Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

As origens da escrita na Mesopotâmia

Artigos > Mesopotâmia  |  6 mil visualizações  |  1144 palavras

Capa do artigo: As origens da escrita na Mesopotâmia

Tabuinha cuneiforme com conta administrativa com entradas relativas a malte e cevada. Nesse registro o cuneiforme ainda está em sua forma pictográfica. Cerca de 3100–2900 a.C. Tamanho: 7 x 5 cm.
MET. Número de acesso: 1988.433.3

As planícies aluviais do sul da Mesopotâmia na segunda metade do Quarto Milênio a.C. testemunharam uma imensa expansão no número de sítios com populações. Os estudiosos ainda debatem as razões para esse aumento populacional, que parece grande demais para ser explicado simplesmente pela taxa de crescimento natural. Um desses  sítios, a cidade de Uruk, superou todos os outros como um centro urbano cercado por um grupo de assentamentos secundários.

Cobria cerca de 250 hectares, e foi chamada de "a primeira cidade na história do mundo. ” O local era dominado por grandes propriedades do templo cuja necessidade de contabilidade e desembolso de receitas levaram ao registro de dados econômicos em tabletes de argila. A cidade era governada por um homem retratado na arte com muitas funções religiosas. Ele é freqüentemente chamado de "sacerdote-rei . ”

Reconstrução parcial da cidade de Uruk, cortesia do site Artefacts.

Abaixo desse cargo estava uma sociedade estratificada na qual certas profissões eram muito apreciadas. Um dos primeiros textos escritos de Uruk fornece uma lista de 120 funcionários, incluindo o líder da cidade, o líder da lei, o líder do arado e o líder dos cordeiros, bem como termos especializados para sacerdotes, metalúrgicos, ceramistas e outras.

Muitos outros sítios urbanos existiam no sul da Mesopotâmia, nas proximidades de Uruk. Ao leste do sul da Mesopotâmia ficava uma região localizada abaixo das Montanhas Zagros, chamada pelos estudiosos modernos de Susiana. O nome reflete a civilização centrada em torno do sítio de Susa. Ali foram construídos templos e tabuletas de argila, datadas de cerca de 100 anos depois das primeiras tábuas de Uruk, foram inscritas com numerais e palavras-sinais.

Exemplos de cerâmica do tipo Uruk são encontrados em Susiana, bem como em outros locais na região montanhosa de Zagros e no norte e centro do Irã, atestando a importante influência de Uruk sobre a escrita e a cultura material. A cultura Uruk também se espalhou para a Síria e o sul da Turquia, onde edifícios em estilo Uruk foram construídos em assentamentos urbanos.

Pesquisas arqueológicas recentes indicam que as origens e a disseminação da escrita podem ser mais complexas do que se pensava anteriormente. Sistemas complexos com escrita proto-cuneiforme em argila e madeira podem ter existido na Síria e na Turquia desde meados do Quarto Milênio a.C.

Se novas escavações nessas áreas confirmarem essa suposição, então escrever em tabuletas de argila, como as encontradas em Uruk, constituiria apenas uma única fase do desenvolvimento inicial da escrita. Os arquivos de Uruk podem refletir um período posterior, quando a escrita “decolou”, à medida que a necessidade de práticas contábeis mais permanentes se tornou evidente com o rápido crescimento de grandes cidades com populações mistas no final do Quarto Milênio a.C.

A argila tornou-se o meio preferido para registrar itens burocráticos, já que era abundante, barata e durável em comparação a outras mídias. Inicialmente, um vareta ou bastão era usado para desenhar pictogramas e sinais abstratos em argila umedecida. Alguns dos primeiros pictogramas são facilmente reconhecíveis e decifráveis, mas a maioria é de natureza abstrata e não pode ser identificada com nenhum objeto conhecido.

Com o passar do tempo, a representação pictográfica foi substituída por sinais em forma de cunha, formados pela impressão da ponta de uma vareta ou caneta de madeira na superfície de uma placa de argila. Os estudiosos modernos (do século 19) chamavam esse tipo de escrita cuneiforme.

Tablete de argila do período Pré-Histórico Tardio (3100-3000 a.C.). Museu Britânico. N° ME 140855. Via Wikimedia Commons.

Hoje, cerca de 6.000 tablets proto-cuneiformes, com mais de 38.000 linhas de texto, são conhecidos de áreas associadas à cultura Uruk, enquanto apenas alguns exemplos anteriores são existentes. A teoria mais popular, mas não aceita universalmente, identifica os tabletes de Uruk com os sumérios, um grupo populacional que falava uma linguagem aglutinante que não se relacionava a nenhum grupo lingüístico conhecido.

Alguns dos primeiros sinais inscritos em tabuletas mostram rações que  precisavam ser contadas, como grãos, peixes e vários tipos de animais. Esses pictogramas podem ser lidos em qualquer número de idiomas, assim como sinais de trânsito internacionais podem ser facilmente interpretados por motoristas de muitas nações. Nomes pessoais, títulos de autoridades, elementos verbais e idéias abstratas eram difíceis de interpretar quando escritos com sinais pictóricos ou abstratos.

Um grande avanço foi feito quando um sinal deixou de representar apenas o significado pretendido, mas também um som ou grupo de sons. Para usar um exemplo moderno, uma imagem de um “olho” (eye, em inglês) poderia representar tanto um “olho” quanto o pronome “eu”. Uma imagem de uma lata (tin can, em inglês) indica tanto um objeto quanto o conceito “pode” (can em inglês), isto é, a capacidade de realizar um objetivo. Um desenho de uma junco (reed, em inglês) pode representar tanto uma planta quanto o elemento verbal "ler" (read, em inglês). Quando consideradas em conjunto, a declaração "Eu posso ler" pode ser indicada pela escrita de figuras em que cada imagem representa um som ou outra diferente de um objeto com o mesmo som ou similar.

Essa nova maneira de interpretar os sinais é chamada de princípio Rebus. Apenas alguns exemplos de seu uso existem nos primeiros estágios de escrita cuneiforme entre 3200 e 3000 a.C. O uso consistente deste tipo de escrita fonética só se tornou aparente após 2600 a.C. E constitui o começo de um verdadeiro sistema de escrita caracterizado por uma combinação complexa de sinais de palavras e fonogramas - sinais para vogais e sílabas - que permitiam ao escriba expressar idéias. Em meados do Terceiro Milênio a.C, o cuneiforme escrito primordialmente em tabletes de argila era usado para uma vasta gama de documentos econômicos, religiosos, políticos, literários e eruditos.

Tradução de texto escrito por Ira Spar
Outubro de 2004

Gostou desse artigo?




loading

Carregando galeria...

Galeria de imagens

1 de 1

Estágios na evolução do cuneiforme:
1) o pictograma como foi desenhado por volta de 3000 a.C.
2) o pictograma girado como escrito por volta de 2800 a.C.
3) mostra o glifo abstraído em inscrições monumentais arcaicas, cerca de 2600 a.C
4) é o sinal escrito em argila, contemporâneo ao estágio 3
5) representa o final do terceiro milênio
6) representa o antigo sinal assírio do início do 2° milênio, adotado pelos hititas.
7) é o sinal simplificado escrito por escribas assírios no início do primeiro milênio e até a extinção do cuneiforme.
Fonte: researchgate - by Sujay Rao Mandavilli

Mais artigos sobre Mesopotâmia

A vida eterna de Gilgamesh

As esculturas da corte assíria em Kalhu (Nimrud)

Conheça os principais zigurates da Antiga Mesopotâmia

Fontes bibiliográficas:

Glassner, Jean-Jacques. The Invention of Cuneiform Writing in Sumer. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2003.
Houston, Stephen D. The First Writing: Script Invention as History and Process. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.
Nissen, Hans J. "The Archaic Texts from Uruk." World Archaeology 17 (1986), pp. 317–34. n/a: n/a, n/a.
Nissen, Hans J., Peter Damerow, and Robert K. Englund. Archaic Bookkeeping: Early Writing and Techniques of Economic Administration in the Ancient Near East. Chicago: University of Chicago Press, 1993.
Nissen, Hans J., Peter Damerow, and Robert K. Englund. Archaic Bookkeeping: Early Writing and Techniques of Economic Administration in the Ancient Near East. Chicago: University of Chicago Press, 1993.
Walker, C. B. F. Cuneiform. Berkeley: University of California Press, 1987.

Artigo publicado em 29/09/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 35 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Aceitar