Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Caça ao Leão nos relevos assírios do palácio de Nínive

Artigos > Mesopotâmia  |  6,5 mil visualizações  |  1429 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Caça ao Leão nos relevos assírios do palácio de Nínive

Quem quer que tenha tido o privilégio de ter acesso ao Palácio Norte do rei assírio Assurbanipal em Nínive, pode considerar-se parte de algo atemporal. Graças à grande obra do arqueólogo Hormuzd Rassam (1826-1910), que descobriu um grande número de baixos-relevos de alabastro, que uma vez decoraram as paredes do Palácio do Rei (construídas por volta de 645 a.C): as cenas de caça aos leões assírios!

Fotografia de Hormuzd Rassam de cerca de 1854. Swansea Museum.

Essas extraordinárias esculturas, tão dinâmicas e cheias de movimentos, são tão realistas que são alguns dos artefatos antigos mais notáveis ​​já encontrados. Elas foram descobertas por Rassam no ano de 1853, e desde 1856 estão em exposição no Museu Britânico

Rassam afirmou em sua autobiografia que “uma divisão dos operários, após 3-4 horas de trabalho pesados, foi recompensada pela grande descoberta de um belo baixo-relevo em perfeito estado de conservação ”.

Rassam ordenou que seus homens cavassem um grande buraco no monte; depois de mais de 2000 anos, os restos de um palácio real foram encontrados. Os tijolos de barro, obviamente, haviam desaparecido completamente, mas os relevos, que uma vez decoravam as paredes do palácio, felizmente sobreviveram.

Detalhe de um baixo-relevo que mostra o rei assírio Ashurbanipal. O rei é identificado por sua coroa cônica. Ele segura um arco e lança flechas em direção a uma sucessão de leões. Observe os bordados, braceletes, brincos e roupas primorosamente esculpidos. Seu ajudante real está guiando a carruagem real. Os olhos do rei e seu acompanhante foram intencionalmente danificados após a queda de Nínive. Da Sala C do Palácio Norte, Nínive.

Assurbanipal

No coração das galerias assírias, na Sala 10a do Museu Britânico em Londres, as lajes de pedra decoram as paredes de cada lado da sala. Elas descrevem um grupo de guerreiros liderados por uma figura mais alta, que usa um chapéu cônico; este é o rei assírio.

Os homens parecem estar caçando um grande número de leões. Rassam, inicialmente, não sabia quem era o rei. Ele fez cópias das inscrições em cuneiformes nos relevos do palácio e elas foram enviadas para Henry Rawlinson (1810-1895), o cônsul britânico em Bagdá.

Rawlinson sabia ler os cuneiformes e escreveu de volta a Rassam dizendo que esse era o palácio de Assurbanipal; um nome que ainda era desconhecido até aquele momento!

Nesse relevo o rei segura uma longa lança e apunhala um leão na cabeça. Dois atendentes reais afastam o leão com sua lança, e outro está guiando a carruagem real. Da Sala C do Palácio Norte, Nínive.

Acredita-se que o objetivo dos relevos não era gerar pena pelas criaturas moribundas, mas sim destacar sua presença crua e perigosa e mostrar como elas desmoronavam em agonia nas mãos do rei assírio que, através do apoio dos deuses e de sua habilidade com armas, trazia a civilização para o mundo caótico e desordenado que o animal representava.

Assurbanipal foi representado muitas vezes (sobre uma uma carruagem real, de pé no chão e nas costas de seu cavalo em movimento); Seu traje usual, rosto, barba e gestos foram esculpidos de forma muito requintada e vívida. Mas mesmo que o rei tenha ganhado destaque; são os leões que formam o núcleo central das cenas.

A antiga cidade de Nínive.

Acredita-se que um único artista tenha criado esses relevos, auxiliado por muitos assistentes; também se pensa que o próprio rei poderia às vezes intervir para acrescentar/alterar alguns detalhes da imagem.

As cenas de caça, cheias de tensão e realismo, estão entre as melhores realizações da arte assíria. Elas descrevem a liberação dos leões, a perseguição e a sua subsequente morte.

Embora muito brutal e sangrento, o “massacre” parece muito bonito! Teria sido essa a intenção do escultor? Estas lajes decoravam ambas as paredes de um corredor dentro do palácio (Sala C) e uma câmara privada com um portal (Sala S).

Painéis com a caça ao leão no Museu Britânico.

Além do rei, seus cortesãos e alguns de seus visitantes, quem mais poderia teria tido acesso a eles? O público? Em outras palavras, quem eles visavam impressionar?

O escultor estava habilmente apontando o contraste entre o rei cruel e suas nobres vítimas; entretanto, as pessoas para as quais as cenas foram projetadas viam o rei como o paradigma da nobreza, e os leões como inimigos cruéis que deveriam merecer um doloroso, e até grotesco, massacre.

A primeira cena documentada de caça ao leão remonta a 3000 a.C; era um governante que estava caçando leões. O palácio Noroeste do rei assírio Ashurnasirpal II em Nimrud (883-859 a.C), também abrigava algumas cenas de caça de leões, indicando que esse ato estivera presente há séculos.

O ambiente de caça: Sala C

A arena é cercada por uma linha dupla de soldados com escudos altos e arcos e flechas, e em alguns pontos há guardiões com cães, para evitar que leões escapem da arena.

Relevo representando guardiões com cães. Esses guardiões estavam posicionados em alguns pontos nos cantos da arena, em frente à linha de soldados. A intenção é clara: impedir os leões de tentar escapar.

O público-alvo, o povo, está assistindo de uma colina; homens e mulheres estão subindo a encosta, aterrorizados ou para chegar a um ponto com uma boa visão da ação que está prestes a começar. Enquanto isso, o rei e seus acompanhantes se preparam para a ação; com cavalos, arcos, lanças.

Os leões e leoas não estão livres dentro da floresta selvagem; eles são trazidos para a arena dentro de gaiolas; isso indica que os animais foram capturados de antemão. Uma pessoa, geralmente uma criança, levanta o alçapão e libera o leão.

A ação está prestes a começar. Aqui uma criança levanta um alçapão, soltando um leão de sua gaiola. A criança tem uma pequena gaiola para sua própria proteção.

Os cavaleiros próximos conduzem/atraem os leões para o rei e seus guardas para que eles enfrentem seu destino final através de uma multidão de cenas dolorosas, cinematográficas e notavelmente representadas.

Os leões foram representados em muitas atitudes de luta contra a morte (sendo atingido por flechas, lanças e/ou espadas) ou já mortos. As expressões faciais e os olhos dos animais foram retratados de uma forma muito realista, mostrando horror, derrota e agonia. Há no total 18 leões/leoas representados nessa sala.

Este relevo retrata uma linha dupla de soldados. A linha de frente possui escudos altos enquanto a traseira tem arcos. Esta linha envolve a arena como um anel para impedir que qualquer leão escape da arena.Cavalariços parecem conduzir os cavalos para um recinto blindado dentro do qual uma carruagem real está sendo preparada para a caça. Os homens estão lutando para empurrar um dos cavalos para a posição enquanto outro cavalo está tendo seu cinto apertado. Os outros soldados estão protegendo a arena.Nesse fragmento os homens parecem preparar os arcos para a caça.O rei assírio Assurbanipal está em sua carruagem real enquanto seus homens fazem os preparativos necessários antes que a caçada comece. Sua mão esquerda repousa sobre o punho de sua espada.Os cavaleiros (parte superior direita dos painéis) parecem atrair os leões para a carruagem do rei. Depois de se aproximar da carruagem, os leões serão mortos. Nesse relevo, dois leões e duas leoas foram atingidos por muitas flechas e já estão mortos; observe suas expressões faciais planas, olhos fechados e posturas diferentes. O terceiro leão, que já foi atingido por uma flecha na cabeça, está saltando em direção à carruagem real. Ele é contido por duas lanças dos assistentes do rei, que estão tentando afastá-lo da carruagem.A carruagem do rei está perseguindo leões. O rei segura um arco e atira flechas em direção a uma sucessão de leões. Uma leoa morta aparece embaixo dos cavalos. Os dois atendentes reais estão protegendo o rei de um leão que ataca por trás.Este relevo retrata assírios subindo uma colina. As pessoas parecem se apressar em direção ao topo da colina, por medo ou para ter uma visão melhor. A colina é coroada por um edifício, monumento ou estela, que é decorado com outra imagem da cena real de caça.Relevo representando um leão morrendo. Ele foi atingido por quatro flechas; o sangue jorra dos pontos de entrada e saída das setas. Uma das flechas passou pelo ombro esquerdo. O leão também parece vomitar sangue! Sua expressão facial de agonia e medo é muito clara; note como ele olha para a frente.Representação de uma leoa moribunda. A leoa foi atingida por três flechas; sangue pode ser visto jorrando das feridas. Uma das flechas bateu na parte inferior das costas; isso pode explicar a fraqueza de suas pernas traseiras! Ela está rugindo em agonia, lutando contra a morte.Assurbanipal em sua carruagem real caçando um leão. O leão já foi atingido por duas flechas e ele está saltando sobre a parte traseira da carruagem. Dois atendentes reais - um segura um arco e o outro segura uma lança - estão tentando afastar o leão do rei. O rei segura uma longa lança com as duas mãos, empurrando vigorosamente a cabeça do leão; o leão tenta desviar a cabeça.Esse leão está sendo apunhalado no pescoço. O leão pulou e atingiu um ponto crítico, muito perto da carruagem do rei. Os ajudantes do rei enfiam as lanças no pescoço do leão para detê-lo; o rei, usando a mão direita, apunhala profundamente o leão no pescoço usando uma espada. A dolorosa expressão facial do leão foi descrita com muito detalhe. A pulseira do rei também aparece claramente.Seis homens carregam um leão morto no final da caçada.


O ambiente de caça: Sala S

Esta sala privada com um portão foi decorada com cenas de caça em escala relativamente pequena, dispostas em três registros horizontais paralelos. Nenhuma das cenas aqui retrata uma carruagem real. Em vez disso, o rei aparece a pé no chão ou em cima de um cavalo em movimento; ele usa um diadema, e não a típica coroa cônica dos reis assírios.

Assurbanipal apunhalando um leão com uma lança. Este é um dos momentos de tensão que foi cuidadosamente transmitido a nós pelo artista. O cavalo de reserva do rei foi atacado por um leão ferido que havia sido deixado para morrer. O próprio rei está ocupado com outro leão que ataca furiosamente. Os assistentes do rei (não mostrados nesta foto) ficaram para trás e galopam desesperadamente para resgatar seu rei (do lado esquerdo do painel). O escultor usou espaços vazios (antes e atrás do rei) para um efeito dramático. O rei ficou sozinho, enfrentando um momento mortal!Assurbanipal a pé diante de leões mortos. Este registro é a continuação da cena acima à direita. O rei lidou com a emergência e matou os dois leões. Alguns dos atendentes reais exclamam ao ver o tamanho dos leões mortos; um atendente olha para o seu mestre. O rei segura a lança e a rédea dos cavalos com a mão esquerda. Ele parece falar com seus cortesãos, apontando com a mão direita. O rei e seus dois cavalos sobreviveram!Relevo mostrando os cavalos de Assurbanipal. Note como eles são bonitos e elegantes!Assurbanipal resgatando príncipes estrangeiros de um leão. Esses príncipes, os homens à direita do painel, estão ajoelhados e jogando seus arcos diante do rei; eles vieram para a capital assíria como refugiados políticos. Assurbanipal os levou na caçada, mas eles erraram, e ele está atirando sobre suas cabeças para salvá-los. Deveria existir um leão atacando no painel à direita, que foi perdido.


O próprio rei usa uma variedade de armas, refletindo suas grandes habilidades; um arco, espada e lança. Ele foi retratado três vezes em sua carruagem real, protegido e ajudado por seus homens.

Às vezes, o rei aparece de pé no chão e mata leões com uma espada. Ele também monta um cavalo e usa um arco/lança para matar sua presa. Em um relevo, o rei agarra um leão pelo pescoço com a mão esquerda e apunhala o leão com força e profundidade com a espada na mão direita, num evento muito dramático.

Assurbanipal esfaqueando um leão ferido. Este é um dos momentos mais vívidos, que não precisa de narração. O rei, a pé, usando seu elegante traje e acessórios, agarra firmemente o pescoço do leão com a mão esquerda, enquanto a mão direita apunhala com a espada rápida e profundamente na barriga do leão. O rei, de rosto rígido, e o leão rugindo de medo e agonia, olham um para o outro. O atendente do rei segura um arco e flechas, mas não parece fazer nada para proteger seu mestre; não é crível que o rei se expusesse a atacar um leão dessaforma, com ele ainda vigoroso e agressivo, da maneira que essa escultura implica. O leão está muito próximo, quase tocando o rei com suas patas afiadas.

Em todas as cenas, o rei e seus homens parecem rígidos e frios. Teria o rei realmente enfrentado esses animais tão agressivamente e colocando sua vida em risco? Será que esses homens, encontravam esse grande número de animais hostis, usando apenas lanças, flechas e espadas?

O artista/escultor documentou alguns momentos “inesperados” e perigosos que o rei havia enfrentado. Os relevos da Sala S foram esculpidos em três registros paralelos e cenas diferentes, enquanto os eventos em Painéis da Sala C ocupavam todas as lajes.

Abaixo você confere um galeria com algumas pinturas e ilustrações modernas baseadas nos relevos descritos acima.

Tradução de texto escrito por Osama S. M. Amin
Março de 2016

Gostou desse artigo?




loading

Carregando galeria...

Galeria de imagens

1 de 6

Caça ao leão assíria
A diversão do rei assírio
Ashurbanipal caçando leões
Ilustração moderna.
Caça ao leão assíria
Ilustração moderna.

Caça ao leão assíria

Ilustração de Briton Riviere (1840-1920)

TAGS

Assíria

Mais artigos sobre Mesopotâmia

Vida cotidiana na Mesopotâmia - Parte 2

Resumo da Epopéia de Gilgamesh - Parte 2/2

A história da cidade assíria de Dur-Sharrukin (Khorsabad)

Fontes bibiliográficas:

Reade J. Assyrian sculpture. London: The British Museum Press; 2013.
Collins P, Baylis L, Marshall S. Assyrian palace sculptures. London: The British Museum Press; 2012.
The Assyrian lion hunt reliefs. A BBC documentary on masterpieces of the British Museum, episode 2 of 6, 30 minutes.
Personal visit to the British Museum.

Artigo publicado em 21/04/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL