Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Carlos Magno - Uma análise de três fontes primárias

Artigos > Idade Média  |  54 visualizações  |  4429 palavras

Capa do artigo: Carlos Magno - Uma análise de três fontes primárias

Carlos Magno cercado por membros do clero e da corte. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Tradução de artigo publicado na revista History in the Making, uma publicação da Universidade da Califórnia. O texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Amelia Sullivan do curso de História da Arte da mesma universidade, e publicado em janeiro de 2017. A bibliografia utilizada foi colocada ao final do texto. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo. Também adicionei alguns subtítulos para tornar a leitura mais agradável.

Embora a data e o local exatos de seu nascimento sejam desconhecidos, os estudiosos acreditam que Carlos, o Grande - ou Carlos Magno - nasceu em 742, na região da atual Bélgica, filho do rei Pepino, o Breve da Francia e da rainha Bertrada de Laon.

Após a morte de seu pai em 768 e a morte do irmão em 771, Carlos Magno subiu ao poder como governante único da Francia. Como rei, Carlos Magno instituiu uma série de reformas religiosas e seculares destinadas a consolidar os territórios francos sob seu poder. Além disso, Carlos Magno travou uma guerra em um esforço para expandir o território e cristianizar as populações vizinhas. Sob seu governo, as raízes da cultura e do poder carolíngios foram estabelecidas.

As fontes

Um dos aspectos mais cruciais da carreira de um historiador envolve o exame de fontes originais a respeito de lugares, eventos, períodos históricos ou indivíduos específicos, a fim de obter uma compreensão mais profunda da história. Este estudo detalhado de documentos permite que os historiadores desenhem uma quadro vívido de civilizações há muito desaparecidas.

Uma análise atenta de algumas fontes primárias revelam várias facetas da sociedade carolíngia durante o reinado de Carlos Magno. As fontes que analisaremos serão:

  • A Capitular de Herstal,
  • uma das cartas de Carlos Magno ao rei Offa da Mércia e
  • uma carta do monge Alcuíno de York à Carlos Magno.


Importante lembrar que todas essas fontes primárias são anteriores à 800. Ou seja, Carlos Magno ainda não possuía o título de Imperador quando esses documentos foram produzidos.


A Capitular de Herstal (779)

A Capitular de Herstal, emitida em 779, foi um dos primeiros conjuntos de documentos de reforma divulgados por Carlos Magno. Nos anos anteriores à criação da Capitular, Carlos Magno liderou uma série de campanhas militares bem-sucedidas, expandindo os limites dos territórios francos.

Em 774, a pedido do papa Adriano I, Carlos Magno liderou uma campanha bem-sucedida contra a Lombardia. No final do conflito, Carlos Magno se coroou rei dos lombardos e destruiu qualquer oposição à sua autoridade. Em 777, Carlos Magno tentou aumentar suas propriedades lançando uma campanha militar na Espanha em uma tentativa de arrancar o controle das terras espanholas do domínio islâmico. Foi um desastre. Na retirada, os bascos não só foram capazes de repelir as forças francas, mas quase dizimaram o exército de Carlos Magno.

Estátua equestre de Carlos Magno com 25 cm de altura. Século 9. Museu do Louvre, Paris. N° OA 8260

Os problemas de Carlos Magno, no entanto, não terminaram com seu fracasso militar na Espanha. Os territórios da Itália e Aquitânia se revoltaram contra o governo de Carlos Magno. Além disso, os saxões iniciaram uma invasão dos territórios francos. Em um esforço para consolidar seu poder, Carlos Magno convocou uma assembléia de bispos, senhores, abades e condes para discutir vários tópicos relacionados ao aumento da eficácia das instituições públicas, proporcionando maior segurança para as pessoas e suas propriedades, bem como uma maior organização da igreja.

As leis e os assuntos eclesiásticos discutidos nesta assembleia foram provavelmente registrados por um indivíduo no tribunal de Carlos Magno, então reemitido para as populações dos territórios francos com a aprovação do rei. Este documento ficou conhecido como Capitular de Herstal.

A Capitular começa declarando o ano e o mês da assembléia em Herstal, bem como declarando que as decisões foram tomadas "de acordo com a vontade de Deus". Os primeiros tópicos do documento tratam do poder concedido aos Bispos. No primeiro ponto, Carlos Magno afirma que os bispos de Suffragan devem ser colocados sob a autoridade dos bispos metropolitanos de acordo com a lei canônica, e que se qualquer faceta do ministério necessitar de correção, os bispos "devem corrigi-los e melhorá-los de boa vontade".

Carlos Magno também aborda a falta de uniformidade entre a consagração, ou dedicação religiosa formal das autoridades da Igreja. Ele ordena que os bispos que não foram consagrados sejam consagrados imediatamente. Ele também concede aos bispos autoridade sobre os padres, de acordo com a lei canônica, e lhes concede o poder de "impor correção aos incestuosos".

A abadia do Convento Beneditino de São João (Abbey of Saint John at Müstair) na Suíça, foi construída na época de Carlos Magno no século 8.

Além disso, Carlos Magno ordena que os mosteiros não se desviem dos ensinamentos nos quais foram fundados, nem os conventos desviam-se de suas ordens sagradas. A partir desses primeiros decretos, fica-se sabendo do estado atual da Igreja em Francia, bem como dos esforços de Carlos Magno para centralizar a prática religiosa em seu Reino.

As referências à “lei canônica” de Carlos Magno em todo o corpo do Capitular referem-se a uma coleção canônica específica concedida a ele pelo Papa Adriano I. Esta coleção, chamada Dionysio-Hadyriana, é composta de textos que detalham regulamentos religiosos e decretos papais estabelecidos por uma série de sínodos, papas e autoridades religiosas ao longo de vários séculos.

As referências ao direito canônico dentro da Capitular estabelecem Carlos Magno não apenas como um rei cristão, mas como um governante em boas relações com a Igreja. Além disso, a alusão de Carlos Magno ao direito canônico confirma a importância dos textos religiosos na sociedade carolíngia. A insistência de Carlos Magno para que os bispos sejam consagrados sugere que a prática da Igreja em relação à ascensão de indivíduos ao cargo de bispo ainda não era uniforme nos territórios francos na época da criação do Capitular.

Durante o reinado de Pepino, o Breve (r.751-768), o cargo de bispo que às vezes ficava vago, era tomado por um nobre poderoso ou às vezes atribuído ao abade de um mosteiro. Ao insistir que todos os bispos fossem consagrados, Carlos Magno garantiu que cada diocese possuísse um bispo genuíno.

Além disso, o apelo de Carlos Magno para mosteiros estabelecidos em certas escolas de regra monástica para "viver de acordo com essa regra" significa que a prática monástica na época era ou relaxada ou variada em toda a Francia. Esta insistência na prática monástica uniforme em combinação com a lei que tratava da consagração uniforme dos bispos estabelece o desejo de Carlos Magno de reformar a Igreja e estabelecer a uniformidade da prática em todos os aspectos do Cristianismo.

Imagem idealizada de Carlos Magno. Ilustração moderna produzida em 1882, autor desconhecido.

A segunda metade da Capitular trata de assuntos seculares ao invés de eclesiásticos. Esta seção do documento enfoca o julgamento e o tratamento de criminosos, a convocação de exércitos, o estabelecimento de juramentos e a venda de cotas de malha. Na lei oito, Carlos Magno declara que os indivíduos culpados que se refugiam em uma igreja “não devem ser deixados, e nenhum alimento deve ser dado a eles lá”. Esse trecho aponta para a existência de leis de santuário na sociedade carolíngia.

Além disso, também demonstra o limite do poder de Carlos Magno sobre a Igreja. Ele não proíbe as igrejas de concederem santuário a criminosos, mas torna difícil para elas prosperarem em tal ambiente, usando sua autoridade como Rei para cortar o suprimento de alimentos aos culpados.

Carlos Magno novamente demonstra essa autoridade na lei nove, afirmando que ladrões pegos dentro de uma área de imunidade devem ser apresentados "pelos juízes dessa área no tribunal do conde" e que "qualquer pessoa que não cumprir totalmente com isso perderá seu benefício e seu ofício ”. Carlos Magno, mais uma vez, não ultrapassa seu poder secular. Ele, no entanto, torna difícil para os criminosos prosperarem em áreas de imunidade, desta vez usando sua autoridade como Rei para ordenar que seus juízes e vassalos prendam o culpado.

Além de demonstrar a divisão entre poderes eclesiásticos e seculares, a menção sobre os deveres dos juízes e vassalos aponta para a existência de um sistema estabelecido de tribunais e vassalagem dentro da sociedade carolíngia. Uma das maiores conquistas do reinado de Carlos Magno foi a instituição de um sistema de tribunais nos territórios francos. Ele instituiu este sistema concedendo a seus nobres vários benefícios ou presentes. Junto com uma doação de terras, Carlos Magno também concedia autoridade judiciária a seus vassalos. As instruções claras para juízes e vassalos contidas no documento significam que em 779, Carlos Magno já havia estabelecido um tribunal e um sistema de vassalagem na Francia.

Carlos Magno exercendo a justiça em público. Ilustração moderna. Chromolithography. La Civilizacion (The Civilization), tome III, 1882

Em outra seção da segunda metade do Capitular, Carlos Magno fala sobre a punição que espera um indivíduo que cometer perjúrio. Na lei, ele afirma que se um indivíduo acusa outro de perjúrio, ele deve passar pela "provação da cruz" e que, se o jurante ganhar, o acusador deve "pagar o equivalente a seu wergeld". Wergeld era um antigo costume germânico em que um indivíduo considerado culpado de assassinato pagava dinheiro equivalente à vida de sua vítima. A menção de wergeld dentro da Capitular demonstra as raízes germânicas do sistema de justiça carolíngio.

Além disso, Carlos Magno não apenas faz referência ao costume germânico dentro da Capitular, mas também utiliza termos latinos como "centenarius", "vicedominus" e "missus". Cada um desses termos se refere a um determinado cargo de autoridade, como um funcionário público menor, vice-bispo ou enviado. O uso do latim na Capitular significa que os povos francos integraram não apenas os antigos costumes germânicos em sua sociedade, mas também alguns aspectos da cultura romana.

Os decretos da Capitular de Herstal evidenciam:

  • o mau estado da Igreja na época da emissão do documento,
  • a relação de Carlos Magno com a Igreja,
  • a importância dos textos religiosos na sociedade carolíngia,
  • a clara divisão entre o poder do Rei e o poder da igreja,
  • o estabelecimento de tribunais judiciais e vassalagem,
  • as raízes germânicas dos sistemas jurídicos carolíngios e
  • a adoção pela sociedade carolíngia de certos aspectos da cultura romana, como o latim.


Embora o documento forneça ao leitor conhecimento sobre várias facetas do reinado de Carlos Magno, ele não informa o público sobre a eficácia da Capitular, como a Capitular pode ter sido distribuída, o quanto a cultura romana estava enraizada na sociedade carolíngia, nem fornece uma visão aprofundado de outras facetas da lei carolíngia durante o governo de Carlos Magno.

A carta de Carlos Magno ao rei Offa da Mércia (796)

Os estudiosos estimam que a carta de Carlos Magno ao rei Offa da Mércia foi escrita em 796, quase duas décadas após o Capitular de Herstal. Durante seu reinado, Carlos Magno trocou cartas com várias autoridades estrangeiras. Por meio da escrita, Carlos Magno abordou questões comerciais, religiosas e governamentais com potências estrangeiras.

O reino de Mércia no final do século 8. A área fora dos limites do reino, em verde, é a área de influência do rei Offa. A faixa em vermelho mostra a posição do Dique de Offa, uma grande construção que visava defender a Mércia dos ataques do Reino de Powys, no atual País de Gales. A Inglaterra só seria unificada no século 10.

Uma análise completa da carta não revela apenas o status da relação da Francia com a Mércia e as proteções concedidas aos peregrinos religiosos dentro da Francia, mas também apóia a adoção de aspectos da tradição romana na cultura franca, bem como enfatiza a importância dos textos religiosos dentro da Francia.

No início da carta, Carlos Magno enumera seus títulos, declarando-se "Rei dos Francos e Lombardos e Patrício dos Romanos". Referindo-se a si mesmo como "patrício dos Romanos", Carlos Magno volta a ouvir a majestade do dissolvido Império Romano, se alinhando a memória de grandes líderes romanos da antiguidade, como o grande governante cristão Constantino.

Assim como o uso do latim na Capitular de Herstal sugere a adoção de aspectos da cultura romana na sociedade franca, assim também a adoção de Carlos Magno do título "Patrício de Roma" demonstra laços entre a Francia e o Império Romano.

No segundo parágrafo da carta, Carlos Magno estende bênçãos a Offa, afirmando que eles estão unidos na "unidade de paz" e na "concórdia de amor". Essa linguagem amigável continua até o final do parágrafo, pois Carlos Magno menciona as "cartas fraternas" de Offa, e o reconhece como um “defensor devoto da santa fé”.

Além disso, ele também menciona sua esperança de que o tratado estabelecido entre eles floresça. O uso de linguagem familiar por Carlos Magno para com Offa sugere uma proximidade entre os dois líderes, bem como significa relações estáveis ​​entre Francia e a Mércia no momento da criação da carta. Além disso, o tratado que Carlos Magno menciona é provavelmente o motivo da conduta cordial entre os dois reinos.

O dique de Offa (Offa's Dyke) é uma grande construção com cerca de 240 km de comprimento, que separava o reino da Mércia do reino de Powys (atual País de Gales). Acredita-se que tenha sido uma obra do rei Offa no século 8.

Nos anos antes de Carlos Magno escrever a carta, ele tentou arranjar um casamento entre a filha de Offa e seu filho. Mas quando Offa tentou arranjar um casamento recíproco entre seu filho e uma das filhas do rei franco, Carlos Magno, insultado pelo exagero de Offa, impôs um embargo comercial à Mércia. As relações comerciais entre Francia e Mércia se normalizaram em meados da década de 790 após a assinatura de um tratado comercial mutuamente benéfico. As observações de Carlos Magno sobre esse tratado significam que em 796 o conflito entre os francos e os mercianos já havia cessado.

No quarto parágrafo da carta, Carlos Magno estende proteção e apoio aos mercadores da Mércia, prometendo-lhes que, se enfrentarem problemas dentro de Francia, podem apresentar queixas a um juiz do tribunal ou ao próprio Carlos Magno. Esta disposição da carta demonstra a disposição de Carlos Magno em apoiar o comércio e as relações entre as nações.

No quinto parágrafo, Carlos Magno informa a Offa que um sacerdote mércio chamado Odberht buscou proteção da justiça de Offa na Francia. Ele afirma ainda que enviou Odberht a Roma, onde ele e outros exilados seriam ouvidos e julgados. Esta seção demonstra, de forma semelhante a Capitular de Herstal, o tratamento dos culpados nas áreas de imunidade e a divisão no poder secular e eclesiástico na sociedade carolíngia.

Em vez de oferecer Odberht a Offa para julgamento ou fazer o próprio julgamento, ele envia Odberht a Roma para que as autoridades religiosas o julguem. Ele deixa essa divisão de poder clara em sua carta, declarando que alguém de "autoridade apostólica deve determinar um caso em que as opiniões dos outros discordem".

No final da carta, Carlos Magno afirma que enviou presentes a várias sedes episcopais dentro da Mércia em divina intercessão pela alma do Papa Adriano I. Ele implora a Offa que faça as mesmas intercessões, afirmando que “o beato Agostinho ensinou que as intercessões de piedade eclesiástica devem ser feitas para todos”. Carlos Magno faz referência ao ensinamento de Santo Agostinho de Hipona, bispo do século 5. A partir disso, o leitor pode inferir que Carlos Magno não só possui o conhecimento sobre a pessoa de Agostinho, mas também ouviu ou leu os escritos de Agostinho.

Carlos Magno incentivou a criação de escolas em mosteiros e catedrais. Nessa ilustração moderna ele é mostrado ao lado de crianças sendo educadas por membros da igreja. Autor desconhecido.

Durante seu reinado, Carlos Magno encorajou a tradução, preservação e leitura de vários textos litúrgicos. Alguns, especialmente os escritos de Santo Agostinho, tornaram-se leitura obrigatória no sistema educacional carolíngio. As referências aos ensinamentos de Santo Agostinho, além das menções ao direito canônico na Capitular de Herstal, enfatizam a importância dos textos religiosos na Francia.

A carta de Carlos Magno para Offa fornece evidências:

  • dos laços da Francia com o Império Romano,
  • o status das relações entre a França e a Mércia,
  • a política externa de Carlos Magno,
  • a divisão entre autoridade secular e autoridade eclesiástica dentro da sociedade carolíngia e
  • a tradução e preservação de literatura religiosa durante o reinado de Carlos Magno.


No entanto, não fornece uma visão clara da política externa de Carlos Magno; e oferece apenas a perspectiva de Carlos Magno com relação a aliança entre Mércia e França, e pouco diz sobre a preservação da literatura clássica na corte de Carlos Magno.

A carta do monge Alcuíno à Carlos Magno (796)

Em 796, um monge escreveu uma carta a Carlos Magno oferecendo ao rei conselhos sobre a evangelização de populações recém-adicionadas ao Reino Franco. O autor da carta, Alcuíno, era um erudito e monge. Ele era de York, cidade localizada no Reino Anglo-Saxão da Nortúmbria.

Estátua moderna do monge Alcuíno no lado de fora do Museu de História da Arte em Viena, Áustria.

Em tenra idade, Alcuíno foi confiado ao clero. Lá, Alcuin tornou-se culto em uma série de tópicos, incluindo gramática, textos religiosos, bem como os clássicos. Enquanto servia como mensageiro da Nortúmbria para Francia, Alcuíno foi apresentado à companhia de Carlos Magno e tornou-se amigo íntimo do rei, mentor e conselheiro. Em 796, Alcuíno deixou a corte de Carlos Magno e tornou-se abade de Tours. Mas, embora longe de Carlos Magno, Alcuíno continuou a aconselhar o rei sobre uma variedade de tópicos.

Ao analisar a carta de Alcuíno a Carlos Magno, pode-se não apenas aprender sobre a relação dos dois, mas também sobre uma série de outras coisas, como a reforma da Igreja e a importância do texto religioso na sociedade carolíngia. Alcuíno cumprimenta Carlos Magno, reconhecendo seus títulos de “rei da Alemanha, Gália e Itália”. Ele gasta o primeiro parágrafo proferindo elogios e bênçãos a Carlos Magno por ter “espalhado o domínio do Cristianismo” para “numerosos povos por toda parte”.

O segundo e terceiro parágrafos fazem referência aos esforços de Carlos Magno para cristianizar inimigos estrangeiros. Alcuíno declara primeiro que Carlos Magno tentou iluminar o "infeliz povo saxão", embora muitos "permaneçam na miséria dos maus costumes" e sejam "condenados junto com o diabo". Pelas palavras de Alcuíno, pode-se inferir que Carlos Magno conquistou partes da Saxônia em 796, que fez esforços para evangelizar a população, e que alguns saxões resistiram.

Carlos Magno aceita a rendição de Widukind, rei dos saxões, em 785. Galerie des Batailles, Versalhes. Ary Scheffer (1795-1858).

A Saxônia provou ser uma ameaça à Francia durante o governo de várias gerações de reis francos. Até o pai de Carlos Magno, Pepino, liderou uma série de expedições para defender seus territórios das incursões saxônicas. Carlos Magno, no entanto, levou a ameaça saxônica mais a sério. Ele acreditava que os saxões permaneceriam como uma ameaça ao seu reino caso tivessem permissão para permanecer independentes. Além disso, como cristão devoto, Carlos Magno acreditava ser seu dever divulgar o cristianismo. Portanto, era seu dever cristianizar a população saxônica, em sua maioria pagã. Por volta de 785, Carlos Magno conquistou a Saxônia até o Elba, incorporou-a à França e a dividiu em bispados.

Os saxões, entretanto, não se intimidavam facilmente. Eles se rebelaram contra os francos em 794 e foram capazes de retomar alguns territórios até que Carlos Magno recupeu a Saxônia em 797. Alcuíno escreveu sua carta em 796, apenas um ano antes de Carlos Magno recuperar os territórios saxões. A referência de Alcuíno à resistência saxônica fornece evidências da luta de Carlos Magno para reconquistar e evangelizar a Saxônia. Além disso, prova que provavelmente existia alguma forma de preconceito contra os saxões entre a população franca, uma vez que Alcuíno afirma que os saxões que resistiram à salvação foram “condenados junto com o diabo”.

Alcuíno continua a elogiar Carlos Magno, afirmando que Deus submeteu os hunos (ávaros) a seu serviço por meio das campanhas militares de Carlos Magno. Pelas palavras de Alcuíno, pode-se concluir que as forças francas lançaram ataques contra os hunos e tiveram sucesso em sua aventura.

Os ávaros, conhecidos como “hunos” pelas populações francas, eram uma tribo asiática que ocupava países na região central do Danúbio. Em 791, Carlos Magno lançou uma campanha contra eles. Este ataque falhou, forçando os francos a se reagrupar. De 795-796, Carlos Magno foi capaz de subjugar os ávaros e reivindicar seu território como protetorado. Visto que Alcuíno afirma que os hunos já foram acrescentados ao serviço de Deus, isso significa que quando Alcuíno escreveu sua carta a Carlos Magno, o rei já havia subjugado os ávaros.

A fortaleza dos ávaros, conhecida como The Ring (O Anel) que foi destruída por Carlos Magno em 795. Ilustração moderna, autor desconhecido.

No quarto parágrafo da carta, Alcuíno afirma que agora é dever de Carlos Magno enviar pregadores para evangelizar as populações recentemente subjugadas. Ele faz referência aos ensinamentos de São Paulo, o Livro de Mateus, bem como aos ensinamentos de São Jerônimo, a fim de impressionar Carlos Magno com a importância de enviar padres instruídos para cristianizar os novos territórios.

Como a menção do direito canônico na Capitular de Herstal, bem como a menção de Carlos Magno aos escritos de Santo Agostinho em sua carta ao rei Offa da Mércia, a citação de Alcuíno de textos religiosos demonstra a importância do cristianismo na sociedade carolíngia. Além disso, Alcuíno aludindo a um conjunto diversificado de texto, como a carta de Carlos Magno a Offa, apóia a ideia da tradução e preservação de várias obras da literatura durante o reinado de Carlos Magno.

No parágrafo seguinte, Alcuíno oferece a Carlos Magno conselho sobre se esta nova população de crentes deve ou não pagar dízimos para a igreja. Ele aconselha Carlos Magno a olhar para o exemplo dos Profetas para descobrir se os dízimos devem ou não ser impostos aos "incultos povos nos primeiros dias de sua fé.” O conselho de olhar para o exemplo de figuras religiosas a fim de encontrar uma resposta para uma questão de importância secular e eclesiástica mostra o profundo enraizamento do cristianismo no reino franco.

Alcuíno destaca a importância dos ofícios da pregação e do sacramento do batismo serem devidamente ordenados. Ele novamente faz referência às cartas de São Paulo aos Coríntios e às obras de São Jerônimo para fornecer um exemplo da ordem adequada do batismo. A insistência de Alcuíno em seguir um método uniforme de batismo entre os novos territórios atende ao edito do Capitular de Herstal sobre a consagração uniforme dos bispos dentro dos territórios francos.

Ambos os documentos enfatizam a importância de uma aplicação de certas práticas religiosas, sejam elas a aplicação de sacramentos ou a concessão de ofícios religiosos. Isso demonstra que, após duas décadas, a reorganização da Igreja por Carlos Magno continuou em andamento.

No parágrafo final do documento, Alcuíno diz a Carlos Magno a ordem correta em que um homem adulto deve ser batizado, apresentando a obra de Santo Agostinho "Sobre a catequização dos iletrados" como evidência. Essa menção a Santo Agostinho, ao lado de menções a Santo Agostinho na carta de Carlos Magno ao Rei Offa, fornece mais evidências para a tradução e preservação da literatura durante o reinado de Carlos Magno.

A carta de Alcuíno a Carlos Magno mostra:

  • o profundo vínculo entre mentor e aluno,
  • fornece evidências para o processo de evangelização dos territórios pagãos sob Carlos Magno,
  • confirma a importância dos textos religiosos nos Reinos Francos,
  • demonstra o profundo enraizamento do Cristianismo na sociedade franca,
  • afirma o importância da prática religiosa uniforme em todas as áreas da França e
  • ilustra a importância de traduzir e preservar a literatura durante o reinado de Carlos Magno.


O documento, no entanto, falha em estabelecer quanto da Saxônia Carlos Magno havia conquistado no momento de sua escrita, não fala muito sobre a disponibilidade de certos textos religiosos dentro da sociedade carolíngia, ou por que Carlos Magno não estabeleceu imediatamente um sistema de dízimo dentro dos recém-evangelizados territórios saxões.

Conclusão

A análise cuidadosa das fontes primárias permite que os leitores obtenham mais informações sobre os principais eventos históricos, figuras históricas ou períodos da história.

Um exame atento da Capitular de Herstal, da carta de Carlos Magno ao Rei Offa da Mércia e da carta de Alcuíno a Carlos Magno revelam várias facetas da sociedade carolíngia durante o reinado de Carlos Magno, como: a importância dos textos religiosos na sociedade franca, a reorganização da Igreja, a divisão cuidadosa entre o poder secular e o poder eclesiástico, a tradução e preservação de várias obras da literatura, bem como a política de Carlos Magno para com entidades estrangeiras.

Embora essas fontes forneçam uma visão detalhada de alguns aspectos do reino de Carlos Magno, no entanto, elas são escritas a partir de uma perspectiva fixa, oferecem poucos insights sobre a vida das pessoas comuns e fornecem informações limitadas sobre várias facetas da sociedade da época.

Os problemas desses documentos podem ser resolvidos pela adição de mais fontes primárias, fontes secundárias e análises adicionais. Os recursos primários são vitais para o estudo e compreensão da história. Eles devem ser preservados para que as gerações futuras possam acessar sua sabedoria e aprender com os erros de seus antepassados.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Carlos Magno

As relíquias cristãs e os relicários de Carlos Magno

Carlos Magno e sua representação por artistas de outras épocas

Fontes bibiliográficas:

Alcuin. “Alcuin to Charles the Great, 796.” In The Reign of Charlemagne: Documents on Carolingian Government and Administration. Edited by H.R. Loyn and John Pervical. New York: St. Martin’s Press, Inc., 1975. 120-123.
Barbero, Alessandro. Charlemagne: Father of a Continent.Los Angeles: University of California Press, 2004.
Boussard, Jacques. The Civilization of Charlemagne.New York: McGraw-Hill Book Company, 1968.
Charlemagne. “Charles the Great to Offa, King of Mercia, 796.” In The Reign of Charlemagne: Documents on Carolingian Government and Administration. Edited by H.R. Loyn and John Pervical, New York: St. Martin’s Press, Inc., 1975. 113-114.
Charlemagne. “9 Herstal, 779.” In The Reign of Charlemagne: Documents on Carolingian Government and Administration. Edited by H.R. Loyn and John Percival, New York: St. Martin’s Press, Inc., 1975. 47-49.
Dales, Douglas. Alcuin: His Life and Legacy. Cambridge: James Clarke & Co., 2012. eBook.
Ganshof, Francois L. “Charlemagne,” Speculum 24, No.4 (1949): 520-528.
Ryan, Martin J. and Nicholas J. Higham. “The Mercian Supremacies.” In The Anglo-Saxon World. Yale University Press, 2013. 179-231.

Artigo publicado em 11/10/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.