Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Selos cilíndricos e o desenvolvimento da escrita na Mesopotâmia

Artigos > Mesopotâmia  |  1 mil visualizações  |  2405 palavras

Capa do artigo: Selos cilíndricos e o desenvolvimento da escrita na Mesopotâmia

Selo cilíndrico em calcita branca. 2700-2600 a.c. Tamanho 3,1 cm de largura e 14 cm de diâmetro.
Museu Britânico. Registro 2012,6003.36

Essa é uma tradução feita a partir de um artigo em inglês publicado originalmente aqui. O texto é de autoria de Megan Lewis e Marian Feldman. Algumas modificações foram realizadas em termos de organização: diminui o tamanho dos parágrafos para facilitar a leitura, coloquei as fotos do artigo original em uma galeria ao final do texto e adicionei outras fotos ao longo do artigo, visando uma melhor aparência da página. Os textos não foram alterados.

A cidade de Uruk e o final do Período de Uruk

A cidade de Uruk está localizada no sul da Mesopotâmia (atual sul do Iraque) e foi escavada por arqueólogos alemães de 1912 até 1978, embora não continuamente. O  sítio arqueológico de Uruk é incrivelmente grande, superando outras cidades posteriores como Atenas, Jerusalém, e as duas principais áreas de escavação estavam centradas nos arredores de Eanna e no Zigurate de Anu, construções religiosas monumentais.

Reconstrução parcial da cidade de Uruk, cortesia do site Artefacts.

Esse templos tiveram um papel proeminente nas atividades econômicas e políticas da elite governante. Para mais informações sobre esse sítio arqueológico, por favor explore o site do Instituto Alemão de Arqueologia. Você também pode assistir esse video em inglês que é uma introdução geográfica ao artigo.

  • 4000 a.C. - Período Uruk Inicial
  • 3500 a.C. - Período Uruk Final
  • 3100 a.C. - Período Jemdet Nasr
  • 2900 a.C. - Período Dinástico Inicial

Cronologia da Mesopotâmia a partir de Van De Mieroop 2007.

A cidade de Uruk é normalmente chamada de "a primeira cidade do mundo" e foi o centro da  revolução urbana na região sul da Mesopotâmia. Esse desenvolvimento atingiu seu auge durante o Período Uruk Final, cerca de 3500-3100 a.C. e é caracterizado por uma grande expansão urbana de alguns assentamentos. Essas cidades estavam cercadas e eram sustentadas por terras agrícolas que forneciam grãos e outros produtos.

Ligado a essa expansão, a sociedade se tornou altamente centralizada, a estratificação  social aumentou, e surgiu o trabalho especializado (Liverani 1994: 25). Essas mudanças levaram a uma necessidade administrativa de armazenar bens agrícolas excedentes e rastrear a transferência de propriedade de um indivíduo ou instituição para outro. Essa necessidade foi satisfeita por tecnologias que eventualmente levariam ao desenvolvimento da escrita cuneiforme: contas, bolas de argila e tabuinhas pictográficas.

Esfera oca de argila com contas. Provavelmente serviam para registrar quantidades de produtos. As contas eram colocadas dentro da bola e ela era então selada. Para fazer a contagem era necessário quebrar a bola, garantindo assim que o valor não fosse alterado. Museu do Louvre, Paris.

Escrevendo: o desenvolvimento de Escrita

Os primeiros escritos na Mesopotâmia ocorreram em Uruk, durante o Período Final de Uruk, na forma de textos econômicos e administrativos descobertos no recinto do templo de Eanna. Duas explicações foram sugeridas para explicar o desenvolvimento dessa nova tecnologia:

Denise Schmandt-Besserat propôs uma explicação evolutiva na qual a progressão de sistemas administrativos mais simples, como contas, para o sistema de escrita cuneiforme mais complexo foi um desenvolvimento único e contínuo (Schmandt-Besserat 1996: 7).

A segunda teoria, proposta por Piotr Michalowski, é que a escrita era apenas o mais bem-sucedido de vários sistemas diferentes usados para armazenar e comunicar informações (Michalowski 1994: 54-55). Segundo esse argumento, o Período Final de Uruk foi de inovação e experimentação.

É importante notar que nenhuma dessas tecnologias foi projetada para reproduzir a linguagem. Elas foram usadas para gravar informações, em vez da palavra falada, e ainda há algum debate entre os estudiosos sobre exatamente qual idioma as pessoas que inventaram esses métodos falavam.

A escrita cuneiforme não foi usada para representar a linguagem até o final do Período Dinástico Inicial, cerca de 2600 a.C. (Michalowski 1994: 54-55). Três estágios iniciais do desenvolvimento da escrita são reconhecidos pelos estudiosos hoje, e o desenvolvimento da escrita pode ser lido com mais detalhes em C. Woods, Visible Language: Inventions of Writing in the Ancient Middle East and Beyond.

Os estágios iniciais do desenvolvimento da escrita

Périodo Uruk Final / Protocuneiforme I (c. 3300 aC)

Sinais desenhados em uma tabuinha de argila usando um estilete. Estes são principalmente logográficos ou ideográficos e não representam a língua falada. Museu Britânico.

Período Jemdet Nasr / Protocuneiforme II (c. 3100 aC)

Os sinais tornaram-se mais abstratos e as tabuinhas são maiores e mais complexas. Estas incluem textos econômicos que provavelmente representam a língua suméria. Uruk. Cerca de 3100–2900 a.C. MET. N°  1988.433.3

Período Dinástico Inicial (c. 2900-2350 aC)

Os sinais são ainda mais lineares e estão escritos em linhas ordenadas. Estas tabuinhas são administrativas, literárias e lexicais. Museu Britânico.

Selos Cilíndricos

Os selos cilíndricos são pequenos objetos cilíndricos tipicamente feitos de pedra e esculpidos com um desenho ou inscrição que forma um friso contínuo quando rolado em argila úmida (veja o vídeo abaixo). O uso administrativo dos selos cilíndricos começou durante o Período Médio de Uruk (4000-3100 a.C.), de acordo com achados do sítio de Sharafabad e continuou até aproximadamente 300 a.C., quando o uso da escrita cuneiforme começou a se extinguir (Pittman 1994b: 24, 25).

O uso de selos cilíndricos começou ao mesmo tempo que o desenvolvimento da escrita e o uso de bolas, originados a partir das necessidades e práticas administrativas. Mais informações sobre selos cilíndricos podem ser lidas no site do Museu de Arqueologia Johns Hopkins.

O Uso dos Selos Cilíndricos

  • Autenticação ou legitimação de transações (de maneira semelhante à assinatura moderna).
  • Prevenir / restringir o acesso a containers, quartos ou casas.
  • Amuleto.
  • Sinal de identidade pessoal ou afiliação profissional.


Como objetos, os selos cilíndricos passaram a ter seu próprio valor na Mesopotâmia em virtude de serem esculpidos em pedra, um recurso raro, e através das imagens esculpidas neles. As imagens poderiam ter uma função administrativa ou uma função amulética, embora os primeiros selos cilíndricos fossem mais valorizados como um sinal de autoridade dentro do sistema administrativo.

O uso de selos cilíndricos é atestado no registro arqueológico através dos próprios selos e através de 'selamentos', pedaços de argila ou tabuinhas que foram impressos com um selo cilíndrico quando molhados. Ao estudar o selos, os estudiosos podem, portanto, usar os próprios selos, selamentos antigos e impressões modernas (selamentos modernos feitos para fins acadêmicos). Em termos de cultura, os selos cilíndricos são úteis, pois podem ilustrar o desenvolvimento cronológico de estilos artísticos e motivos iconográficos, bem como mudanças em seus padrões de função e propriedade.

Demonstração do selo cilíndrico de Ibni-Sharrum (2217-2193 a.C.)

Selos e escrita

Como os selos cilíndricos se desenvolveram em conjunto com contas e com a escrita, eles são freqüentemente encontrados nos mesmos contextos arqueológicos, e seus usos provavelmente estão intimamente conectados.

A forma do selo cilíndrico pode ter se desenvolvido a partir da necessidade de selar as primeiras bolas de argila. Seu precursor, os selos do tipo carimbo, eram perfeitamente apropriados para selar tabuinhas planas de argila e eram muito menos complexos de produzir, mas eram menos adequados para cobrir as formas arrendondadas das bolas de argila (veja foto no inicio do artigo).

A crescente complexidade da burocracia também pode ter desempenhado um papel na expansão do uso de selos cilíndricos, já que eles ofereciam uma área de superfície maior na qual esculpir desenhos. Isso pode ter permitido que os selos individuais fossem mais personalizados, o que significa que um crescente número de funcionários poderia ter selos diferentes (Ross 2014: 305).

Outro elo para o desenvolvimento da escrita é a possibilidade de que os sinais pictográficos utilizados pela primeira vez nos primeiros escritos fossem derivados dos motivos usados na iconografia do selo (Ross 2014: 296).

Estilo e Significado

Existem dois estilos principais de selos cilíndricos: o estilo Uruk e o estilo Jemdet Nasr.

Os selos do estilo de Uruk mostram animais e figuras representados de uma maneira excepcionalmente naturalista, sugerindo que os entalhadores de selos tinham como objetivo a clareza expressiva. Os motivos incluem narrativas rituais envolvendo templos, barcos e oferendas a deuses, bem como representações do mundo natural em arranjos hierárquicos. Eles são habilmente cortados, detalhados e sua composição tende a ser equilibrada e esteticamente agradável.

Os selos estilo Jemdet Nasr são menos detalhados que os selos estilo Uruk e são caracterizados pelo uso pesado de brocas e discos de corte, que produzem marcas redondas e lineares, respectivamente. Temas comuns do estilo Jemdet Nasr incluem mulheres com tranças envolvidas em trabalho doméstico e rebanhos de animais na frente dos templos.

Selo com mulheres trançadas trabalhando. Estilo Jemdet Nasr. 3300-2900. Museu da Pensilvânia.

É importante estar ciente de que "Jemdet Nasr" também é usado para se referir a um sítio arqueológico, bem como a um período cronológico (c. 3100-2900 aC). Os selos estilo Jemdet Nasr não estão restritos ao Período Jemdet Nasr e podem ser encontrados em contextos ligados ao Período Tardio de Uruk.

O significado e alcance das imagens usadas nos selos cilíndricos deste período foram discutidos por vários estudiosos. Alguns significados das imagens dos selos cilíndricos:

  • Famílias específicas, departamentos administrativos ou eventos específicos relacionados à administração (Brandes 1979: 96-99)
  • Diferentes estágios da hierarquia administrativa, o objeto ou pessoas envolvidas na transação (Dittmann 1986: 335-39, 346)
  • O proprietário ou o usuário do selo, ou detalhes da transação - a mercadoria em questão, sua fonte ou destino, ou um evento específico relacionado ao seu uso (Pittman 1994b: 14)


Estudiosos também abordaram a aparente divisão entre os estilos de Jemdet Nasr e Uruk, em referência às diferenças na iconografia, mas também à distribuição de selos e selamentos.

Os selos estilo Jemdet Nasr são menos atestados nos selamentos, enquanto os próprios selos são relativamente comuns. Em contraste, os selos ao estilo de Uruk são raros e seus selamentos foram encontrados em números muito maiores. Esse padrão sugere que havia mais selos estilo Jemdet Nasr feitos, mas que seu uso primário não era selar objetos ou tabuinhas, com o oposto sendo verdadeiro para selos estilo Uruk.

A principal explicação para as diferenças entre esses dois grupos de estilos foi sugerida por Hans Nissen, que vê os dois estilos de selos cilíndricos como tendo duas funções diferentes dentro do sistema administrativo.

Os selos do estilo de Uruk eram propriedade de, e costumavam identificar, indivíduos, tornando necessário que cada selo fosse visualmente distinto (Nissen 1977: 19). Eles eram usados para autorizar transações e controlar o movimento e o armazenamento de mercadorias (Nissen 1977: 20). Como eles eram mais complexos e, portanto, demorados para produzir, Nissen argumenta que eles eram propriedade de membros da elite da sociedade que estavam no topo da hierarquia administrativa (Nissen 1977: 20).

Em contraste, ele sugere que os selos Jemdet Nasr foram usados para identificar uma "pessoa legal", como uma instituição, e não um indivíduo privado (Nissen 1977: 19). Nesse caso, era menos crucial que diferentes selos se distinguissem um do outro, o que permitia o uso de motivos repetitivos (Nissen 1977: 19). Como as imagens nos selos de Jemdet Nasr mostram tanto as mulheres quanto o trabalho das “mulheres”, Nissen sugere que os selos podem ter pertencido a trabalhadoras associadas a templos.

Susan Pollock também vê as diferenças entre os dois estilos como sendo relacionadas ao status e destaca o aspecto de gênero das imagens. Pollock argumenta que os motivos de Jemdet Nasr refletem o efeito da revolução urbana sobre as mulheres, observando que o tema das mulheres “trançadas” trabalhando em grupos mostra o envolvimento das mulheres em trabalhos repetitivos, possivelmente institucionalizado (Pollock 1999: 102).

Rei-sacerdote alimentando cordeiro sagrado, Uruk. Cerca de 3300 a.C. Vorderasiatisches Museum, Berlim.

Em contraste, ela observa que a figura masculina de “rei sacerdote” aparece como um indivíduo em cenas que são posteriormente associadas à autoridade (Pollock 1999: 103). Essas observações sugerem que os selos do estilo de Uruk eram mais propensos a serem marcadores de identidade individual e autoridade, enquanto os selos do estilo de Jemdet Nasr indicam, em vez disso,  o pertencimento a um coletivo. Os selos Jemdet Nasr mostram uma ênfase na afiliação institucional do detentor do selo, ao invés de sua identidade individual (Pollock 1999: 161).

No estudo dos selos cilíndricos, é crucial lembrar de colocá-los dentro do contexto em que foram criados e usados - isto é, a burocracia administrativa das primeiras cidades-estados da Mesopotâmia. Reduzir os temas esculpidos nos selos a simples decoração ou espécie de assinatura antiga ignora sua natureza simbólica e comunicativa.

Como tem sido repetidamente enfatizado nessa análise, os selos cilíndricos eram parte de um esforço mais amplo para desenvolver tecnologias para armazenar informações em resposta às necessidades de uma burocracia administrativa cada vez mais complexa. Em vez de ignorar os selos cilíndricos em busca da "invenção da escrita", os estudiosos deveriam considerar o sistema como um todo, reconhecendo a imagem visual e a escrita como tecnologias complementares desenvolvidas em conjunto.

Gostou desse artigo?




loading

Carregando galeria...

Galeria de imagens

1 de 12

Mapa da Mesopotâmia mostrando áreas de sítios relevantes. A Babilônia está inclusa para propósitos de referência. Imagem criada por M.Lewis.

Mais artigos sobre Mesopotâmia

A reconstrução de Uruk feita pelo site Artefacts

As esculturas da corte assíria em Kalhu (Nimrud)

Os deuses e demônios da Mesopotâmia

Fontes bibiliográficas:

Brandes, M. A. 1979. Siegelabrollungen aus den Archaischen Bauschichten in Uruk-Warka, I Teil. Wiesbaden.
Collon, D. 1987. First Impressions: Cylinder Seals in the Ancient Near East. Chicago, IL.
Dittmann, R. 1986. ‘Seals, Sealings and Tablets’, in U. Finkbeiner and W. Röllig (eds.), Ǧamdat Naṣr, Period or Regional Style? Papers given at a symposium held in Tübingen, November 1983, pp. 332-366. Wiesbaden.
Falkenstein, A. 1941. Topographie von Uruk. Leipzig.
Liverani, M. 1994. Uruk: The First City, trans. Z. Bahrani and M. Van De Mieroop. London.
Matthews, R. J. 1993. Cities, Seals and Writing: Archaic Seal Impressions from Jemdet Nasr and Ur. Berlin.
Michalowski, P. 1994. ‘Writing and Literacy in Early States: A Mesopotamianist Perspective’, in D. Keller-Cohen (ed.) Literacy: Interdisciplinary Conversations, pp. 49-70. Cresskill, NJ.
Nissen, H. 1977. ‘Aspects of the Development of Early Cylinder Seals’, in M. Gibson and R. D. Biggs (eds.), pp. 15-24. Malibu, CA.
Pittman, H. 1994a. ‘Towards an Understanding of the Role of Glyptic Imagery in the Administrative Systems of Proto-Literate Greater Mesopotamia’, in P. Ferioli, E. Fiandra, G. Giacomo Fissore and M. Frangipane (eds.), Archives Before Writing: Proceedings of the International Colloquium Oriolo Romano, October 23-25, 1991, pp. 127-203. Torino.
Pittman, H. 1994b. The Glazed Steatite Glyptic Style. Berlin.
Pollock, S. 1991. ‘Women in a Men’s World: Images of Sumerian Women’, in Engendering Archaeology: Women and Prehistory, J. M. Gero and M. W. Conkey (eds.), pp. 366-387. Cambridge, MA and Oxford.
Pollock, S. 1999. Ancient Mesopotamia: The Eden that Never Was. Cambridge.
Roaf, M. 1990. Cultural Atlas of Mesopotamia and the Ancient Near East. New York, NY and Oxford
Ross, J. C. 2014. ‘Art’s Role in the Origins of Writing’, in B. A. Brown and M. H. Feldman (eds), Critical Approaches to Ancient Near Eastern Art, pp. 295-318. Berlin and Boston.
Schmandt-Besserat, D. 1996. How Writing Came About. Austin.
Van De Mieroop, M. 2007. A History of the Ancient Near East ca. 3000-323 BC. Malden, MA, Oxford.
Woods, C. 2010. ‘The Earliest Mesopotamian Writing’, in C. Woods (ed.) Visible Language: Inventions of Writing in the Ancient Middle East and Beyond, pp. 33-50. Chicago, IL.

Artigo publicado em 02/09/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.