Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Urartu

Artigos > Antiguidade Geral  |  1,3 mil visualizações  |  940 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Urartu

Aljava do rei Sarduri II (reino 764–735 a.C). The State Hermitage Museum. São Petersburgo. Rússia.

Urartu foi um dos vários estados que surgiram e ganharam proeminência no Primeiro Milênio aC. na Anatólia (Turquia moderna) após a destruição do estado hitita por volta de 1200 a.C. (outros incluem a Frígia, Tabal e Lídia).

O Oriente Próximo no ano 850 a.C. Frígia e Urartu se destacam no norte. Fonte: Geacron.

Esses estados eram reinos, cada um com sua própria língua, etnia, religião e cultura material característica. Em suas inscrições, os assírios da Mesopotâmia referem-se aos urartianos como seus inimigos do norte, do século 11 ao 7 a.C. No entanto, o documento conhecido mais antigo escrito em urartiano, uma inscrição em rocha em Van (antiga Tushpa), registra a referência mais antiga ao estado.

Ele diz que Urartu foi governado por um rei chamado Sarduri (cerca de 840–830 a.C.) e menciona uma divindade masculina, Haldi, o deus supremo em toda a história urartiana. Urartu estava centrado no leste da Anatólia, ao redor do lago Van; a capital, Tushpa, ficava na margem leste do lago, situada em um afloramento rochoso alto e alongado.

No final do século 9 a.C., o estado expandiu-se para o norte, no Cáucaso, onde uma presença urartiana foi estabelecida em locais como Karmir Blur e Armavir. Os Urartianos também se moveram para o leste através das formidáveis Montanhas Zagros para o noroeste do Irã, onde muitos textos e vários locais - como Hasanlu, Agrab Tepe e Bastam - nos informam sobre suas conquistas e realizações locais.

Começando no século 19 e continuando até o presente, muitos sítios Urartianos foram escavados e estudados. É claro que esses sítios funcionavam como centros administrativos para coletar impostos e controlar e proteger a área local. Eles abrigavam um governador nomeado e sua equipe militar e civil, bem como o rei urartiano quando ele viajava. Os sítios compartilham várias caracaterísticas.

A maioria eram construções novas feitas em pontos altos, não em cima de velhos montes destruídos da cidade. Alguns eram proeminente, até mesmo dramaticamente situados, como Tushpa e Ayanis no leste da Anatólia e Bastam no Irã. A maioria dos sítios ostentava um templo bem construído situado no ponto mais alto, bem como um número de grandes salas de armazenamento contendo filas de grandes vasos para armazenamento de óleo e grãos, e massisas paredes de fortificação bem construídas.

Trabalhos no antigo templo de Ayanis.

Uma cidade exterior, onde viviam soldados, fazendeiros, artesãos e outros, é conhecida das escavações no sítio de Ayanis, com vista para o norte do Lago Van. Alguns cemitérios urartianos foram encontrados, mas a única tumba de membros da elite escavada é do século 8 a.C. exemplo em Altıntepe, na Anatólia, onde um grande caldeirão com quatro alças com cabeças de touro foi recuperado.

Os urartianos adaptaram o sistema de escrita cuneiforme assírio e a inscrição de Sarduri I, mencionada acima, está escrita na língua assíria; seu filho Ishpuini (cerca de 830–810 a.C.) e os governantes posteriores escreveram no idioma urartiano (distantemente relacionado com a língua hurrita não-indo-européia e não-semítica). Poucos exemplos de escrita existem em tabuletas de argila, mas cerca de 500 inscrições encontradas em todo o extenso território urartiano, bem como inscrições em centenas de objetos são conhecidas. Temos o antigo registro de campanhas militares, rituais religiosos a serem realizados, nomes de muitas divindades no panteão urartiano e atividades agrícolas, prediais e hidráulicas.

Inscrição de Argisti I em cuneiforme. Erebuni, Armênia. Via Wikimedia Commons.

Na segunda metade do século 7 a.C., todo sítio de Urartu conhecido das escavações na Anatólia, no Irã e no Cáucaso foi destruído, e julgando por evidências de artefatos, isso ocorreu em um curto período de tempo. A data precisa desta ação massiva organizada e a identidade dos perpetradores ainda estão sendo investigadas. Alguns estudiosos sugeriram que o inimigo eram os citas nômades e/ou os medos.

Desde o início da história do reino, foram fabricados artefatos muito característicos, incluindo centenas de cintos de bronze, escudos, capacetes, sinos, equipamentos para cavalos, jóias e vasos de cerâmica e metal de muitas formas. Muitos desses artefatos têm inscrições reais e são decorados com motivos e cenas característicos, que consistem em várias divindades e criaturas compostas do outro mundo, rituais reais, caçadas, batalhas e cenas de gênero. Eles continuaram a ser feitos até que Urartu fosse destruído.

Infelizmente, muitos sítios urartianos não foram escavados, e muitos cemitérios com centenas de bens funerários foram roubados. Os locais que foram escavados (como o cemitério de Altıntepe) nem sempre foram devidamente documentados. Isso significa que os arqueólogos foram privados de um conhecimento completo e contextual dessa cultura.

Tradução de texto escrito por Departamento de arte do antigo oriente próximo do MET
Outubro de 2004

Gostou desse artigo?




TAGS

Urartu

Mais artigos sobre Antiguidade Geral

[Vídeo] Reconstruções virtuais do palácio de Persépolis, capital do Império Persa

Bibliotecas no mundo antigo

Animais na arte do Antigo Oriente Próximo

Fontes bibiliográficas:

Merhav, Rivka. Urartu: A Metalworking Center in the First Millennium B.C.E. Jerusalem: Israel Museum, 1991.
Piotrovskii, Boris B. Urartu. Geneva: Nagel, 1969.

Artigo publicado em 29/09/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL