Os deuses e demônios da Mesopotâmia

Artigos > Mesopotâmia  |  2300 visualizações  |  1787 palavras

Capa do artigo: Os deuses e demônios da Mesopotâmia

Estátua em bronze do demônio assírio Pazuzu. Primeiro milênio a.C. Altura: 15 cm.
Museu do Louvre. Número de registro: MNB 467

Tradução feita a partir de texto publicado na seção Ensaios (Essays) do site do Museu Metropolitano de Artes de Nova York. O artigo original pode ser conferido aqui. O texto foi escrito por Ira Spar, um dos responsáveis pelo Departamento do Antigo Oriente Próximo, em fevereiro de 2014, e não possui bibliografia, mas o autor acrescentou ao texto uma lista de leituras recomendadas. Essas indicações foram colocadas no espaço reservado as referências bibliográficas.

A civilização mesopotâmica existiu por mais de 3.000 anos, desde a formação das primeiras cidades no final do quarto milênio a.C. até os primeiros anos do Império Romano. Durante esse período, a religião foi um dos principais fatores que influenciaram o comportamento, a tomada de decisões políticas e a cultura material.

Ao contrário de algumas religiões monoteístas posteriores, na mitologia mesopotâmica não existia nenhum tratado teológico sistemático sobre a natureza das divindades. O exame de mitos antigos, lendas, textos rituais e imagens revela que a maioria dos deuses foi concebida em termos humanos.

Os deuses

Eles tinham formas humanas, eram homens ou mulheres, tinham relações sexuais e reagiam a estímulos com razão e emoção. Sendo semelhantes aos humanos, eles eram considerados imprevisíveis e muitas vezes caprichosos. Sua necessidade de comida e bebida, moradia e cuidados espelhava a dos humanos.

Ao contrário dos humanos, no entanto, eles eram imortais e, como reis e templos sagrados, possuíam um esplendor chamado melammu. Melammu é um esplendor ou aura, um glamour que o deus incorporou. Pode ser assustador ou inspirador. Os templos também tinham melammu. Se um deus desceu ao Netherworld, ele perdeu seu melammu. Exceto pela deusa Inanna (Ishtar em acadiano), os deuses principais eram masculinos e tinham pelo menos uma consorte. Deuses também tinham famílias.

Possuindo poderes maiores que os humanos, muitos deuses estavam associados a fenômenos astrais como o sol, a lua e as estrelas, outros com as forças da natureza como ventos e águas frescas e oceânicas, outros ainda com animais reais - leões, touros, bois selvagens - e criaturas imaginadas como dragões cuspidores de fogo. No hino sumério “Enlil no E-Kur”, o deus Enlil é descrito como controlando e animando a natureza:

Sem a Grande Montanha Enlil. . . a carpa não. . . Vem direto para cima [?] do mar, eles não se moveriam. O mar não produziria todo o seu tesouro pesado, nenhum peixe de água doce poria ovos, nenhum pássaro do céu iria construir ninhos nas terras espaçosas; no céu, as nuvens espessas não abririam a boca; nos campos, o grão manchado não encheria as terras aráveis, a vegetação não cresceria exuberantemente na planície; nos jardins, as árvores que se estendiam da montanha não dariam frutos.

Enki (Ea) deus mesopotâmico da água doce. Desenho baseado no Selo de Adda (veja galeria abaixo).

Como figuras supremos, os deuses eram transcendentes e impressionantes, mas, ao contrário das concepções mais modernas do divino, eram distantes. Temidos e admirados em vez de amados, os grandes deuses eram reverenciados e louvados como mestres. Eles poderiam demonstrar bondade, mas também eram inconstantes e às vezes, como explicado na mitologia, tomavam decisões ruins, o que explica por que os humanos sofrem tais dificuldades na vida.

De um modo geral, os deuses viviam uma vida de facilidade e descanso. Enquanto os seres humanos eram destinados a vidas de trabalho, muitas vezes por uma existência marginal, os deuses do céu não trabalhavam. A humanidade foi criada para aliviar seus fardos e fornecer-lhes cuidado diário e comida. Humanos, mas não animais, serviam assim aos deuses. Muitas vezes indiferentes, os deuses podem responder bem às oferendas, mas a qualquer momento, podem também atacar os humanos com uma vingança que pode resultar em doença, perda de sustento ou morte.

Placa de proteção do terrível demônio feminino Lamashtu, que aparece abraçando a cama do doente. O marido dela, Pazuzu, é mostrado no topo, e é invocado para persuadi-la a ir embora para que o doente se recupere. Cerca de 2° ou 1° milêncio a.C. Tamanho: 13 cm. Museu do Louvre. N° AO 22205 (Mais sobre demônio na sequência do artigo)

Tabuinhas cuneiformes já no terceiro milênio indicam que os deuses estavam associados às cidades. Cada comunidade adorava a divindade patronal da cidade no templo principal. O deus do céu An e sua filha Inanna eram adorados em Uruk; Enlil, o deus da terra, em Nippur; e Enki, senhor das águas doces subterrâneas, em Eridu. Esta associação de cidade com divindade foi celebrada em rituais e mitos. A força política de uma cidade pode ser medida pela proeminência de sua divindade na hierarquia dos deuses.

Babilônia, uma cidade menor no terceiro milênio, havia se tornado uma importante presença militar no Período Babilônico Antigo, e sua divindade patronal, que em um texto do terceiro milênio de Abu-Salabikh aparece no rodapé do raking dos deuses, subiu para tornar-se o mais importante do panteão quando a Babilônia ascendeu à supremacia militar no final do segundo milênio.

Eventos políticos influenciaram a composição do panteão. Com a queda da hegemonia suméria no final do terceiro milênio, a cultura e o controle político babilônicos se espalharam pelo sul da Mesopotâmia. No final do terceiro milênio a.C, os textos sumérios listam aproximadamente 3.600 divindades.

Com a queda do poder político sumério e a ascensão das dinastias amorritas no final do terceiro milênio e início do segundo milênio, as tradições religiosas começaram a se fundir. Deidades sumérias antigas foram absorvidas no panteão dos povos de língua semítica. Alguns foram reduzidos a um status subordinado, enquanto os deuses mais novos assumiram as características das divindades mais antigas.

A deusa Ishtar. Desenho estilizado feito a partir do relevo babilônico chamado 'Queen of the Night'. (veja galeria abaixo)

O deus sumério An tornou-se o semita Anu, enquanto Enki se tornou Ea, Inanna tornou-se Ishtar e Utu tornou-se Shamash. Como Enlil, o supremo deus sumério, não tinha contrapartida no panteão semítico, seu nome permaneceu inalterado. A maioria das divindades sumérias menores desapareceu da cena. No final do segundo milênio, a estória da criação babilônica 'Enuma Elish' refere-se a apenas 300 deuses dos céus.

Nesse processo de associar deuses semitas com supremacia política, Marduk (deus da Babilônia) superou Enlil como chefe dos deuses e, de acordo com a Enuma Elish, Enlil deu a Marduk seu próprio nome para que Marduk se tornasse agora "Senhor do Mundo". Da mesma forma, Ea, o deus das águas doces subterrâneas, diz de Marduk no mesmo mito, “Seu nome, como o meu, será Ea. Ele deve fornecer os procedimentos para todos os meus serviços. Ele se encarregará de todos os meus domínios."

A partir do segundo milênio a.C., os teólogos babilônios classificaram seus principais deuses em ordem numérica hierárquica. Anu foi representado pelo número 60, Enlil por 50, Ea por 40, Sin, o deus da lua por 30, Shamash por 20, Ishtar por 15 e Adad, o deus das tempestades, por 6.

Enquanto os grandes deuses do panteão eram adorados pelos sacerdotes em rituais nos centros de culto, as pessoas comuns não tinham contato direto com essas divindades. Em suas casas, eles adoravam deuses pessoais, que eram concebidos como pais divinos e eram considerados divindades que podiam interceder em seu nome para garantir saúde e proteção para suas famílias.

Os demônios

Os demônios eram vistos como bons ou maus. Acreditava-se que os demônios maus seriam agentes dos deuses enviados para cumprir as ordens divinas, muitas vezes como punição pelos pecados. Eles poderiam atacar a qualquer momento, causando doença, indigência ou morte. Demônios lamastu foram associados com a morte de recém-nascidos; demônios gala poderiam entrar em seus sonhos. Os demônios podem incluir os fantasmas zangados dos mortos ou espíritos associados a tempestades.

Alguns deuses desempenharam um papel benéfico para a proteção contra os flagelos demoníacos. Uma divindade retratada com o corpo de um leão e a cabeça e braços de um homem barbado foi pensada para afastar os ataques de demônios-leão. Pazuzu, um deus de aparência demoníaca com um rosto canino e corpo escamado, possuindo garras e asas, podia trazer o mal, mas também podia atuar como protetor contra ventos malignos ou ataques de demônios lamastu.

Estátua do demônio Pazuzu. Assíria, Primeiro milênio a.C. Estátua com 15 cm. Atualmente no Museu do Louvre. N° MNB 467

Rituais e magia foram usados ​​para afastar ataques demoníacos presentes e futuros e combater o infortúnio. Os demônios também eram representados como criaturas híbridas de humanos e animais, algumas com características de pássaros.

Embora se dissesse que os deuses eram imortais, alguns mortos em combate divino tinham que residir no submundo junto com os demônios. A “terra sem retorno” deveria ser encontrada sob a terra e sob o abzu, o oceano de água doce. Lá os espíritos dos mortos (gidim) habitavam em completa escuridão sem nada para comer além de poeira, e água para beber. O submundo era governado por Eresh-kigal, sua rainha e seu marido Nergal, juntamente com sua família de trabalhadores e administradores.

A representação dos deuses

A partir de meados do terceiro milênio a.C., muitas divindades foram descritas em forma humana, distinguidas dos mortais pelo seu tamanho e pela presença de capacetes com chifres. As estátuas dos deuses eram principalmente feitas de madeira, cobertas com um lado de ouro e adornadas com roupas decoradas. A deusa Inanna usava um colar de lápis-lazúli e, de acordo com o mito “A Descida de Ishtar ao Mundo Inferior”, ela foi equipada com jóias elaboradas.

Desenho feito por Austen Henry Layard em sua segunda expedição à Assíria, a partir de um relevo do palácio de Nimrud. A imagem mostra o deus Ninurta carregando raios nas mãos e perseguindo o monstro Anzu. O relevo original está exposto no Museu Britânico. N° 124571. Imagem via Wikimedia Commons.

Textos referem-se a baús, propriedade do deus, repleta de anéis de ouro, pingentes, rosetas, estrelas e outros tipos de ornamentos que poderiam enfeitar suas roupas. As estátuas não eram consideradas deuses reais, mas eram consideradas imbuídas da presença divina. Sendo humanóides, elas eram lavadas, vestidas, recebiam comida e bebida, e um quarto de dormir luxuosamente adornado.

Deidades também podiam ser representadas por símbolos ou emblemas. Alguns símbolos divinos, como o punhal do deus Ashur ou a rede de Enlil, foram usados em juramento para confirmar uma declaração. Símbolos divinos aparecem em estelas e naru (pedras de fronteiras) representando deuses e deusas.

Marduk, por exemplo, a divindade patronal da Babilônia, foi simbolizada com uma pá de cabeça triangular; Nabu, o patrono da escrita, por uma cunha cuneiforme; Sin, o deus da lua, tinha uma lua crescente como seu símbolo; e Ishtar, a deusa do céu, era representada por uma roseta, estrela ou leão.

Ira Spar, do Departamento de Arte do Antigo Oriente Próximo, MET. Escrito originalmente em abril de 2009.

Gostou desse artigo?




loading

Carregando galeria...

Galeria de imagens

1 de 4

O Selo de Adda (The Adda Seal)
Queen of the Night
O deus Ninurta perseguindo o monstro Anzu
Placa do Inferno (Hell Plaque)

O Selo de Adda (The Adda Seal)

Um selo cilíndrico que faz parte do acervo do Museu Britânico. O selo pertencia a um escriba chamado Adda, que viveu no período Acádio (2300 a.C). Nele são retratados vários deuses (da direita para a esquerda): Usimu (ministro chefe de Enki com duas faces), Enki, Shamash (no chão cavando seu caminho pela montanha), Ishtar (com asas) e ao lado dela um deus desconhecido segurando um arco, provavelmente se trata de algum deus ligado a caça. N° de registro: 89115.

Mais artigos sobre Mesopotâmia

O militarismo assírio e as reformas de Tiglath-Pileser

Resumo da Epopéia de Gilgamesh - Parte 2/2

As esculturas da corte assíria em Kalhu (Nimrud)

Fontes bibiliográficas:

Black, Jeremy, and Anthony Green. Gods, Demons, and Symbols of Ancient Mesopotamia: An Illustrated Dictionary. London: British Museum Press, 1992.
Collon, Dominique. First Impressions: Cylinder Seals in the Ancient Near East. London: British Museum Publications, 1987.
Finkel, Irving L., and Markham J. Geller, eds. Sumerian Gods and Their Representations. Gronibngen: STYX Publications, 1997.
Oppenheim, A. Leo. Ancient Mesopotamia: Portrait of a Dead Civilization. Rev. ed. by Erica Reiner. Chicago: University of Chicago Press, 1977.

Artigo publicado em 20/09/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.