Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Uma visão marxista da Idade Média - A luta de classes na Europa Medieval

Artigos > Idade Média  |  136 visualizações  |  1192 palavras

Capa do artigo: Uma visão marxista da Idade Média - A luta de classes na Europa Medieval

A revolta hussita. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Texto de autoria de Neil Faulkner, arqueólogo e historiador autor da obra ‘A Marxist History of the World: from Neanderthals to Neoliberals‘. Traduzido do inglês. Texto original pode ser visto aqui. Adicionei subtítulos para facilitar a leitura.

O feudalismo ocidental, aparentemente tão dominante no século 11, foi minado por cinco processos dinâmicos. Os seguintes:

Primeiro, o aumento da produtividade da economia medieval significava uma taxa acelerada de aumento da produtividade do trabalho e do produto agregado. Uma conseqüência disso foi o rápido avanço tecnológico nos meios de destruição. As despesas militares aumentaram.

Em segundo lugar, a paisagem política fragmentada e a intensa competição por terras, receitas e mão de obra entre magnatas feudais rivais compeliram a classe dominante a buscar dinheiro para contratar soldados, comprar equipamentos e construir fortificações. Obrigações feudais foram comutadas em pagamentos em dinheiro.

Terceiro, a resiliência e resistência das aldeias camponesas impôs limites ao senhorio feudal de terras em muitas partes da Europa. Os camponeses formaram um coletivo poderoso o suficiente para defender os direitos consuetudinários e às vezes para obter ganhos substanciais.

Quarto, o crescimento do mercado criou oportunidades para o desenvolvimento econômico e social das camadas médias da sociedade. No topo estavam os magnatas feudais desperdiçando recursos na guerra, exibição e luxo. Na base da sociedade, havia camponeses pobres e médios ganhando a vida como agricultores de subsistência. Entre eles estavam aqueles que viriam a ser chamados de "o tipo mediano".

A pequena nobreza, os camponeses ricos e os prósperos artesãos e comerciantes urbanos formavam os setores economicamente mais empreendedores da sociedade medieval. À medida que os mercados se expandiram e as relações sociais foram cada vez mais comercializadas, os do tipo médio emergiram como os pequenos capitalistas na vanguarda da mudança social.

O quinto processo que solapou o feudalismo foi a ascensão do estado monárquico centralizado. Em algumas partes da Europa, os reis não conseguiram afirmar seu poder e os barões regionais guerreiros permaneceram politicamente dominantes. Em outros, o estado, com altos e baixos, ficou cada vez mais forte.

O caso da Inglaterra

A Inglaterra fornece um exemplo claro deste último processo. Com o tempo, os reis ingleses medievais confiavam cada vez menos em sua comitiva feudal e cada vez mais na compra de serviços de soldados profissionais ou milícias treinadas.

O estado real inglês marginalizou barões regionais hostis e minimizou o risco de anarquia feudal ao formar uma aliança política com magnatas leais e do tipo mediano. Esta aliança sustentou a surpreendente supremacia no campo de batalha no século 13.

No século 14, em Crécy, Poitiers e Agincourt, os exércitos ingleses em número muito inferior, formados por homens de armas desmontados e enormes grupos de arqueiros, recrutados entre camponeses ricos ingleses e galeses, destruíram os exércitos franceses de cavaleiros feudais.

A batalha de Crécy (1346) retratada nas Crônicas de Jean Froissart, uma famosa obra sobre a Guerra dos Cem Anos que cobre o período que vai de 1322-1400.

A crise feudal e as revoltas (século 14 ao 16)

As forças da mudança foram impulsionadas pela grande crise do século 14. Os gastos supérfluos feudais continuaram a aumentar em contradição com as demandas de crescimento populacional, produtividade do trabalho e prosperidade geral. A sociedade enfrentou uma escolha: de um lado a guerra, catedrais e uma vida grandiosa, de outro o investimento em propriedades, indústrias e comércio.

Em meados do século 14, a economia europeia medieval estava seriamente desequilibrada. Muitos enfrentavam pobreza e fome. Quando, em 1349, o continente foi atingido pela Peste Negra, até um em cada três de sua população enfraquecida pode ter morrido.

O despovoamento e o empobrecimento ameaçavam a renda dos senhores e a própria sobrevivência dos camponeses. A crise gerou lutas amargas.

Em 1358, uma revolta camponesa irrompeu no norte da França e, em Paris, Étienne Marcel conduziu 3 mil artesãos urbanos ao palácio real e forçou o herdeiro do rei a vestir as cores da revolta.

Étienne Marcel e o delfim da França. Pintura de Lucien-Étienne Mélingue  (1841–1889). Musée d'Orsay. Via Wikimedia Commons.

Em 1381, os camponeses ingleses comandados por Wat Tyler entraram em Londres, formaram uma aliança com setores da população urbana e confrontaram o rei e o lorde prefeito. "Na época de Adam e Eva", perguntou o ex-padre radical John Ball, "quem era então o cavalheiro?

Também nas cidades e vilarejos de Flandres, e nas cidades-estado do norte da Itália, o povo comum se levantou contra a opressão do senhorio, dos mercadores e do bispo. Em 1378, os ciompi florentinos, os artesãos comuns do comércio de lã, derrubaram a elite mercantil, tomaram o poder e mantiveram o controle da cidade por dois meses.

Estátua moderna representando Michele di Lando, um dos primeiros líderes da Revolta Ciompi em Florença em 1378. Loggia del Mercato Nuovo, Florença.

Na distante Boêmia, quando o pregador radical Jan Hus foi queimado na fogueira como herege em 1415, a população tcheca se revoltou. Armados com armas de mão e formados em fortes de carros defensivos, os hussitas resistiram à supressão pelas forças feudais da Europa por 20 anos.

Fortes de carros (vozová hradba) usados pelas tropas hussitas na revolta no início do século 15. Ilustração moderna, autor desconhecido.

‘Todos viverão juntos como irmãos’, declarou a ala democrática-igualitária taborita do movimento hussita; 'nenhum estará sujeito a outro.' Lutando para ganhar tal liberdade em face da violência contra-revolucionária implacável, os taboritas não tinham ilusões sobre sua luta: 'Todos os senhores, nobres e cavaleiros serão cortados e exterminados nas florestas como bandidos. '

A onda revolucionária anti-feudal gerada pela crise do século 14 foi finalmente derrotada em todos os lugares. Foi uma revolução do tipo mediana. Foi em algumas das regiões economicamente mais avançadas da Europa que atingiu seu maior impulso - no norte da França, Flandres, Inglaterra, norte da Itália e Boêmia.

Foi uma erupção prematura de forças sociais ainda não totalmente formadas. O feudalismo ainda era poderoso o suficiente para conter e encurralar a revolução em seus primórdios. O pequeno capitalismo e o tipo médio ainda não eram hegemônicos.

Mesmo nos movimentos rebeldes, os preconceitos primitivos do passado disputavam a atenção com visões radicais de um mundo transformado. Do horror biológico da Peste Negra surgiu o horror político dos pogroms. Bispos e reis denunciaram os judeus por envenenar os poços, e turbas anti-semitas invadiram os guetos.

Mas a velha ordem não pôde ser restaurada. A escassez aguda de mão-de-obra após a Peste Negra fez com que a balança das forças de classe se inclinasse fortemente a favor do campesinato em grande parte da Europa. As rebeliões foram esmagadas, mas a monetização das relações sociais continuou a funcionar como um ácido, dissolvendo a ordem feudal por dentro.

Quando, em 1517, um obscuro erudito teológico alemão chamado Martinho Lutero publicou suas 95 Teses denunciando abusos na Igreja Católica, ele involuntariamente detonou uma segunda onda revolucionária antifeudal. Isso traria o sistema a baixo.

O monge agostiniano Martin Luther prega as 95 teses na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg em 1517. Ilustração moderna, autor desconhecido.

A Reforma iniciada por Lutero estava destinada a levar às primeiras "revoluções burguesas" da história - a Revolução Holandesa de meados do século 16 e a Revolução Inglesa de meados do século 17.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Idade Média

Carlos Magno e sua representação por artistas de outras épocas

Carlos Magno - Uma análise de três fontes primárias

Rei Artur: A Literatura do Mito

Artigo publicado em 21/11/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.