Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Roma e o comércio com a Arábia e os Impérios da Ásia

Artigos > Roma Antiga  |  1,9 mil visualizações  |  854 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Roma e o comércio com a Arábia e os Impérios da Ásia

Caravanas de camelos eram responsáveis por boa parte do transporte de mercadorias do oriente para o ocidente. Imagem meramente ilustrativa.

Tradução de dois artigos publicados no site do MET, os texto originais podem ser conferido aqui e aqui.

No final do século 1 a.C., houve uma grande expansão do comércio internacional envolvendo cinco potências vizinhas: o Império Romano, o Império Parta, o Império Cuchana, a confederação nômade de Xiongnu e o Império chinês Han.

As grandes rotas comerciais do século 1 d.C. na Eurásia e norte da África.

Embora a viagem fosse árdua e o conhecimento da geografia fosse imperfeito, foram criados numerosos contatos à medida que esses impérios se expandiam - espalhando idéias, crenças e costumes entre povos heterogêneos - e à medida que bens valiosos eram movidos por longas distâncias através do comércio, troca, doação de presentes e pagamento de homenagem.

Camelo bactriano no Zoológico de Xangai. Via Wikimedia Commons.

O transporte terrestre era realizado usando embarcações fluviais e animais de carga, principalmente o robusto camelo bactriano. As viagens marítimas dependiam dos ventos predominantes no Oceano Índico, as monções, que sopram do sudoeste durante os meses de verão e do nordeste no outono.

As monções na Índia afetavam as rotas comerciais do oriente.

Uma vasta rede de postos comerciais estrategicamente localizados (empórios) possibilitou a troca, distribuição e armazenamento de mercadorias. Isodorus de Charax, um grego parta que escreveu por volta de 1 d.C., descreveu várias postos e rotas em um livro intitulado Estações Partas.

Da metrópole greco-romana de Antioquia, as rotas cruzavam o deserto da Síria via Palmira até Ctesifonte (capital parta) e Selêucia no rio Tigre. De lá, a estrada seguia para o leste através das montanhas Zagros, até as cidades de Ecbátana e Merv, onde um ramo voltava para o norte via Bucara e Fergana para a Mongólia e o outro para Báctria. O porto de Spasinu Charax, no Golfo Pérsico, era um grande centro de comércio marítimo.

Principais cidades envolvidas nas rotas comerciais orientais no século 1 d.C. Localizações aproximadas. Também marquei algumas cidades dentro do Império Romano para uma melhor compreensão das localizações.

As mercadorias descarregadas eram enviadas ao longo de uma rede de rotas por todo o império parta - subindo o Tigre até Ctesifonte; do Eufrates a Dura Europo; e pelas cidades das caravanas do deserto da Arábia e da Síria. Muitas dessas rotas terrestres terminavam nos portos do Mediterrâneo oriental, a partir dos quais a mercadoria era distribuída às cidades do império romano.

Petra na antiguidade. Reconstrução de Lord Arnaut para Nat-Geo.

Outras rotas pelo deserto da Arábia podem ter terminado na cidade de Petra, em Nabataean, onde novas caravanas viajavam para Gaza e outros portos no Mediterrâneo, ou para o norte para Damasco ou para o leste até Pártia. Uma rede de rotas marítimas ligava os portos de incenso da Arábia do Sul e da Somália aos portos do Golfo Pérsico e da Índia, a leste, e também aos portos do Mar Vermelho, de onde as mercadorias eram transportadas por terra para o Nilo e depois para Alexandria.

A rota do Incenso

O incenso e a mirra, altamente valorizados na antiguidade como fragrâncias, só podiam ser obtidos de árvores que crescem no sul da Arábia, Etiópia e Somália. Mercadores árabes trouxeram esses bens para os mercados romanos, por meio de caravanas de camelos ao longo da Rota do Incenso.

A Boswellia sacra é a principal árvore do gênero Boswellia, da qual é colhido o incenso. É nativa da Península Arábica e do nordeste da África.

A Rota do Incenso começou originalmente em Shabwah, em Hadhramaut (atual Iêmen), o reino mais oriental da Arábia do Sul, e terminou em Gaza, um porto ao norte da Península do Sinai, no Mar Mediterrâneo. As rotas das caravanas de camelos através dos desertos da Arábia e dos portos ao longo da costa da Arábia do Sul faziam parte de uma vasta rede comercial, cobrindo a maior parte do mundo conhecido, essa região era chamada pelos geógrafos greco-romanos de Arábia Felix.

Esse mapa de Schenk, Valck e Janssonius, feito no século 17, mostra a Arabia Felix (em amarelo), tendo ao norte a Arábia Pétrea (rosa) e a Arábia Deserta (branca). A Arábia só se unificou com as fronteiras atuais depois da Primeira Guerra Mundial.

Os comerciantes da Arábia do Sul utilizavam a Rota do Incenso para transportar não apenas incenso e mirra, mas também especiarias, ouro, marfim, pérolas, pedras preciosas e têxteis - que chegavam aos portos locais da África, Índia e Extremo Oriente. O geógrafo Strabo comparou o imenso tráfego ao longo das rotas do deserto ao de um exército.

Esse queimador de incenso arábe é do 1° milênio a.C., desde essa época até o século 6 d.C., os reinos do sudoeste da Arábia ganharam considerável riqueza e poder através do controle do comércio de incenso entre a Arábia e as terras do litoral mediterrâneo.  O incenso e a mirra, resinas de goma nativas do sul da Arábia, eram amplamente valorizados no mundo antigo pela preparação de incenso, perfumes, cosméticos e medicamentos, bem como para uso em cerimônias religiosas e funerárias. MET. N° 49.71.2

A Rota do Incenso percorria a borda oeste do deserto central da Arábia, a cerca de 160 quilômetros da costa do Mar Vermelho; Plínio, o Velho, declarou que a jornada era composta por 65 estágios, divididos por paradas para os camelos. Os nabateus e os sul-árabes ficaram tremendamente ricos realizando o transporte de mercadorias destinadas a terras além da Península Arábica.

Tradução de texto escrito por Departamento de arte do antigo oriente próximo do MET
Outubro de 2000

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Economia na Roma Antiga

Barcos na Roma Antiga - Navegação

Barcos na Roma Antiga - Construção

Fontes bibiliográficas:

Milleker, Elizabeth J., ed. The Year One: Art of the Ancient World East and West. Exhibition catalogue. New York: Metropolitan Museum of Art, 2000.
Simpson, St. John, ed. Queen of Sheba: Treasures from Ancient Yemen. London: British Museum Press, 2002.
Taylor, Jane. Petra and the Lost Kingdom of the Nabataeans. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 2002.
Whitfield, Susan. Life along the Silk Road. Berkeley: University of California Press, 1999.
Whitfield, Susan, with Ursula Sims-Williams, eds. The Silk Route: Trade, Travel, War and Faith. London: British Library, 2004.

Artigo publicado em 15/02/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL