Busque no site
Ver mais opções
Conteúdos dos capítulos do livro

Livros   >    Brasil Império

Flores, votos e balas O movimento abolicionista brasileiro (1868-88)

283 visualizações    |    0 comentário(s)

Capa do livro Flores, votos e balas, de Angela Alonso
Informações técnicas

Autor: Angela Alonso
Páginas: 538
Editora: Companhia das Letras
Primeira publicação: 2015
Ano da edição: 2015
Idioma: Português

Sinopse

É vasta a bibliografia sobre a abolição. Já foram discutidas suas causas econômicas, as resistências judiciais e cotidianas de que foi alvo, as revoltas e as fugas de escravos. Ainda não foi plenamente reconhecida, contudo, a relevância do movimento abolicionista. Joaquim Nabuco, um de seus líderes, atribuiu a libertação dos escravos à magnanimidade da casa imperial. No centenário da Lei Áurea, em 1988, estudiosos e ativistas do movimento negro contestaram essa versão e ressaltaram a resistência dos cativos, operando apenas uma inversão de sinal: em vez da liderança da dinastia, o protagonismo dos escravos; em vez da princesa Isabel, Zumbi. Esse deslocamento deixou à sombra um fenômeno que não foi nem obra de escravos, nem graça da princesa: o movimento pela abolição da escravidão. Este livro conta sua história. Reconstrói a trajetória da rede de ativistas, associações e manifestações públicas antiescravistas que, a exemplo de outros países, conformou um movimento social nacional - o primeiro no Brasil do gênero. O movimento elegeu retóricas, estratégias e arenas, operando sucessivamente com flores (no espaço público), votos (na esfera político-institucional) e balas (na clandestinidade), num jogo que se estendeu por duas décadas, de 1868 a 1888. Tudo isso é narrado por meio da trajetória de ativistas nacionais decisivos para o desfecho da empreitada: André Rebouças, Abílio Borges, Luís Gama, José do Patrocínio e Joaquim Nabuco - três deles negros.

A abolição não se faria por si, pelo desenvolvimento da economia ou por decisão solitária do sistema político, como não se fez por canetada da princesa. É a relevância do movimento abolicionista para o fim da escravidão que este livro mostra de forma brilhante. A luta pela libertação dos escravos dividiu águas na história do país - investigar sua natureza é também compreender um processo que ainda reverbera nas formas contemporâneas da desigualdade no Brasil.

Historiador
Angela Alonso

Angela Alonso nasceu em 1969. Professora do Departamento de Sociologia da USP e pesquisadora do Cebrap, é autora de Idéias em movimento. A geração de 1870 na crise do Brasil - Império (Paz e Terra, 2002), trabalho premiado como melhor tese de doutoramento pela Associação de Pós-Graduação em Ciências Sociais (Anpocs) e CNPq, em 2001.

Análise do livro

Esse livro ainda não foi resenhado.

Outros livros sobre Abolição da escravidão
Comentários sobre o livro

Cadastre-se ou faça login para comentar

Cadastre-se

Ainda não há comentários nessa página.
Seja o primeiro a comentar.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.