Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

A tumba KV54 e os preparativos do funeral de Tutancâmon

Artigos > Egito Antigo  |  1,6 mil visualizações  |  2898 palavras

Salvo nos favoritos
Capa do artigo: A tumba KV54 e os preparativos do funeral de Tutancâmon

Cabeça de Tutancâmon que originalmente fazia parte de uma estátua. Século 14 a.C. MET. N° 50.6

Uma descoberta intrigante

No inverno de 1907-1908, o jovem arqueólogo britânico Edward R. Ayrton, trabalhando para o advogado aposentado de Nova York e arqueólogo amador Theodore M. Davis, descobriu um buraco no Vale dos Reis a cerca de 110 metros da entrada do túmulo de Tutancâmon (KV62, na época ainda não descoberto).

Os arqueólogos Theodore M. Davis e Edward R. Ayrton.

O buraco de Davis-Ayrton é hoje identificado como a tumba KV54, e havia sido aberta na antiguidade através do cascalho de superfície que cobria a encosta e do leito rochoso na encosta leste, margeando o Vale dos Reis.

Medindo aproximadamente 1,90 x 1,25 metros, a cova estava na década de 1920 ainda cerca de 1,4 metros de profundidade na extremidade sul da subida e a 1 metro na extremidade norte em declive. Aglomerado nesse espaço relativamente pequeno, Ayrton encontrou mais de uma dúzia de gigantescos potes de cerâmica (veja abaixo), com 71 cm de altura, com corpos e pescoços esbugalhados.

Alguns dos itens de cerâmica da tumba KV54. MET. Via Wikimedia Commons.

Quando removidos do poço, eles se revelaram repletos de objetos ininteligíveis à primeira vista, como lençóis de linho, bandagens e lenços de cabeça; lacres de barro quebrados que outrora haviam sido presos a cordas fechando caixas e pacotes; sacos de várias formas contendo natrão branco pulverulento e serradura acastanhada; colares florais desbotados; e uma grande quantidade de panelas na maior parte quebradas que depois foram unidas por conservadores do Museu Metropolitano em vasos inteiros. Havia também quantidades consideráveis ​​de ossos de animais e outros pedaços, como coberturas de vasos de material de junco, bastões e pequenas bacias de argila não cozida.

Bastante decepcionado com a descoberta do que parecia ser sucata, Theodore Davis doou tudo para a incipiente coleção de arte egípcia do Museu Metropolitano em 1909.

No entanto, o nome do rei Tutancâmon, presente em algumas dos selos de barro e lençóis rasgados nos vasos de Davis-Ayrton, fez com que arqueólogos experientes tomassem conhecimento. De fato, Howard Carter e Arthur Mace afirmaram na obra A Tumba de Tutancâmon: Descoberta pelo falecido Conde de Carnarvon e Howard Carter (Londres, 1923) que a descoberta de Davis tinha servido como uma das pistas que os levaram a descoberta do túmulo intacto do rei, finalmente localizado em 1922.

Howard Carter limpando o sarcófago de Tutâncamon após a descoberta em 1922. Foto colorida posteriormente.

Enquanto isso, Herbert E. Winlock, curador do Museu Metropolitano e escavador de longa data, havia descoberto diversos objetos e materiais bastante semelhantes nas proximidades de vários túmulos não-rochosos em Tebas ocidental. Assim, ele foi capaz de identificar os lençóis de linho, bandagens e sacos de palha e natrão dos grandes jarros como sobras do embalsamamento do corpo do rei Tutancâmon.

Sacos de serragem encontrados na tumba KV54. MET. N° 1988.437.1

Parece que os antigos egípcios não descartavam simplesmente os restos do processo de mumificação, mas os recolhiam em recipientes de cerâmica ou caixões e os enterravam na vizinhança do túmulo do falecido. Esta não era uma simples questão de descarte de lixo, mas refletia a crença de que até mesmo vestígios dos restos físicos de uma pessoa continham parte de sua identidade. Os objetos da cova de Davis tornaram-se assim um meio de reconstruir algumas atividades que ocorriam em um funeral real há mais de 3.000 anos.

O processo de mumificação

A mumificação do corpo do rei Tutancâmon pode ter sido mais cuidadosa do que a de seus súditos de status mais elevado - e seu enterro certamente foi muito mais abastado -, mas na essência não foi diferente do embalsamamento de qualquer pessoa de meios razoáveis durante seu tempo.

De fato, embora as pessoas de menos recursos e status tivessem que se contentar com apenas partes (às vezes partes muito rudimentares) do repertório religioso disponível para os reis, a diferença era em grande parte na quantidade de tempo, material e perícia gastas. Em princípio, a mumificação de um rei dizia respeito ao seu corpo humano, uma parte de sua identidade que ele compartilhava com todos os outros seres humanos.

Depois que o corpo de um falecido era lavado e seus órgãos eram removidos através de uma incisão abdominal para serem tratados separadamente, o corpo era empacotado durante várias semanas (70 e 40 dias são mencionados nas fontes) em natrão, um composto de carbonato de sódio, bicarbonato de sódio, sulfato de sódio e clorito de sódio (mais recentemente descrito como sesquicarbonato de sódio), que ocorre naturalmente no Egito, especialmente no Wadi el-Natrun, a oeste do Delta do Nilo.

Corpo do morto sendo coberto com natrão durante o processo de mumificação. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Natrão é um agente dessecante. Dezenas de pequenos sacos contendo natrão foram encontrados nos recipientes de cerâmica de KV54. A pequena quantidade de pó contida nesses sacos indica que provavelmente não era assim que a maior oferta de natrão era entregue aos embalsamadores. Mais provavelmente, estes sacos foram usados para encher as cavidades do corpo durante e após o processo de desidratação.

Um pacote de natrão da tumba KV54. MET. N° 1988.437.2

Depois que os tecidos eram desidratados e o corpo tratado com resinas, ervas e unguentos (alguns dos quais podem ter propriedades antibacterianas), almofadas de linho, sacos de linho cheios de serragem e possivelmente pequenos sacos com natrão eram colocados dentro das cavidades do corpo para manter sua forma. Então o longo processo de envolver o corpo em bandagens começava. Camadas sobre camadas de faixas de linho eram usadas para produzir a figura característica de uma múmia.

Bandagens de linho usadas para mumificação. KV54. MET. N° 09.184.797

Cerca de vinte palitos, a maioria palhetas entre 5 e 13 cm de comprimento, podem ter sido usados para certos trabalhos de sondagem durante o processo de mumificação. Alguns deles têm pontas afiadas e queimadas, levantando a questão de saber se os egípcios tinham uma idéia vaga sobre o efeito esterilizante do calor.

Varetas afiadas encontradas na tumba KV54. MET. N° 09.184.358a, b

Desde os tempos antigos, as pessoas se perguntam sobre o costume egípcio de mumificação. O historiador grego Heródoto, por exemplo, escreveu longamente sobre isso. De acordo com o entendimento dos próprios antigos egípcios, a preservação do corpo humano era necessária para que a alma tivesse um lugar na terra para o qual pudesse retornar a fim de receber oferendas e assim sobreviver eternamente. É importante entender, no entanto, que não se pretendia apenas a preservação dos ossos e tecidos humanos. As faixas de linho mudavam para sempre a forma do corpo humano e criavam um novo ser de caráter divino, que acreditava-se poder viver para sempre.

Três peças especialmente interessantes encontradas na tumba KV54 eram provavelmente lenços de cabeça usados pelos embalsamadores. Eles eram feitos de linho muito fino, dobrados e cortados em uma forma quase semicircular (veja abaixo). Fitas de linho foram costuradas na borda superior reta que servia como a frente do lenço. “Ao ser vestido”, escreveu Winlock, “a frente desses lenços provavelmente ficava entre o dedo indicador e o polegar de cada mão, enquanto a parte redonda era jogada sobre a cabeça, e as fitas eram então levadas para baixo do lenço e amarradas."

Lenço de cabeça da KV54. MET. N° 09.184.218

As dobras ao longo dos cantos mostram que esses cantos estavam dobrados sob as bordas presas acima ou atrás das orelhas. Lavagens repetidas, desgaste nas frentes e sinais claros de cerzir, indicam que eram peças de roupas apreciadas que tinham sido usadas repetidamente antes de serem enterradas com o material de mumificação de Tutancâmon. Um dos lenços havia sido pintado de azul com índigo.

Recipientes e outros equipamentos para uso ritual durante o funeral

O processo de mumificação e a deposição de uma múmia no túmulo eram acompanhados por elaborados rituais. Alguns objetos do KV54 foram presumivelmente usados durante esses ritos.

Purificação e Libação

Frascos com corpos ovais e pescoços estreitos e altos faziam parte de um conjunto de lavagem de mãos durante o Reino Médio e Reino Novo: uma pessoa esticava as mãos sobre uma bacia enquanto um criado derramava água sobre eles a partir de um frasco. Essa atividade mundana se tornou um ritual quando conectada a uma cerimônia de oferendas.

As taças e os frascos com pescoços largos eram comumente usados como recipientes de líquidos e as pessoas também bebiam deles. As representações dos rituais de purificação, no entanto, também os mostram em uso para derramar água sobre as cabeças das pessoas e múmias durante os ritos de purificação.

Vaso de água da tumba KV54. MET. N° 09.184.83

Cerca de 40 e 50 bacias em miniaturas foram encontradas em KV54. Elas têm a forma das banheiras nas quais os sacerdotes se lavavam antes de entrar em um templo ou túmulo para servir. Seu pequeno tamanho (cerca 14-15 cm) e material friável (argila não queimada) os transformaram em objetos puramente simbólicos.

Ofertas

Como se acreditava que os mortos precisavam de comida e bebida na vida após a morte, oferendas de líquidos como água, cerveja ou vinho e alimentos como pão, carne, frutas e vegetais eram uma parte importante de todos os ritos fúnebres no Egito antigo. Entre os objetos de KV54 estavam restos de oferendas de carne e pratos, bem como uma tigela lindamente pintada que bem poderia ter servido para apresentar comida, e alguns dos frascos - se não usados para purificação - também poderiam conter ofertas líquidas ou óleos e unguentos perfumados.

Tigelas pintadas da KV54. MET. N°  09.184.105

Adorno floral

Entre os objetos mais notáveis encontrados na KV54 estão três colares surpreendentemente bem conservados de folhas de plantas, frutos e flores. O esquema de cores foi derivado de linhas alternadas de folhas de oliveira com a parte inferior prateada e folhas de oliveira com os lados superiores verdes escuros, bagas laranja-avermelhadas de Withania somnifera, centáureas azuis e minúsculas contas azuis de faiança, bem como flores amarelas de oxtongue (Picris asplenoides). O fundo de papiro era branco, e em dois dos colares as bordas ao longo do pescoço eram forradas de linho vermelho.

Colares florais da KV54. MET. N° 09.184.214–.216-related

Winlock acreditava que os colares florais eram usados pelos participantes em uma refeição fúnebre. É mais provável, no entanto, que alguns colares florais foram criados para adornar os vários caixões - e talvez imagens - do rei. Um grande exemplar feito de uma escolha muito similar de plantas foi finalmente colocada no caixão mais recôndito de Tutancâmon e encontrada lá por Howard Carter; os outros teriam então sido armazenados entre as sobras do processo de embalsamamento.

O colar floral que estava dentro do sarcófago de Tutancâmon, sobre a máscara mortuária.

A egiptóloga alemã e ex-botânica Renate Germer determinou a partir da seleção sazonal das flores e do colar no sarcófago do rei, que o funeral de Tutancâmon ocorreu entre o final de fevereiro e meados de março. Uma data ligeiramente posterior de março a abril foi defendida por Rolf Krauss.

Uma refeição fúnebre?

Em 1941, Herbert Winlock propôs que os colares florais e a maioria dos vasos de cerâmica acima descritos foram usados ​​em uma refeição. Ao reconstruir este evento, Winlock foi muito influenciado pelas representações onipresentes de banquetes nos túmulos tebanos da 18° Dinastia.

Herbert Winlock e uma cena de banquete em uma pintura da tumba de Nebamun em Tebas.

Mas o egiptólogo alemão Siegfried Schott demonstrou que essas imagens de fato não ilustram uma festa fúnebre, mas uma festa que era celebrada anualmente na antiga Tebas. Durante esta festa - chamada “A Bela Festa do Vale” - uma imagem do deus Amon era transportada de seu templo em Karnak, na margem leste do Nilo, para os cemitérios e a área do templo na margem oeste.

A imagem do deus Amon sendo carregada durante o festival de Opet. Iustração moderna de Jean-Claude Gouvin.

Enquanto a imagem repousava durante a noite no santuário, as pessoas festejavam em frente aos túmulos de seus ancestrais. Esta “Festa da Embriaguez” não era uma celebração em um funeral, mas uma festa religiosa que incluía os mortos da comunidade. Os objetos e vasos encontrados na tumba KV54 não devem ter tido nada a ver com esta ocasião, uma vez que foram enterrados junto com sobras de mumificação.

Relevos e pinturas tebanas do Novo Reino revelam, no entanto, que outra refeição, de caráter mais calmo, ocorria em um funeral em conexão com ritos realizados para a estátua do falecido, outro item importante nos funerais egípcios que proporcionava um lugar de materialização para a alma de uma pessoa morta.

Estes ritos com estátuas são mostrados repetidamente como tendo sido realizados em um cenário de jardim, com ofertas de comida estabelecidas em mesas e bebidas em grandes jarros como alguns encontrados em KV54 descansando sob dosséis.

Curiosamente - e importante para uma interpretação dos objetos do KV54 - algumas representações dos ritos das estátuas também mostram que, após a conclusão desses ritos, todos os vasos usados para oferendas eram destruídos. Quase todos os potes encontrados na KV54 foram encontrados quebrados em pedaços.

Pode-se, portanto, sugerir que os vasos descritos acima e outros restos de comida (como ossos de animais) da KV54 eram parte de uma exibição de oferendas de comida estabelecidas na consagração de uma estátua do rei Tutancâmon.

Como era costume na antiguidade, os participantes do ritual de oferendas teriam consumido a comida depois que as cerimônias eram concluídas. As refeições comunitárias na presença da efígie de um falecido são, além disso, conhecidas por terem ocorrido em muitas culturas e certamente sua ocorrência é comprovada no Egito Romano.

Templo Mortuário de Tutancâmon como o local da sua mumificação e dos Ritos da Estátua

A mumificação e os ritos das estatuetas de um rei eram mantidos, não em frente ao túmulo do rei no Vale dos Reis, mas mais provavelmente no local do templo mortuário do rei.

Templos mortuários foram construídos pelos faraós do Novo Reino para a celebração diária de seu culto após a morte, bem como a adoração de Amon, o deus supremo de Tebas e outras divindades; e todos esses templos estavam situados perto da terra agrícola a leste do Vale dos Reis.

Não sabemos onde ficava o templo mortuário de Tutancâmon ou se chegou a ser concluído. Um relevo no Museu Metropolitano representando um homem chamado Userhat (veja abaixo), que teria servido no templo mortuário de Tutancâmon, é a única evidência existente de que um culto chegou a ocorrer lá. Um local para o templo, no entanto, deve certamente ter sido escolhido e preparado na época do funeral do rei, e é lá que tanto a mumificação quanto os ritos de estátua provavelmente aconteceram.

Pedaço da estela votiva de Userhat. MET. N°05.4.2

Isso explica não apenas por que as sobras da mumificação do rei foram acumuladas juntamente com os restos de oferendas dedicadas a sua estátua, mas também se adequam aos cenários do jardim em que os ritos da estátua são retratados.

No final, todo o conjunto de sobras de mumificação e restos de oferendas de comida foram transportados em seus grandes recipientes do local do templo mortuário para o Vale dos Reis juntamente com todos os outros artigos que enchiam o túmulo do rei.

Tradução de texto escrito por Dorothea Arnold
Outubro de 2010

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Egito Antigo

Livros de Egito Antigo gratuitos na Library Genesis

Cães no Mundo Antigo Oriental

Cidades Egípcias - Tebas

Fontes bibiliográficas:

Allen, Susan. "Tutankhamun's Embalming Cache Reconsidered." In Egyptology at the Dawn of the Twenty-First Century, edited by Zahi Hawass and Lila Pinch Brock, vol. 1, p. 24. Cairo: American University in Cairo Press, 2003.
Beinlich-Seeber, Christine, and Abdel Ghaffar Shedid. Das Grab des Userhat (TT 56). Mainz am Rhein: P. von Zabern, 1987.
Bryan, Betsy M. "The Temple of Mut: New Evidence on Hatshepsut's Building Activity." In Hatshepsut: From Queen to Pharaoh, edited by Catharine H. Roehrig, p. 182. New Haven: Yale University Press, 2005.
Carter, Howard, and Arthur C. Mace. The Tomb of TutAnkhAmen: Discovered by the Late Earl of Carnarvon and Howard Carter. 3 vols. See vol. 1, pp. 77–78. London: Cassell, 1923–33.
Eaton-Krauss, Marianne. "The Burial of Tutankhamun, Part One." KMT: A Modern Journal of Ancient Egypt 20, no. 4 (Winter 2009–10), pp. 36–38.
Eaton-Krauss, Marianne. "The Burial of Tutankhamun, Part Two." KMT: A Modern Journal of Ancient Egypt 21, no. 1 (Spring 2010), pp. 19–36.
Germer, Renate. "Die Blütenkragen aus RT 54." In Miscellanea aegyptiaca: Wolfgang Helck zum 75. Geburtstag, edited by Hartwig Altenmüller und Renate Germer, pp. 89–95. Hamburg: Archäologisches Institut der Universität Hamburg, 1989.
Germer, Renate. Die Pflanzenmaterialien aus dem Grab des Tutanchamun. Hildesheim: Gerstenberg, 1989.
Germer, Renate. Mummies: Life after Death in Ancient Egypt. New York: Prestel, 1997.
Gessler-Löhr, Beatrix. "Exkurs: Die Totenfeier im Garten." In Das Grab des Amenemope (TT 41), edited by Jan Assmann, pp. 162–83. Mainz am Rhein: P. von Zabern, 1991.
Guksch, Heike. Die Gräber des Nacht-Min und des Men-cheper-Ra-seneb Theben Nr. 87 und 79. See pp. 62–68. Mainz am Rhein: P. von Zabern, 1995.
Hays, Harold M. "Funerary Rituals (Pharaonic Period)." In UCLA Encyclopedia of Egyptology (2010), edited by Willeke Wendrich et al.
Hepper, F. Nigel. Pharaoh's Flowers: Botanical Treasures of Tutankhamun. 2d ed. Chicago: KWS, 2009.
Ikram, Salima, and Aidan Dodson. The Mummy in Ancient Egypt: Equipping the Dead for Eternity. New York: Thames & Hudson, 1998.
Krauss, Rolf. "Nochmals die Bestattungszeit Tutankhamuns und ein Exkurs über das Problem der Perseareife." Studien zur Altägyptischen Kultur 23 (1996), pp. 227–54.
Martin, Geoffrey T. The Memphite Tomb of Horemheb, Commander-in-Chief of Tut'ankhamun, vol. 1, The Reliefs, Inscriptions, and Commentary. London: Egypt Exploration Society, 1989.
Reeves, Nicholas. The Complete Tutankhamun: The King, the Tomb, the Royal Treasure. London: Thames & Hudson, 1990.
Schaden, Otto. "KV63 2010 Season." KMT: A Modern Journal of Ancient Egypt 21, no. 2 (Summer 2010), pp. 45–49.
Schaden, Otto. "KV63 Season 2009." KMT: A Modern Journal of Ancient Egypt 20, no. 3 (Fall 2009), pp. 19–29.
Schaden, Otto. "The Amenmesse Project, Season 2006." Annales de Service des Antiquitès de l'ègypte 82 (2008), pp. 231–60.
Schott, Siegfried. Das schöne Fest vom Wüstentale: Festbräuche einer Totenstadt. Mainz: Akademie der Wissenschaften und der Literatur, 1953.
Taylor, John H. Death and the Afterlife in Ancient Egypt. London: British Museum Press, 2001.
Winlock, Herbert E. Tutankhamun's Funeral, a reprint (1941) with introduction by Dorothea Arnold of Materials Used at the Embalming of King Tut-'ankh-Amun. New York: Metropolitan Museum of Art, 2010.

Artigo publicado em 21/01/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL