A redescoberta de Pompéia e das outras cidades destruídas pelo Vesúvio

Artigos > Roma Antiga  |  596 visualizações  |  2335 palavras

Capa do artigo: A redescoberta de Pompéia e das outras cidades destruídas pelo Vesúvio

As ruínas da cidade romana de Pompéia, com o monte Vesúvio ao fundo. A cidade ficava a 8 km do vulcão.

Tradução feita a partir de artigo publicado no site SmartHistory, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito pela Dr. Francesca Tronchin e publicado em julho de 2018. O texto não possui bibliografia, mas a autora adicionou uma lista de leituras recomendadas. Essa lista foi colocada abaixo nas referências biliográficas. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo.

A erupção do Monte Vesúvio em 79 d.C destruiu e enterrou sob cinzas e rochas as cidades de Pompéia, Herculano e outros locais no sul da Itália. A redescoberta desses locais na era moderna é tão fascinante quanto as próprias cidades e fornece uma janela para a História da arte e da arqueologia.

Mapa com detalhes da erupção do Vesúvio.

Pompéia hoje

Hoje, o sítio de Pompéia está aberto a turistas de todo o mundo. Os principais projetos de pesquisa, escavação e preservação são supervisionados pelas universidades italianas e americanas, bem como pela Grã-Bretanha, Suécia e Japão.

O Monte Vesúvio.é considerado hoje um vulcão inativo.

Atualmente, a principal preocupação em Pompéia é a conservação - as autoridades devem lidar com a interseção do aumento do turismo, a deterioração dos edifícios em um estado às vezes perigoso e a diminuição do financiamento para monumentos históricos arqueológicos e históricos da arte. A história de 250 anos da descoberta de Pompéia, Herculano e de outros locais destruídos pelo Vesúvio tem sido de prioridades e metodologias mutantes, mas sempre com reconhecimento ao status especial dessa zona arqueológica.

Escondido por séculos?

A compreensão popular das consequências imediatas da erupção do Monte Vesúvio é de que Pompéia, Herculano e locais como Oplontis e Stabiae, ficaram enterrados sob cinzas e material vulcânico - completamente isolados da intervenção humana, imperturbados e ocultos por séculos.

As colunas do fórum de Pompéia.

As evidências arqueológicas e geológicas, no entanto, indicam que houve operações de resgate logo após a erupção (veja, por exemplo, os túneis cavados na Casa de Menandro) e que algumas partes dessas cidades permaneceram visíveis por algum tempo (a colunata do fórum em Pompéia não estava completamente coberta). Durante a Idade Média, Pompéia estava totalmente deserta, mas os habitantes locais se referiam à área como La Cività ("o assentamento"), talvez informados pela memória popular da existência da cidade.

As escavações começam

Embora os estudiosos da Renascença estivessem cientes de Pompéia e da sua destruição através de várias fontes escritas antigas, o primeiro "arqueólogo" da região aparentemente não se impressionou com suas descobertas. De 1594 a 1600, o arquiteto Domenico Fontana trabalhou em novas construções na área e escavou acidentalmente várias pinturas de parede, inscrições e blocos arquitetônicos enquanto cavava um canal. Ninguém realizou explorações de acompanhamento por quase um século e meio, apesar do interesse geral pela antiguidade e pela arqueologia rudimentar da época.

O arquiteto italiano Domenico Fontana (1543-1607) segundo pintura de Federico Zuccari. Via Wikimedia Commons.

O século 18 viu as primeiras escavações em larga escala nessa região, motivadas pelo desejo de coletar obras de arte antiga, tanto quanto por uma curiosidade científica sobre o passado. Outras descobertas incidentais nas primeiras décadas de 1700 levaram Carlos VII, rei da Espanha, Nápoles e Sicília, a encomendar um levantamento da área de Herculano.

Retrato de Carlos VII, rei da Espanha, Nápoles e Sicília. Na Espanha ele era conhecido como Carlos III. Retrato feito por Anton Raphael Mengs. Via Wikimedia Commons.

A escavação oficial começou em outubro de 1738, sob a supervisão de Rocque Joaquin de Alcubierre, um engenheiro militar que escavou um túnel através do material vulcânico praticamente petrificado com dinamite, para encontrar restos de Herculano a mais de 20 metros abaixo da superfície. Esse trabalho perigoso (colapso de túneis e gases tóxicos eram uma ameaça constante), revelou pinturas de parede, esculturas em tamanho real em bronze e mármore e rolos de papiro da Vila dos Papiros.

Reconstrução da Vila dos Papiros em Herculano, segundo o artista Rocío Espín Piñar. Essa era uma residência particular da região.

Muitas dessas obras recuperadas passaram a decorar o palácio do rei. A arqueologia ainda estava em sua infância como um campo prático de estudo naquele momento, e muitas vezes se tratava mais de uma “caça ao tesouro” do que realmente de uma pesquisa ou documentação cuidadosa.

Um engenheiro suíço, Karl Jakob Weber, assumiu a escavação de Herculano em 1750 e trouxe métodos mais cuidadosos para o local. As práticas de Weber de registrar os achados de objetos importantes em três dimensões e fazer planos detalhados de vestígios arquitetônicos lançaram as bases para os procedimentos indispensáveis ​​da arqueologia moderna.

O engenheiro Alcubierre mudou seu foco para Pompéia, que havia sido redescoberta em 1748. Entre as primeiras escavações, havia o anfiteatro e uma inscrição confirmando o nome da cidade: REI PUBLICAE POMPEIANORUM.

A cidade de Pompéia vista de cima.

Com as descobertas de Herculano e Pompéia aumentando exponencialmente, o rei Carlos inaugurou uma Academia Real em Nápoles em 1755, dedicada ao mapeamento dos sítios e à publicação de descobertas significativas.

O campo da história da arte emergia concomitantemente com essas primeiras escavações e, naturalmente, locais como Pompéia e Herculano eram de grande interesse para o homem que cunhou o termo "História da Arte" - o estudioso alemão Johann Joachim Winckelmann.

Johann Joachim Winckelmann, segundo pintura de Anton Raphael Mengs. MET.

Seus relatos sobre as descobertas dessa área atiçaram as chamas do fervor europeu pela antiguidade clássica, e os viajantes do Grand Tour da Grã-Bretanha e de outros países abriram caminho para Pompéia e Herculano no final do século 18.

Embora Winckelmann estivesse mais preocupado em categorizar as esculturas grega e romana, ele também estava profundamente interessado no novo campo da arqueologia. Ele conhecia o suficiente dessa ciência para criticar o segredo e os métodos agressivos de Alcubierre, algo que levou Winckelmann a ser banido de Pompéia.

Na verdade, era o desejo do rei Charles (e o de seu sucessor Fernando I) por belos artefatos que fecharam grande parte das escavações para estudiosos externos, com a maioria das descobertas importantes indo diretamente para a coleção real privada. O rei também promulgou leis proibindo a exportação de antiguidades do Reino de Nápoles.

E até a publicação da monumental obra Le antichità di Ercolano esposte (A exibição das antiguidades de Herculano, 1757-92) foi rigorosamente controlada e os volumes ilustrados foram apresentados seletivamente apenas a outros monarcas europeus pelo próprio rei.

Página da obra Le antichità di Ercolano esposte.

Preservação e acesso

Com a chegada de Francesco La Vega como diretor de escavações em Pompéia em 1780, a conservação de edifícios e artefatos tornou-se uma prioridade. Francesco, e seu irmão Pietro depois dele, removeram artefatos valiosos para o novo Museu de Nápoles, onde juntaram outras peças da coleção real.

Francesco La Vega também abraçou as preocupações de Weber de registrar contextos tridimensionais, e foi sob sua liderança que o Fórum Triangular, o Templo de Ísis e o distrito dos teatros foram descobertos.

Templo de Ísis em Pompéia.

No entanto, como muitos arqueólogos de Pompéia, La Vega lutou com um conflito significativo: um desejo de preservar as raras pinturas de parede antigas in situ, mantendo o local como uma oportunidade singular para visitar uma antiga cidade romana cujas paredes e telhados ainda permaneciam.

Pinturas e edifícios foram deixados abertos tanto para os visitantes famintos de tesouros quanto para os elementos, resultando em deterioração natural e provocada pelo homem em Pompéia.

Giuseppe Fiorelli, superintendente de Pompéia entre 1863-1875.

Talvez nenhum arqueólogo tenha tido uma influência tão significativa na exploração de Pompéia como Giuseppe Fiorelli. Ele foi superintendente de Pompéia por doze anos (1863-1875) durante um momento extremamente patriótico após a unificação da Itália em 1860, quando o patrimônio arqueológico do país era uma tremenda fonte de orgulho. Fiorelli não atingiu seu objetivo de descobrir toda a cidade - apenas cerca de um terço da Pompéia foi escavada - mas ele realizou outras tarefas importantes e trouxe novas técnicas para o local.

Abrindo o sítio para visitantes e a primeira taxa de entrada

Fiorelli organizou sistematicamente o local, dividindo-o em nove regiões e fornecendo um sistema de "endereços" para as insulae (quarteirões da cidade) e portais.

Em uma mudança dramática da abordagem restritiva do turismo do século 18 em Pompéia, Fiorelli abriu o sítio para visitantes de todo o mundo - e também introduziu a primeira taxa de entrada. Seus relatórios exaustivos sobre as escavações mantiveram os estudiosos informados sobre os desenvolvimentos no local.

A Casa dos Vettii. Uma das mais famosas e luxuosas residências da antiga cidade romana de Pompeia.

Fiorelli é mais conhecido por seu uso de técnicas de fundição de gesso que permitiam uma espécie de preservação de achados arqueológicos de outra maneira efêmeros, como madeira e restos humanos. Ao derramar gesso nos espaços vazios das cinzas deixadas pelo material orgânico em decomposição, os moldes de Fiorelli deram forma a coisas como portas de madeira, caixilhos de janelas, móveis e, é claro, as vítimas da erupção do Monte. Vesúvio.

A descoberta de corpos humanos mortos na erupção do Vesúvio. Pompéia.

Os moldes de restos humanos - incluindo adultos e crianças, sem mencionar um cachorro de estimação - lembram aos visitantes até hoje que o grande presente da arqueologia de Pompéia teve um custo tremendo (talvez 2.000 pessoas tenham perdido a vida).

A investigação arqueológica continua - como um projeto internacional

No final do século 19, a exploração de Pompéia e Herculano se tornou um projeto mais internacional. O diplomata britânico Sir William Hamilton já havia publicado estudos de atividade vulcânica e pintado cerâmica da região no final do século 18. Estudiosos alemães do século 19 estudaram inscrições (Theodor Mommsen), delinearam o plano da cidade (Heinrich Nissen) e criaram tipologias de pintura de parede (Wolfgang Helbig).

Theodor Mommsen foi um dos muitos estudiosos a estudar as ruínas de Pompéia.

A categorização completa de August Mau dos quatro estilos de afrescos de Pompéia, publicada em 1882, continua sendo a base dos estudos de pintura de parede hoje. O final do século 19 também viu a escavação e a restauração de duas das casas mais espetaculares de Pompéia - a Casa dos Vettii e a Casa do Casamento de Prata.

August Mau foi responsável pela classificação dos afrescos de Pompéia.

O século 20 continuou sendo um período muito produtivo para os arqueólogos italianos em Pompéia, embora o trabalho tenha sido interrompido por eventos mundiais. Vittorio Spinazzola (diretor, 1911-1923) abriu uma enorme campanha de escavação ao longo da Via dell'Abbondanza. Seu trabalho não só descobriu residências importantes como a Casa de Octavius ​​Quartio, mas também contribuiu para o entendimento dos andares superiores dos edifícios de Pompeia.

O trabalho de Spinazzola foi interrompido pela eclosão da Primeira Guerra Mundial e ele foi forçado a deixar o cargo pelo governo fascista da Itália. Amedeo Maiuri foi o diretor de escavações de 1923-1962 e supervisionou a descoberta da Vila dos Mistérios e da Casa de Menandro.

O átrio da Casa de Menandro, uma das casas mais ricas e magníficas da antiga Pompéia em termos de arquitetura, decoração e conteúdo, e abrange uma grande área de cerca de 1.800 metros quadrados.

Embora o trabalho tenha sido interrompido novamente em Pompéia durante a Segunda Guerra Mundial, Maiuri conseguiu ampliar as escavações até o ponto visto hoje: cerca de 66% a 75% da fase final da cidade foram descobertos. Maiuri também estava preocupado com a Pompéia pré-romana, abrindo escavações abaixo da camada mais recente; ele também realizou extensos trabalhos de restauração e conservação.

Um momento terrível para Pompéia ocorreu em 1943, quando os Aliados jogaram mais de 150 bombas no local, acreditando que os alemães estavam escondendo soldados e munições entre as ruínas. Pelo menos uma bomba caiu no museu no local, destruindo alguns dos artefatos mais interessantes descobertos naquela época.

No entanto, graças aos esforços de muitos arqueólogos e pesquisadores que trabalharam para descobrir os restos de Pompéia e Herculano nos últimos três séculos, hoje podemos andar novamente pelas ruas dessas fascinantes cidades romanas antigas.

Gostou desse artigo?




TAGS

Pompéia

Mais artigos sobre Roma Antiga

Os 15 Arcos do Triunfo mais famosos da Roma Antiga

Sobre a relação entre bárbaros e romanos

O Fórum na Roma Antiga

Artigo publicado em 22/12/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.