História dos vasos gregos

Artigos > Grécia Antiga  |  6497 visualizações  |  2889 palavras

Capa do artigo: História dos vasos gregos

Jarra de água (Hydria) com a biga de Aquiles arrastando o corpo de Hector. Cerca de 520-510 a.C.
Museu de Belas Artes de Boston. N° 63.473

Tradução feita a partir de artigo publicado no site Ancient.eu. O texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Mark Cartwright e foi publicado em 16 de março de 2018. O texto foi traduzido a partir do inglês, e algumas alterações básicas foram feitas em seu conteúdo. Também adicionei algumas fotos visando tornar o texto mais ilustrativo.

A cerâmica da Grécia antiga de cerca de 1000 até 400 a.C fornece não apenas algumas das mais distintas formas de vasos da antiguidade, mas também algumas das mais antigas e diversas representações das crenças e práticas culturais dos antigos gregos. Além disso, a cerâmica, com sua durabilidade (mesmo quando quebrada) e falta de apelo aos caçadores de tesouros, é um dos grandes sobreviventes arqueológicos e é, portanto, uma ferramenta importante para os arqueólogos e historiadores na determinação da cronologia da Grécia antiga.

Algumas cidades-Estado gregas como Corinto e Atenas, grandes produtoras de vasos, estão destacadas no mapa.

Seja qual for o seu valor artístico e histórico, a grande maioria dos vasos gregos, apesar de agora serem peças de museu empoeiradas, servia para uso cotidiano e, para parafrasear Arthur Lane, talvez valha a pena lembrar que estando em pé sobre um pavimento de pedra e encharcado de água, eles uma vez brilharam sob o sol do Mediterrâneo.

Materiais e Produção

A argila (keramos) para produzir cerâmica (kerameikos) estava prontamente disponível em toda a Grécia, embora a mais fina fosse a argila ática, com seu alto teor de ferro dando uma cor laranja-avermelhada com um leve brilho quando queimada, e a argila castanha amarelada de Corinto. A argila era geralmente preparada e refinada em tanques de decantação, de modo que diferentes consistências de material pudessem ser obtidas, dependendo dos tipos de vasos a serem feitos com ela.

A cerâmica grega era feita na roda de oleiro. Embora alguns estudos já tendo sido feito, ainda não sabemos com certeza como funcionava o mecanismo da roda de oleiro na Grécia Antiga. Atualmente as rodas são giradas com um uso de um motor, mas na antiguidade elas eram mantidas girando usando algum tipo de força manual. Abaixo você confere um vídeo que mostra um artista indiano trabalhando com uma roda de oleiro manual. Os mecanismos gregos provavelmente seguiam uma lógica similar:

O vaso geralmente era criado em seções horizontais separadas: o pé, a parte inferior e superior do corpo, o pescoço e, finalmente, as alças, se necessário. Essas seções eram então unidas com um "deslizamento" de argila após a secagem e é possível, em muitos casos, ver as impressões do oleiro impressas no interior do vaso. A peça era então colocada de volta na roda para suavizar as marcas de junção e adicionar o formato final. Portanto, todos os vasos eram únicos e as pequenas variações nas dimensões revelam que o uso de ferramentas simples e não modelos prontos eram a norma.

Em seguida, o vaso era decorado. Este processo dependia do estilo decorativo em voga na época, mas os métodos populares incluíam pintar o todo ou partes do vaso com uma fina tinta adesiva preta que era adicionada com uma escova, cujas marcas permanecem visíveis em muitos casos. Esta tinta preta era uma mistura de potássio ou soda alcalina, argila com teor de silício e óxido ferroso preto de ferro. A tinta era afixada no vaso usando um fixador de urina ou vinagre que queimava no calor do forno, ligando a tinta à argila.

Outra técnica, usada mais raramente, era cobrir o vaso com uma tinta de argila branca. Alternativamente, apenas linhas ou figuras eram adicionadas em preto usando uma versão mais espessa da tinta preta mencionada acima e aplicada com uma escova ou pena rígida; em conseqüência, um leve efeito de relevo era alcançado. Detalhes menores eram frequentemente adicionados com uma tinta preta desbastada dando uma cor marrom-amarelada, uma argila branca e um vermelho escuro de ocre e manganês. As duas últimas cores tendiam a escamar ao longo do tempo.

O pote acabado estava então pronto para ser colocado no forno e queimado a uma temperatura de cerca de 960°C, o que é relativamente baixo e explica a "suavidade" da cerâmica grega (em comparação com, por exemplo, a porcelana chinesa). Os vasos eram colocados várias vezes (no mesmo forno) para obter o acabamento e coloração necessárias.

Primeiro, o vaso era queimada em fogo oxidante, onde a boa ventilação do forno garantiu que o laranja avermelhado da argila saísse à tona. Em seguida, o vaso era reaproveitado em um forno sem oxigênio (processo de redução), adicionando água ou madeira úmida dentro do forno. Isso garantia que as cores pintadas, particularmente as pretas, escurecessem. Uma terceira queima, novamente com boa ventilação, re-avermelhava a argila do vaso, enquanto as áreas pintadas, agora protegidas por uma lavagem fina, mantinham seu colorido original. Este processo complicado, obviamente, exigia do oleiro um excelente timing, de modo a não estragar o vaso com uma descoloração imprópria.

Oleiros e Pintores

Pintor e oleiro (kerameus) eram geralmente, embora nem sempre, especialistas separados. No entanto, existiam parcerias duradouras, como entre o oleiro Ergotimos e o pintor Kleitas. Muitos oleiros individuais e, com menos frequência, pintores, foram identificados através de suas assinaturas (comumente algo como "FULANO fez isso"), embora a maioria dos vasos gregos não esteja assinada.

No entanto, o professor J. D. Beazley, identificou mais de 500 artistas não assinados distinguíveis através de seu estilo particular. A catalogação sistemática e abrangente de Beazley da cerâmica grega também permitiu o estudo de sua evolução em técnicas, desenhos e decoração.

Vaso grego com assinatura de Nikosthenes (ΝΙΚΟΣΘΕΝΕΣ ΕΠΟΙΕΣΕΝ). Ânfora ática de figuras negras. Cerca de 530-520 a.C. Museu do Louvre. N° F 102. Via Wikimedia Commons.

Os pintores geralmente trabalhavam em oficinas coletivas sob a supervisão de um oleiro "mestre" (o que sugere que a forma era realmente mais importante do que a decoração para os gregos). Embora os artistas estivessem livres do controle político centralizado ou das restrições, eles sem dúvida eram movidos pela demanda do mercado por estilos, assuntos e modas particulares. Muitos ceramistas e artistas foram prolíficos em sua produção e, em alguns casos, mais de 200 vasos podem ser atribuídos a um único artista.

A maioria dos trabalhadores de cerâmica não teria recebido mais do que qualquer outro trabalhador manual e um bom vaso provavelmente custaria apenas um dia de salário. Certamente, no entanto, alguns artistas teriam grande procura e os seus produtos eram vendidos não só localmente, mas longe em todo o Mediterrâneo. Os próprios oleiros às vezes se mudavam para outras cidades, particularmente colônias, muitas vezes levando consigo seu estilo regional. Havia também alguma rivalidade entre os artistas, como indicado por um comentário assinado em um vaso, "melhor do que Euphronias poderia ter feito".

Formas

Embora a cerâmica grega nos forneça uma grande variedade de formas, de taças a pratos a grandes ânforas, muitas das formas permaneceram relativamente constantes ao longo dos séculos. Isto ocorreu principalmente porque ceramistas gregos estavam produzindo produtos para uso prático - guardar vinho, água, óleo e perfumes - e uma vez que uma forma prática surgia, ela era copiada e mantida. No entanto, apesar desta restrição nas formas, os ceramistas e pintores gregos puderam expressar sua versatilidade na decoração do vaso.

Jarra de água (Hydria). Cerca de 520-510 a.C. MET. N° 64.11.1

As formas mais comuns de cerâmica eram as ânforas para armazenar vinho, grandes kraters para misturar vinho com água, jarras (oinochoai) para servir vinho, kylixes ou copos com alças horizontais para beber (especialmente prático ao levantar uma taça do chão quando reclinado sobre uma espreguiçadeira no jantar), hydra com três alças para a retenção de água, skyphoi ou tigelas profundas e frascos de lekythoi para retenção de óleos e perfumes.

Precisamente pelo fato desses objetos serem de uso prático, as alças (quando presentes) são geralmente resistentes, mas o oleiro, usando formas cuidadosamente consideradas, muitas vezes conseguiu misturar essas adições na harmonia geral do vaso e foi auxiliado nesse esforço com sutis adições decorativas pelo pintor.

Estilos Decorativos

A cerâmica grega, particularmente em termos de decoração, evoluiu ao longo dos séculos e pode ser categorizada em quatro grandes grupos:

  • Cerâmica proto-geométrica
  • Cerâmica geométrica
  • Cerâmica de figuras negras
  • Cerâmica de figuras vermelhas

Esses grupos ou estilos, no entanto, não passaram abruptamente de um para o outro, mas, em alguns casos, foram contemporâneos por décadas. Além disso, algumas cidades-estados e regiões demoraram a adotar novos estilos ou simplesmente preferiram a decoração do estilo "antigo" muito depois de saírem da produção em outro lugar. Além disso, algumas cidades e regiões eram consistentemente um pouco excêntricas em sua decoração (especialmente Lacônia-Esparta, Chipre, Creta e Beócia) e preferiam seguir seu próprio caminho artístico em vez de imitar os estilos dos centros mais dominantes como Atenas e Corinto.

Cerâmica Proto-Geométrica

O primeiro estilo distinto de cerâmica grega apareceu pela primeira vez por volta de 1000 a.C ou talvez até antes. Reminiscente da técnica das antigas civilizações gregas da Creta Minóica e do continente micênico, a decoração inicial da cerâmica grega empregava formas simples, pouco usadas. A cerâmica proto-geométrica, no entanto, difere da minóica e micênica em forma. O centro de gravidade do vaso é movido para baixo (criando um vaso mais estável) com os pés e o pescoço mais articulados.

Ânfora fabricada em Atenas. Cerca de 975-750 a.C. Via Wikimedia Commons.

Os designs proto-geométricos mais populares eram precisamente círculos pintados, semicírculos e linhas horizontais em preto e com grandes áreas do vaso pintadas apenas em preto. Um novo motivo nas bases dos vasos eram os pontos triangulares verticais que perdurariam por séculos e se tornariam um elemento básico dos estilos posteriores de cerâmica de figuras negras.

Cerâmica Geométrica

Por volta de 900 a.C. o estilo Geométrico apareceu, favorecendo o espaço retangular no corpo principal do vaso entre as alças. Desenhos lineares em negrito (talvez influenciados por cestaria contemporânea e estilos de tecelagem) apareceram neste espaço com decoração de linhas verticais em ambos os lados.

Krater de terracota ático. Cerca 750-735 a.C. MET. N° 14.130.14

Foi nesse período que o Estilo Maeander apareceu pela primeira vez (talvez inspirado na prática de embrulhar as folhas em volta das bordas das tigelas de metal), destinado a ficar para sempre associado à Grécia e ainda forte em pratos a toalhas de praia atualmente. A porção inferior dos vasos geométricos era frequentemente pintada de preto e separada do restante do vaso por linhas horizontais. Outra interessante forma de estilo geométrico que apareceu foi a caixa circular com uma tampa plana, em cima da qual, um a quatro cavalos agiam como uma alça.

A partir do século 8 a.C, a decoração da cerâmica geométrica começou a incluir figuras humanas estilizadas, pássaros e animais, com quase toda a superfície do vaso coberta por linhas e formas arrojadas pintadas de marrom e preto. No final do período, no século 7 a.C, o chamado estilo Orientalizante tornou-se popular em Corinto. Com suas conexões comerciais orientais, a cidade se apropriou das plantas estilizadas (por exemplo, lótus, palmeira e árvore da vida), frisos de animais (por exemplo, leões) e linhas curvas de cerâmica egípcia e assíria para produzir sua própria versão grega.

Vaso de terracota coríntio. Cerca 625 a.C. Getty Museum. N° 85.AE.89

O resto do leste da Grécia seguiu o exemplo, muitas vezes preferindo vermelho em um fundo branco. Atenas também seguiu a nova tendência e ela se difundiu com as Ilhas Cíclades, por exemplo, também produzindo cerâmica neste novo estilo mais livre, freqüentemente em vasos muito grandes e com decoração mais espaçosa.

No final do século 7 a.C, a cerâmica proto-coríntia alcançou novos patamares de técnica e qualidade, produzindo as melhores cerâmicas já vistas, na queima, na forma e na decoração. As figuras estilizadas negras foram gravadas cada vez com mais precisão e receberam cada vez mais detalhes, graça e vigor. O famoso estilo de cerâmica de figuras negras havia nascido.

Cerâmica de figuras negras

Embora tenha sido primeiro produzida em Corinto, e tendo tido bons exemplos feitos na Lacônia e no sul da Itália (por colonos Euboeanos), seriam os ceramistas e pintores da Ática que se destacariam acima de todos os outros no estilo de figuras negras, e eles iriam dominar o mercado grego nos próximos 150 anos. Nem todas as figuras foram pintadas de preto, já que certas convenções de cores foram adotadas, como branco para pele feminina e vermelho-púrpura para roupas e acessórios.

Kylix  de terracota ático. Cerca 480 a.C. MET. N° 53.11.4

Um interesse maior em detalhes finos, como músculos e cabelos, que foram adicionados às figuras usando um instrumento afiado, é característico do estilo. No entanto, são as posturas das figuras que também marcam a cerâmica de figuras negras como o zênite da pintura de vasos gregos. As figuras mais finas recebem graça e equilíbrio e muitas vezes ilustradas nos momentos anteriores ao movimento real ou descanso após o esforço.

O famoso vaso de Exekias (abaixo), com Ajax e Aquiles jogando um jogo de tabuleiro durante a Guerra de Tróia, é um excelente exemplo da dignidade e da energia que a pintura de figuras negras conseguiu alcançar.

Ânfora ática de figura negra assinada por Exekias. Cerca de 540-530 a.C. Museu do Vaticano. Cat. 16757

Além disso, os vasos de figuras negras contavam, pela primeira vez, uma narrativa. Talvez o exemplo mais célebre seja o Vaso François (abaixo), um grande krater feito por Ergotimos e pintado por Kleitas (570-565 a.C) com 66 cm de altura e coberto por 270 figuras humanas e animais que retratam uma variedade impressionante de cenas e personagens da mitologia grega. Outros vasos típicos do estilo das figuras negras são ânforas, lekythoi, kylixes, taças simples, pyxides (pequenas caixas com tampa) e tigelas.

Vaso François. Cerca de 570-565 a.C. Museu Arqueológico de Florença.

Cerâmica de figuras vermelhas

A técnica das figuras negras foi substituída pela técnica das figuras vermelhas (figuras vermelhas criadas pela pintura de seus contornos com um fundo preto) por volta de 530 a.C, que perduraria pelos próximos 130 anos ou mais. Os dois estilos foram paralelos por algum tempo e há até mesmo exemplos 'bilíngües' de vasos com ambos os estilos, mas a figura vermelha, com sua vantagem do pincel sobre o cinzel, poderia tentar retratar mais realisticamente a figura humana e eventualmente se tornou o estilo preferido de decoração de cerâmica grega.

Chiton grego.

Talvez influenciado por técnicas contemporâneas de pintura de parede, detalhes anatômicos, diversas expressões faciais, maior detalhe em roupas (especialmente de dobras, seguindo a nova moda do vestido de chiton acima mais leve que também fascinava os escultores contemporâneos), maiores tentativas de retratar a perspectiva, a sobreposição de figuras e a representação da vida cotidiana, como a educação e as cenas esportivas, são todas características desse estilo.

Kylix com figuras vermelhas. Cerca de 490-480 a.C. Museu Britânico. N° 1850,0302.2

As formas dos vasos de figuras vermelhas são geralmente aquelas do estilo das figuras negras. Uma exceção é o kylix que se torna mais raso e com um pé mais curto, quase se tornando uma terceira alça. Além disso, a narrativa pintada deve ser lida girando o copo na mão. Outras pequenas modificações são a hydra, que se torna um pouco mais completa na figura e ânfora que ganha um pescoço mais fino. Lekythoi deste período comumente tinha um fundo branco assim como  (mais raramente) as taças e caixas.

Lekythos ático. Cerca de 440 a.C. MET. N° 1989.281.72

Novas mídias

No século 4 a.C, talvez na tentativa de copiar as inovações na perspectiva do afresco da época, o estilo das figuras vermelhas revelaria suas limitações e os vasos degenerariam em cenas superlotadas com estranhas perspectivas flutuantes. Significativamente, a pintura em cerâmica deixaria de estar intrinsecamente ligada à forma que decorava e deixara de existir como uma forma de arte por si mesma. Conseqüentemente, a atenção artística e a excelência se afastariam dos confinamentos da cerâmica para outras mídias mais abertas, como a pintura de paredes, que seriam as mídias mais comuns no período romano.

Conclusão

Podemos dizer que não apenas a cerâmica grega nos deu algumas das mais distintas, influentes e belas formas e desenhos da antiguidade, mas também nos deu uma janela para as vidas, práticas e crenças de um povo muito antigo e de quem muitas vezes não temos registros escritos contemporâneos. Esses objetos do cotidiano, ao contrário dos outros sobreviventes arqueológicos, literatura, escultura e arquitetura, nos permitem ver um pouco mais perto as pessoas comuns do mundo antigo, aquelas que não podiam pagar obras de arte ou jóias preciosas, mas podiam se dar o luxo de possuir um objeto requintado como um vaso grego.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Cerâmica grega

Vasos gregos: Hídrias e sua decoração artística

Para que serviam os vasos gregos?

Fontes bibiliográficas:

Boardman, J. Athenian Black Figure Vases. Thames & Hudson, 1993.
Boardman, J. Athenian Red Figure Vases. Thames & Hudson, 1989.
Boardman, J. Early Greek Vase Painting, 11th-6th Centuries BC. Thames & Hudson, 1998.
Clark, A. Understanding Greek Vases. J. Paul Getty Museum, 2002.
Lane, A. Greek Pottery. Faber & Faber, London, 1956
Oleson. Oxford Handbook of Engineering & Technology in the Classical World by Oleson, John.. OUP, Paperback2009, 2013.

Artigo publicado em 03/03/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.