Sobre reconstruções arqueológicas

Artigos > Outros temas de História  |  308 visualizações  |  971 palavras

Capa do artigo: Sobre reconstruções arqueológicas

Reconstrução da cidade da Babilônia, como teria sido no século 6 a.C. no seu período de auge sob Nabucodosor.

Tradução de artigo publicado no site SmartHistory, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito pelo arqueólogo alemão Sebastian Hageneuer, e publicado em janeiro de 2016. O texto não possui bibliografia, mas o autor adicionou uma lista de leituras recomendadas. Essa lista foi colocada abaixo nas referências biliográficas. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo.

Reconstruções de locais ou achados antigos podem nos ajudar a entender o passado. Para não acadêmicos, as reconstruções oferecem um vislumbre desse passado, um tipo de acúmulo visual de pesquisa científica comunicada por meio de imagens, modelos ou até por realidade virtual. Vemos reconstruções em filmes, museus e revistas para ilustrar as histórias por trás dos fatos históricos ou arqueológicos.

Para arqueólogos como eu, no entanto, as reconstruções também são uma ferramenta importante para responder a perguntas não resolvidas e até levantar novas. Um campo em que isso é particularmente verdadeiro é a reconstrução da arquitetura antiga.

Primeiras reconstruções

Desde pelo menos os tempos medievais, os artistas criaram reconstruções visuais extraídas dos relatos dos viajantes ou da Bíblia. Exemplos disso incluem o sítio de Stonehenge ou a Torre da Babilônia. Desde o início da arqueologia como ciência em meados do século 19, foram feitas reconstruções científicas baseadas em dados reais. Obviamente, as visualizações anteriores eram mais conjeturais que as posteriores, devido à falta de dados comparáveis ​​na época (por exemplo, a imagem abaixo).

Nimrud por James Fergusson para Sir Henry Layard (1853).

A ilustração acima é uma reconstrução de Nimrud, o local de um antigo palácio assírio, feita por James Fergusson para Sir Henry Layard, e publicada em 1853. As colunas representadas aqui nunca foram encontradas. A reconstrução é claramente influenciada pelo que era conhecido na época da arquitetura greco-romana e também pela obra Queda de Nínive de John Martin de 1829 (veja abaixo):

A Queda de Nínive, obra de John Martin (1829).

Os três blocos de reconstrução

Desde o final do século 19, as ilustrações com reconstruções evoluíram para serem menos conjecturais e cada vez mais baseados em dados arqueológicos reais, à medida que esses dados se tornaram disponíveis graças ao aumento das escavações.

Hoje, não podemos apenas olhar para as reconstruções, podemos experimentá-las - seja como modelos físicos em tamanho real ou como simulações virtuais imersivas. Mas como as criamos? Do que elas são feitas? Toda reconstrução é basicamente composta por três blocos de construção: Fontes Primárias, Fontes Secundárias e Adivinhação.

O primeiro passo para uma boa visualização é tomar consciência dos dados arqueológicos, dos restos escavados - simplesmente tudo o que sobreviveu. Esses dados são chamados de fontes primárias - essa é a parte da reconstrução sobre a qual temos mais certeza. Às vezes temos muita coisa que sobreviveu e às vezes temos apenas o layout básico de uma planta baixa (abaixo).

Restos do edifício C em Uruk. Apenas algumas fileiras de tijolos de barro sobreviveram para oferecer um plano básico. O edifício data do 4° milênio a.C. © Instituto Arqueológico Alemão, Instituto Oriental, W 10767.

Mesmo quando as fontes primárias são utilizadas, geralmente precisamos preencher as lacunas com fontes secundárias. Essas fontes são compostas de paralelos arquitetônicos, representações e descrições antigas ou dados etno-arqueológicos.

Assim, por exemplo, no caso do Edifício C em Uruk (acima), sabemos pelas Fontes Primárias, que este edifício era feito de tijolos de barro (pelo menos as duas primeiras linhas). Temos então que olhar para outros edifícios da época para descobrir como eles foram construídos. No exemplo acima, o layout da planta mostra-nos que este edifício era tripartido - um layout bem conhecido deste e de outros sítios.

Também analisamos a arquitetura contemporânea para entender como a arquitetura de tijolos de barro funciona e para descobrir o que certos detalhes arquitetônicos podem significar. Infelizmente, não temos representações ou evidências textuais que possam nos ajudar com este exemplo. Paralelos de épocas posteriores, no entanto, mostram-nos que os nichos incomuns nos quartos sugerem uma função importante.

Depois de utilizar todas as fontes primárias e secundárias, ainda precisamos preencher as lacunas. A terceira parte de toda reconstrução é um trabalho de adivinhação simples. Obviamente, precisamos limitar essa parte o máximo que pudermos, mas sempre há alguma adivinhação - não importa o quanto pesquisemos nosso edifício.

Por exemplo, é bastante difícil decidir o quão alto o Edifício C era há mais de 5000 anos atrás. Portanto, precisamos adivinhar com base, por exemplo, no comprimento e na inclinação estimados das escadas dentro do edifício. Se tivermos sorte, também podemos usar algumas fontes primárias ou secundárias, mas mesmo assim, no final, precisamos tomar uma decisão subjetiva.

Reconstrução técnica do edifício C em Uruk. A parte sudoeste do edifício foi artificialmente aberta para que possamos ver o interior (por exemplo, a escada). © artefacts-berlin.de; Material: Instituto Arqueológico Alemão

Reconstruções como ferramenta acadêmica

Além de criar essas reconstruções para exibi-las em exposições, os modelos arquitetônicos também podem ajudar nas investigações arqueológicas. Se construímos arquitetura antiga usando o computador, precisamos não apenas decidir todos os aspectos daquele edifício em particular, mas também a relação com a arquitetura adjacente. Às vezes, o processo de reconstruir vários prédios e pensar em sua interdependência pode revelar conexões interessantes, por exemplo, a complicada questão do descarte de água de um telhado.

Estes são apenas exemplos aleatórios, mas claramente, o processo de reconstrução arquitetônica é complexo. Nós, como criadores, precisamos garantir que o observador entenda os problemas e as incertezas de uma reconstrução específica. É essencial que o espectador entenda que essas imagens não são 100% factuais. Como disse o arqueólogo Simon James: “Toda reconstrução está errada. A única questão real é: quão errado está?"

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Outros temas de História

5 Mitos estúpidos sobre as guerras que todo mundo acredita (Graças aos filmes)

Um olhar sobre a coleção Grandes Líderes

O problema com os documentários de História

Fontes bibiliográficas:

ARTEFACTS: Scientific & Archaeological Reconstruction
Nicholas Stanley-Price, The Reconstruction of Ruins: Principles and Practice (2009)

Artigo publicado em 12/02/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.