Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

A história da cidade assíria de Dur-Sharrukin (Khorsabad)

Artigos > Mesopotâmia  |  3,1 mil visualizações  |  2868 palavras

Capa do artigo: A história da cidade assíria de Dur-Sharrukin (Khorsabad)

Imagem do vídeo de reconstituição da cidade feita pelo artista Qais Yaqoub.

Dur-Sharrukin (atual Khorsabad, Iraque) foi uma cidade construída por Sargão II da Assíria (reinou entre 722-705 a.C) como sua nova capital. O nome significa "Fortaleza de Sargão" e o projeto de construção tornou-se quase uma obsessão do rei assim que foi concebido.

Mapa da Mesopotâmia destacando as principais cidades da época. Em azul a localização das capitais assírias, em verde outras cidades importantes e em vermelho a atual capital do Iraque, Bagdá.

A cidade cobria 1,7 quilômetros com um comprimento de 1,7 quilômetros e uma largura 1,6 quilômetros, e era cercada por uma parede que tinha 14 metros de espessura e 12 metros de altura. A cidade foi construída, a partir do projeto de Sargão, para formar um quadrado quase perfeito, do qual emergia um "palácio sem rival" (como Sargon o descreveu) e um zigurate de quatro andares. O historiador Stephen Bertman comenta a construção e a elaboração do projeto:

A capital de Sargão tinha mais de uma milha (1,6 km) quadrada e seu design tornou-se sua preocupação. As dimensões da cidade, por exemplo, foram baseadas no valor numerológico do nome de Sargão. Tabuletas descrevendo a história da construção do palácio foram depositadas em sua pedra angular com o mesmo texto repetido em tábuas individuais de cobre, chumbo, prata, ouro, calcário, magnesita e lápis-lazúli, enquanto pinturas ilustravam como torras de cedro foram importadas do Líbano para fornecer a madeira necessária. Touros de pedra colossais com asas e cabeças humanas protegiam suas entradas. E as paredes do palácio estavam decoradas com tantas esculturas que os painéis, se colocados lado a lado, estendiam-se por uma milha (BERTMAN, 2003, p.19, tradução nossa).

A construção começou em 717 a.C e continuaria pelos próximos dez anos. Sargão II estava em campanha durante grande parte desse tempo, mas manteve contato com seu filho, o príncipe herdeiro Senaqueribe, em relação ao progresso da cidade. Ele se mudou para seu novo palácio em 706 a.C, mas morreu em campanha um ano depois. Após sua morte, a cidade foi abandonada.

Sargão II (a direita) ao lado de um dignatário. Relevo do palácio de Dur-Sharrukin. Museu do Louvre. Via Wikimedia Commons.

A necessidade de uma nova capital

A cidade de Ashur tinha sido a tradicional capital do Império Assírio até o reinado do rei Ashurnasirpal II (884-859 a.C) que mudou a capital para sua cidade recém-construída de Kalhu (também conhecida como Nimrud). Ashurnasirpal II decidiu fazer esse movimento para separar seu reinado daqueles de seus predecessores, mas também porque o povo de Ashur se tornou mais independente devido à grande riqueza e prestígio da cidade. Assurnasirpal II sentiu que não podia mais contar com a população para apoiá-lo inabalavelmente e queria uma nova cidade, com um novo palácio, para afirmar sua autoridade.

Kalhu provou ser exatamente a cidade que ele estava procurando. Ela foi construída primeiramente sob o reinado de Salmaneser I (reinou entre 1274 e 1245 a.C), mas desgastou nos anos seguintes após o seu reinado. Ashurnasirpal II renovou a cidade, reconstruiu o templo, construiu um novo palácio e inaugurou a cidade como sua capital em 879 a.C. Kalhu serviu os reis da Assíria no século seguinte, mas, em 746 a.C, o usurpador Tiglath Pileser III (reinou 745-727 a.C) derrubou o monarca reinante e assumiu o trono. Sobre isso, a historiadora Karen Radner escreve:

A elite de Kalhu não podia mais ser vista como inquestionavelmente leal a quem quer que fosse rei, tornou-se muito claro em 746 a.C. Naquele ano, uma rebelião contra o rei Aššur-nerari V (754-745 a.C) começou em Kalhu, no centro do estado assírio. A revolta foi bem sucedida e, eventualmente, resultou na ascensão de Tiglath-Pileser III ao trono. Tendo lucrado com a recém-descoberta independência de Kalhu da corte real, ele e seu herdeiro escolhido Salmaneser V (726-722 a.C) tinham poucos motivos para temer isso. Sargão II, no entanto, enfrentou uma resistência feroz ao seu governo depois que ele derrubou seu irmão Shalmaneser em 722 a.C e usurpou o poder real. Rebeliões surgiram nas províncias ocidentais, mas também, e muito mais preocupantemente, no coração da Assíria. Depois que conseguiu esmagar a oposição em 720 a.C, ele exilou seus inimigos que haviam sobrevivido no centro da Assíria. Além disso, ele imediatamente tomou medidas para realocar a corte e a administração central. (RADNER, sem página, tradução nossa)

Dur-Sharrukin foi concebida como um começo completamente novo para Sargão II. Ele comprou a terra de uma comunidade agrícola chamada Magganubba e alegou ter pago o preço de mercado sem invocar qualquer tipo de privilégio real. Sargão II escreve em uma inscrição:

Magganubba, que fica no sopé do Monte Muṣri, e se eleva acima de uma nascente e dos arredores de Nínive - nenhum dos 350 antigos regentes da Assíria percebeu sua localização favorável, compreendeu os benefícios de seu assentamento ou ordenou a escavação de um canal ali. Eu planejei e planejei dia e noite como estabelecer esta cidade e construir um santuário como a sede dos grandes deuses, e palácios como a residência do meu governo e, portanto, comandei sua construção (inscrição do cilindro de Khorsabad, II. 44-49, tradução nossa).

Depois que a terra foi comprada e a construção começou, Sargão II precisou sair em campanhas militares para garantir a segurança do seu império. No entanto, ele continuou supervisionando seu projeto de longe, como fica claro em suas cartas ao seu filho e aos envolvidos diretamente na construção da cidade.

A construção da cidade

Sargão II não estava mais interessado em governar de Kalhu e queria que a cidade fosse construída rapidamente. Entretanto, ele também estava interessado na qualidade, e queria ter certeza de que ela fosse bem construída. Ele cancelou as dívidas dos trabalhadores, a fim de obter um fluxo constante de trabalho e fez com que seus supervisores dessem incentivos a trabalhadores qualificados.

Reconstrução da cidade de Dur-Sharrukin. Francesco Gabellone via Research Gate.

Ele também, sem dúvida, usou o trabalho forçado de prisioneiros de guerra e de populações civis que haviam sido realocadas após a conquista (como o povo de Israel e Samaria, a quem ele conquistou no início de seu reinado, cerca de 720 a.C). Seu nível de envolvimento pessoal no projeto fica claro pelas cartas que ele mandou para casa. O historiador Marc Van De Mieroop escreve:

Um total de 113 cartas podem ser associadas à construção de Dur-Sharrukin, um décimo de todas as cartas que foram preservadas do seu reinado. Elas envolvem vinte e seis governadores provinciais, o que mostra como os recursos de todo o império foram usados. Seis delas parecem ter sido escritas pelo próprio rei, exigindo materiais ou mão de obra. Três delas estão traduzidas aqui:

1 carta encontrada em Nínive:
A palavra do rei ao governador de Kalhu: 700 fardos de palha e 700 trouxas de junco, cada pacote com mais do que um jumento pode carregar, devem chegar a Dur-Sharrukin no primeiro dia do mês de Kislev. Se um dia passar, você morrerá.

2 cartas encontradas em Kalhu
As 1100 pedras de calcários que Bel-lishir-talaktu está carregando, permita que elas sejam trazidas a mim em Dur-Sharrukin rapidamente! Endereçada ao segundo vizir.

700 pedras de calcário que Bel-lishir-talaktu está carregando, traga-os rapidamente para mim em Dur-Sharrukin! Endereçada aos eunucos (MIEROOP, 2006, p.235, tradução nossa).

