Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Armas e armaduras - Mais perguntas frequentes

Artigos > Idade Média  |  531 visualizações  |  2156 palavras

Salvo nos favoritos
Capa do artigo: Armas e armaduras - Mais perguntas frequentes

Exemplo reforçado de armadura do início do século 17 com marca de bala. MET. N° 2002.130a–p

7. A armadura se tornou obsoleta por causa das armas de fogo? Em seu sentido mais amplo, é verdade

De modo geral, a afirmação acima está correta, contanto que seja enfatizado que foi a eficiência cada vez maior das armas de fogo, e não as armas de fogo como tais, que levaram a um eventual declínio da blindagem de placas no campo de batalha.

Como as primeiras armas de fogo parecem ter estado em uso na Europa já por volta de 1330, e o declínio gradual das armaduras não foi notado antes de 1650, as armas de fogo e as armaduras de placas coexistiram por mais de 300 anos. Durante o século 16, foram feitas tentativas para tornar a armadura à prova de balas, endurecendo o aço ou, mais comumente, engrossando a armadura ou adicionando peças de reforço separadas no topo da armadura de guerra.

Nos museus europeus há vários exemplos de armaduras com marcas de tiro. Embora a maioria deles tenha produzido um furo na placa de metal, esse exemplo reforçado, do início do século 17, conseguiu segurar a bala. MET. N° 2002.130a–p

Finalmente, deve-se notar que a armadura como tal nunca se tornou totalmente obsoleta. A onipresença dos elmos usados ​​pelos soldados e forças policiais da atualidade é a prova de que a armadura, embora seja de materiais diferentes e talvez tenha perdido parte de sua importância anterior, ainda é uma parte essencial do equipamento marcial em todo o mundo.

Ainda hoje forças policiais voltadas para lidar com multidões usam armaduras baseadas em modelos medievais.

Além disso, até mesmo as defesas corporais sobreviveram na forma das couraças experimentais da Guerra Civil Americana, as couraças dos artilheiros de aviões durante a Segunda Guerra Mundial e os coletes à prova de balas usados ​​hoje.

Soldado do exército vermelho usando uma armadura SN-42 na Segunda Guerra Mundial. Essa foi uma proteção criada pelo exército da URSS.

8. O tamanho da armadura indica que as pessoas na Idade Média e na Renascença eram menores? Em geral, é verdade

Pesquisas médicas e antropológicas demonstram que a altura média de homens e mulheres tem aumentado gradualmente ao longo dos séculos, um processo que, por razões de alimentação e saúde pública cada vez melhores, se acelerou durante os últimos 150 anos ou mais. A maioria das armaduras sobreviventes dos séculos 15 e 16 parecem confirmar essas descobertas.

No entanto, ao tentar afirmar tais generalizações a partir das armaduras, vários fatores precisam ser considerados cuidadosamente. Em primeiro lugar, a armadura em questão é completa e homogênea (ou seja, todas as partes estão juntas), dando assim uma impressão precisa da altura do usuário original? Em segundo lugar, mesmo uma armadura de alta qualidade, feita sob medida para um determinado proprietário, pode fornecer apenas uma estimativa da altura de seu antigo usuário com uma margem de pelo menos 2 a 5 cm, desde a sobreposição das proteções para abdômen inferior (saia e franjas) e coxas (cuisses) só podem ser aproximadas.

Na verdade, as armaduras vêm em todas as formas e tamanhos, como armaduras para crianças ou jovens (ao contrário das armaduras para adultos), e existem até armaduras feitas para anões e gigantes (frequentemente encontradas nas cortes europeias como “curiosidades”). Além disso, então como agora, outros fatores gerais devem ser levados em consideração, como diferenças na altura corporal média entre europeus do norte e do sul, por exemplo, ou o simples fato de que sempre houve pessoas que eram excepcionalmente altas ou baixas em comparação com seu contemporâneo médio.

Entre as exceções famosas estão exemplos reais como Francisco I, rei da França (r. 1515–47), ou Henrique VIII, rei da Inglaterra (r. 1509–47). A altura do último era de 180 cm e foi comentada por seus contemporâneos e pode ser verificada por mais de meia dúzia de suas armaduras sobreviventes hoje (duas delas no MET).

A famosa armadura de justa do Henrique VIII (1540) é conhecida por sua braguilha bem pronunciada. A armadura tem 187 cm de altura e 35,3 kg. Royal Armouries, Leeds. N° II.8

Para um contraste interessante nas galerias do Departamento de Armas e Armaduras do MET, compare a armadura alemã de cerca de 1530 e a armadura de campanha atribuída ao imperador Fernando I (r. 1556-1564), de cerca de 1555 . Nenhuma das armaduras está completa e os tamanhos dos antigos proprietários são necessariamente estimativas amplas, mas as diferenças de tamanho e estatura são notáveis: enquanto o proprietário da primeira armadura provavelmente tinha cerca de 193 cm de altura, com seu peito medindo cerca de 137 cm de circunferência, o dono da última armadura, provavelmente o imperador Fernando, não parece ter medido mais do que 170 cm de altura.

9. As roupas masculinas geralmente fecham e os botões são deixados sobre a direita porque as primeiras armaduras eram fechadas dessa maneira? Incerto

A teoria por trás dessa afirmação é que algumas formas de armadura primitiva (casacos de placas e brigandines dos séculos 14 e 15, bem como a armadura, um elmo dos séculos 15 e 16, ou colete-couraça do século 16) tinham o lado esquerdo sobreposto à direita, de modo a não oferecer qualquer espaço para o golpe de espada do inimigo. Como se esperava que a maioria das pessoas fosse destra, era de se esperar que a maioria dos golpes ou estocadas viessem da esquerda, portanto, esperançosamente, deslizariam para fora da armadura, através da sobreposição, para a direita.

As roupas masculinas dos dias modernos foram influenciadas pelas armaduras?

Embora essa teoria seja persuasiva, não existe evidência contínua suficiente para apoiar a noção de que as roupas masculinas dos dias modernos foram diretamente influenciadas por tal armadura. Na verdade, embora a teoria defensiva possa em geral ser verdadeira para as armaduras medievais e renascentistas, vários elmos e armaduras corporais genuínos se sobrepõem ao contrário (da direita sobre a esquerda).

10. Somente os cavaleiros podiam portar espadas? Errado ou não totalmente verdadeiro

Tal como acontece com o uso de armadura, nem todos que carregavam uma espada eram cavaleiros. Mas a ideia de que a espada é uma arma exclusivamente “cavalheiresca” não é totalmente errada. O costume, ou mesmo o direito, de usar uma espada variava de acordo com a época, o lugar e as mudanças nos regulamentos.

Em toda a Europa medieval, as espadas eram a principal arma dos cavaleiros e soldados montados. Em tempos de paz, entretanto, de modo geral, apenas os nobres tinham permissão para portar uma espada em público. Como na maioria das regiões as espadas eram consideradas “armas de guerra” (em oposição as adagas, por exemplo), os camponeses e burgueses, não pertencentes à “classe guerreira” da sociedade medieval, eram proibidos de portar espadas.

Uma exceção a esta regra era concedida aos viajantes (cidadãos, mercadores e até peregrinos) devido aos perigos inerentes às viagens por terra e mar. Dentro das muralhas da maioria das cidades medievais, porém, o porte de espadas era geralmente proibido para todos - às vezes até para a nobreza - pelo menos em tempos de paz. Medidas padronizadas para o comércio, geralmente anexadas de forma proeminente a igrejas medievais ou prefeituras, frequentemente também incluíam exemplos do comprimento permitido de adagas ou espadas que podiam ser carregadas dentro das muralhas da cidade sem medo de punição.

Willem van Heythuysen Posing with a Sword é uma pintura do artista holandês Frans Hals, produzida em 1625 e atualmente no Antiga Pinacoteca, Munique. É uma das muitas imagens que mostra como o porte do florete (rapier) era comum entre os membros da elite no século 17.

É sem dúvida devido a tais regulamentos que a espada foi transformada em um símbolo exclusivo da classe guerreira e do status de cavaleiro. No entanto, devido às mudanças sociais e às técnicas de luta recém-desenvolvidas durante os séculos 15 e 16, tornou-se gradualmente aceitável para civis e nobres carregar o sucessor mais leve e mais fino da espada, o florete (rapier), como uma arma cotidiana de autodefesa em público. Na verdade, até o início do século 19, os floretes e as espadas curtas tornaram-se um acessório de vestimenta indispensável para o cavalheiro europeu.

11. Espadas eram armas pesadas e brutas? Errado

É uma noção comum que a espada dos tempos medievais e renascentistas era um instrumento pouco sofisticado de força bruta, excessivamente pesado, conseqüentemente quase impossível de ser empunhado por um homem “normal” e, portanto, uma arma bastante ineficiente. As razões para essas alegações são facilmente explicadas.

Devido à raridade de espécimes genuínos, poucas pessoas já manusearam uma espada medieval ou renascentista. Além disso, praticamente todas essas espadas - com raras exceções - estão em condições ruins. Sua aparência corroída atual, que pode facilmente dar a impressão de crueza, pode ser comparada à de um carro queimado, tendo perdido todos os sinais de sua antiga glória e sofisticação.

Esse lindíssimo florete (rapier) do século 15 mostra como as espadas eram objetos leves e sofisticados. A espada têm 104 cm de comprimento e apenas 1 kg. MET. N°  14.25.1169

A maioria das espadas medievais e renascentistas genuínas contam uma história diferente. Enquanto uma espada de uma mão pesava em média 1 a 2 kg, mesmo as grandes “espadas de guerra” de duas mãos do século 14 ao século 16 raramente pesavam mais de 4,5 kg. Com o comprimento da lâmina habilmente contrabalançado pelo peso do punho, essas espadas eram leves, sofisticadas e, às vezes, lindamente decoradas. Conforme ilustrado por documentos e obras de arte, tal espada, nas mãos de um guerreiro habilidoso, poderia ser usada com terrível eficiência, capaz de cortar membros e até mesmo cortar certos tipos de armaduras.

12. “Sulcos de sangue” e lâminas envenenadas?

As espadas, assim como algumas adagas, sejam européias, islâmicas ou asiáticas, geralmente têm uma ou mais ranhuras (fuller) ou sulcos que se estendem por um ou ambos os lados (ou faces) da lâmina. Equívocos quanto à sua função levaram esses sulcos a serem chamadas de "ranhuras de sangue" ou "canais de sangue".

Exemplo de espada com dois fullers, réplica de espada do final do século 14.

Acreditava-se comumente que esses sulcos acelerariam o fluxo de sangue do ferimento do oponente, garantindo assim uma lesão mais grave ou fatal, ou que quebrariam a sucção da lâmina criada pelo ferimento do oponente, o que faria com que a retirada do arma fosse mais fácil e uma torção da lâmina desnecessária. Por mais “divertidas” que essas teorias sangrentas possam ser, a função real de tais ranhuras é simplesmente tornar a lâmina mais leve, diminuindo sua massa, sem enfraquecer a lâmina ou diminuir sua flexibilidade. Consequentemente, tais ranhuras devem ser corretamente chamadas de sulcos ou preenchimento, ou por outro termo técnico apropriado.

Em várias armas de gume européias, como espadas, floretes e adagas, bem como algumas armas de cajado, essas ranhuras mostram perfurações elaboradamente cortadas e perfuradas. Perfurações semelhantes podem ser encontradas em armas de gume indianas e do Oriente Próximo. Foi proposto, com base em escassas evidências documentais, que essas perfurações serviam para reter o veneno, a fim de garantir a morte de um oponente.

Esse equívoco também fez com que tais armas, especialmente as adagas, fossem rotuladas de "armas do assassinos". Embora existam referências a armas indianas envenenadas e possam ter ocorrido incidentes semelhantes, mas raros, na Europa do Renascimento, a função real dessas perfurações não é sensacional.

Adaga do século 16 desenhada para ser usada em conjunto com um florete (rapier). Nessa arma o sulco (fuller) é puramente decorativo. As curvas na lâmina serviam para agir como redutores de velocidade ao interromper o impacto de um golpe da lâmina do oponente. Adaga com 40 cm e 425 gramas. MET. N° 26.145.94

Primeiro, as perfurações resultaram em perda de material e, consequentemente, serviram para tornar a lâmina mais leve. Em segundo lugar, essas perfurações são frequentemente dispostas em padrões decorativos delicados, servindo tanto como uma demonstração da habilidade do cuteleiro quanto como uma decoração esteticamente agradável. Se houver necessidade de mais provas, basta apontar o fato de que a maioria dessas perfurações costumam ser encontradas perto do cabo (empunhadura e proteção) da arma e não mais perto da lâmina, como seria de esperar se a arma carregasse veneno.

Tradução de texto escrito por Dirk H. Breiding
Outubro de 2004

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Armas e armaduras

Armas e armaduras - Equívocos comuns

Armas e armaduras - Perguntas frequentes

Artigo publicado em 18/10/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL