Símbolos do Egito Antigo

Artigos > Egito Antigo  |  9 mil visualizações  |  4109 palavras

Capa do artigo: Símbolos do Egito Antigo

Símbolos Ankh, Djed e Cetro Was nas paredes do templo de Hatshepsut em Deir El-Bahari.

Tradução feita a partir de artigo publicado no site Ancient.eu. O texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Joshua J. Mark, um professor de História de Nova York,  e publicado em 10 de fevereiro de 2017. O texto foi traduzido a partir do inglês, e nenhuma alteração foi feita em seu conteúdo. A bibliografia utilizada pelo autor foi adicionada ao final do artigo. Também adicionei algumas fotos visando tornar o texto mais ilustrativo.

A religião no antigo Egito era totalmente integrada ao cotidiano das pessoas. Os deuses estavam presentes desde o nascimento, ao longo da vida, na transição da vida terrena para a eterna, e continuavam a cuidar da alma na vida após a morte nos Campos de Juncos. O mundo espiritual esteve sempre presente no mundo físico e esse entendimento foi simbolizado através de imagens em arte, arquitetura, amuletos, estátuas e objetos usados pela nobreza e pelo clero no desempenho de seus deveres.

Símbolos em uma sociedade em grande parte iletrada servem ao propósito vital de transmitir os valores mais importantes da cultura para o povo geração após geração, e assim foi no antigo Egito. O camponês não teria sido capaz de ler a literatura, a poesia ou os hinos que contavam as histórias de seus deuses, reis e história, mas podia ver um obelisco ou um relevo na parede de um templo e lê-los através dos símbolos usados.

Os três símbolos mais importantes, que aparecem frequentemente em todos os tipos de obras de arte egípcia, de amuletos a arquitetura, eram o ankh, o djed e o cetro. Estes foram freqüentemente combinados em inscrições e muitas vezes aparecem em sarcófagos juntos em um grupo ou separadamente.

No caso de cada um deles, a forma representa o valor eterno do conceito: o ankh representava a vida; djed representava a estabilidade; e o cetro o poder. O estudioso Richard H. Wilkinson, observando a importância da forma como função, fala o seguinte:

Uma inscrição pouco conhecida, mas fascinante, feita sob o comando do faraó Tutmés IV registra a descoberta pelo rei de uma pedra. O significado desta célebre pedra não está em ela ser de um material raro ou devido a sua aparência, conforme nos conta a inscrição, mas porque "sua majestade encontrou esta pedra na forma de um falcão divino". Que um rei egípcio dê tamanha importância a uma mera rocha, simplesmente porque sua forma é instrutiva, mostra como o egípcio estava atento às formas dos objetos e à importância simbólica que a dimensão da forma poderia ter. (p.16)

O Ankh

O ankh é uma cruz com um laço no topo que, além do conceito de vida, simbolizava a vida eterna, o sol da manhã, os princípios masculino e feminino, os céus e a terra. Sua forma incorporava esses conceitos em seu formato de chave; carregando o ankh, segurava-se a chave dos segredos da existência.

Ankh encontrado na tumba do faraó Tutmés IV no Vale dos Reis (KV43). Século 14 a.C. Novo Reino. Museu de Belas Artes de Boston. N° 03.1089

A união dos opostos (homem e mulher, terra e céu) e a extensão da vida terrena ao eterno, tempo até a eternidade, foram todos representados na forma da cruz com laço. O símbolo era tão potente, e tão longevo na cultura egípcia (datando do início do período dinástico no Egito, c. 3150-2613 a.C), que não é surpresa que foi apropriado pela fé cristã no século 4 como um símbolo de seu deus.

A origem do símbolo ankh é desconhecida, mas o egiptólogo E. Wallis Budge afirma que ele pode ter se desenvolvido a partir do tjet, o 'Nó de Isis', um símbolo similar com os braços ao lado associados à deusa. Divindades femininas eram tão populares, e parecem ser consideradas mais poderosas (como no exemplo da deusa Neith), no início da história do Egito, e talvez o ankh tenha se desenvolvido a partir do tjet, mas essa teoria não é universalmente aceita.

No entanto, o ankh estava intimamente associado com o culto de Ísis, e conforme sua popularidade cresceu o mesmo aconteceu com o símbolo. Muitos deuses diferentes são representados segurando o ankh e ele aparece, juntamente com o símbolo djed, em praticamente todos os tipos de obras de arte egípcias, desde sarcófagos a pinturas de túmulos, adornos de palácio, estátuas e inscrições. Como amuleto, o ankh era quase tão popular quanto o escaravelho e o djed.

O Djed

O djed é uma coluna com uma base ampla que sobe para um capital e é atravessada por quatro linhas paralelas. Apareceu pela primeira vez no Período Pre-dinástico no Egito (c.6000-3150 a.C) e continuou a ser um símbolo da iconografia egípcia até o Período Ptolemaico (323-30 aC), o último a governar o país antes do vindo de Roma.

Amuleto Djed encontrado na tumba da rainha Nefertari. Século 13 a.C. Museu Egípcio de Turim.

Embora o símbolo represente estabilidade, ele também servia para lembrar a presença próxima dos deuses, uma vez que também fazia referência ao deus Osíris e, portanto, estava ligado à ressurreição e à vida eterna. O djed visava representar a espinha dorsal desse deus e muitas vezes aparece no fundo dos sarcófagos, a fim de ajudar a alma recém-chegada a se erguer e entrar na vida após a morte.

O símbolo também foi interpretado como quatro colunas subindo uma após a outra, como a tamargueira em que Osíris é colocado em seu mito mais popular e como um pólo de fertilidade criado durante os festivais, mas em cada caso, a mensagem da forma retorna à estabilidade na vida e esperança na vida após a morte fornecida pelos deuses.

Na interpretação que vê o símbolo como quatro colunas, é representado o número que mais aparece na iconografia egípcia: quatro. Esse número simbolizava a completude e é visto na arte, na arquitetura e nos objetos funerários, como os Quatro Filhos de Hórus dos jarros canopos, os quatro lados de uma pirâmide e assim por diante. As outras interpretações também simbolizavam conceitos associados ao mito de Osíris-Ísis. O djed visto como a árvore tamargueira fala de renascimento e ressurreição como, no mito, em que a árvore segura Osíris até que ele seja libertado e trazido de volta à vida por Ísis.

O pólo de fertilidade também está associado a Osíris, que fez com que as águas do rio Nilo se elevassem, fertilizassem a terra e voltassem a fluir para seu curso natural. Em cada caso, qualquer que seja o objeto que se afirme representar, o djed era um símbolo muito poderoso que muitas vezes se juntava a outro: o cetro was.

O cetro Was

O cetro Was era um bastão coberto com a cabeça de um canino, possivelmente Anúbis, na época do Império Novo (1570-1069 a.C), mas antes disso provavelmente um animal totêmico como uma raposa ou um cão. O cetro was evoluiu a partir dos primeiros cetros, um símbolo do poder real, conhecido como o hekat, visto nas representações do primeiro rei, Narmer (c. 3150 a.C) do início do período dinástico (c. 3150-2613 a.C). Na época do rei Djet (c. 3000-2990 a.C) da Primeira Dinastia, o cetro Was estava totalmente desenvolvido e simbolizava seu domínio e poder.

Nessa representação de Anúbis, o deus segura em uma das mãos o cetro Was e na outra o Ankh.

O cetro Was era geralmente bifurcado na base, mas isso mudava de acordo com a qual deus ou mortal o estava segurando, assim como a cor do cajado. Hathor, associado à vaca, segura o cetro bifurcado na base em forma de chifres de vaca. Ísis possuía um objeto semelhante, mas com a bifurcação tradicional representando a dualidade. O cetro Was de Ra-Horakhty ("Hórus no Horizonte"), deus do nascer e do pôr do sol, era azul para simbolizar o céu, enquanto o do deus do sol Rá era representado por uma serpente ligada a ele simbolizando o renascimento, assim como o sol nascia de novo todas as manhãs.

O cetro Was de cada deus denotava seu domínio particular de uma forma ou de outra. O deus Ptah, do início do período dinástico, segura um cetro que combina todos os três símbolos, o ankh, djed e o was, com um círculo na parte inferior simbolizando a unidade. A combinação dos símbolos, naturalmente, combinou seu poder que só era adequado para esse deus que estava associado à criação e conhecido como o "escultor da terra". Os três símbolos no alto do cetro de Ptah, juntamente com o círculo na parte inferior, apresentavam o significado geral de completude, totalidade no número quatro.

Significado do número em símbolos

A combinação dos símbolos sempre teve um significado específico. Wilkinson escreve: "Um dos princípios mais importantes para entender o simbolismo numérico das obras representacionais egípcias é o da extensão dos números" (138). Uma obra de arte bidimensional, como a imagem de um deus ou deusa, é frequentemente representada de tal forma que o número quatro está implícito e esta prática se aplica a muitos números de modo que, como Wilkinson observa, "o número realmente representado deve ser mentalmente "estendido", a fim de se compreender adequadamente o seu significado na composição "(138).

Um exemplo disso são as representações do djed como quatro colunas cada uma subindo atrás da outra. Embora o número quatro represente a completude, a multiplicação de quatro que se estende em direção ao horizonte acrescentaria o igualmente importante conceito de eternidade. O símbolo de djed usado em todo o complexo de pirâmides de Djoser em Saqqara é um excelente exemplo disso.

Símbolo djed nas construções do complexo funerário de Saqqara.

No complexo de Djoser, o djed aparece nos lintéis do templo parecendo segurar o céu. Se o djed é interpretado como quatro colunas multiplicadas infinitamente, então o conceito de eternidade é enfatizado através da arquitetura. O ankh, djed e was na arquitetura são frequentemente empregados de tal forma que duplicam, triplicam ou quadruplicam seu número exatamente para esse tipo de ênfase. Wilkinson escreve:

Um exemplo comum do princípio em que dois representa quatro é encontrado no par de cetros was usados para representar os pilares do céu e que foram mostrados em pé sobre o hieróglifo da terra, e apoiando o hieróglifo do animal de estimação ou do céu. Este grupo foi freqüentemente usado como um dispositivo de enquadramento em torno dos lados dos relevos do templo, simbolicamente colocando as composições em um cenário cósmico. Porque estas representações são apenas bidimensionais, no entanto, é dada uma visão abreviada dos vários elementos. (p.138)

Estes símbolos, isoladamente ou em conjunto, adornavam os itens que os egípcios usavam regularmente em suas vidas diárias. Amuletos eram usados por todas as classes da sociedade egípcia, com os djed entre os mais populares, seguidos pelo escaravelho, o ankh, o tjet, o shen, o was e outros. Esses outros símbolos potentes foram frequentemente pareados, ou associados, com os três mais usados.

O escaravelho

O escaravelho é a famosa imagem de besouro vista na arte e iconografia egípcia que representa o Scarabaeus sacer, uma espécie do escaravelho. O besouro do estrume estava associado aos deuses porque rolava esterco na forma de uma bola na qual depositava seus ovos; o estrume servia de alimento aos filhotes quando eles eclodiam. Desta forma, a vida vinha da morte.

O deus Khepri retratado na tumba da rainha Nefertari, mulher de Ramsés II. Século 13 a.C. Reino Novo. Vale dos Reis.

Eles estavam intimamente identificados com o deus Khepri, que acreditava-se que rolava a bola do sol através do céu, mantendo-a segura em suas viagens pelo submundo e empurrando-a para o amanhecer no dia seguinte. Quando Rá se tornou o deus do sol preeminente, Khepri continuou nesse papel como assistente. Escaravelhos tornaram-se amuletos populares durante o Primeiro Período Intermediário (2181-2040 a.C) e assim permaneceram durante toda a história do Egito até a ascensão do cristianismo.

Peitoral encontrado na tumba do faraó Tutancâmon com o símbolo do escaravelho. Museu do Cairo.

O Tjet

O tjet (tiet, tyet), também conhecido como "o nó de Ísis" e "o sangue de Ísis", assemelha-se a um ankh com os braços nos lados. O símbolo data do Reino Antigo (c. 2613-2181 a.C), mas provavelmente é mais velho. O tjet foi interpretado de diversas formas: como uma genitália feminina, as dobras do vestido de uma mulher e o nó de um cinto, mas, em todos os casos, está associado à deusa Ísis.

O nó de Ísis. Objeto de origem desconhecida.

Ele representava proteção e segurança, e era frequentemente associado ao ankh, oferecendo assim a dupla segurança de Ísis e Osíris. O tjet era freqüentemente esculpido em postes de cama e nas paredes de templos e foi mais popular durante o tempo do Novo Reino, quando o culto de Ísis estava no auge.

O Cetro e o Chicote

O cetro e o chicote (mangual) estão entre os símbolos mais famosos do antigo Egito, simbolizando o poder e a majestade do rei. Ambos os itens estavam associados com Osíris e simbolizavam seu domínio precoce da terra. Os símbolos aparecem no início do período dinástico durante o reinado do primeiro rei, Narmer (c. 3150 a.C) e ligavam o rei com aquele que teria sido o primeiro rei do Egito, o deus Osíris.

Sarcófago do faraó Tutancâmon. O rei segura o cetro e o chicote, símbolos do seu poder. Século 14 a.C. Museu do Cairo.

De acordo com o mito, o reino de Osíris foi usurpado por Set, que o assassinou, mas ele foi ressuscitado por sua irmã-esposa Ísis. Ela lhe deu um filho, Hórus, que derrotou Set e restaurou a ordem na terra. O rei era associado com Hórus (com algumas exceções) durante a vida e com Osíris na morte. Uma vez que Hórus vingou seu pai e derrotou Set, ele tomou o cetro e o chicote de seu pai para representar a legitimidade de seu reinado, e assim foi também para os reis do Egito que se identificaram com esses deuses.

O cetro foi uma das primeiras ferramentas usadas pelos pastores, enquanto o chicote era um meio de pastoreio de cabras e também era usado para colher um arbusto aromático conhecido como labdanum. Como Osíris era originalmente uma divindade agrícola e de fertilidade, ele estava associado a ambos os implementos do Período Predinástico e serviam como lembretes do passado e da importância da tradição, mas também eram símbolos da legitimidade e do poder do rei.

O Shen

O shen é um círculo de corda com um nó que forma um círculo ininterrupto, simbolizando a perfeição, o infinito e servindo de proteção. O nome vem da palavra egípcia para "cercar". Amuletos de Shen eram freqüentemente usados para proteção e imagens com o símbolo aparecem em um tipo de suporte, o que o torna parecido com o ômega grego, embora este "suporte" deve ser entendido como a corda com nós completando o círculo.

O símbolo Shen.

O shen provavelmente se desenvolveu durante o Reino Antigo ou no 1° Período Intermediário, mas se tornou popular durante o Reino Médio (2040-1782 a.C) e assim permaneceu. O deus Hórus e as deusas Nekhbet e Ísis são freqüentemente vistos segurando o shen, mas outros deuses também estão associados ao símbolo. O shen aparece em sarcófagos e em templos e tumbas, bem como inscrições pessoais. Os egípcios valorizavam muito a simetria e a completude, e assim o shen era bastante popular e frequentemente representado.

O Udjat (O Olho de Hórus)

O udjat é outro símbolo bem conhecido do Egito: o olho de Rá. O símbolo do olho estava associado à deusa protetora Wadjet durante o Período Predinástico e continuou a ser assim, embora mais tarde fosse mais regularmente ligado a Hórus, Rá e outros através do motivo da Deusa Distante.

O olho de Hórus representado em um peitoral encontrado na tumba do faraó Tutancâmon. Observe que sob os pés do abutre aparece o símbolo Shen citado acima.

A história da deusa distante tem muitas formas na mitologia egípcia, mas uma trama é a seguinte: uma deusa de alguma forma se rebela contra o rei dos deuses, deixa sua casa e responsabilidades para viajar para uma terra distante e deve ser trazida de volta (ou ser levada a retornar) assim iniciando algum tipo de transformação.

O udjat representava a deusa ou era enviado para recuperá-la e podia assumir muitas formas. Como acreditava-se que o olho de Rá simbolizava sua presença vigilante sobre a criação, ele é freqüentemente descrito em mitos sendo enviado para reunir informações para Rá. O udjat permaneceu um símbolo consistentemente potente em toda a história do Egito.

O Sesen (flor de lótus)

O sesen é a flor de lótus que aparece com tanta freqüência na arte egípcia e simboliza a vida, a criação, o renascimento e, principalmente, o sol. O símbolo data do período Dinástico Inicial, mas tornou-se mais popular a partir do Reino Antigo. A flor de lótus se fecha à noite e afunda abaixo da água; então, ao raiar do dia, ela se abre novamente; esse padrão a identificava com o sol e, portanto, com a vida.

Egípcio com flor de lótus. Detalhe do sarcófado de A'shit's. Reino Médio.

A flor também representava o renascimento pelo mesmo motivo e foi associada ao deus Osíris. Os Quatro Filhos de Hórus, regularmente representados em jarros canopos, são frequentemente mostrados juntos sobre uma lótus na presença de Osíris. A flor de lótus aparece em muitos tipos diferentes de arte egípcia, de estatuária de faiança a sarcófagos, templos, santuários e amuletos. Era o símbolo do Alto Egito como a planta de papiro simbolizava o Baixo Egito e a flor é às vezes representada com o caule entrelaçado com o da planta de papiro.

O ben-ben

O ben-ben era o monte primordial sobre o qual o deus Atom estava no começo da criação. É facilmente o símbolo mais conhecido do antigo Egito, depois do ankh, mesmo que não se reconheça o nome. As pirâmides do Egito, onde quer que se encontrem e de qualquer época, representam o ben-ben à medida que se elevam da terra para os céus.

A grande pirâmide de Gizé.

De acordo com uma versão do mito da criação egípcio, no início dos tempos, havia apenas as águas escuras do caos em constante movimento até o ben-ben subir como a primeira terra seca. Atom (ou em algumas histórias Ptah ou Rá) estava no ben-ben para começar o trabalho da criação. As pirâmides e outras estruturas similares simbolizavam a criação e a eternidade, invocando a imagem desse mito.

O ben-ben como um símbolo data do Período Dinástico Inicial, mas tornou-se mais difundido durante o Reino Antigo, quando os monumentos de Gizé foram construídos. Pode ter sido usado como um amuleto, mas mais provavelmente foi entre as obras de arte produzidas durante o 1° Período Intermediário como uma estatueta. O ben-ben aparece em muitas inscrições do Reino Antigo até o final do Período Tardio (c. 525-323 a.C) e também foi gravado nas paredes do templo, nos túmulos e nos sarcófagos.

Outros símbolos

Houve muitos outros símbolos importantes em toda a história do Egito. O pássaro bennu, por exemplo, era o modelo da fênix grega e simbolizava a ressurreição. A pena branca de avestruz simbolizava a deusa Ma'at, mas também o conceito de equilíbrio e verdade que ela representava. A Árvore da Vida representava conhecimento, propósito e destino. Cobras e serpentes representavam transformação e mudança. A cobra era uma imagem protetora, associada cedo com a deusa Wadjet, que expulsou os inimigos de Rá; com o cabeça estendida e levantando-se para atacar, a cobra tornou-se a insígnia dos reis e foi usada no uraeus, o cocar real.

Observe o uraeus na testa da máscara funerária do faraó Tutancâmon. A serpente da deusa Wadjet e o abutre da deusa Nekhbet, representam a unificação do Baixo e do Alto Egito.

As coroas do Egito também têm significado e simbolismo distintos. A Coroa Vermelha (Deshret) simbolizava o Baixo Egito, a Coroa Branca (Hedjet), o Alto Egito e a Coroa Dupla vermelha e branca (Pshent), um Egito unificado. Imagens do rei em batalha mostram-no em uma coroa azul (um Khepresh) invocando o poder do rio Nilo e dos céus através de sua cor. O deus Osíris tinha sua própria coroa, a Atef, uma alta coroa hedjet adornada de cada lado com penas de avestruz e encimada por um disco solar de ouro.

As coroas do Egito: a coroa vermelha e a coroa branca (usadas juntas para mostrar a unificação do país), a coroa azul usada pelo rei em batalha e a coroa de Osíris.

Todos esses símbolos contribuíram para a rica cultura do antigo Egito e, embora fossem de natureza religiosa, nunca foram considerados "símbolos religiosos" da forma como uma mente moderna interpretaria o termo. Nos dias atuais, especialmente nos países ocidentais, a religião é considerada uma esfera separada, distinta do seu papel na sociedade secular, mas no Egito, não havia tal separação.

Os sacerdotes e sacerdotisas das divindades egípcias, os reis, os escribas e a nobreza usavam esses símbolos regularmente, é claro, mas eles apareciam em amuletos, inscrições e estatuárias de todas as classes da sociedade egípcia, desde o maior rei até o membro mais modesto de uma comunidade.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Egito Antigo

Comércio no Egito Antigo

Amor e sexo no Antigo Egito

Ouro no Egito Antigo

Fontes bibiliográficas:

Bunson, M. The Encyclopedia of Ancient Egypt by Margaret Bunson. Gramercy Books, 1999.
David, R. Religion and Magic in Ancient Egypt. Penguin Books, 2003.
Gibson, C. The Hidden Life of Ancient Egypt. Saraband, 2009.
Shaw, I. The Oxford History of Ancient Egypt. Oxford University Press, 2015.
Strudwick, H. The Encyclopedia of Ancient Egypt. Metro Books, 2006.
Wilkinson, R. H. Symbol & Magic in Egyptian Art. Thames & Hudson, 1994.

Artigo publicado em 23/01/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.