A cidade aumentava constantemente com os esforços de uma grande força de trabalho, embora, às vezes, houvesse acidentes e atrasos. Um desses acidentes foi a perda de duas estátuas de touro alados no rio Tigre. O oficial que supervisiona o movimento das estátuas escreveu ao rei dizendo:

Para o rei, meu senhor: seu servo Assur-bani. Boa saúde ao rei, meu senhor! Assur-sumi-ke'in me chamou para ajudar a carregar as estátuas de touro nos barcos, mas os barcos não podiam carregar a carga e afundaram. Agora, embora isso tenha me custado um grande problema, eu as arrastei novamente para o barco. (tradução nossa)

Entre 713 e 710 a.C, Sargão II permaneceu, mais ou menos, em Kalhu e supervisionava regularmente a construção de sua cidade. Em 710 a,C, ele sentiu que tinha finalmente que lidar com um problema que o havia atormentado no início de seu reinado. Um chefe tribal chamado Merodach-Baladan havia tomado a Babilônia e, junto com aliados elamitas, havia derrotado as forças de Sargão II em 719 a.C, e depois reivindicado o trono da Babilônia e as regiões meridionais da Mesopotâmia. Sargão II novamente confiou a construção de Dur-Sharrukin a seu filho Senaqueribe e marchou suas forças contra Elam.

Estátua de 40 toneladas representando um lamassu, um espírito protetor. Em exibição no Instituto Oriental de Chicago. OIM A7369. Via Wikimedia Commons.

Babilônia, Morte e o Fim de Dur-Sharrukin

Sargão II havia sido derrotado anteriormente pelos elamitas e babilônios, porque ele enfrentou-os em um ataque frontal no campo. Desta vez, ele levou seus exércitos para o leste e primeiro derrotou Elam, a fim de privar a Babilônia de seus aliados. Merodach-Baladan fugiu da cidade e Sargão II entrou na Babilônia, se coroou rei e aceitou os territórios do sul em seu papel de libertador. Ele então permaneceu na Babilônia pelos próximos três anos, até que chegou até ele a notícia de que sua cidade estava completa, e ele poderia se mudar para o seu palácio.

A cidade não estava completa. As paredes estavam feitas e a maioria dos edifícios e, mais importante, o palácio; mas escavações no local e cartas antigas indicam que ainda havia algum trabalho significativo a ser feito. Mesmo assim, a cidade era muito impressionante. A historiadora Gwendolyn Leick escreve:

Havia sete portões, cada um dedicado a um deus assírio. Dentro de um recinto separado ficava o palácio e o complexo administrativo conhecido como o "Palácio sem Rival". Segundo os escavadores franceses, ele continha mais de 210 quartos, agrupados ao redor de três pátios. Os portais eram guardados por colossais estátuas de touros alados de cabeça humana feitas de pedra, e as paredes do palácio estavam forradas com lajes de calcário cobertas de relevos que mostravam o triunfo do exército assírio e os feitos de Sargão. Havia vários santuários em Dur-Sharrukin; o mais notável foi dedicado ao deus Nabu e decorado com azulejos vidrados. (LEICK, 2010, p.51-52, tradução nossa)

Além disso, havia o grande zigurate de Dur-Sharrukin: uma estrutura de quatro andares com uma escada em espiral ao seu redor. Cada um dos níveis foi pintado de uma cor diferente: branco, preto, vermelho e azul. As portas do palácio eram de bronze, enquanto marfim esculpido decorava as paredes e tetos. Os relevos que revestiam as paredes mostravam Sargão II como um poderoso rei que destruiu seus inimigos e construiu monumentos imponentes.

Reconstrução do palácio de Sargão II em Dur-Sharrukin. Autor desconhecido.

A historiadora Susan Wise Bauer comenta sobre isso, escrevendo como os relevos “mostram sua grandeza. Sua enorme figura empurra até mesmo as formas dos deuses ao fundo ”(BAUER, 2007, p.381, tradução nossa). Ele queria uma cidade mais bonita que Kalhu ou Ashur, uma cidade na qual ninguém antes dele havia morado, e agora ele a possuía.

Ele não aproveitou isso por muito tempo. Sargão II mudou-se para seu grande palácio em 706 a.C e, em 705 a.C, foi morto em batalha. O povo tabal da Anatólia se rebelou contra o Império Assírio e, em vez de enviar um general para cuidar do problema, Sargão II liderou seu exército. Ele foi morto no campo de batalha e a luta foi tão feroz que seus homens não conseguiram recuperar seu corpo. Este foi considerado um mau presságio pelo povo da Assíria, que concluiu que Sargão II devia ter cometido algum pecado terrível para os deuses ter abandonado tão completamente quando ele mais precisava deles.

Como Dur-Sharrukin era tão estreitamente associada ao rei, acreditava-se que ela havia sido contaminada pela mesma transgressão contra os deuses que ele cometera e por isso ela foi abandonada.

Senaqueribe mudou a capital para Nínive e iniciou seus próprios projetos de construção lá. Qualquer coisa que pudesse ser movida era tirada de Dur-Sharrukin e levada para Nínive. A cidade estava deserta. Enquanto alguns estudiosos modernos afirmam que Dur-Sharrukin continuou como uma capital provincial, outros afirmam que se tornou efetivamente uma cidade fantasma após a mudança para Nínive. As discrepâncias nessas visões vêm de diferentes interpretações do local moderno e das antigas inscrições.

Colapso e descoberta posterior

Dur-Sharrukin eventualmente desmoronou nos incêndios que tomaram a região após a queda do Império Assírio em 612 a.C. As forças combinadas dos persas, medos, babilônios e outros varreram as cidades dos assírios após a morte do bisneto de Sargão II, o rei Assurbanipal, em 627 a.C e os destruíram. Com o tempo, as ruínas foram enterradas pelas areias e a cidade foi esquecida.

O assentamento conhecido como Khorsabad veio a ser estabelecido no local, e então, em 1873, o arqueólogo Paul-Émile Botta iniciou escavações lá. Elas foram posteriormente continuadas por outro arqueólogo chamado Victor Place. Esses homens eram acompanhados, como era prática comum, por artistas que desenhavam as ruínas e os artefatos que seriam movidos no sítio. Artistas como Eugene Flandin e Felix Thomas fizeram desenhos cuidadosos de cada artefato descoberto em Dur-Sharrukin, e foi muito bom que eles tenham feito isso.

A redescoberta de Dur-Sharrukin no século 19. Fonte: Facebook do Instituto Oriental de Chicago.

Um barco carregado de tesouros que estava sendo transportado pelo rio Tigre em 1853 foi atacado por beduínos e afundou, enquanto outro barco em 1855 afundou sob o peso dos artefatos que haviam sido carregados nele. O segundo naufrágio resultou na perda de duas estátuas de touros, possivelmente as mesmas duas que afundaram os barcos no século 8 a.C. Ao contrário dos trabalhadores sob Sargão II, no entanto, nenhuma tentativa foi feita no século 19 para recuperar os tesouros do fundo do rio Tigre, e eles permanecem lá até os dias atuais. Em parte devido a conflitos militares na região, os planos para recupar os tesouros submersos no final do século 20 e início do século 21 nunca foram implementados.

Esses artefatos que acabaram saindo do país podem ser vistos hoje no Museu Britânico, no Louvre, no Instituto Oriental de Chicago nos EUA e, no próprio país, no Museu Arqueológico do Iraque. As escavações no local continuaram até meados do século 20, com o Instituto Oriental de Chicago supervisionando o trabalho de 1928-1935 a.C. O Departamento de Antiguidades do Iraque ocupou o sítio na década de 1950, e mais escavações foram conduzidas sob sua autoridade, com descobertas indo para o museu em Bagdá. Nenhum trabalho adicional foi realizado em Dur-Sharrukin e, como acontece com os artefatos no fundo do rio Tigre, isso se deve em parte aos conflitos armados na região.

Tradução de texto escrito por Joshua J. Mark
Julho de 2014

Gostou desse artigo?




TAGS

Assíria

Mais artigos sobre Mesopotâmia

O Código de Hamurabi - Pena de morte, punições físicas e ordálio

A língua Suméria

O militarismo assírio e as reformas de Tiglath-Pileser

Fontes bibiliográficas:

Karen Radner: Dur-Sharrukin. Acesso em 05 jul. 2014
Letter from Assur-bani to Sargon II. Acesso em 05 jul. 2014
Bauer, S.W. The History of the Ancient World. W. W. Norton & Company, 2007.
Bertman, S. Handbook to Life in Ancient Mesopotamia. Oxford University Press, 2003.
Leick, G. The A to Z of Mesopotamia. Scarecrow Press, 2010.
Van De Mieroop, M. A History of the Ancient Near East ca. 3000 - 323 BC, 2nd Edition. Blackwell Publishing, 2006.
Von Soden, W. The Ancient Orient. Wm. B. Eerdmans Publishing Company, 1994.
ResearchGate. Reconstructive study of Dur-Sharrukin. Acesso em 08 nov. 2018
Youtube. Reconstituição da cidade feita pelo artista Qais Yaqoub. Acesso em 08 nov. 2018
Wikimedia Commons. Lamassu. Acesso em 08 nov. 2018.
Wikimedia Commons. Sargon II and dignatary. Acesso em 08 nov. 2018.

Artigo publicado em 08/11/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.