Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Casas romanas: a moradia na Roma Antiga

Artigos > Roma Antiga  |  9,5 mil visualizações  |  1540 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Casas romanas: a moradia na Roma Antiga

A Vila de Borg é uma vila romana reconstruída na Alemanha.

Quando se pensa em moradias na Roma Antiga, as imagens das casas de Pompéia e Herculano geralmente vêm à mente. Requintadamente preservadas pela erupção do Monte Vesúvio em 79 d.C, esses restos arquitetônicos nos proporcionam uma visão impressionante dos padrões domésticos dos romanos na Itália no século 1 d.C..

No entanto, no quesito moradia, os restos arqueológicos do império romano são muito mais ricos, há vestígios que vão desde o extremo oeste da Espanha até o extremo leste do império. O termo "habitação romana" pode abranger muitos tipos de espaços de convivência.

Vilas, Ínsulas, etc.

Construções com blocos mal construídos conhecidas como Ínsulas abrigavam os escalões inferiores da sociedade em condições perigosas e superlotadas (veja abaixo). No campo, os pobres viviam em pequenas aldeias ou fazendas, em estruturas de pedra. A exploração pela elite do trabalho contratado e escravo em empreendimentos agrícolas e na pecuária fornece uma categoria mais incomum de moradias romanas - salas em complexos industriais, como fábricas de azeite, onde uma força de trabalho vivia durante uma temporada de produção.

Reconstrução de uma Ínsula, uma construção romana para a população mais simples. Ilustração de Amélie Veaux.

No outro extremo da escala social, a elite possuía suas impressionantes residências urbanas e, geralmente, além de suas grandes vilas ou retiros rurais com plantas amplas, inúmeros espaços de entretenimento com rica decoração em mármore, refletindo a importância para a elite do espaço doméstico para a criação de sua persona pública.

As vilas romanas eram moradias rurais que abrangiam grandes propriedades agrícolas. Essa reconstrução mostra uma vila mais simples, mas elas poderiam ser extremamente luxuosas e contar com amplos espaços para lazer e relaxamento. Uma vila muito famosa que se manteve em boas condições é a do imperador Adriano.

A casa romana era, como ainda é hoje, onde a família nuclear morava. No entanto, além disso, a família incluía servos para todos os membros da família. Muitos pesquisadores procuram vestígios de criados dentro dos restos das casas, mas muitas vezes os escravos dormiam nas portas do quarto de seu mestre ou em salas tão simples que suas funções não podem ser facilmente reconstruídas hoje. As casas eram de certa forma semelhantes às de hoje. Elas tinham duas histórias, a dos membros da família e a dos escravos, embora a segunda história raramente sobreviva.

Átrio, tablinum e peristilo

Elas continham quartos, uma sala de jantar, uma cozinha, mas também haviam espaços específicos, só encontrados em casas romanas: o átrio era uma característica típica das casas na metade ocidental do império, uma passagem sombreada em torno de um implúvio central ou piscina, que servia como local para a reunião do proprietário com seus clientes pela manhã.

Essa reconstrução digital mostra um átrio romano.

O tablinum era uma sala de recepção principal emergindo do átrio, onde o proprietário costumava sentar-se para receber seus clientes; e, finalmente, o peristilo era um pátio ao ar livre de tamanho variável, disposto como um jardim normalmente no oeste, mas pavimentado com mármore no leste.

Ilustração mostrando romanos reunidos no tablinum. Autor desconhecido.Essa reconstrução digital mostra o perístilo visto de cima. Reconstrução da Vila Loupian no Languedoc, França.


Enquanto as casas dos dias de hoje costumam funcionar mais como uma fuga das pressões do mundo público, geralmente abertas apenas aos amigos, no mundo romano, a casa de um membro da elite era, não só, um refúgio privado, mas também um centro de transações comerciais. Como resultado dessa função pública, a decoração e a elaboração arquitetônica eram de especial importância.

Pinturas de parede

Uma das características mais conhecidas da decoração de uma casa romana é a pintura de parede. No entanto, as paredes das casas romanas também podiam ser decoradas com revestimento de mármore, painéis finos de mármore de várias cores fixados com argamassa ​​na parede.

Essa foto mostra em detalhes o revestimento de gesso e mármore que era usado em algumas casas romanas. Domus di Amore e Psiche, Óstia.

Esse revestimento frequentemente imitava a arquitetura, por exemplo sendo cortado para se parecer com colunas e capitéis espaçados ao longo da parede. Muitas vezes, mesmo dentro da mesma casa, paredes de gesso eram pintadas para parecerem revestimentos de mármore.

Nessa afresco que decora a Vila de Farnesina em Roma, o artista tentou representar temas da arquitetura romana. Observe as colunas com capitéis coríntios. Foto de Mark Cartwright do Ancient.eu

Os exemplos acima demonstram os vários tipos possíveis de pintura de parede romana. Um proprietário podia optar por representar paisagens ideais emolduradas por arquitetura, elementos arquitetônicos mais refinados e candelabros, ou cenas figurativas relacionadas a entretenimento ou mitologia, como a cena de Polifemo e Galatea ou a cena de Perseu e Andrômeda, na vila de Agrippa Postumus em Boscotrecase (veja abaixo).

Afresco da Vila imperial de Boscotrecase, em Nápoles. Polifemo e Galatéia em uma paisagem. MET. N° 20.192.17Afresco da Vila imperial de Boscotrecase, em Nápoles. Perseu e Andrômeda em uma paisagem. MET. N° 20.192.16


Pisos e mosaicos

Os pisos também podiam ser decorados, geralmente com mármore cortado (opus sectile) ou com mosaicos. Os mosaicos podiam ser bastante simples, representando formas geométricas, ou muito elaborados com cenas figurativas complexas. Mosaicos produzidos no norte da África e na Síria popularizaram cenas de caça.

Mosaico mostra um homem matando um javali. Museu Nacional de Arte Romana. Descoberta em vila em Mérida, Espanha. Via Wikimedia Commons.

Outros temas tipificados nesses mosaicos são imagens de filósofos, cenas ricas com animais ou mostrando o campo ou cenas de divindades e mitos. Muitos mosaicos misturavam formas geométricas simples com cenas figurativas, bem como o exemplo abaixo que mostra uma mulher com uma guirlanda cercada por formas geométricas.

Mosaico de chão romano do século 2 d.C, encontrado em Harbiye, Turquia. MET. N° 38.11.12

Mas a decoração em mosaico não se restringia ao piso das casas romanas. Mosaicos de teto e parede, geralmente de vidro, às vezes eram empregados, e usados ​​principalmente entre colunas ou em nichos abobadados. Exemplos bem preservado pode ser visto em uma moradia em Éfeso, na Ásia Menor (Turquia).

Esse belíssimo mosaico retratando Netuno e Anfitrite, foi encontrado na casa que hoje é conhecida como a Casa do Mosaico de Netuno, em Herculano.

A decoração mais comum nos tetos era na forma de estuque moldado e painéis pintados. Os painéis de estuque exibiam motivos arquitetônicos ou cenas de relevo moldadas e tetos revestidos, especialmente os abobadados. Os painéis de estuque abaixo refletem preocupações temáticas comuns da elite - cenas mitológicas, animais exóticos e divindades. Esses painéis também podem ser usados ​​como um elemento decorativo ao longo do topo das paredes, semelhante ao exemplo de terracota abaixo:

Placa com relevo representando o rei Enomau e seus cavalos. Século 1 a.C. MET. N° 26.60.31

Os painéis pintados e a decoração em estuque eram a parte final de um esquema decorativo inter-relacionado, abrangendo o piso, as paredes e o teto. Restos arqueológicos mostram que cores semelhantes freqüentemente eram usadas pelo menos nos painéis de parede e teto para criar uma estética comum.

Móveis

A mobília é, obviamente, a decoração doméstica mais temporária, facilmente movida e frequentemente substituída. Alguns quartos exigiam peças específicas. Por exemplo, o átrio de uma casa romana costumava ser escassamente mobiliado, com arcas (arcaes), de tesouros e documentos familiares, além de algumas peças de mobiliário, como mesinhas e candelabros.

Esse luxuoso sofá feito com madeira, osso e vidro é do século 1-2 d.C. Acredita-se que tenha pertencido a vila de Lucius Verus em Via Cassia. MET. N° 17.190.2076

Na sala de jantar, os romanos estavam acostumados a se recostar enquanto jantavam e descansavam em sofás enquanto comiam e eram servidos e entretidos por escravos. Muitas vezes, utensílios de mesa finos, como os de prata do Tivoli (abaixo), eram exibidos em armários ao redor da sala de jantar.

Conjunto de talheres romano de prata do século 1 a.C. Encontrado em Tivoli. MET. N° 20.49.2–.12

Estátuas

A exibição de estátuas de vários tipos era uma parte importante dos "móveis" de uma casa romana. Estátuas de escultura e bronze eram exibidas em toda a casa em vários contextos - em mesas, em nichos especialmente construídos, em painéis de relevo nas paredes - mas sempre nas áreas mais visíveis da casa. Essas esculturas podia ser de vários tipos - retratos de pessoas ou parentes famosos, estátuas em tamanho real de membros da família, generais, divindades ou figuras mitológicas, como musas.

Busto de mármore de uma mulher romana. Cerca de 40-20 a.C. Assim como todas as estátuas de mármore da antiguidade, essa também era pintada. Vestidos de tinta ainda podem ser detectados. MET. N° 2000.38

Na antiguidade tardia (século 3 ao 8 d.C.), a escultura em pequena escala de figuras mitológicas tornou-se muito popular. Em conjunto com os outros elementos decorativos da casa, esta escultura pretendia transmitir uma mensagem aos visitantes. A exibição doméstica é um bom exemplo do consumo conspícuo da elite romana, provando que eles tinham riqueza e, portanto, poder e autoridade. Cenas em pinturas e coleções de esculturas também ajudavam a associar os proprietários a características-chave da vida romana, como educação (paideia) e realizações militares, validando a posição do proprietário dentro do mundo romano.

Tradução de texto escrito por Ian Lockey
Fevereiro de 2009

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Vida cotidiana na Roma Antiga

Carruagens na Roma Antiga

Fontes bibiliográficas:

Ellis, Simon P. Roman Housing. London: Duckworth, 2000.
Gazda, Elaine K., ed. Roman Art in the Private Sphere: New Perspectives on the Architecture and Decor of the Domus, Villa, and Insula. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1991.
Laurence, Ray, and Andrew Wallace-Hadrill, eds. Domestic Space in the Roman World: Pompeii and Beyond. Portsmouth, R.I.: Journal of Roman Archaeology, 1997.
McKay, Alexander G. Houses, Villas, and Palaces in the Roman World. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1998.
Wallace-Hadrill, Andrew. Houses and Society in Pompeii and Herculaneum. Princeton: Princeton University Press, 1994.

Artigo publicado em 19/02/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL