Livros

Informações detalhadas sobre livros de História, além de fotos e resenhas dos livros. Não vendemos livros!

Boa Ventura! A Corrida do ouro no Brasil (1697-1810)

A cobiça que forjou um país, sustentou Portugal e inflamou o mundo.

Livros > Brasil Colônia  |  579 visualizações

Capa do livro Boa Ventura! A Corrida do ouro no Brasil (1697-1810), de Lucas Figueiredo
Autor: Lucas Figueiredo
Páginas: 387
Editora: Record
Ano da edição: 2011
Idioma: Português

Sinopse:

Quanto ouro foi levado para fora do Brasil? Como foram as excursões que desbravaram o coração do país na busca pelo eldorado brasileiro? Nesta reportagem histórica, narrada como um romance de aventura, o jornalista Lucas Figueiredo conta como a cobiça forjou um país, sustentou Portugal e inflamou o mundo.


Análise do livro

FIGUEIREDO, Lucas. Boa Ventura! A Corrida do ouro no Brasil (1697-1810). Rio de Janeiro: Record, 2011.

Boa Ventura! é uma obra sobre o ciclo da mineração no Brasil. O livro foi escrito por Lucas Figueiredo, um jornalista e escritor, autor de diversos livros-reportagem que vão desde temáticas como a mineração no Brasil, a ditadura militar até a política brasileira mais recente. O livro Boa Ventura! foi lançado em 2011 e se dedica a fazer um relato da corrida do ouro no Brasil entre os períodos de 1697 a 1810, com foco especial na região das Minas Gerais.

Já havia feito a leitura dessa obra em 2016, mas como na época eu não fiz anotações detalhadas do livro, decidi fazer a releitura da obra, produzir as anotações e também escrever uma nova resenha mais completa.

Abaixo você confere o conteúdo de cada um dos capítulos da obra. Depois disso coloco alguns comentários com minhas opiniões pessoais sobre o livro.

Conteúdo da obra

1. A Pepita: Causo de meados do século 19 que mostra a decadência portuguesa após o fim do domínio sobre o Brasil e quase meio século após o ciclo do ouro.

2. Fome de ouro: O reinado de Dom Manuel I (1495-1521), a expansão marítima, Vasco da Gama, Pedro Álvares Cabral, Américo Vespúcio e a chegada do Brasil em 1500. O Império Português nas primeiras décadas. O desprezo pelo Brasil nas primeiras décadas.

3. O metal que "endoença": O período entre 1521 e 1580. A descoberta do ouro e prata na América Espanhola. Os corsários ingleses e franceses e a contestação ao Tratado de Tordesilhas. O início da colonização do Brasil. Fundação de São Vicente e Martim Afonso de Sousa. As capitanias hereditárias e o açúcar. O mito de Sabarabuçu (Eldorado português). Criação do Governo Geral e primeiros governadores. A expedição de Brás Cubas. Pequena quantidade de ouro descoberta em São Paulo. O desaparecimento do rei São Sebastião.

4. Pecadores e caranguejos: O período da União Ibérica (1580-1640) e a busca pelo ouro. Porque as expedições do século 16 falharam em encontrar ouro? Dom Francisco de Sousa, governador-geral com fome de ouro. Novas estratégias para futuras expedições. A divisão do Governo-Geral em Norte e Sul. Os caminhos pelo sertão e os índios.

5. Longa e incerta via: Do fim da União Ibérica (1640) até o assassinato de Rodrigo Castelo Branco por Borba Gato em 1682. As cartas dos reis de Portugal aos sertanistas concedendo honras e mercês a quem descobrisse ouro. As bandeiras paulistas. A expedição de Fernão Dias.

6. A ambição dos homens tudo facilita: Os últimos anos antes da descoberta do ouro nas minas. Porque os paulistas não descobriam o ouro se todo mundo sabia onde ele estava? Novas ordens do rei privilegiam os paulistas e garantem a posse das minas aos seus descobridores. O ouro é descoberto em 1693 e as notícias chegam a Lisboa em 1695. O papel de Borba Gato nas primeiras descobertas.

7. Os escondidos de Deus: Os primeiros anos da Corrida do Ouro. O grande movimento migratório em direção às minas. A fome e a doença que afligiram os primeiros mineradores. Mudanças administrativas para impedir sonegação. O Caminho Novo. Começam as disputas entre paulistas e forasteiros.

8. Som de guerra: As primeiras brigas entre paulistas e forasteiros (emboabas). Começa a guerra. Toda a descrição da Guerra dos Emboabas (1708-1709).

9. O grande governador da Ilha dos Lagartos: As regulamentações e novas organizações administrativas após a guerra dos Emboabas. A revolta de Filipe dos Santos. O período áureo de Portugal.

10. Um presente para o rei: O ouro na Bahia, Mato Grosso, Roraima, Goiás e Tocantins. As monções.

11. Matéria e bizarria: A sonegação do quinto. A grande arrecadação da coroa portuguesa e o período áureo de Portugal no reinado de Dom João V (1706-1750). A descoberta de diamantes. O luxo e ostentação da corte portuguesa durante o reinado de Dom João V.

12. Triunfo do sertão: Sobre as vilas na região das minas, seu desenvolvimento, sua riqueza e sua cultura. Os reflexos econômicos da mineração.

13. Os que não sonharam: Sobre a escravidão negra nas minas.

14. O arrepio do medo: Dom José I e o terremoto de Lisboa em 1755. O Marquês de Pombal. O aumento dos impostos no Brasil devido às políticas do Marquês de Pombal.

15. Esfarrapada fortuna: D. Maria assume a coroa. Começa a decadência das minas. Diagnósticos da coroa sobre essa decadência e uma descrição do cenário nas minas.

16. Fanfarrões: A decadência da mineração. A derrama e a Inconfidência Mineira.

17. Da inutilidade do ouro: Capítulo curto sobre a loucura de D.Maria.

18. Da utilidade do ouro: Dom João assume como príncipe regente. A relação Portugal e Inglaterra e o Tratado de Methuen.

19. Adeus, Lisboa: Capítulo curto. Napoleão e a fuga da família real em 1808.

20. O gigante deitado: A família real no Brasil e o relatório do Barão Eschwege sobre o que fazer com as minas. A decadência e o fim da mineração.

21. O que restou e o que ficou: O legado da mineração para o Brasil e para onde foi o ouro na Europa.

Comentários sobre o livro

O livro é inegavelmente bem escrito e divertido de ler, algo esperado, já que os jornalistas tendem a escrever muito bem. Eu fiz a leitura das 334 páginas em sete dias sem muito esforço. Achei o livro muito interessante e acredito que o autor fez um trabalho elogiável em condensar a história da mineração e mostrar os diversos pontos de vista dos envolvidos: os mineiros, a coroa, os escravos e até a percepção de outros países sobre a riqueza portuguesa.

As primeiras 130 páginas do livro trazem uma introdução geral sobre o império português, a importância do Brasil dentro dele e as diversas tentativas de encontrar ouro ao longo dos primeiros 200 anos de colonização. A partir da página 130 até a página 290, o autor descreve o período áureo da mineração (1700-1750). E nas 40 páginas finais há uma descrição dos seus anos de declínio e da decadência das minas.

O autor descreve bem como a busca do ouro teve um papel fundamental nos primeiros séculos da colonização portuguesa. E também dá um bom destaque aos reis portugueses, principalmente para frisar a imensa vontade que eles tinham de encontrar metais preciosos no Brasil, e para relatar as dívidas e as extravagâncias da corte portuguesa após o ouro ser encontrado.

O período áureo da mineração no Brasil foi durante os reinados de Dom João V (1706-1750), Dom José I (1750-1777) e Dona Maria (1777-1792). Lucas Figueiredo apresenta essas personalidades de forma bastante vívida e mostra como a política desses líderes levou Portugal a gastar o ouro do Brasil sem olhar para o futuro. Nenhum rei jamais teve tanto dinheiro quanto Dom João V.

É importante chamar a atenção para alguns valores, para que se perceba o tamanho da riqueza portuguesa no século 18. Estima-se que 1000 toneladas de ouro tenham sido extraídas do Brasil durante esse século.

O preço atual do quilo do ouro é cerca de R$ 300 mil. Se usarmos esse preço como base, só essas 1000 toneladas representam R$ 300 bilhões. O quinto do rei sobre isso daria R$ 75 bilhões. Ou seja, apenas com o imposto cobrado sobre o ouro brasileiro, os reis portugueses teriam arrecadado algo em torno de 75 bilhões em um período de 100 anos.

O autor também destaca outros eventos importantes: a guerra dos Emboabas (1708-1709) que ocorreu logo nos primeiros anos após a descoberta, recebeu um capítulo especial (capítulo 8) e foi descrita com muitos detalhes. O Terremoto de Lisboa de 1775, que mudou a política de impostos nas Minas, também recebeu um relato bastante rico no capítulo 14.

Há várias características na obra que chamam a atenção pela qualidade: o autor se utiliza de ampla bibliografia e também de muitas fontes primárias, que são constantemente citadas ao longo da obra. A narrativa linear dos eventos ajuda muito na compreensão do cenário, e o foco tanto na extração do ouro quanto na visão da corte portuguesa, contribui para dar ao leitor uma visão global dos eventos e da importância que o ouro brasileiro teve no mundo. Ao final da obra o autor também faz muito agradecimentos a historiadores especialistas na área, que deram ampla contribuição e auxílio para a escrita da obra, em especial a historiadora Júnia Ferreira Furtado, que é autora de vários livros sobre o tema.

Para finalizar: o livro é bom. É bem escrito e resume de forma lúcida e coerente a maior parte dos temas envolvendo a corrida do ouro. Recomendo para todos aqueles que ainda não sabem muito sobre o tema. Pessoas que não sabem nada e quiserem uma introdução irão achar o livro excelente.

Nessa página você ainda encontra muitas outras informações que lhe permitirão ter uma visão mais completa da obra: acima dessa resenha você verá o link para fotos da obra e para as minhas anotações de leitura, com detalhes profundos do seu conteúdo. O livro está disponível na Library Genesis, ou pode ser comprado pesquisando pelos links que disponibilizamos logo acima.

Resenha publicada em 07/05/2022.

Foto do membro da equipe: Moacir Führ

Escrita por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Lucas Figueiredo

Jornalista e escritor, nasceu em Belo Horizonte em 1968. Recebeu três prêmios Esso, dois Vladimir Herzog e um Jabuti. Foi repórter da Folha de S.Paulo e colaborador da rádio BBC de Londres. Também atuou como pesquisador da Comissão Nacional da Verdade e consultor da Unesco. Além desse livro, também é autor dos livros-reportagem Morcegos negros e Ministério do silêncio, entre outros.

Jornalista

Mais livros sobre Mineração no Brasil

Maria Efigênia Lage

Inconfidência Mineira

Edgard Luiz de Barros

Os Sonhadores de Vila Rica

Luiza Rios Ricci Volpato

Entradas e Bandeiras

Eduardo José Afonso

A Guerra dos Emboabas

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Aceitar

Responda nossa pesquisa de opinião para que possamos entender melhor nosso público e oferecer melhores conteúdos:

Responder agora Já respondi