Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

As pragas na antiguidade - A praga Justiniana e suas consequências

Artigos > Idade Média  |  2,9 mil visualizações  |  3811 palavras

Capa do artigo: As pragas na antiguidade - A praga Justiniana e suas consequências

Ilustração medieval da Bíblia de Toggenburg, Suíça, em 1411. Essa ilustração retrata a sexta praga do Egito. A representação de corpos cobertos de pústulas, com certeza ainda exercia um forte impacto na memória dos europeus, algumas décadas após o auge da Peste Negra. Via Wikimedia Commons.

As três formas da peste bubônica

A praga propriamente dita ocorria em três formas: bubônica, pneumônica (também chamada de pulmonar) e septicaêmica. A variedade bubônica, que deve existir antes que as outras duas linhagens possam se tornar ativas, será descrita em detalhes; essa forma não é diretamente contagiosa, a menos que o paciente abrigue pulgas. Como Procópio não declarou que aqueles que cuidavam dos doentes necessariamente contraíam a doença, supõe-se que a forma bubônica era mais ativa na praga Justiniana.

A peste pneumônica ocorre quando os bacilos da doença, chamados Yersinia pestis, invadem os pulmões. Essa variedade é altamente contagiosa de uma pessoa para outra e é espalhada por gotículas no ar. Devido à observação de Procópio, de que a peste não era diretamente contagiosa e a ausência dos principais sintomas de peste pneumônica nos relatos, ou seja, respiração difícil e aperto no peito, essa forma provavelmente não era muito ativa.

Yersinia pestis, bacilos da peste pneumônica.

A septicemia ocorre quando a infecção entra na corrente sanguínea e a morte é rápida, geralmente antes que os bubões se formem. Em seu relato, Agathias relatou algumas vítimas morrendo como se por um ataque de apoplexia. Isso parece indicar que a forma septicaêmica ocorreu durante o surto do século 6.

A peste bubônica resulta em morte em aproximadamente 70% dos casos; a peste pneumônica tem mais de 90% de mortalidade. A peste septicaêmica não deixa sobreviventes. Embora todas as três formas provavelmente existissem durante a peste Justiniana, claramente a forma bubônica predominou.

Durante a praga justiniana, muitas vítimas experimentaram alucinações anteriores ao surto de doença. Os primeiros sintomas da praga vinham logo depois das alucinações; eles incluíam febre e fadiga, nenhum dos quais parecia ameaçador à vida. Evágrio descreveu uma inflamação facial, seguida de dor de garganta, como um sintoma introdutório.

Algumas vítimas também inicialmente sofriam de diarréia. Logo, porém, apareciam bolhas na região da virilha ou nas axilas, ou ocasionalmente ao lado das orelhas. Após esse sintoma, a doença progredia rapidamente; indivíduos infectados geralmente morriam dentro de dois a três dias.

A vítima geralmente entrava em um estado semi-consciente e letárgico, e não desejava comer ou beber. Após essa etapa, as vítimas seriam tomadas pela loucura, causando grandes dificuldades para quem tentasse cuidar delas. Muitas pessoas morreram dolorosamente quando seus bubões gangrenaram. Várias vítimas tiveram bolhas negras cobrindo seus corpos, e esses indivíduos morreram rapidamente. Outros ainda morreram vomitando sangue.

O norte-americano Paul Gaylord contraiu a peste bubônica em 2014, e teve que passar quase um mês no hospital em tratamento. Ele perdeu os dedos das mãos e dos pés devido a gangrena dos bubões. Hoje em dia a peste bubônica é tratada com antibióticos pesados.

As mulheres grávidas que contraíam a doença geralmente morriam por aborto ou durante o parto, mas, curiosamente, Agathias relata que homens jovens foram responsáveis pelo maior número de vítimas. Houve também casos, no entanto, em que os bubões cresceram em tamanho grande e depois se romperam e formaram pus. Se isso acontecesse, o paciente geralmente se recuperava, embora frequentemente sofresse depois de tremores musculares.

Os médicos, percebendo essa tendência e sem saber mais como combater a doença, às vezes furavam os bubões dos infectados para descobrir que carbúnculos haviam se formado. Aqueles indivíduos que sobreviviam à infecção geralmente tinham que conviver com pernas e línguas flácidas, efeitos colaterais clássicos da praga. Um fato interessante a ser observado aqui é que os humanos não foram as únicas vítimas desse contágio. Animais, incluindo cães, ratos e até cobras, contraíram a doença.

O relato de João de Éfeso

João de Éfeso narrou uma descrição longa e um tanto retórica da praga e seus efeitos na Palestina e na cidade de Constantinopla. Como escritor cristão que afirmava claramente que o fim do mundo estava próximo, ele relatou muitos dos elementos mais grotescos da epidemia. Para ele, a praga era uma manifestação da ira divina e um chamado para o arrependimento.

Seu relato vividamente detalhava cenas de destruição em que os homens desmoronavam em agonia nos bairros públicos. O medo de ficar desenterrado ou de ser vítima de catadores levou muitas pessoas a usar etiquetas de identificação e, quando possível, evitar deixar a casa. Em uma descrição relacionada, João de Éfeso descreveu uma casa que as pessoas evitavam por causa de seu mau cheiro. Quando finalmente se entrou nela, eles encontraram mais de vinte cadáveres em decomposição.

Muitos homens também tiveram aparições e visões terríveis antes e depois da doença produzirem sintomas nelas. No estilo típico da literatura apocalíptica, João de Éfeso não via essas "aparições" e "visões" como alucinações; para ele, elas ofereciam um vislumbre do reino sobrenatural. Como mencionado anteriormente, a praga se espalhou por rotas comerciais que infectavam as cidades portuárias. João de Éfeso contou em seu relato que muitos navios flutuavam sem rumo no mar, mais tarde chegando à costa com toda a tripulação morta pela peste. Ele também descreveu marinheiros relatando avistamentos de um navio espectral de bronze com remadores sem cabeça e monstros que apareciam no mar na costa da Palestina.

Embora o imperador Justiniano tenha contraído a doença, ele tentou minimizar o desastre. Após o surto em Constantinopla, Justiniano ordenou que a imperatriz Teodora e a guarda do palácio descartassem os cadáveres. A essa altura, todos os túmulos estavam além da capacidade, e os vivos recorriam a atirar os corpos das vítimas nas ruas ou a empilhá-los à beira-mar para apodrecer. Teodora respondeu a esse problema cavando enormes covas do outro lado do Corno de Ouro em Sycae (Galata) e depois contratando homens para coletar os mortos. Embora esses poços abrigassem até 70.000 cadáveres, eles logo transbordaram. Os corpos foram então colocados dentro das torres nas paredes, causando um fedor que invadiu toda a cidade.

Sycae (Galata) - o local em destaque no mapa - era uma área que ficava do outro lado do estreito conhecido como Corno de Ouro.

O impacto econômico em Constantinopla

A praga causou um forte impacto na vida urbana. Embora os pobres da cidade tenham sido os primeiros a sofrer os efeitos devastadores, a pestilência logo se espalhou pelos distritos mais ricos. Como se a ameaça da doença não fosse um problema suficiente, o pão ficou escasso e alguns dos doentes podem ter morrido de fome, em vez de doenças.

Muitas casas se tornaram túmulos, pois famílias inteiras morreram da praga sem que ninguém do mundo exterior soubesse. As ruas estavam desertas e todos os negócios foram abandonados. A inflação disparou. Em 544, a legislação de Justiniano de controle de preços foi parcialmente bem-sucedida, mas a escassez de alimentos persistiu, especialmente na capital. À medida que a arrecadação de impostos diminuiu drasticamente, a pressão financeira sobre as cidades também aumentou. Em um esforço para economizar, os governos civis reduziram os salários de professores e médicos e reduziram os orçamentos voltados para o entretenimento público.

Embora muitas áreas rurais tenham sido poupadas da peste, essas áreas infectadas foram prejudicadas. Isso, por sua vez, afetou as áreas urbanas, uma vez que uma colheita razoável era essencial para garantir que as cidades não experimentassem escassez de alimentos. Na Síria e na Palestina, a praga atingiu as terras interiores após o plantio, e as colheitas amadureceram sem ninguém para colhê-las. Aumentando esse problema existente na Síria, algum tipo de doença, possivelmente antraz, atacou o gado em 551, fazendo com que os campos fossem deixados sem arado devido à falta de bois.

Os impostos sobre as terras agrícolas cujos proprietários morreram de peste tornaram-se de responsabilidade dos proprietários de terras vizinhos. Na verdade, esse regulamento existia como uma prática padrão no império muito antes dos anos da praga. Procópio, no entanto, sempre um campeão da classe de proprietários de terras, queixou-se amargamente desta lei.

É provável que, com a alta taxa de mortalidade da praga, essa prática tenha se tornado extremamente onerosa. Em 545, Justiniano tentou aliviar o sofrimento financeiro desses proprietários de terras, determinando que impostos não pagos sobre essas propriedades desertas não deveriam ser cobrados dos proprietários de terras vizinhas. Mas, aparentemente, eles foram obrigados a pagar as dívidas das terras abandonadas. Essa pode ter sido a fonte específica da reclamação de Procópio, e não a prática anterior.

Consequências no exército e na religião

A praga também contribuiu para o encolhimento de dois grupos particulares no império, a saber, o exército e as casas monásticas. Mesmo sem a escassez de mão de obra causada pela praga, os recrutas do exército se tornaram cada vez mais difíceis de encontrar, e como  resultado o exército imperial era principalmente composto por mercenários bárbaros.

As campanhas de expansão e reunificação do oeste com o império romano oriental foram responsáveis pelo sacrifício de imenso número de soldados. Nos anos finais de Justiniano, praticamente não havia homens para se voluntariar ou para serem convencidos a se juntar ao exército. Felizmente para eles, a praga também atacou e enfraqueceu o império persa. Na maioria das outras áreas do império, porém, eles não tiveram tanta sorte.

Na Itália, os ostrogodos retomaram a guerra e novas revoltas eclodiram nas províncias africanas anteriormente subjugadas. Também houve ameaças renovadas das tribos bárbaras do leste. Remanescentes dos ávaros asiáticos, reunificados por Bayan I, se aproximaram das fronteiras imperiais para reconhecimento, e os búlgaros atacaram os territórios dos Balcãs.

Outro grupo muito afetado pela praga foram os mosteiros. Na área de Constantinopla, os registros listam mais de oitenta mosteiros antes de 542; no entanto, após a praga, a maioria parece desaparecer. Não há dúvida de que a praga contribuiu para esse declínio. Doenças contagiosas altamente infecciosas como a peste bubônica prosperam em populações muito unidas. Assim como a descrição de João de Éfeso dos navios não tripulados que desembarcam em terra, não era incomum que um mosteiro inteiro fosse varrido pela praga durante a Peste Negra.

Embora houvesse esses contratempos no crescimento do clero, o império bizantino mudou-se para uma aliança mais estreita com a igreja nas crises do século 6. Cercada por desastres, a religiosidade das pessoas aumentou e a igreja se beneficiou financeiramente de recursos privados que anteriormente teriam apoiado projetos cívicos.

Embora a atividade de construção continuasse no império, indicando que algum nível de prosperidade persistia, os tipos de construção mudaram. Na Síria, por exemplo, houve uma mudança acentuada da construção cívica para a construção de igrejas e mosteiros em meados do século 6. A riqueza do setor público que pagava pela construção cívica dependia de receitas tributárias, que haviam sido bastante esgotadas pela praga. Em comparação, a igreja poderia receber financiamento de doadores particulares, indivíduos cujas bolsas foram afrouxadas pelo contato com a morte.

A peste vista como uma punição de deus

Infelizmente, a peste bubônica não foi o único desastre da época. Na sua obra História Secreta, Procópio catalogou as catástrofes naturais, incluindo inundações e terremotos, bem como invasões bárbaras, que atingiram o império desde que Justiniano iniciou seu reinado em 518.

Representação do imperador Justiniano em mosaico na Basilica de San Vitale, em Ravena.

Ele alegou que pelo menos metade dos sobreviventes dessas calamidades anteriores morreu da praga. Além disso, após o surto inicial em 541, repetições da praga estabeleceram ciclos permanentes de infecção. Para explicar esses eventos, Procópio, em sua História Secreta, declarou que Deus se afastara do império porque era governado por um imperador demônio.

Um excelente simbolismo religioso dessa teoria foi fornecido com o colapso da cúpula original da basílica de Santa Sofia, após um terremoto que assolou a capital. É claro que em sua História das Guerras, Procópio alegou que os seres humanos não eram capazes de entender por que esses desastres ocorriam.

A Basílica de Santa Sofia, construída no reinado de Justiniano.

Durante o reinado de Justiniano, a tradição literária clássica estava em processo de adaptação à cultura e história cristãs. Um escritor cristão não poderia empregar a noção clássica de moira (fortuna/sorte) como um fator causal na história. Esses fatores tiveram que ser substituídos por uma explicação cristã do pecado, levando à punição.

Embora Procópio considerasse os eventos religiosos inadequados para suas histórias, ele é claramente o último dos historiadores clássicos com essa visão. Depois de Procópio, a maioria dos historiadores romanos usa o pecado como um fator causal histórico. Isso é especialmente aparente nos relatos cristãos da peste.

Os escritores cristãos, cujo modelo literário de praga era o Livro do Apocalipse, sentiam claramente que a praga era um castigo enviado por Deus em resposta à pecaminosidade humana. "Sabia-se", escreveu Zacarias de Mitilene, "que era um flagelo de Satanás, que foi ordenado por Deus para destruir os homens". Perto de Antioquia, São Simeão, o Jovem, orou em lágrimas a Cristo e recebeu a resposta: "Os pecados deste povo são múltiplos, e por que você se preocupa com as doenças deles? Porque você não os ama mais do que eu".

Os Cavaleiros do Apocalipse retratados na Tapeçaria do Apocalipse, produzida entre 1377–1382.

Para acabar com a tristeza do santo, Deus concedeu a Simeão o poder de curar os crentes. Dessa forma, muitos infectados com a doença pediram a São Simeão e foram curados. Gregório de Tours, na Gália, também escreveu sobre São Galo, que salvou seu rebanho da praga. Através desses relatos, é claro que os escritores cristãos sentiram que os sofrimentos causados ​​pela praga eram os castigos justificáveis ​​de Deus, mas também que os fiéis deveriam ser salvos por sua crença em Cristo.

Para os leitores modernos, os relatos da praga, mesmo os dos escritores cristãos, parecem surpreendentemente sóbrios, dada a magnitude do desastre. Procópio e Agathias, como Tucídides antes deles, empregavam uma postura desinteressada, quase agnóstica, enquanto os escritores cristãos aceitavam a praga como um castigo justo de Deus.

Ao contrário da Peste Negra, a praga Justiniana parece não ter sido acompanhada por histeria em massa, procissões flagelantes ou perseguições aos judeus. A população em geral pareceu quase aceitar a calamidade. João de Éfeso relatou visões, mas mesmo estas não são nada comparadas com as descrições selvagens que acompanharam a Peste Negra do século 14.

Henry Knighton, que escreveu uma crônica na Inglaterra durante a Peste Negra, afirmou que a Terra havia engolido muitas cidades em Corinto e Acaia, e em Chipre as montanhas foram niveladas, fazendo com que os rios submergissem nas cidades próximas. As alucinações descritas por João de Éfeso podem ser um sintoma da praga, mas a descrição indicada pela crônica medieval ilumina uma histeria maior. A atitude indicada pelos escritores cristãos durante a praga Justiniana, no entanto, era similar a uma interpretação comum do século 14 da Peste Negra; isto é, foi causada pela ira de Deus.

A peste Justiniana realmente matou tanta gente?

A praga justiniana, além de seu devastador impacto imediato, é geralmente vista como responsável por minar o Império Romano Tardio, política e economicamente, criando condições propícias para o desastre. Juntamente com outros desastres do reinado de Justiniano, a praga pode ter reduzido a população do mundo mediterrâneo no ano 600 para não mais de 60% de sua contagem no século anterior. Uma taxa de mortalidade tão grande levaria naturalmente a uma ruína social e econômica. Além disso, o despovoamento dos centros urbanos pode ter criado um desequilíbrio estrutural que favoreceu os árabes do deserto.

O principal problema dessa tese é a falta de evidências demográficas firmes para o período do Império Romano Tardio. Antes que a mortalidade por peste possa ser determinada, os estudiosos modernos precisam de uma estimativa da população geral do império nesse período. Infelizmente, esta informação não foi efetivamente determinada. Há também outros problemas no cálculo de dados definitivos da população.

Embora qualquer tipo de doença epidêmica tenha efeitos graves em uma população não exposta anteriormente, as recorrências dessa doença não seriam tão devastadoras. Além disso, a "Idade das Trevas" da literatura bizantina que se segue ao reinado de Justiniano não documenta firmemente essas recorrências da praga. As muitas outras catástrofes naturais durante esse período constituem outro problema ao se tentar determinar a mortalidade por peste.

Mesmo que fosse possível determinar que 300.000 pessoas pereceram em Constantinopla durante a primavera de 542, ainda haveria uma dúvida se esses indivíduos morreram da praga ou do grande terremoto que também ocorreu nessa época. Infelizmente, as fontes para descobrir esse tipo de informação não existem.

Como os estudiosos não foram capazes de determinar a população em geral, eles tentaram concluir quais foram as taxas de mortalidade em cidades bem documentadas, como Constantinopla. A população de Constantinopla, no entanto, também não foi determinada conclusivamente. Os dados utilizados pelos estudiosos modernos geralmente se baseiam nas descrições literárias da praga, que provavelmente são coloridas por exageros.

João de Éfeso declarou que as pessoas morriam entre 5.000 e 16.000 por dia e que os homens nos portões da cidade pararam de contar os cadáveres existentes na marca de 230.000, quando perceberam que os corpos eram inúmeros. Procópio alegou que 10.000 pessoas morriam por dia e que a praga durou quatro meses em Constantinopla.

Com base nesses números, é possível que de um terço a metade de Constantinopla tenha morrido. Embora essa conclusão pareça alta, João de Éfeso, que estava viajando durante o primeiro surto de peste, observou que as mortes em Constantinopla eram superiores às de outras cidades. As taxas de mortalidade urbana são inconclusivas na maioria das outras grandes cidades do império. Algumas cidades ficaram praticamente desertas devido a praga, enquanto outras, principalmente as que não eram centros comerciais, foram menos afetadas.

Diante dessas dificuldades, e à luz da necessidade de dados demográficos adicionais, os estudiosos postularam uma taxa geral de mortalidade para o império de cerca de um terço da população, o que, sem surpresa, é um número comparável ao da Peste Negra do século 14.

Comparações com os padrões demográficos após a Peste Negra também levaram alguns estudiosos modernos a postular que a praga pode não ter causado danos permanentes ao Império Bizantino. Essa teoria, no entanto, baseia-se em comparações inválidas, que assumem semelhanças com base no fato de que ambas as pragas eram de natureza bubônica. Embora a evidência de que a praga seja devastadora para o império decorra de relatos literários vagos e não quantificáveis, a evidência em contrário não é conclusiva.

Por exemplo, após a Peste Negra, a taxa de casamento aumentou acentuadamente e resultou em união prolíficas. Agathias observou, no entanto, que os jovens sofriam mais com a praga. Se essa observação fosse verdadeira, combinada com a afirmação de que a praga ocorria a intervalos de quinze anos, isso claramente teria causado conseqüências demográficas desastrosas.

Um estudioso apontou que os papiros egípcios não dão indicação de crise econômica ou mesmo de um declínio populacional durante a praga. Embora isso seja problemático, João de Éfeso declarou que Alexandria não foi afetada como a cidade de Constantinopla. Além disso, as fontes não indicam que a praga atingiu o Egito novamente após 541.

Outra objeção é que, apesar de fontes literárias contarem histórias de corpos transbordando cemitérios, em nenhum lugar nenhum arqueólogo que trabalha no Oriente Próximo descobriu um poço de corpos da praga. Parece provável, no entanto, que novas investigações arqueológicas venham a contrariar essa objeção.

Essas perguntas não negam a existência da praga, mas simplesmente questionam se ela teve efeitos catastróficos duradouros no império. A Peste Negra na Europa medieval foi descrita como tendo um efeito "purgativo ao invés de tóxico" no que anteriormente era uma sociedade superpovoada enfrentando freios malthusianos.

Após a Peste Negra, uma menor proporção de pessoas para a terra foi produzida, causando inflação salarial. Em 544, Justiniano emitiu uma lei que vetava aumentos salariais para artesãos, trabalhadores e marinheiros, em um esforço para controlar a inflação salarial. Embora os preços mais altos dos grãos tenham amortecido os salários reais imediatamente após a praga, a diminuição da população beneficiou claramente as classes econômicas mais baixas.

É importante lembrar, no entanto, que essa comparação pode se estender apenas até certo ponto; em contraste com a Europa do século 14, não há evidências concretas de que o Império Romano Tardio estivesse superpovoado. Embora esteja claro que a praga devastou o império, pelo menos temporariamente, é necessário lembrar que o Império Bizantino em 600 ainda era um estado poderoso, enfrentando condições políticas favoráveis ​​e apoiado por uma economia próspera.

Conclusão

Ao longo da história, as pragas afetaram severamente as sociedades humanas. Para entender seus efeitos, no entanto, são necessárias muitas pesquisas demográficas e arqueológicas. Muitas das investigações arqueológicas realizadas no Oriente Próximo não foram realizadas de maneira suficientemente metódica; elas estão em andamento, exercícios de caça ao tesouro.

Em Atenas, poucas escavações se concentraram nos problemas apresentados pela praga. A sobreposição de cidades modernas nesses locais antigos também dificultam as investigações arqueológicas em algumas áreas de maior importância, notadamente Constantinopla. Infelizmente, a política também desempenhou um papel nessas dificuldades. No futuro, talvez novas investigações na arqueologia e demografia ofereçam mais informações sobre os efeitos e conseqüências das pragas ateniense e justiniana.

Tradução de texto escrito por Christine A. Smith para o The Student Historical Journal da Universidade Loyola de Nova Orleans
1996-1997

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Império Bizantino

Religião popular: Uso de amuletos e imagens na arte bizantina

A basílica de Santa Sofia, a grande construção do Império Bizantino

Fontes bibiliográficas:

As referências bibliográficas e notas podem ser encontrados no final da versão original do texto. Veja aqui.

Artigo publicado em 02/03/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.