Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

As esculturas da corte assíria em Kalhu (Nimrud)

Artigos > Mesopotâmia  |  2,8 mil visualizações  |  1428 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: As esculturas da corte assíria em Kalhu (Nimrud)

As esculturas e relevos na galeria 401 do Museu Metropolitano de Arte de Nova York.

A Galeria 401 do MET mostra esculturas da capital assíria de Nimrud (antiga Kalhu) em um espaço projetado para evocar o cenário do palácio original. A sala não é uma reconstrução completa: muitos aspectos da aparência original do palácio permanecem desconhecidos, e as próprias esculturas vêm originalmente de várias salas, embora juntas representem o modo como muitas salas do palácio foram decoradas.

O antigo estado da Assíria estava no que hoje é o norte do Iraque. As esculturas na galeria datam do reinado de Ashurnasirpal II (883–859 aC), um rei cujas expedições militares a oeste chegaram às margens do Mar Mediterrâneo e ajudaram a estabelecer as bases de um império que acabaria por abranger todo o Oriente Próximo. O próprio rei é representado em um dos relevos (veja imagem abaixo).

Esse relevo representa um rei, provavelmente o próprio Ashurnasirpal, e um auxiliar. Relevo em alabastro de gesso com 2,3 x 2,3 metros. N° de acesso: 32.143.4

Ashurnasirpal mudou-se da tradicional capital assíria, Ashur, para Nimrud, e lá construiu um novo e espetacular palácio, hoje chamado Palácio Noroeste, por sua posição na cidadela do local. Textos sobreviveram descrevendo a conclusão e inauguração do palácio, envolvendo um banquete para quase 70 mil pessoas. O número é provavelmente exagerado, mas não há dúvida de que este foi um grande festival.

Como a maioria dos antigos palácios do Oriente Próximo, o Palácio Noroeste era feito de tijolos de barro. Ashurnasirpal parece ter sido o primeiro rei assírio a revestir suas paredes do palácio com baixos-relevos de pedra, e suas inscrições se gabam de encontrar e utilizar a pedra que tornou isso possível.

Essa pedra, que pode ser extraída localmente, é um gesso, às vezes chamado de alabastro (quase branco quando cortado pela primeira vez) e coloquialmente conhecido como “mármore de Mosul”, em homenagem à cidade moderna vizinha. As lajes são extremamente pesadas, e simplesmente a extração e o transporte da pedra para uso no palácio era um grande empreendimento. Uma vez em posição, a escultura dos relevos, com suas figuras cuidadosamente modeladas e fundos perfeitamente lisos, representava outra tarefa enorme.

Uma inscrição descrevendo as realizações do rei, hoje chamada Inscrição Padrão, foi esculpida no centro de cada painel. Parece provável que a repetição da inscrição, como a das imagens dos relevos, fizesse parte da proteção mágica do palácio e do rei. Finalmente, os relevos foram brilhantemente pintados.

Relevo em gesso de alabastro representando uma figura sobrenatural com asas. A maioria das pinturas em relevos não sobreviveu, esse painel é uma rara excessão. Ainda há tinta nas sandálias da figura. Tamanho: 2,3 x 1,5 metros. Número de acesso 31.72.1.

Algum pigmento ainda pode ser visto em casos raros (como na imagem acima), e a análise de traços microscópicos pode às vezes revelar as cores originais mesmo quando nenhuma tinta é visível. Muitas das figuras nos relevos usam roupas com padrões bordados, gravadas na pedra com gravações precisas (veja imagem abaixo); estes originalmente teriam sido feitos em cores contrastantes.

Recorte de relevo mostrando as joías e os detalhes da roupa com padrões bordados, imagem mostrando auxiliar do rei. Recorte de um pedaço do relevo com tamanho de 23,8 x 18,6 cm. Número de acesso: 1982.1188.4

Originalmente, as salas do palácio eram ricamente decoradas, embora, infelizmente, seja difícil reconstruir esse aspecto de sua aparência original. Normalmente, as molduras de madeira dos móveis não sobrevivem. Elementos decorativos em marfim foram encontrados em grandes quantidades (foto abaixo), embora a maioria seja de estilo não-assírio: eles teriam vindo a Nimrud como tributo ou espólio de guerra, e até que ponto eles eram realmente usados como móveis no Palácio de Nimrud ainda é algo debatido.

Parte de traz de cadeira esculpida em marfim. Tamanho 29 x 45,6 cm. Número de acesso: 59.107.3

Mobiliário também é por vezes representado na arte. Da mesma forma, têxteis como tapetes e tapeçarias não sobrevivem, mas às vezes são mostrados em outras mídias, incluindo portas de pedra esculpidas com desenhos de carpetes (foto abaixo).

Relevo em gesso de alabastro. Tamanho 83,8 x 73,7 cm. Número de acesso: X.153.

Os relevos nas esculturas da Assíria vêm originalmente de várias salas diferentes do palácio, mas dão uma boa impressão geral de uma única sala cheia de imagens mágicas de proteção. A maioria dos quartos do palácio era decorada dessa maneira, embora na sala do trono se desse mais espaço a cenas de guerra e caça.

A maioria dos relevos mostra figuras humanas ou homens-pássaros sobrenaturais, cuja função era fornecer proteção mágica ao palácio e ao rei. Embora as figuras sejam repetidas muitas vezes através do palácio, há muitas variações sutis em sua aparência, e não há dois realmente idênticos.

Temos pouca informação sobre o planejamento e a composição dos relevos, embora pareça que as preocupações dominantes sejam mágicas e religiosas. A colocação de imagens estilizadas da “árvore sagrada” nos cantos de muitas salas reflete a crença de que cantos, como portas, eram sensíveis e vulneráveis a intromissões demoníacas. É nas entradas e nos cantos das salas e edifícios que as figuras apotropaicas eram frequentemente enterradas.

Touro alado com cabeço humana (lamassu). Escultura em gesso de alabastro. Tamanho: 3,1 metros de altura x 3 metros de comprimento. Pesando 7,2 toneladas. Número de acesso: 32.143.1

Na extremidade da galeria ficam duas estátuas colossais (imagens acima e abaixo): um touro alado ao lado de um leão alado, dois dos muitos que serviam de guardiões do palácio, confrontando os visitantes e ajudando a afastar os maus espíritos e demônios. Normalmente, essas figuras de proteção ficavam nos portões, voltadas para os pátios.

Leão alado com cabeço humana (lamassu). Escultura em gesso de alabastro. Tamanho: 3,1 metros de altura x 2,7 metros de comprimento. Pesando 7,2 toneladas. Número de acesso: 32.143.2

Uma exceção era a sala do trono, em uma extremidade da qual estavam dois leões alados voltados para dentro, como o touro e o leão alados fazem em nossa galeria, separando a sala do trono de uma antecâmara. O touro e o leão do MET  faziam parte de dois portões em um pátio. Na antiguidade, cada portal era guardado por um par de dois touros ou dois leões.

Muitos ladrilhos de piso foram encontrados em palácios assírios; os ladrilhos modernos na galeria combinam com esses em tamanho e aparência. Muitos dos antigos azulejos tinham inscrições nas bordas, escondidos no chão e, portanto, visíveis apenas para os deuses. Acima dos relevos, fragmentos sobreviventes de decoração de tijolos (foto abaixo) revelam que as paredes foram pintadas com desenhos geométricos e figurativos.

Fragmento de tijolo com a cabeça de um Ibex, em cerâmica e esmalte. Tamanho: 12,4 x 9,2 cm. Número de acesso: 57.27.28

Os tetos eram feitos com grandes vigas de madeira de cedro do Líbano (escoradas nas vigas do telhado da galeria), cobertas com esteiras de junco e barro. Algumas dessas salas eram enormes e as coberturas representavam um verdadeiro desafio técnico: a sala do trono, em particular, tinha 47 metros de comprimento e 10 metros de largura.

Dois relevos na galeria, posicionados ao lado do touro alado e do leão, não vêm do Palácio Noroeste, mas do templo próximo do deus guerreiro Ninurta (foto abaixo). Acima de cada um há uma réplica. Estes e a parte inferior de um outro relevo são as únicas réplicas na sala; todas as outras esculturas são originais do século 9 a.C.

Relevo em gesso de alabastro representando uma figura sobrenatural protetora. Tamanho: 1,3 x 0,7 metros. Número de acesso 32.143.10.

Elas foram escavadas em meados do século 19, em algumas das primeiras escavações de objetos antigos da Mesopotâmia. Quando elas foram descobertos, nada como os relevos encontrados nos locais assírios de Nimrud, Khorsabad (antiga Dur-Sharrukin) e Nínive tinham sido vistos em mais de 2.000 anos, de modo que embora a Assíria apareça proeminentemente na Bíblia e em textos clássicos, ninguém no mundo moderno tinha visto arte ou arquitetura assíria, ou sabia como ela poderia ser.

Tradução de texto escrito por Michael Seymour
Dezembro de 2016

Gostou desse artigo?




loading

Carregando galeria...

Galeria de imagens

1 de 13

Recorte de um pedaço do relevo
Fragmento de tijolo
Parte de traz de cadeira esculpida em marfim
Lamassu - O touro alado de cabeça humana
Lamassu - O touro alado de cabeça humana
A galeria 401 do Museu Metropolitano de Nova York.
Lamassu - O leão alado de cabeça humana
Lamassu - O leão alado de cabeça humana
Relevo em gesso de alabastro representando uma figura sobrenatural com asas
Esse relevo representa um rei, provavelmente o próprio Ashurnasirpal, e um auxiliar
Relevo em gesso de alabastro representando uma figura sobrenatural protetora
Piso imitando tapete
Desenho de Austen Henry Layard

Recorte de um pedaço do relevo

Recorte de relevo mostrando as joías e os detalhes da roupa com padrões bordados, imagem mostrando auxiliar do rei. Recorte de um pedaço do relevo com tamanho de 23,8 x 18,6 cm. Número de acesso: 1982.1188.4

TAGS

Assíria

Mais artigos sobre Mesopotâmia

A cidade da Babilônia

Casamento, divórcio e infidelidade na Mesopotâmia

Quais eram os idiomas da Mesopotâmia?

Fontes bibiliográficas:

Aruz, Joan, Sarah B. Graff, and Yelena Rakic, eds. Assyria to Iberia at the Dawn of the Classical Age. New York: The Metropolitan Museum of Art, 2014.
Cohen, Ada, and Steven E. Kangas, eds. Assyrian Reliefs from the Palace of Ashurnasirpal II: A Cultural Biography. Hanover, N.H.: University Press of New England, 2010.
Crawford, Vaughn E., Prudence O. Harper, and Holly Pittman. Assyrian Reliefs and Ivories in The Metropolitan Museum of Art: Palace Reliefs of Assurnasirpal II and Ivory Carvings from Nimrud. New York: The Metropolitan Museum of Art, 1980.
Curtis, John E., and Julian E. Reade, eds. Art and Empire: Treasures from Assyria in the British Museum. New York: The Metropolitan Museum of Art, 1995.
Curtis, John E., et al. New Light on Nimrud: Proceedings of the Nimrud Conference 11th–13th March 2002. London: British Institute for the Study of Iraq, 2008.
Oates, Joan and David Oates. Nimrud: An Assyrian Imperial City Revealed. London: British School of Archaeology in Iraq, 2001.
Russell, John Malcolm. From Nineveh to New York: The Strange Story of the Assyrian Reliefs in the Metropolitan Museum and the Hidden Masterpiece at Canford Manor. New Haven: Yale University Press, 1997.

Artigo publicado em 12/09/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL