Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Lamassu do palácio de Ashurnasirpal II em Kalhu

Objetos > Mesopotâmia  |  40 visualizações

Do século 9 ao 7 a.C., os reis da Assíria governaram um vasto império centralizado no norte do Iraque. O grande rei assírio Assurnasirpal II (r. 883–859 a.C.) empreendeu um vasto programa de construção em Kalhu (atual Nimrud). Até se tornar a capital de Assurnasirpal, Kalhu não passara de uma cidade provinciana.

A nova capital ocupava uma área de cerca de 3,6 km2, em torno da qual Ashurnasirpal construiu uma parede de tijolos de 36 metros de espessura, 42 metros de altura e 8 quilômetros de comprimento. No canto sudoeste desse recinto ficava a acrópole, onde ficavam os templos, palácios e escritórios administrativos do império. Em 879 a.C. Assurnasirpal realizou um festival para 69.574 pessoas para celebrar a construção da nova capital, e o evento foi documentado por uma inscrição que dizia: "o povo feliz de todas as terras junto com o povo de Kalhu - por dez dias eu os festejei, bebi, banhei, honrei e os mandei de volta para casa em paz e alegria. "

A chamada Inscrição Padrão (Standard Inscriptio) que estava na superfície da maioria dos relevos descrevia o palácio de Assurnasirpal: "Construí nele [um palácio com] salões de cedro, cipreste, zimbro, buxo, teca, terebinto e tamarisco [?] Como minha habitação real e para a vida de lazer duradoura de minha senhoria. " A inscrição continua: "Bestas das montanhas e dos mares, que eu fiz de calcário branco e alabastro, eu coloquei em seus portões. Eu o tornei [o palácio] apropriadamente imponente."

Entre essas bestas de pedra está o touro alado com cabeça humana (lamassu). O chapéu com chifres é um símbolo de sua divindade, e o cinto representa seu poder. O escultor deu a essas figuras guardiãs cinco pernas, de modo que parecessem estar firmes quando vistas de frente, mas caminhando para frente quando vistas de lado. Os Lamassus protegiam os portões mais importantes de palácios assírios.

Esses dois exemplos do MET parecem ser iguais à primeira vista, mas à uma segunda análise várias diferenças ficam claras: o lamassu da direita tem os joelhos da frente bem proeminentes e decorações bem características nessas regiões. Ele também não usa cinto e tem as orelhas em um formato mais animal. Além disso, essa estátua tem cascos como os de um touro.

Já o lamassu da esquerda não tem os joelhos proeminentes e tem padrões bem diferentes desenhados nas pernas. Ele tem um cinto na região do abdomêm e suas orelhas tem um formato mais humano. E os seus pés, ao invés de cascos, apresentam garras.

Essas estátuas são cerca de um metro mais baixas do que os lamassus que estão no Museu do Louvre, e que foram retirados do Palácio de Sargão II em Dur-Sharrukin (atual Khorsabad).

Texto adaptado a partir de original do MET

Local: Kalhu (atual Nimrud)
Período/Data: Período Neo-Assírio - Cerca de 883–859 a.C.
Tamanho: 3,1 m x 62,2 cm x 2,7 m (AxLxP) - 7257 kg
Museu: Museu Metropolitano (MET), Nova York
Cadastro no site: 27/09/2020
Ver item no museu

TAGS

Assíria

Leituras e conteúdos recomendados:

Apaixonados por História. A história da cidade assíria de Kalhu (Nimrud)
Apaixonados por História. As esculturas da corte assíria em Kalhu (Nimrud)


Mais itens sobre Assíria

Lista de sinônimos

Espada de bronze do rei assírio Adad-nirari I

Placa de marfim assíria com relevo

Estátua do rei Shalmaneser III

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.