Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Selos cilíndricos na Antiga Mesopotâmia - O que eram e como eram fabricados

Artigos > Mesopotâmia  |  5,9 mil visualizações  |  2036 palavras

Capa do artigo: Selos cilíndricos na Antiga Mesopotâmia - O que eram e como eram fabricados

Selo cilíndrico de lapis-lazuli com montagem original em ouro ou tampas ornamentais. Período Acádio. 2200-2100 a.C. Encontrado no Cemitério Real de Ur. Museu Britânico. Tamanho: 2,6 x 1,1 cm. N° 121547

Entre os artefatos mais interessantes e reveladores descobertos da antiga Mesopotâmia estão os objetos conhecidos como selos cilíndricos. Esses itens relativamente pequenos podem ser vistos hoje em exposições de museus ao redor do mundo, mas, talvez devido ao seu tamanho, não recebem o tipo de consideração do público em geral que artefatos maiores e mais dominantes, como relevos ou estátuas, desfrutam.

O selo cilíndrico, no entanto, era parte integrante da vida cotidiana na antiga Mesopotâmia e conta a história das pessoas mais completamente do que os relevos reais ou as estátuas imponentes jamais conseguiriam.

Selos cilíndricos eram carimbos de impressão, muitas vezes bastante intrincados em design, usados em toda a Mesopotâmia. Eles eram conhecidos como kishib em sumério e kunukku em acadiano, e eram usados por todos, da realeza aos escravos, na transação de negócios e no envio de correspondência.

Selo cilíndrico de mármore branco. Estilo Jemdet Nasr. Museu Britânico. N° 128596

Originaram-se no período neolítico tardio (cerca de 7600-6000 a.C) na região hoje conhecida como Síria (embora, de acordo com outras alegações, eles se originaram na Suméria, o Iraque moderno, algum tempo depois) e eram feitos de pedra semipreciosa (como mármore, obsidiana, ametista, lapis lazuli) ou metal (ouro ou prata). Esses selos eram usados por seus donos em cordões de couro ou outro material ao redor do pescoço ou do pulso, ou presos a uma peça de roupa.

Seu objetivo era servir como uma assinatura pessoal em um documento ou pacote para garantir a autenticidade ou legitimar um acordo de negócios, uma vez que se assina uma carta ou formulário nos dias atuais. O selo era rolado na argila úmida do documento como uma assinatura oficial e vinculativa.

Na mesma época dos selos cilíndricos existiam os selos de estampa que eram menores e menos ornamentados. O selo cilíndrico típico tinha uma impressão de 7 a 10 cm de comprimento, enquanto os selos de estampa tinham menos de 2 cm de diâmetro e se assemelhavam mais ao anel de sinete que surgiu mais tarde. Enquanto alguns estudiosos (como o Dr. Stephen Bertman) afirmam que o selo de estampa precedeu o selo do cilindro, outros (como o Dr. Gwendolyn Leick e Dr. Senta Green) afirmam que os dois selos foram usados no mesmo período.

Selo de estampa feito em esteatita preta. Perído Antigo Assírio. 2000-1000 a.C. Tamanho: 2,2 x 2,1 cm. Museu Britânico. N° 117718.

A alegação de que o selo de estampa veio primeiro parece fazer sentido, pois é um meio menos refinado de selar um documento, e seria lógico presumir que o selo de cilindro, mais refinado e ornamentado, se desenvolveu a partir do selo de estampa, mais primitivo. Embora isso possa ser verdade, as evidências sugerem que os selos de estampa eram populares em toda a Mesopotâmia, ao mesmo tempo que os selos cilíndricos, especialmente nas regiões hoje conhecidas como Síria e Turquia.

Selos de estampa e selos de cilindro: Qual surgiu primeiro?

A questão de saber se o selo do cilindro substituiu o selo de estampa ou simplesmente tornou-se mais popular que ele, entra em jogo devido ao desacordo entre os estudiosos sobre o que, precisamente, estava sendo selado.

Alguns estudiosos argumentam que selos cilíndricos se desenvolveram a partir de selos de estampa devido à necessidade de selar bullae, bolas ocas de barro que levavam tokens representando uma transação financeira (por exemplo, quatro pedras brancas para representar quatro ovelhas), enquanto selos de estampa eram usados para selar  envelopes planos de barro que seriam quebrados para serem abertos após o recebimento.

Os envelopes planos, segundo a teoria, foram usados antes do desenvolvimento das bullae, e assim o selo era um meio eficiente de manter a segurança de uma mensagem ou transação. Com o desenvolvimento das bullae, um selo que poderia ser rolado sobre argila arredondada era necessário, e assim o selo do cilindro se desenvolveu.

Bullae de argila com tokens utilizados. Período Uruk 4000-3100 a.C. Museu do Louvre. N° Sb 1932. Via Wikimedia Commons.

O problema com esta teoria é que os envelopes quebrados descobertos atualmente estão claramente estampados por selos cilíndricos e que há bullae que foram marcadas por selos de estampa. A resposta mais segura parece ser que, embora o selo de estampa possa ter precedido a selagem pelo cilindro, o primeiro tipo de selo continuou em uso, talvez devido simplesmente ao apego pessoal.

Bertman observa que os selos cilíndricos "às vezes se tornavam heranças e, como tais, foram passados ​​de geração em geração" (231). A mesma situação poderia ter sido o caso dos selos de estampa, exceto pelo fato de que é preciso considerar o uso muito difundido de selos de estampa em oposição aos selos cilíndricos na antiga Síria e na Turquia, ambos usados ​​tanto bullae como em envelopes de argila.

Parece fazer sentido o fato do selo cilíndrico ter se desenvolvido a partir do selo de estampa, e talvez esse foi o caso, mas não se pode argumentar conclusivamente sobre essa afirmação. As evidências arqueológicas deixam claro que ambos os tipos de selos eram usados ​​pelo povo da Mesopotâmia. E eram usados ​​tanto para envelopes quanto para bullae, antes da invenção da escrita cuneiforme.

Tábua e envelope cuneiforme. Observe o desenho do selo cilíndrico que existe no envelope. Período Antigo Assírio. Museu de Arte de Harvard. N° 146548.

Uma resposta para essa questão é dada pelo estudioso Clemens Reichel na obra de Joshua Engelhardt, Agency in Ancient Writing. Reichel afirma que a resposta à pergunta "quem veio primeiro" é tão simples quanto as necessidades particulares das regiões da Mesopotâmia em selar correspondências ou recipientes. Reichel observa:

Ao contrário da tradição do norte de usar selos de estampa, os mesopotâmios do sul usavam selos cilindricos, consistindo em cilíndros de pedra nos quais desenhos eram gravados. A diferença entre o selo de estampa e selo de cilindro é muito mais do que apenas técnica e, de fato, nos fala sobre a própria natureza da atividade do escriba por trás do selo.

O espaço limitado no lado reverso de um lacre de selo também limitava a variabilidade potencial no repertório iconográfico dos projetos de selagem. Consequentemente, o número de variações facilmente discerníveis sobre um tema é limitado. A superfície de um selo cilíndrico, por comparação, fornece a "tela" para uma imagem retangular longa, tornando-o um lugar perfeito para aplicar um design elaborado com representações "narrativas". Espaço suficiente significava que o mesmo tema poderia ser facilmente variado sem confusão ou mistura.

Esse meio, portanto, adequava-se às exigências de uma entidade burocrática cada vez mais complexa, que exigia detalhes sutis para identificar agentes individuais dentro de seu sistema (REICHEL, p.34, tradução nossa).

Conforme a burocracia de Uruk (na Suméria) e do resto do sul da Mesopotâmia se tornaram mais complexas e difundidas do que a do norte, fez sentido que o sul da Mesopotâmia tivesse favorecido o selo cilíndrico, enquanto o selo de estampa continuasse popular na região norte. Também resolve a questão de onde os selos se originaram pela primeira vez, uma vez que a Suméria teria desenvolvido o selo cilíndrico e a antiga Síria o selo de estampa devido às suas respectivas necessidades.

A complexidade dos Selos

O selo cilíndrico entrou em uso popular durante o quarto milênio a.C. no Período Uruk Médio e Final. O aumento da burocracia durante esse período exigiu o tipo de garantia de autenticidade que esses selos proporcionavam e, com o tempo, tornaram-se cada vez mais complexos em design e escopo. Ao contrário dos selos de estampa, que eram menores, os selos cilíndricos proporcionavam ao artista um espaço maior para explorar um determinado tema.

Esses temas não apenas deixam clara a identidade do indivíduo que portou o selo, mas também fornecem detalhes significativos sobre seus empregos e modo de vida. Leick escreve: "As cenas pictóricas que se referem a atividades como tecer, cuidar de animais domésticos, caçar e aparentemente ações rituais podem indicar esferas de competência administrativa dentro da economia de Uruk" (47). Essa "competência administrativa" foi demonstrada através do trabalho sofisticado dos artistas que criaram os selos.

Fabricação

Selos cilíndricos eram feitos por um lapidador de selos conhecido como burgul em sumério e como purkullu na língua acádia. Um aprendiz trabalhava com um mestre lapidador por um período mínimo de quatro anos antes de montar sua própria loja como profissional. Stephen Bertman escreve sobre o conjunto de ferramentas de um lapidador encontrado nas ruínas da antiga cidade de Ugarit, Síria: "Em uma jarra de argila foram encontrados um pequeno cinzel de cobre, dois gravadores de cobre pontiagudos (para os detalhes), uma pedra de amolar, uma broca (para a abertura de furos), e alguns selos que ainda não haviam sido completados "(233).

Selo em branco, ainda esperando gravação. Encontrado no Egito. Cerca de 3100 a.C. Tamanho 3,3 x 2,3 cm. MET. N° 01.4.18

O lapidador também usava ferramentas de gravação de bronze e sílex, bem como brocas e lâminas para trabalhar a pedra em um selo. Bertman afirma que "em vez de cortar cilindros direto da pedra, os lapidadores de selo poderiam ter comprado selos em branco de revendedores, acrescentando os toques finais em suas oficinas" (233). Nesse caso, isso significaria que havia dois tipos de artesãos trabalhando no selos: aqueles que produziam os cilindros a partir da pedra extraída e aqueles que faziam a intrincada gravação para personalizar o cilindro para um cliente.

Selo cilíndrico em hematita do período Babilônico Antigo. Charterhouse Collection. N° 2-1956-22. Via Wikimedia Commons.

Em algum momento do processo, quando o cilindro em branco era criado ou depois de gravado, foram feitos furos no cilindro para que o proprietário pudesse usá-lo em uma corda ou preso a uma peça de roupa, como Bertman observa: O selo foi encontrado descansando no peito esquelético da rainha Puabi em seu túmulo em Ur "(233). O selo de uma rainha como Puabi tinha uma tampa de ouro em uma extremidade presa com betume, enquanto os de status menos nobre teriam suas vedações cobertas com metal menos caro.

Os selos eram esculpidos em entalhe, um processo de esculpir sob a superfície da pedra, de modo que uma impressão desse entalhe criasse uma imagem em relevo. A maneira mais fácil de pensar nisso é como um negativo fotográfico. Para conseguir esse efeito, o artista teria que reverter a imagem que queria em sua mente e esculpir de acordo. Isso exigia enorme habilidade, e lapidadores eram muito bem pagos e muito respeitados por seu ofício.

Selos cilíndricos expostos no Museu do Instituto Oriental da Universidade de Chicago, ao lado de suas impressões em argila.

Não havia escassez de demanda por selos cilíndricos pelo povo da Mesopotâmia. Bertman observa como "2.000 selos cilíndricos foram recuperados" nas escavações da Mesopotâmia até agora e que "com base na teoria de que para cada objeto arqueológico em um museu pelo menos uma centena ainda está enterrado, cerca de 200.000 selos do período [de Uruk] ainda aguardam escavação "(231). O lapidador, portanto, era muito procurado e um profissional altamente qualificado teria vivido muito confortavelmente.

Tradução de texto escrito por Joshua J. Mark
Dezembro de 2015

Continue lendo essa série:
Selos cilíndricos na Antiga Mesopotâmia - Estilos, usos e significados

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Mesopotâmia

O Código de Hamurabi - As mulheres, os funcionários do palácio e as sacerdotisas

Caça ao Leão nos relevos assírios do palácio de Nínive

Livros de Mesopotâmia gratuitos na Library Genesis

Fontes bibiliográficas:

Encyclopedia Iranica: Bullae
Anna Glenn: Pigtailed Women, Johns Hopkins Archaeological Museum
USC. Cylinder Seals and the West Semitic Research
Khan Academy. Dr. Senta Green: Sign with a Cylinder Seal
Megan Lewis and Marian Feldman: Cylinder Seals and the Development of Writing in Early Mesopotamia
Mesopotamia
by Joshua J. Mark
Bertman, S. Handbook to Life in Ancient Mesopotamia. Oxford University Press, 2005.
Engelhardt, J. Agency in Ancient Writing. University Press of Colorado, 2012.
Leick, G. The A to Z of Mesopotamia. Scarecrow Press, 2010.
Pritchard, J. B. The Ancient Near East, Volume I. Princeton University Press, 1958.

Artigo publicado em 15/10/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 35 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Aceitar