A redescoberta da Assíria

Artigos > Mesopotâmia  |  162 visualizações  |  1037 palavras

Capa do artigo: A redescoberta da Assíria

Abaixando o grande Lamassu. Ilustração de Austen Henry Layard. 1848. Uma ilustração similar em preto e branco, é uma das primeiras imagens da obra 'Nineveh and its remains' lançado pelo mesmo autor na metade do século 19.

Tradução feita a partir de texto publicado na seção Ensaios (Essays) do site do Museu Metropolitano de Artes de Nova York. O artigo original pode ser conferido aqui. O texto foi escrito por um dos responsáveis pelo Departamento do Antigo Oriente Próximo, em outubro de 2004, e não possui bibliografia, mas o autor acrescentou ao texto uma lista de leituras recomendadas. Essas indicações foram colocadas no espaço reservado as referências bibliográficas. Adicionei diversas fotos ao artigo para torná-lo mais interessante visualmente.

Durante o século 19, a maior parte do Oriente Médio pertencia ao Império Turco Otomano. No entanto, governantes independentes das autoridades centrais da capital Constantinopla controlavam grande parte da região. Isso tornou as viagens para os europeus na área não apenas extremamente difíceis, mas freqüentemente muito perigosas. No entanto, mercadores, diplomatas e aventureiros ocasionalmente viajavam para esta terra e retornavam com histórias tentadoras de ruínas antigas.

Como a maioria das pessoas educadas na Europa era educada na Bíblia Hebraica e em autores clássicos, eles reconheciam que muitos dos locais na Terra Santa, e especialmente na Mesopotâmia (antigo Iraque), representavam os restos mortais de algumas das civilizações mais antigas do mundo.

Oportunidades para os europeus explorarem alguns desses locais antigos resultaram da expansão dos interesses políticos na região pelos impérios da Grã-Bretanha e da França após a expedição de Napoleão ao Egito e Palestina e sua derrota pelas forças britânicas e turcas.

Algumas das primeiras pesquisas arqueológicas foram realizadas por Claudius Rich, residente britânico em Bagdá de 1808 a 1820. As antiguidades que ele reuniu formaram a base para as coleções da Mesopotâmia do Museu Britânico.

Foi um francês, Paul-Émile Botta (1802-1870), no entanto, quem empreendeu as primeiras grandes escavações.

Da esquerda para a direita. Pintura de Claudius Rich (1787–1820) feita por Thomas Phillips. E pintura de Paul-Émile Botta (1802-1870) feita por Charles-Émile Callande de Champmartin. Ambas via Wikimedia Commons.

Em 1842, Botta começou a cavar em Nínive no norte da Mesopotâmia, mas a falta de grandes descobertas levou-o a desviar sua atenção para o sítio de Khorsabad (Dur Sharrukin). Ali ele descobriu o palácio de Sargão II (r. 721–705 a.C.), construído por volta de 710 a.C.

As paredes de tijolos de barro do palácio tinham sido forradas com placas de alabastro finamente esculpidas em relevo representando os triunfos do rei. Além disso, alguns dos portões do palácio eram guardados por gigantescos colossos de pedra. Em 1846, Botta enviou muitos desses enormes monumentos para a França.

Um ano antes de os relevos de Khorsabad entrarem no Museu do Louvre, em Paris, o inglês Austen Henry Layard (1817–1894) começou a cavar no sítio de Nimrud (antigo Kalhu).

Austen Henry Layard (1817-1894). Pintura do jovem arqueólogo britânico feita por John Sartain. Via Wikimedia Commons.

Em grande parte financiado pelo Museu Britânico, ele descobriu os restos de muitos palácios dos séculos 9 e 8 a.C. construídos por reis ao longo dos 150 anos em que Nimrud foi a capital da Assíria.

Entre 1845 e 1847, Layard, com a ajuda de um assistente, Hormuzd Rassam e centenas de trabalhadores, revelou o imenso palácio de tijolos de barro de Ashurnasirpal II (r. 883–859 aC), a primeira dessas estruturas decorada com relevos de parede de pedra.

Retrato fotográfico de Hormuzd Rassam (1826–1910) por Philip Henry Delamotte. Cerca de 1854. Via Wikimedia Commons.

Ele também escavou outros edifícios reais e templos em Nimrud. Em Nínive, Layard revelou uma grande parte daquele que talvez seja o maior palácio assírio construído por Senaqueribe (r. 704–681 aC), onde descobriu mais de três quilômetros de lajes esculpidas. Depois de uma pausa em Londres, Layard retomou as escavações em 1849, deixando a Mesopotâmia de vez em 1851.

A maioria dos achados de Layard foi enviada ao Museu Britânico, mas vários dos relevos chegaram a outras instituições. Alguns foram adquiridos por missionários americanos que trabalhavam no Iraque, que viram as placas esculpidas como evidência da história bíblica. Outras esculturas entraram em coleções particulares, como a do industrial J. P. Morgan (seis das quais estão agora no MET).

O próprio Layard enviou alguns relevos para a casa de campo de seu primo em Canford Manor, em Dorsetshire, Inglaterra. Lá eles foram instalados na “Sacada Nineveh”, que tinha portas de ferro fundido com colossos de touro de cabeça humana, vitrais compostos de padrões desenhados de pinturas encontradas em Nimrud e um teto pintado com textos cuneiformes.

A coleção de vinte e seis esculturas assírias exibidas nas paredes foi superada na época apenas pela coleção de relevos assírios do Museu Britânico. Em 1919, dezoito das esculturas foram vendidas e, finalmente, chegaram à coleção de John D. Rockefeller Jr., que as doou ao MET em 1932.

Os milionários colecionadores: J.P.Morgan (1837-1913) e John D. Rockefeller Jr. (1874-1960)

Depois que Layard partiu para Londres em 1851, Rassam continuou a cavar em Nínive. Em 1853, ele descobriu o palácio de Assurbanipal (r. 668–627 a.C.), que forneceu ao Museu Britânico algumas das melhores placas esculpidas.

Enquanto isso, os franceses trabalhavam em Khorsabad, sob o comando de Victor Place (1818-1875) até 1855. Depois dessa data, no entanto, apesar do aumento do trabalho arqueológico na região, não foram descobertos mais grandes palácios com relevos esculpidos. Embora o mundo da Assíria continue a ser revelado por meio de descobertas espetaculares (por exemplo, a descoberta de túmulos reais em Nimrud por arqueólogos iraquianos em 1988-89), nenhuma delas pode igualar as dramáticas e românticas descobertas da geração anterior.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Mesopotâmia

Achados arqueológicos mais famosos: Suméria

Vida cotidiana na Mesopotâmia - Parte 1

Resumo da Epopéia de Gilgamesh - Parte 1/2

Fontes bibiliográficas:

Larsen, Mogens Trolle. The Conquest of Assyria: Excavations in an Antique Land, 1840–1860. New York: Routledge, 1996.
Russell, John Malcolm. From Nineveh to New York: The Strange Story of the Assyrian Reliefs in the Metropolitan Museum and the Hidden Masterpiece at Canford Manor. New Haven: Yale University Press, 1997.

Artigo publicado em 24/10/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.