Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Breve história da arqueologia na Mesopotâmia

Artigos > Mesopotâmia  |  1,7 mil visualizações  |  2394 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Breve história da arqueologia na Mesopotâmia

Alguns dos nomes mais famosos da arqueologia na Mesopotâmia (da esquerda para a direita):
Paul-Émile Botta, Hormuzd Rassam, Austen Henry Layard e Robert Koldewey. Ao fundo as escavações na Babilônia em 1932.

Primeiros Exploradores

Embora os próprios antigos mesopotâmicos tivessem vários termos para descrever o ambiente geográfico em que viviam, o termo Mesopotâmia foi usado pela primeira vez por gregos e romanos para descrever a terra entre os rios Tigre e Eufrates no Iraque de hoje. Estudiosos hoje expandiram a definição do termo para incluir partes da Síria, Turquia e Irã, todos ligados a uma esfera cultural unicamente mesopotâmica.

Enquanto eruditos medievais árabes como Ibn Khaldun (1332-1406) e, na verdade, mesmo alguns governantes da Mesopotâmia,  estavam preocupados com questões sobre as origens da civilização naquela área, esse interesse parece ter caído durante o longo período do domínio otomano no Oriente Próximo. Descrições dos montes dilapidados da Mesopotâmia estavam disponíveis para o mundo ocidental apenas através do trabalho de viajantes como Rabbi Benjamin de Tudela no século 12, Pietro Della Valle no século 17, e Carsten Neibuhr no século 18. Não foi até o século 19, no entanto, que a arqueologia começou a se desenvolver como uma disciplina científica.

Pietro della Valle (1586-1652)

Exploração no século 19

Durante o declínio do Império Otomano e o crescimento do interesse político europeu no Oriente Médio, exploradores, aventureiros e diplomatas começaram a redescobrir o mundo da antiga Mesopotâmia. Um dos primeiros a gerar interesse público nas antiguidades do Oriente Próximo foi Claudius James Rich, que explorou os montes da Babilônia, Nínive e Persépolis como Residente da Companhia Britânica das Índias Orientais em Bagdá. Suas publicações, Memoir on the Ruins of Babylon (1815) e Second Memoir on Babylon (1818), e uma exposição no Museu Britânico dos artefatos que ele colecionou em suas viagens, trouxeram antiguidades da Mesopotâmia para a atenção européia.

A emoção que acompanhou as explorações de Rich foi seguida pelas primeiras escavações em Nínive, por Paul Émile Botta, em 1842, e Khorsabad, em 1843, como cônsul francês em Mosul.

Da esquerda para a direita: Claudius Rich, Paul-Émile Botta, Austen Henry Layard e Henry Rawlinson.

Para não ser superado pela coleção em expansão de antiguidades da Mesopotâmia trazida ao Louvre, as escavações de Austen Henry Layard em Nimrud, patrocinadas pelo embaixador britânico em Istambul, Sir Stratford Canning, e supriu o Museu Britânico com excelentes exibições de relevos, textos e esculturas assírias. O livro de Layard Nineveh and its Remains (1849 e 1851) foi um best-seller instantâneo e alimentou a excitação pública européia pela antiga Mesopotâmia. As primeiras escavações de Layard e Botta em Nínive, Khorsabad e Nimrud estimularam uma série de outros escavadores: William Kennet Loftus em Uruk e Larsa, Jules Oppert em Kish, JE Taylor em Ur e Eridu, Victor Place em Nínive e Henry Creswicke Rawlinson em Borsippa.

Um dos lamassus de Nimrud sendo carregado pelas escadarias do Museu Britânico. Ilustração do 'The Illustrated London News' de 1852.

A fase inicial da arqueologia do Oriente Próximo coincidiu com um crescente interesse acadêmico na escrita e nas línguas da Mesopotâmia. Foi Rawlinson, reproduzindo o trabalho de 1802 de Georg Grotefend, que decifrou o cuneiforme da Inscrição trilíngue de Behistun em 1837. Os acadêmicos passaram os vinte anos seguintes analisando os textos que vinham de Nínive e outros locais. Em 1857, Henry Creswicke Rawlinson, Edward Hincks, Jules Oppert e William Henry Fox Talbot produziram traduções idênticas independentes de um texto de Ashur e confirmaram a decifração do acadiano.

A Guerra da Criméia (1853-1856) interrompeu o trabalho arqueológico no Oriente Médio, mas a descoberta, em 1872, por George Smith de um mito de inundação da Mesopotâmia a partir da coleção de textos de Nínive, renovou o interesse pela região. Entre 1878 e 1882, Hormuzd Rassam, um protestante iraquiano e pupilo de Layard, escavou extensivamente em Nínive, Nimrud, Balawat, Babilônia, Borsippa e Sippar. Ernest de Sarzec, o vice-cônsul francês em Basra, iniciou um longo programa de escavação em Girsu em 1877. Em nome da Universidade da Pensilvânia, uma presença americana na arqueologia do Oriente Próximo foi estabelecida por Hermann Hilprecht, JP Peters e JH Haynes no sítio de Nippur em 1887.

Fotografia de Hormuzd Rassam feita por Philip Henry Delamotte, em 1854. Via Wikimedia Commons.

O fascínio público pela Arqueologia do Oriente Médio no século 19 também trouxe a tona o novo negócio de saquear antiguidades da Mesopotâmia para vender por lucro. Em 1888, Wallis Budge, foi enviado a Bagdá pelo Museu Britânico para investigar o súbito aparecimento de tabuinhas cuneiformes no mercado internacional de arte. No ano seguinte, comprou vários tábuas, na maioria das vezes de guardas e escavadores que haviam trabalhado com Rassam anos antes.

A arqueologia se torna uma ciência

Em 1899, as escavações alemãs começaram na Babilônia, em nome da Deutsche Orient-Gesellschaft, e a arqueologia, como disciplina científica, entrou em uma nova era. O trabalho na Babilônia foi liderado por Robert Koldewey, que revolucionou a técnica de escavar a arquitetura de tijolos de barro, o principal material de construção da Mesopotâmia.

Robert Koldewey, na casa de expedição da Babilônia, fotografado por Gertrude Bell, março-abril de 1914. Gertrude Bell Archive, Universidade de Newcastle.Preparativos para as reconstruções do portão de Ishtar: separando fragmentos de tijolos envidraçados em Berlim, 1927.Primeiros estágios na escavação do Portão de Ishtar, 1902.

Na virada do século 20, Koldewey, que mais tarde trabalhou em Borsippa e Churupaque (Fara), e seus sucessores, incluindo Walter Andrae, que escavaram Ashur, trouxeram uma abordagem científica à arqueologia na Mesopotâmia e ganharam uma reputação de atenção meticulosa à estratigrafia e à arquitetura que se tornou sinônimo da arqueologia alemã.

Depois de um hiato no qual as escavações pararam durante a Primeira Guerra Mundial, os arqueólogos europeus e norte-americanos retornaram ao Iraque e começaram a adotar os métodos sistemáticos que caracterizaram a arqueologia alemã na virada do século. A técnica de procurar tábuas e artefatos atraentes para exibição em museus foi substituída por uma que visava compreender o desenvolvimento de um sitío ao longo do tempo e o contexto no qual a cultura material era produzida.

Grande parte dessa mudança nos padrões arqueológicos foi o resultado da influência de Gertrude Bell, que chefiou o Serviço de Antiguidades do Iraque sob o Mandato Britânico, e foi a figura formativa na fundação do Museu do Iraque. As autorizações de escavação estavam agora explicitamente restritas a locais isolados, e exigiam que os arqueólogos operassem de acordo com rigorosos padrões estabelecidos por Bell e pelo Serviço de Antiguidades, e requeriam que a maioria dos achados permanecessem na coleção nacional do Iraque.

Gertrude Bell na Babilônia em 1909. Gertrude Bell Archive, Universidade de Newcastle.

O arqueólogo que melhor exemplifica os novos padrões que estavam se tornando comuns na década de 1920 foi Leonard Woolley. Assim como Layard havia despertado interesse público nas antiguidades da Mesopotâmia no século 19, a escavação de Woolley em Ur chamou novamente a atenção do público para o antigo Iraque. Entre 1922 e 1934, Woolley escavou as camadas do Período Babilônico Antigo, de Ur III, do Dinástico inicial e Pré-histórico. Suas descobertas mais sensacionais vieram do riquíssimo Cemitério Real, e do “Grande Poço da Morte”.

Woolley segurando o molde de uma lira encontrada nas tumbas reais de Ur. Via Wikimedia Commons.

Woolley também desempenhou um papel importante no estabelecimento da cronologia da Mesopotâmia pré-histórica. Seu trabalho em Tell al-Ubaid e Nínive, juntamente com o de um time alemão em Uruk, Stephen Langdon em Jemdet Nasr, Max von Oppenheim em Tell Halaf, Max Mallowan em Nínive, Arpachiya, Tell Brak e Chagar Bazar, Ephraim Speiser em Tepe Gawra, Ernst Herzfeld, em Hassuna, e Seton Lloyd e Faud Safar, em Samarra, ajudaram a estabelecer a sequência histórica da Mesopotâmia, baseada na cerâmica, desde o período Halaf até o Período Dinástico Inicial.

Na década de 1930, o Instituto Oriental da Universidade de Chicago, sob a direção de James Henry Breasted, enviou uma equipe para escavar vários locais na região de Diyala, no Iraque. As escavações de Henri Frankfort, Pinhas Delougaz, Thorkild Jacobsen e Seton Lloyd em Tell Asmar, Khafaje e Tell Agrab estabeleceram uma ampla compreensão do Período Dinástico Inicial. O período anterior à Segunda Guerra Mundial também viu o trabalho contínuo dos alemães em Uruk, e um novo interesse em locais na Síria, incluindo a antiga Mari, escavada por André Parrot.

Após a Segunda Guerra Mundial

Em meados do século 20, os avanços em todos os ramos das ciências mostraram-se úteis para os arqueólogos. A datação por radiocarbono, inventada em 1949, estimulou as investigações do paleolítico e do início do Neolítico no Oriente Médio.

Um pioneiro das investigações interdisciplinares da transição para a agricultura foi Robert Braidwood, cujas investigações de Jarmo e outros locais ao longo dos “flancos montanhosos do Crescente Fértil” incluíam análises de restos de plantas e ossos de animais. Na década de 1950, Ralph e Rose Solecki identificaram ocupações anteriores desta área na caverna de Shanidar e no sítio de Zawi Chemi Shanidar.

As técnicas de levantamentos arqueológicos em larga escala, introduzidas pela primeira vez pela equipe do Instituto Oriental na década de 1930, foram refinadas e aprimoradas por Thorkild Jacobsen e Robert McC. Adams na Baixa Mesopotâmia na década de 1960. O sucesso desta pesquisa ficou evidente na reconstrução do antigo ambiente natural e construído, e na mudança dos padrões de assentamento em grandes áreas ao longo de vastas escalas de tempo.

Durante os anos 1950, 1960 e 1970, os trabalhos nos grandes sítios históricos e pré-históricos da Mesopotâmia continuaram. Escavações de equipes estrangeiras e iraquianas continuaram durante o período do pós-guerra em Uruk, Nimrud, Khorsabad, Aqar-Quf, Eridu, Abu Salábikh, Tell es-Sawwan, Yarim Tepe e outros.

No final do final dos anos 70, os arqueólogos estavam cada vez mais concentrados em operações de salvamento, escavando locais que estavam ameaçados de destruição pelas atividades de construção de barragens na Turquia, na Síria e no Iraque. Restrições temporais e monetárias exigiam apenas escavações limitadas e uma forte dependência de pesquisas intra e inter-sites. Esses projetos revelaram um grande número de pequenos e grandes sítios ao longo da Mesopotâmia superior e inferior ao longo de grandes porções dos vales do Tigre, Eufrates, Khabur e Balikh.

