Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Uma visão marxista da Idade Média - Cruzada e Jihad

Artigos > Idade Média  |  111 visualizações  |  1413 palavras

Capa do artigo: Uma visão marxista da Idade Média - Cruzada e Jihad

Cena de batalha na Bíblia Morgan, produzida no século 13, no mesmo período das últimas Cruzadas. Biblioteca Pierpont Morgan, em Nova Iorque,

Texto de autoria de Neil Faulkner, arqueólogo e historiador autor da obra ‘A Marxist History of the World: from Neanderthals to Neoliberals‘. Traduzido do inglês. Texto original pode ser visto aqui. Adicionei subtítulos para facilitar a leitura.

O feudalismo ocidental criou poderosos corpos armados de homens. Em um mundo fragmentado de políticas rivais, os governantes feudais competiam pelo controle da terra e da riqueza para sustentar os exércitos da cavalaria blindada.

O principal papel desses exércitos era defender os interesses do senhor feudal a quem seus membros deviam lealdade. Mas o arranjo era frágil. Os cavaleiros feudais tinham interesses próprios e o sistema feudal tinha o potencial de implodir em violência e anarquia.

Uma fonte particular de instabilidade era a regra da primogenitura, pela qual o filho mais velho herdava toda a propriedade. Os filhos mais novos, portanto, enfrentavam perda de status, a menos que vendessem seus serviços militares em troca de pagamento, saque ou novos feudos.

O sistema, com efeito, produziu violência excedente. Isso deu a ele um poderoso impulso para a expansão. Ou a violência era descarregada na guerra estrangeira e na criação de novas propriedades feudais, ou havia ameaça de uma guerra civil e a derrubada dos governantes existentes.

Essa foi a lógica sangrenta que levou às Cruzadas. A história de 200 anos das Cruzadas representa a expressão mais extrema da violência fútil inerente ao feudalismo ocidental.

Quando o Papa Urbano II promoveu a Primeira Cruzada no Concílio de Clermont em 27 de novembro de 1095, ele disse:

Que aqueles ... que estão acostumados a travar uma guerra privada contra os fiéis marchem sobre os infiéis ... Que aqueles que há muito são ladrões agora sejam soldados de Cristo. Que aqueles que uma vez lutaram contra irmãos e parentes agora lutem com razão contra os bárbaros. Que aqueles que foram mercenários por algumas moedas de prata agora obtenham uma recompensa eterna ... (Versão de Fulcher of Chartres em Gesta Francorum Jerusalem Expugnantium)

A Igreja, com propriedades espalhadas por toda Europa Ocidental, era uma vasta corporação feudal. Ela competia por poder e riqueza com príncipes feudais seculares. Qualquer coisa que aumentasse a influência da Igreja - como a onda de zelo e atividade religiosa desencadeada em 1095 - era uma vantagem. E, como outros potentados feudais, os bispos estavam ansiosos para preservar a paz em casa exportando violência e instabilidade para o exterior.

O Papa Urbano II durante seu discurso no Concílio de Clermont (1095). Ilustração produzida por volta de 1474, para a obra Livre des Passages d'Outre-mer, Bibliothèque nationale. Via Wikimedia Commons.

A resposta superou todas as expectativas. Milhares atenderam à chamada. Um grande exército feudal entrou na Síria em 1097, capturou Antioquia em 1098 e, em seguida, entrou em Jerusalém em 1098.

Os Estados Cruzados

Em todos os lugares, houve massacre, destruição e roubo. Homens, mulheres e crianças foram mortos à espada enquanto fugiam aterrorizados pelas ruas das cidades capturadas do Oriente Médio. Os prisioneiros eram decapitados rotineiramente. Mesquitas, sinagogas e igrejas "hereges" foram saqueadas. As carroças estavam cheias de pilhagem.

Quatro estados cruzados foram formados (Edessa, Antioquia, Trípoli e Jerusalém). O domínio tático da cavalaria pesada feudal no campo de batalha tornou isso possível. Mas os cruzados permaneceram uma pequena elite militar. Apenas 500 cavaleiros defendiam o Principado de Antioquia.

Os Estados Cruzados em 1135. Via Wikimedia Commons.

Para sobreviver, os cruzados precisavam investir em poder militar. Isso exigia uma acumulação excessiva intensa. O resultado foi:

  1. extrema exploração do campesinato árabe;
  2. pilhagem rotineira de caravanas comerciais;
  3. uma relação hostil com os estados islâmicos vizinhos.


A blitzkrieg dos cruzados havia vencido tão facilmente porque o Oriente Médio se dividia em estados rivais governados por autocratas impopulares baseados em palácios sustentados por mercenários e amplamente divorciados da sociedade civil.

Muitos governantes islâmicos buscaram uma acomodação com os cruzados. Mas nenhuma paz duradoura foi possível. Duas contradições estavam em ação. Em primeiro lugar, a fraqueza e a insegurança dos estados feudais colonizadores os tornavam anexacionistas - eles precisavam de mais terras para sustentar mais cavaleiros - e isso era uma ameaça direta aos governantes islâmicos.

Em segundo lugar, dentro dos Estados cruzados, o imperativo da acumulação militar significava pesados ​​impostos, aluguéis e serviços de trabalho. Conseqüentemente, os cruzados eram odiados por seus súditos muçulmanos e não havia possibilidade de reunir forças nativas para lutar em sua defesa.

Reunificação muçulmana e queda dos Estados Cruzados

O "choque e pavor" da Primeira Cruzada quebrou a resistência muçulmana por uma geração. Mas a ameaça dos cruzados aos governantes dos estados islâmicos conduziu a um processo de centralização política.

O norte da Síria e o norte do Iraque foram unidos em 1128. Em seguida, Edessa foi recapturada e adicionada ao crescente estado islâmico em 1144. A Segunda Cruzada de 1146-1148, organizada em resposta ao ressurgimento islâmico, foi um fracasso desastroso. Isso destruiu o mito da invencibilidade dos cruzados.

Damasco e o sul da Síria foram acrescentados ao novo estado, e o Principado cruzado de Antioquia se reduziu a um pequeno enclave costeiro. Finalmente, em 1183, o Egito foi fundido com o novo superestado sírio.

A fusão do Egito e da Síria sob a liderança de Saladino, um general de origem turca, deu à resistência muçulmana massa crítica. Saladino respondeu à cruzada feudal com um apelo à popular Jihad. As forças muçulmanas partiram para a ofensiva.

Em 4 de julho de 1187, na Batalha de Hattin, Saladino, à frente de 30 mil homens, destruiu todo o exército do Reino dos Cruzados de Jerusalém. A recaptura da cidade sagrada ocorreu logo em seguida.

Guy de Lusignan, último rei de Jerusalém, se rende a Saladino após a batalha de Hattin. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Apesar de uma série de novas expedições, os cruzados nunca se recuperaram. Embora tenha demorado um século para completar o processo, seus castelos caíram um a um e seu território foi gradualmente destruído.

O problema do feudalismo

Os estados cruzados não contribuíram em nada para o Oriente Médio. Seus governantes eram simplesmente exploradores brutais que governavam pela força e pelo medo. Eles duraram tanto tempo apenas por causa da fragmentação e decadência da classe dominante islâmica.

Sua violenta incursão, no entanto, foi o catalisador de um renascimento islâmico, com novas unidades e identidades forjadas na luta contra os Estados cruzados.

As Cruzadas também revelaram os limites do feudalismo ocidental. Cavaleiros e castelos eram caros. A superexploração era, portanto, necessária para sustentá-los. Apesar do custo, a violência da casta guerreira constituía uma ameaça permanente à propriedade e à segurança das pessoas comuns.

A amargura que isso causou poderia ser contida pelo medo da violência feudal, mas não poderia ser erradicada. O feudalismo era incapaz de dar origem a uma ordem social estável baseada no consentimento.

Em casa, essas contradições estavam contribuindo para o surgimento de novas forças sociais dentro do ventre da velha ordem. Os reis estavam se elevando acima da hoste feudal. O estado central estava derrubando súditos superpoderosos. A nobreza e os yeomen - como os ingleses chamavam os pequenos e médios proprietários - estavam se unindo à causa da ordem real contra a anarquia dos barões feudais.

E novas forças sociais significam novas formas de guerra. Homens comuns armados com lanças, arcos e armas de fogo estavam desafiando a supremacia da cavalaria feudal no campo de batalha.

Continue lendo essa série:
Uma visão marxista da Idade Média - Senhores, burgueses e camponeses

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Idade Média

Quem foi Eduardo, o Príncipe Negro?

A educação na Idade Média

Uma visão marxista da Idade Média - A luta de classes na Europa Medieval

Artigo publicado em 14/11/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.