante as fases proto-urbanas de Roma.

A Via Sacra no Fórum Romano. Via Wikimedia Commons.

Esse grande investimento na criação do espaço cívico e na organização do trabalho também fornece informações importantes sobre a estrutura socioeconômica do início de Roma (Lívio 1.59.9).

O canal de drenagem acabou por ter uma cobertura abobadada e era conhecido como Cloaca Maxima. Um dos resultados claros desses investimentos cívicos foi a criação de um espaço utilizável que passou a ser um foco cívico para atividades em muitos esferas, especialmente questões políticas e religiosas.

O canal de drenagem em Roma conhecido como Cloaca Maxima.

Templos e edifícios sagrados

Desde o início do período republicano, o espaço do fórum viu a construção de templos importantes. Um dos primeiros templos mais proeminentes é o Templo de Saturno (geralmente considerado o mais antigo dos templos no Fórum Romano), cuja primeira menção data de cerca de 498 a.C.

Reconstrução do Templo de Saturno na série de tv da HBO, Roma.

O templo foi dedicado a Saturno, o deus da agricultura, e abrigava o tesouro do Estado. Ele foi reconstruído em 42 a.C. e refeito novamente em 283 d.C. Outro templo republicano primitivo é o Templo dos Rodízios (também conhecido como Templo de Castor e Pólux) que foi concluído em 484 a.C. e foi dedicado aos Gêmeos que ajudaram os romanos na Batalha do Lago Regillus em 496 a.C. O templo teve várias fases de construção.

A Via Sacra passava pela praça do fórum a caminho do Monte Capitolino e do templo de Júpiter Optimus Maximus. Essa rota sagrada era usada para certas cerimônias do Estado, especialmente a celebração do ritual da vitória conhecido como triunfo romano.

Praticamente nada restou do Templo de Júpiter Optimus Maximus. Essa é uma recriação presente no Museu da Civilização Romana, em Roma.

Dois outros edifícios sagrados anteriores são importantes de se notar. Estes são a Regia ou "casa do rei" e o Templo de Vesta, ambos localizados na encosta descendente do Monte Palatino, perto do ponto em que atinge a borda do Fórum Romano propriamente dito. Ambos os edifícios sagrados são bastante antigos e tiveram muitas fases de construção, dificultando o refinamento da cronologia das fases iniciais.

Reconstrução da Casa Regia feita por S.B. Platner para uma obra sobre Roma publicada em 1911 (The Topography and Monuments of Ancient Rome).

A Regia serviu de morada cerimonial para o rei - mais tarde passando à propriedade do pontifex maximus (principal sacerdócio) depois que os reis foram expulsos - e consistia em um conjunto de quartos planejados irregularmente em torno de um pátio. No século 6 a.C. foi decorada com placas pintadas de terracota arquitetônica, indicando claramente a função e o investimento da elite.

O Templo de Vesta em Roma. A direita o seu estado atual, e a esquerda uma reconstrução feita pelo aplicativo Atavistic.

Do outro lado da via estava o Templo de Vesta, focado nos elementos maternos do estado arcaico, além de salvaguardar o culto a Vesta e a chama sagrada e eterna da lareira do povo romano. Tanto o Regia como o Templo de Vesta evoluíram de estruturas brutas em fases anteriores para arquitetura construída em pedra em fases posteriores. A família dos Severos realizou a restauração final e mais significativa do Templo de Vesta em 191 d.C.

Espaços para reuniões

Espaços importantes para reuniões de órgãos políticos surgiram no lado noroeste do fórum, ou seja, um par de complexos conhecidos como Cúria e Comitium. A Cúria servia como sede do conselho do Senado romano, embora o Senado pudesse se reunir em qualquer espaço inaugurado (ou seja, um espaço ritualmente demarcado pelos padres romanos).

A Cúria surgiu talvez no século 7 a.C., embora pouco se saiba sobre suas fases iniciais. A Cúria sobrevivente é uma reconstrução imperial da fase republicana tardia conhecida como Cúria Júlia, já que Júlio César foi seu patrono arquitetônico.

A Cúria Júlia em seu estado atual.O interior da Cúria Júlia nos tempos do império segundo uma reconstrução moderna.


O Comitium era um espaço em camadas que ficava em frente à Cúria e servia como espaço de reunião ao ar livre para as assembléias públicas. Pouco do Comitium sobreviveu até hoje, mas ele era um complexo arquitetônico essencial para eventos políticos e sagrados durante a época da República Romana.

O Comitium era a parte do fórum reservada às grandes assembléias políticas. Essa parte do fórum sofreu grandes mudanças ao longo dos séculos, essa representação mostra sua situação no período imperial, com uma grande multidão em frente a rostra, uma espécie de palco para discursos. Ilustração moderna, autor desconhecido.

A segunda parte do artigo será postada ainda essa semana, aguardem!

Continue lendo essa série:
O Fórum na Roma Antiga - Da República ao Império

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Fórum romano

O Fórum na Roma Antiga - Da República ao Império

Fontes bibiliográficas:

A. J. Ammerman, “On the Origins of the Forum Romanum,” American Journal of Archaeology vol. 94, no. 4, 1990, pp. 627-45.
A. J. Ammerman, “The Comitium in Rome from the Beginning.” American Journal of Archaeology, vol. 100, no. 1, 1996. pp. 121-36.
P. Carafa, Il comizio di Roma dalle origini all’età di Augusto (Rome: “L’Erma” di Bretschneider, 1998).
A. Carandini and P. Carafa, eds., Atlante di Roma antica: biografia e ritratti della città, 2 v. (Milan: Electa, 2012).
A. Claridge, Rome: an Archaeological Guide 2nd ed. (Oxford: Oxford University Press, 2010).
F. Coarelli, Il foro romano, 2 v. (Rome: Edizioni Quasar, 1983-1992).
F. Coarelli, Rome and Environs: an Archaeological Guide, trans. James J. Clauss and Daniel P. Harmon (Berkeley: University of California Press, 2007).
E. Gjerstad, Early Rome, 7 v. (Lund: C.W.K. Gleerup, 1953-1973).
C. Hülsen and J. B. Carter, The Roman forum: its history and its monuments, 2nd ed. (Rome: Stechert, 1906).
R. Krautheimer, Rome, profile of a city, 312-1308 (Princeton: Princeton University Press, 1980).
R. Krautheimer, Three Christian capitals: topography and politics (Berkeley: University of California Press, 1983).
G. Lugli, Fontes ad topographiam veteris urbis Romae pertinentes. Colligendos atque edendos curavit Iosephus Lugli, 8 v. (Rome: Università di Roma, Istituto di topografia antica, 1952-1965).
G. Lugli, The Roman Forum and Palatine (Rome: Bardi, 1961).
S. B. Platner and T. Ashby, A Topographical Dictionary of Ancient Rome (Oxford: Clarendon Press, 1929).
L. Richardson, jr., A New Topographical Dictionary of Ancient Rome (Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1992).
J. Sewell, The formation of Roman urbanism, 338-200 B.C.: between contemporary foreign influence and Roman tradition (Journal of Roman archaeology Supplementary series; 79), (Portsmouth RI: Journal of Roman Archaeology, 2010).
J. E. Stambaugh, The Ancient Roman City (Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1988).
E. M. Steinby, ed., Lexicon Topographicum Urbis Romae, 6 v. (Rome: Edizioni Quasar, 1993-2000).
D. Watkin, The Roman Forum (Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 2009).
A. Ziółkowski, Sacra Via: twenty years after (Journal of Juristic Papyrology, Supplement; 3), (Warsaw: Fundacja im. Rafała Taubenschlag, 2004).

Sites recomendados:

Digital Roman Forum (UCLA)
Digital Augustan Rome
Rome Reborn
Roman Forum and Palatine Hill

Artigo publicado em 10/12/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.