Mudanças políticas e Arqueologia na Mesopotâmia

Em 1979, a Revolução Iraniana fechou o país a arqueólogos estrangeiros, que redirecionaram seus esforços para a escavação de sítios no Iraque, mesmo durante a guerra Irã-Iraque, e pesquisas na Síria e no sudeste da Turquia. Embora os arqueólogos iraquianos tenham escavado ali nas últimas décadas, desde o início da Guerra do Golfo, em 1990, as escavações estrangeiras estão praticamente paralisadas.

O resultado foi um aumento do trabalho na Síria e na Turquia e uma nova compreensão do desenvolvimento independente da civilização no que antes era considerado periférico aos desenvolvimentos na Baixa Mesopotâmia. Os resultados desses novos projetos foram usados na reanálise de trabalhos anteriores no Iraque e foram a base de reinterpretações de episódios históricos significativos, como a expansão de Uruk.

Arqueologia do Oriente Médio na virada do milênio

Os avanços tecnológicos nas décadas passadas desempenharam um papel significativo no desenvolvimento da metodologia, especialmente no campo da pesquisa arqueológica. As novas aplicações de software de imagem por satélite e GIS, juntamente com ferramentas de levantamento de subsuperfície, como radar de penetração no solo (GPR), magnetometria e resistividade, aumentaram o potencial de levantamentos em pequena e grande escala.

Equipamento de GPR e um exemplo de um dados retornados pelo equipamento, mostrando as mudanças no solo em diversas profundidades.

Em 2003, após a invasão da Coalizão no Iraque, o saque altamente divulgado do Museu do Iraque resultou na perda de milhares de documentos e artefatos que haviam sido fruto de 150 anos de arqueologia na Mesopotâmia. Além das perdas do próprio museu, o saque de sítios arqueológicos terá sem dúvida um efeito desastroso no futuro da pesquisa arqueológica no Iraque.

Tradução de texto escrito por Cuneiform Digital Library Initiative:Wiki
Agosto de 2008

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Mesopotâmia

A história da cidade assíria de Nínive

A história da cidade assíria de Dur-Sharrukin (Khorsabad)

O Código de Hamurabi - O muskenum e os escravos

Fontes bibiliográficas:

Invernizzi, A. “Discovering Babylon with Pietro Della Valle.” Proceedings of the First International Congress on the Archaeology of the Ancient Near East, edited by Paolo Matthiae, Alessandra Enea, Luca Peyronel, and Frances Pinnock, 643–49. Rome: Dipartmento di Scienze Storiche, Archeologiche e Antropologiche dell’antichita, 2000.
Larsen, M. T. The Conquest of Assyria: Excavations in an Antique Land, 1840–1860. New York: Routledge, 1996.
Liverani, M. “Imperialism.” In Archaeologies of the Middle East: Critical Perspectives, edited by Susan Pollock and Reinhard Bernbeck, 223–43. Oxford: Blackwell, 2005.
Lloyd, S. Foundations in the Dust: The Story of Mesopotamian Exploration. 1947. London: Thames and Hudson, 1980.
Matthews, R. The Archaeology of Mesopotamia: Theories and Approaches. New York and London: Routledge, 2003.

Sites acessados:

British Museum. Austen Henry Layard. Acesso em 02 nov. 2018.
British Museum. Reception of Nineveh sculptures at the British Museum. Acesso em 02 nov. 2018.
Erenow. Babylon: Legend, History and the Ancient City Page 12. Acesso em 02 nov. 2018.
Gettyimages. Sir Henry Rawlinson. Acesso em 02 nov. 2018.
Wikimedia Commons. Claudius James Rich. Acesso em 02 nov. 2018.
Wikimedia Commons. Hormuzd Rassam. Acesso em 02 nov. 2018.
Wikimedia Commons. Woolley holding the hardened plaster mold of a lyre. Acesso em 02 nov. 2018.
Wikimedia Commons. Paul-Émile Botta. Acesso em 02 nov. 2018.
Wikimedia Commons. Pietro Della Valle. Acesso em 02 nov. 2018.

Artigo publicado em 02/11/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL