Uma introdução à Arquitetura romana

Artigos > Roma Antiga  |  971 visualizações  |  2136 palavras

Capa do artigo: Uma introdução à Arquitetura romana

A abóboda do Panteão em Roma ainda hoje tira o fôlego dos visitantes com seus 43 metros de diâmetro.

Tradução de artigo publicado no site SmartHistory, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito pela Dra. Jessica Leay Ambler e publicado em agosto de 2015. O texto não possui bibliografia, mas a autora adicionou uma lista de leituras adicionais. Essa lista foi colocada abaixo nas referências biliográficas. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo.

A arquitetura romana era diferente de tudo que havia acontecido antes. Os persas, egípcios, gregos e etruscos tinham uma arquitetura monumental, mas a grandeza de seus edifícios era em grande parte externa. Os prédios eram projetados para serem impressionantes quando vistos de fora, porque todos os arquitetos tinham que confiar em prédios com um sistema de postes sob lintéis, o que significa que eles usavam colunas verticais com um bloco horizontal, conhecido como lintel, sobre elas. Um bom exemplo é este antigo templo grego em Paestum, Itália.

Templo grego em Paestum, um típico exemplo dos limites da arquitetura grega.

Como os lintéis eram pesados, os espaços interiores dos edifícios só podiam ter um tamanho limitado. Grande parte do espaço interno tinha que ser dedicada ao suporte de vigas pesadas que sustentavam o teto.

A arquitetura romana diferia fundamentalmente dessa tradição por causa da descoberta, experimentação e exploração de concreto, arcos e abóbadas (um bom exemplo disso é o Panteão, construído por volta de 125 d.C.). Graças a essas inovações, a partir do século 1 d.C., os romanos conseguiram criar espaços interiores que antes eram impossíveis.

A grande cúpula do Panteão só foi possível graças as inovações arquitetônicas romanas.

Os romanos ficaram cada vez mais preocupados em modelar o espaço interior, em vez de preenchê-lo com suportes estruturais. Como resultado, o interior dos edifícios romanos era tão impressionante quanto o exterior.

Materiais, métodos e inovações

Muito antes de o concreto aparecer no cenário das construções em Roma, os romanos utilizavam uma pedra vulcânica nativa da Itália chamada tufa para construir seus edifícios. Embora a tufa nunca tenha saído de uso, o travertino começou a ser utilizado no final do século 2 a.C. porque era mais durável. Além disso, sua cor esbranquiçada o tornou um substituto aceitável para o mármore.

Esse detalhe do Coliseu em Roma mostra a utilização do travertino na construção.

O mármore demorou para ganhar espaço em Roma durante o período republicano, uma vez que era visto como uma extravagância, mas após o reinado de Augusto (31 a.C. - 14 d.C.), o mármore entrou no gosto romano. Augusto alegou em sua inscrição funerária, conhecida como Res Gestae, que “encontrou Roma como uma cidade de tijolos e a deixou como uma cidade de mármore”, referindo-se às suas ambiciosas campanhas de construção.

Do lado de fora do Museu Aras Pacis em Roma há uma réplica da Res Gestae, uma narrativa escrita pelo próprio imperador romano, Augusto, antes da sua morte, citando as obras realizadas durante sua longa carreira política.

O concreto romano (opus caementicium) foi desenvolvido no início do século 2 a.C. O uso de argamassa como agente de ligação em alvenaria de cantaria não era novo no mundo antigo; argamassa era uma combinação de areia, cal e água em proporções adequadas.

A principal contribuição dos romanos para a receita da argamassa foi a introdução da areia vulcânica italiana (também conhecida como "pozzolana"). Os construtores romanos que usavam pozzolana em vez de areia comum notaram que a argamassa era incrivelmente forte e durável. Ela também tinha a capacidade de ser usada debaixo d'água.

Tijolos e ladrilhos eram geralmente colocados sobre o concreto, uma vez que ele não era considerado muito bonitos por si só, mas as possibilidades estruturais do concreto eram muito mais importantes. A invenção do opus caementicium iniciou a revolução arquitetônica romana, permitindo que os construtores fossem muito mais criativos com seus projetos. Como o concreto assumia a forma do molde ou da estrutura em que era despejado, os edifícios começaram a assumir formas cada vez mais fluidas e criativas.

Os romanos também exploraram as oportunidades oferecidas aos arquitetos pela criação do arco verdadeiro (em oposição a um arco de pedras, onde as pedras são colocadas para que elas se desloquem levemente em direção ao centro à medida que avançam).

A utilização do arco permitiu que os romanos construissem aquedutos como esse sem a utilização de argamassa, apenas com pedras. Aqueduto em Segóvia na Espanha.Esses arcos presentes nas tumbas reais de Ur, na Mesopotâmia, foram construídos por volta de 2500 a.C. e são uma boa amostra da limitações que o arco possuía antes das invenção do arco verdadeiro.


Um arco verdadeiro é composto de blocos em forma de cunha (normalmente de uma pedra durável), chamados voussoirs, com uma pedra-chave no centro, mantendo-os no lugar. Em um arco verdadeiro, o peso é transferido de um voussoir para o próximo, do topo do arco para o nível do solo, criando uma ferramenta robusta de construção. Os arcos verdadeiros podem abranger distâncias maiores do que um simples poste e lintel. O uso do concreto, combinado com o emprego de arcos verdadeiros, permitiu a construção de abóbadas e cúpulas, criando espaços interiores amplos e de tirar o fôlego.

Arquitetos romanos

Não sabemos muito sobre arquitetos romanos. Poucos arquitetos são conhecidos por nós, porque as inscrições dedicatórias, que aparecem em edifícios acabados, geralmente comemoram a pessoa que encomendou e pagou pela estrutura, e não aquela que desenvolveu o projeto.

Sabemos que os arquitetos vinham de todas as esferas da vida, de libertos até de imperadores como Adriano, e eles eram responsáveis ​​por todos os aspectos da construção de um projeto. O arquiteto projetava o edifício e atuava como engenheiro; também atuava como contratado e supervisor e tentava manter o projeto dentro do orçamento.

Tipos de construção

As cidades romanas eram tipicamente focadas no fórum (uma grande praça aberta, cercada por edifícios importantes), que era o coração cívico, religioso e econômico da cidade. Era no fórum da cidade que estavam localizados os principais templos (como o templo Capitolino, dedicado a Júpiter, Juno e Minerva), além de outros santuários importantes.

Também eram úteis no plano do fórum a basílica (um tribunal de direito) e outros locais oficiais de reunião do conselho da cidade, como o edifício da cúria. E mercados de carne, peixes e legumes da cidade surgiram em torno do movimentado fórum.

A utilização de arcos permitiu a criação de grandes espaços cobertos na Basílica de Maxêncio, construída no inicio do século 4 d.C. Foto do site Para Viagem.

Ao redor do fórum, alinhando as ruas da cidade, emoldurando os portões e marcando cruzamentos, ficava a arquitetura conectiva da cidade: os pórticos, colunatas, arcos e fontes que embelezavam a cidade romana e recebiam os viajantes. Pompéia é um excelente exemplo de uma cidade com um fórum bem preservado.

O fórum de Pompéia visto de cima.

Os romanos tinham uma grande variedade de moradias. Os ricos podiam possuir uma casa (domus) na cidade, bem como uma casa de campo (villa), enquanto os menos afortunados viviam em prédios de vários andares chamados insulae. A Casa de Diana em Óstia, cidade portuária de Roma, a partir do final do 2 a.C. é um ótimo exemplo de uma ínsula.

A Insula de Diana em Óstia.A planta do primeiro e segundo andar da insula de Diana em Óstia. Via Ostia-Antica.org


Mesmo na morte, os romanos descobriram a necessidade de construir grandes edifícios para comemorar e abrigar seus restos mortais, como o padeiro Eurísace, cuja tumba elaborada ainda se mantém de pé perto da Porta Maggiore, em Roma.

Tumba do padeiro Eurísace em Roma.

Os romanos construíram aquedutos em todo o seu domínio e introduziram água nas cidades que construíram e ocuparam, melhorando as condições sanitárias. Um suprimento constante de água também permitia que as casas de banho se tornassem características padrão das cidades romanas, de Timgad, na Argélia a Bath, na Inglaterra.

Banho romano na cidade de Bath ao sul da Inglaterra.

Um estilo de vida romano saudável também incluía viagens ao ginásio. Muitas vezes, no período imperial, grandes complexos de ginásios e banhos eram construídos e financiados pelo estado, como as Termas de Caracala, que incluíam pistas de corrida, jardins e bibliotecas.

Uma reconstrução do grande complexo que eram as Termas de Caracala, construídas no século 3 d.C. Ilustração moderna, autor desconhecido.

O entretenimento variava bastante, com opções para todos os gostos em Roma, exigindo a construção de muitos tipos de estruturas. Havia teatros em estilo grego para peças de teatro, bem como odeões menores e mais íntimos, como o de Pompéia, que foram projetados especialmente para apresentações musicais.

Odeão em Pompéia.

Os romanos também construíram anfiteatros - espaços elípticos e fechados, como o Coliseu - que eram usados ​​para combates de gladiadores ou batalhas entre homens e animais. E também construíram circos em muitas de suas cidades. Os circos, como o de Leptis Magna, na Líbia, eram locais para os moradores assistirem às corridas de carros.

O circo de Leptis Magna ficava próximo ao anfiteatro da cidade. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Os romanos continuaram a aperfeiçoar suas habilidades de construção de pontes e colocação de estradas, permitindo-lhes atravessar rios e buracos e percorrer grandes distâncias para expandir seu império e serem capazes de melhor supervisioná-lo. Da ponte em Alcántara, na Espanha, às estradas pavimentadas em Petra, na Jordânia, os romanos movimentavam mensagens, dinheiro e tropas com eficiência.

Ponte romana em Alcántara, na Espanha, construida por ordem do imperador Trajano no século 2 d.C.

Arquitetura romana no período Republicano

A arquitetura romana republicana foi influenciada pelos etruscos que foram os primeiros reis de Roma; os etruscos, por sua vez, foram influenciados pela arquitetura grega. O Templo de Júpiter no Monte Capitolino, em Roma, iniciado no final do século 6 a.C., apresenta todas as características da arquitetura etrusca.

Templo de Júpiter do Monte Capitolino, em Roma. Segundo maquete do Museu da Civilização Romana.

O templo foi erguido a partir de tufos locais em um pódio alto e o que é mais característico é sua frontalidade. A varanda é muito profunda e o visitante deve se aproximar usando apenas um ponto de acesso, ao invés de acessar o prédio pelas laterais, como era comum nos templos gregos.

Além disso, a presença de três caves, ou salas de culto, também era única. O templo de Júpiter permaneceria influente no design de templos durante grande parte do período republicano.

Inspirar-se em tradições tão profundas e ricas não significou que os arquitetos romanos não estavam dispostos a experimentar coisas novas. No final do período republicano, os arquitetos começaram a experimentar o concreto, testando sua capacidade de ver como o material lhes permitia construir em grande escala.

Reconstrução do Templo da Fortuna Primigênia, Palestrina, Itália. Ilustração moderna, autor desconhecido.

O Santuário de Fortuna Primigenia na atual Palestrina é composto por dois complexos, um superior e um inferior. O complexo superior é construído em uma encosta e em socalcos, como um santuário helenístico, com rampas e escadas que levam dos terraços ao pequeno teatro e templo de tholos no pináculo.

Todo o complexo é intricadamente entrelaçado para manipular a experiência de visão do visitante, a luz do dia e a abordagem do próprio santuário. Não mais dependentes da arquitetura pós-lintel, os construtores utilizaram o concreto para fazer um vasto sistema de rampas cobertas, grandes terraços, mercados e abóbadas.

Arquitetura no período Imperial

O imperador Nero começou a construir sua infame Domus Aurea, ou Casa Dourada (veja vídeo abaixo), depois que um grande incêndio varreu Roma em 64 d.C. e destruiu grande parte da área central da cidade. A destruição permitiu que Nero adquirisse imóveis valiosos para seu próprio projeto de construção; uma vila nova e grande. Embora a escolha não fosse de interesse público, o desejo de Nero de viver em grande estilo estimulou a revolução arquitetônica em Roma.

Os arquitetos, Severus e Celer, são conhecidos (graças ao historiador romano Tácito) e construíram um grande palácio, completo com pátios, salas de jantar, colunatas e fontes. Eles também usaram extensivamente o concreto, incluindo abóbadas e abóbadas em todo o complexo. O que torna a Casa Dourada única na arquitetura romana é que Severus e Celer estavam usando concreto de maneiras novas e emocionantes; em vez de utilizar o material apenas para seus propósitos estruturais, os arquitetos começaram a experimentar o concreto de forma estética, por exemplo, para criar amplos espaços abobadados.

Nero pode ter iniciado uma nova tendência para uma arquitetura de concreto maior e melhor, mas os arquitetos romanos e os imperadores que os apoiaram adotaram essa tendência e a levaram ao seu maior potencial. O Coliseu de Vespasiano, os Mercados de Trajano, os Banhos de Caracala (veja vídeo abaixo) e a Basílica de Maxêncio são apenas algumas das estruturas mais impressionantes que surgiram da revolução arquitetônica em Roma.

A arquitetura romana não era inteiramente composta de concreto, no entanto. Alguns edifícios, feitos de mármore, remontam à beleza clássica e sóbria da arquitetura grega, como o Fórum de Trajano. Estruturas de concreto e prédios de mármore ficavam lado a lado em Roma, demonstrando que os romanos apreciavam a história arquitetônica do Mediterrâneo tanto quanto sua própria inovação. Em última análise, a arquitetura romana é esmagadoramente uma história de sucesso de experimentação e do desejo de alcançar algo novo.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Arquitetura romana

Arquitetura de teatros e anfiteatros no mundo romano

Os 10 Anfiteatros mais famosos da Roma Antiga

As termas romanas

Fontes bibiliográficas:

James C. Anderson Jr., Roman Architecture and Society. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2002.
Diana Kleiner, Roman Architecture: A Visual Guide (Kindle) New Haven: Yale University Press, 2014.
William J. MacDonald, The Architecture of the Roman Empire, vol. I: An Introductory Study. New Haven: Yale University Press, 1982.
Frank Sear, Roman Architecture. Ithaca: Cornell University Press, 1983.
J.B. Ward-Perkins, Roman Imperial Architecture. New Haven: Yale University Press, 1992.

Artigo publicado em 03/02/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.