O Fórum na Roma Antiga - Da República ao Império

Artigos > Roma Antiga  |  936 visualizações  |  1599 palavras

Capa do artigo: O Fórum na Roma Antiga - Da República ao Império

As ruínas do fórum romano. A direita as colunas do centro de Saturno. No centro às três colunas que ainda estão em pé do tempo de Tito e Vespasiano. E na esquerda o Arco do Triunfo de Sétimo Severo.

Da República ao Império

Durante os séculos 4 e 3 a.C. o Forum Romanum certamente continuou a se desenvolver, mas os restos materiais da arquitetura em larga escala não são muito claros e, portanto, nossa compreensão desse espaço durante esses séculos não é tão boa quanto de outros períodos.

Algo que se desenvolveu durante a metade do período republicano foi a Rostra, a plataforma a partir da qual os oradores falavam com as pessoas reunidas na praça do fórum. Este monumento continuaria a se desenvolver ao longo do tempo e recebeu o nome das proas (rostra) de navios de guerra inimigos derrotados, que foram montados em sua fachada.

Ruínas da Rostra Augusti (construída sob César e Augusto).Vista aérea da Rostra.Reconstrução feita pelo site Digitales Forum Romanum.

Os séculos 2 e 1 a.C., conhecidos como o período republicano tardio, testemunharam muitas mudanças na cidade e no Fórum Romano. Os sucessos de Roma do exterior e seu crescente império, levaram a construções de grandes monumentos na cidade, inclusive no próprio Fórum Romano. Foi durante essa fase que Roma se tornou um centro metropolitano, equipado com a arquitetura monumental que poderia competir - se não eclipsar - com as potências estrangeiras que Roma havia domado durante as Guerras Púnicas e nas guerras com os reinos helenísticos do Mediterrâneo oriental.

Em particular, os romanos estabeleceram uma tradição de construir monumentos comemorativos para homens famosos que alcançavam grande sucesso em suas carreiras militares e públicas. O primeiro deles foi o Coluna Rostrata que marcou a vitória naval de Caio Duílio na batalha naval de Milas, em 260 a.C.

Uma reconstrução da coluna Rostrata de Caio Duílio no Museu da Civilização Romana. Via Wikimedia Commons.

O interesse romano em monumentos comemorativos monumentais, que se transformaram em arcos triunfais, logo se seguiria. O primeiro deles, o Arco Fabiano (fornix Fabianus), foi dedicado na Via Sacra em direção ao extremo leste do Fórum Romano em 121 a.C, comemorando as vitórias militares (e a família) de Quinto Fábio Alobrógico (Cicero pro Planc. 17). Embora o monumento Fabiano não exista mais, sua construção estabeleceu uma tradição (e uma forma tradicional) de monumentos comemorativos e honoríficos oficiais no contexto da arte pública romana.

A Basílica

O século 2 a.C. viu a criação e a introdução de um tipo único de construção romana, a basílica. A basílica era um salão colunar que muitas vezes  podia ter vários usos - de tribunais de direito ao comércio e ao entretenimento.

Os planejadores romanos passaram a preferi-los por revestir os lados compridos das praças abertas, de maneira não muito diferente da stoa grega. As fontes afirmam que a Basílica Pórcia (c. 184 a.C.) foi a primeira basílica construída em Roma, embora nenhum vestígio dela permaneça. Ela servia como um escritório para os tribunos da plebe.

A basílica Pórcia imaginada em ilustração de Giacomo Lauro feita no século 17.

Outras basílicas mais elaboradas logo seriam construídas, incluindo a famosa Basílica Emília, construída pela primeira vez em 179 a.C, e remodelada a partir de 55 a 34 a.C. Assim como a Basílica Paulli, que foi restaurada novamente após um incêndio em 14 a.C, e foi considerada por Plínio, o Velho, um dos três mais belos monumentos de Roma (Plin. HN 36.102.5)

Período Imperial

O advento do principado de Augusto (27 a.C. - 14 d.C) trouxe acréscimos e renovações ao Fórum Romano. Com a deificação de Júlio César, pai adotivo de Augusto, um templo dedicado ao culto de César (Templum Divi Iulii) foi construído na extremidade da praça do fórum (19 no mapa abaixo).

Mapa com a localização dos principais monumentos e templos nos fóruns da Roma Antiga. Baseado na maquete do Museu da Civilização Romana.

Augusto restaurou edifícios existentes, completou projetos incompletos e acrescentou projetos comemorativos para celebrar suas próprias realizações e as de seus familiares. Neste último grupo, o Arco de Augusto e o Pórtico de Caio e Lúcio são notáveis. O primeiro era um arco triunfal que celebrava importantes realizações militares e diplomáticas do imperador, enquanto o segundo homenageava os netos do imperador.

Augusto também seguiu Júlio César na criação de outro novo espaço no fórum além do Fórum Romano, que foi nomeado Fórum de Augusto (veja o vídeo abaixo onde aparece o Fórum e o Templo de Augusto). (dedicado em 2 a.C). Esses novos fóruns imperiais, em alguns casos, forneceram espaço adicional e, por sua vez, afastaram a atenção do Fórum Romanum.

Durante o período imperial, o Fórum Romanum viu apenas novas construções esporádicas, embora a manutenção das estruturas existentes tivesse fornecido uma obrigação contínua. Um pouco além do limite do fórum propriamente dito, o templo de Antonino Pio e sua esposa Faustina, no segundo século d.C, foi construído em 141 (e depois modificado em 161 após a morte do imperador).

Reconstrução do templo de Antonino Pio Faustina. Hoje em dia apenas a fachada sobreviveu, a parte traseira foi substituída por uma construção posterior. Via Wikimedia Commons.

Chegando ao poder no final do século 2 d.C, a família dos Severos ergueu um arco triunfal em comemoração às vitórias do imperador Setímio Severo no canto noroeste da praça do fórum. O terceiro século viu a reconstrução de estruturas e monumentos que foram danificados pelo fogo, incluindo a reconstrução da Cúria Júlia pelo imperador Diocleciano após um incêndio em 283.

O Arco de Sétimo Severo em Roma tem cerca de 20 metros de altura.

Declínio

O declínio da sorte imperial levou inevitavelmente à decadência urbana em Roma. Após os programas de construção dos Severos e da Tetrárquica do século 3, e o investimento de Constantino no início do século 4, o fórum e seus arredores começaram a declinar e decair.

Constantino mudou oficialmente o centro administrativo do mundo romano para Constantinopla em 330 e Teodósio suprimiu todas as religiões "pagãs" e ordenou que os templos fossem fechados permanentemente em 394. Essas mudanças, juntamente com o declínio da população, provocaram o desaparecimento gradual de espaços como o Fórum Romanum.

As ruínas do fórum romano.

Os monumentos romanos foram canibalizados para materiais de construção e os espaços abertos e não utilizados foram reposicionados - algumas vezes como residências e outras para a deposição de lixo e aterro. Assim, o fórum lentamente entregou suas funções sacro-cívicas a preocupações mais mundanas como pastagens - na verdade, acabou sendo conhecido como o "Campo Vaccino" (campo de vacas).

A beleza das ruínas

O monumento mais recente a ser erguido no Fórum Romanum é uma coluna monumental estabelecida pelo imperador bizantino Focas em agosto de 608 (veja abaixo). O itinerário anônimo de Einsiedeln, escrito no século 8, menciona uma estado de decadência no fórum. Um grande terremoto em 847 causou danos consideráveis nos monumentos romanos restantes no fórum e em seus arredores. Durante a Idade Média, as estruturas antigas forneceram materiais reutilizáveis de edifícios, bem como fundações reutilizáveis, para estruturas medievais.

Coluna de Focas no Fórum romano.

As próprias ruínas forneceram inspiração infinita para artistas, incluindo pintores como Canaletto que se interessaram pelo romantismo das ruínas da cidade antiga, bem como para cartógrafos e gravadores como Giovanni Battista Piranesi e Giuseppe Vasi, entre outros, que criaram vistas das próprias ruínas e planos restaurados da cidade antiga.

As ruínas do fórum romano segundo ilustração de Giovanni Battista Piranesi (1720-1778).As ruínas do fórum romano segundo ilustração de Giuseppe Vasi (1710-1782).

Interpretação

O Forum Romanum, apesar de ser um espaço relativamente pequeno, era central para a função e identidade da cidade de Roma (e do império romano em geral). Ele desempenhou um papel fundamental na criação de um ponto focal comunitário, no qual vários membros de uma comunidade socioeconômica diversificada poderiam gravitar. Nesse espaço centralizado, rituais comunitários que serviam a um objetivo maior de unidade de grupo podiam ser realizados e observados, e as elites poderiam reforçar a hierarquia social através da exibição de arte e arquitetura monumentais.

Esses dispositivos que poderiam criar e reforçar continuamente não apenas um sentimento de pertencimento à comunidade, mas também a hierarquia social existente, eram de importância vital nos estados arcaicos. Mesmo quando o Fórum Romano mudou ao longo do tempo, permaneceu um espaço importante.

Depois que uma série de imperadores optou por construir novos complexos para uso como fórum (os Foros Imperiais) adjacentes ao Fórum Romano, ele manteve sua importância simbólica, especialmente considerando que, como povo, os romanos antigos eram incrivelmente leais às práticas e tradições ancestrais.

Vários imperadores construíram os seus próprios fóruns. Esse é o fórum de Trajano, conforme maquete do Museu da Civilização Romana. Esse fórum ficava ao norte do fórum romano, na parte de baixo dessa imagem é visível a Basílica de Constantino e Maxêncio (na direita) e o Arco de Severo (na esquerda)

Redescoberta e escavação

Muitos dos monumentos do Fórum Romano, juntamente com os níveis de ocupação antigos, desapareceram gradualmente de vista. A exploração e o estudo sistemáticos começaram com o arqueólogo Carlo Fea, que começou a limpar a área perto do Arco de Sétimo Severo em 1803. O estudo continuou durante os séculos 19 e 20, com estudiosos proeminentes como Rodolfo Lanciani, Giacomo Boni, Einar Gjerstad e Andrea Carandini, entre outras, liderando grandes campanhas.

Rodolfo Lanciani é autor de alguns dos mapas mais complexos já produzidos da Roma Antiga. Nesse exemplo o fórum romano está em destaque, com o Coliseu a direita.

O estudo e a escavação - bem como a imensa obrigação de preservação - continuam hoje no Fórum Romano. A maior parte do fórum é acessível aos visitantes que têm a oportunidade de conhecer um dos grandes documentos da arqueologia urbana.

Que tal terminar esse artigo com um passeio pelo Fórum Romano? Assista o vídeo abaixo para ter uma ideia melhor desse ambiente, o passeio começa mostrando o Arco do Triunfo de Tito e o Coliseu, que ficam logo na entrada do fórum:

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Fórum romano

O Fórum na Roma Antiga

Fontes bibiliográficas:

A. J. Ammerman, “On the Origins of the Forum Romanum,” American Journal of Archaeology vol. 94, no. 4, 1990, pp. 627-45.
A. J. Ammerman, “The Comitium in Rome from the Beginning.” American Journal of Archaeology, vol. 100, no. 1, 1996. pp. 121-36.
P. Carafa, Il comizio di Roma dalle origini all’età di Augusto (Rome: “L’Erma” di Bretschneider, 1998).
A. Carandini and P. Carafa, eds., Atlante di Roma antica: biografia e ritratti della città, 2 v. (Milan: Electa, 2012).
A. Claridge, Rome: an Archaeological Guide 2nd ed. (Oxford: Oxford University Press, 2010).
F. Coarelli, Il foro romano, 2 v. (Rome: Edizioni Quasar, 1983-1992).
F. Coarelli, Rome and Environs: an Archaeological Guide, trans. James J. Clauss and Daniel P. Harmon (Berkeley: University of California Press, 2007).
E. Gjerstad, Early Rome, 7 v. (Lund: C.W.K. Gleerup, 1953-1973).
C. Hülsen and J. B. Carter, The Roman forum: its history and its monuments, 2nd ed. (Rome: Stechert, 1906).
R. Krautheimer, Rome, profile of a city, 312-1308 (Princeton: Princeton University Press, 1980).
R. Krautheimer, Three Christian capitals: topography and politics (Berkeley: University of California Press, 1983).
G. Lugli, Fontes ad topographiam veteris urbis Romae pertinentes. Colligendos atque edendos curavit Iosephus Lugli, 8 v. (Rome: Università di Roma, Istituto di topografia antica, 1952-1965).
G. Lugli, The Roman Forum and Palatine (Rome: Bardi, 1961).
S. B. Platner and T. Ashby, A Topographical Dictionary of Ancient Rome (Oxford: Clarendon Press, 1929).
L. Richardson, jr., A New Topographical Dictionary of Ancient Rome (Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1992).
J. Sewell, The formation of Roman urbanism, 338-200 B.C.: between contemporary foreign influence and Roman tradition (Journal of Roman archaeology Supplementary series; 79), (Portsmouth RI: Journal of Roman Archaeology, 2010).
J. E. Stambaugh, The Ancient Roman City (Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1988).
E. M. Steinby, ed., Lexicon Topographicum Urbis Romae, 6 v. (Rome: Edizioni Quasar, 1993-2000).
D. Watkin, The Roman Forum (Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 2009).
A. Ziółkowski, Sacra Via: twenty years after (Journal of Juristic Papyrology, Supplement; 3), (Warsaw: Fundacja im. Rafała Taubenschlag, 2004).

Sites recomendados:

Digital Roman Forum (UCLA)
Digital Augustan Rome
Rome Reborn
Roman Forum and Palatine Hill

Artigo publicado em 12/12/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.