Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

A ascensão e a queda da Acádia

Artigos > Mesopotâmia  |  1,8 mil visualizações  |  2208 palavras

Capa do artigo: A ascensão e a queda da Acádia

Uma ilustração da cabeça de cobre do período acádio que acredita-se
ser uma representação de Sargão da Acádia.

Tradução feita a partir de artigo publicado no site Ancient.eu, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Joshua J. Mark, um professor de História de Nova York,  e publicado em abril de 2011. A bibliofrafia utilizada foi colocada ao final do texto. Adicionei algumas fotos ao artigo para torná-lo mais ilustrativo.

Ninguém sabe onde a cidade de Acádia estava localizada, nem como foi seu caminho para a proeminência e queda; mas ela foi durante muito tempo vez a sede do Império Acadiano, que governou uma vasta extensão da antiga Mesopotâmia. Sabe-se que a Acádia (também conhecida como Agade) era uma cidade localizada na margem ocidental do rio Eufrates, possivelmente entre as cidades de Sippar e Kish (ou, talvez, entre Mari e Babilônia ou mesmo em outras partes do Eufrates).

Segundo a lenda, ela foi construída pelo rei Sargão, o Grande, que governou entre 2334-2279 a.C., e unificou a Mesopotâmia sob o domínio de seu Império Acadiano, estabelecendo o padrão para futuras formas de governo na Mesopotâmia.

Busto de cobre, possivelmente retratando Sargão. Museu Arqueológico do Iraque.

Sargão (ou seus escribas) afirmavam que o Império Acadiano se estendia do Golfo Pérsico até o atual Kuwait, Iraque, Jordânia, Síria (possivelmente o Líbano) através da parte inferior da Ásia Menor até o Mar Mediterrâneo e Chipre (também há uma reivindicação de que estendia-se até Creta, no mar Egeu).

O Império Acadiano e outros reinos em meados do século 23 a.C. Site Geacron.

Embora o tamanho e o alcance do império baseado em Acádia sejam contestados, não há dúvida de que Sargão, o Grande, criou o primeiro império multinacional do mundo.

O rei de Uruk e a ascensão de Sargão

A língua da cidade, o acadiano, já estava em uso antes da ascensão do Império acadiano (notavelmente na rica cidade de Mari, onde vastas tabuletas cuneiformes ajudaram a definir os eventos para historiadores posteriores) e é possível que Sargão tenha restaurado a Acádia, ao invés de construí-la.

Uma cena de guerra conforme baseada em ilustração presente no Estandarte de Ur, que procede em alguns séculos o período acadiano.

Também deve ser notado que Sargão, não foi o primeiro governante a unir as diferentes cidades e tribos sob um único reino. O rei de Uruk, Lugalzagesi, já havia conseguido isso, embora em escala muito menor, sob seu próprio governo. Ele foi derrotado por Sargão, que, melhorando o modelo dado a ele por Uruk, tornou sua própria dinastia maior e mais forte. A historiadora Gwendolyn Leick escreve:

"De acordo com suas próprias inscrições, ele [Sargão] fez amplas campanhas além da Mesopotâmia e assegurou o acesso a todas as principais rotas de comércio, por mar e por terra" (A-Z da Mesopotâmia, p.8).

Enquanto Lugalzagesi havia conseguido subjugar as cidades da Suméria, Sargão estava decidido a conquistar o mundo conhecido. O historiador Will Durant escreve:

"Leste e oeste, norte e sul, o poderoso guerreiro marchou, conquistando o Elam, lavando suas armas em triunfo simbólico ao Golfo Pérsico, cruzando a Ásia ocidental, alcançando o Mediterrâneo e estabelecendo o primeiro grande império da história" (p.121-122).

Este império estabilizou a região da Mesopotâmia e permitiu avanços agrícolas e o desenvolvimento da arte, literatura e ciência.

De acordo com a lista de reis sumérios, existiram cinco governantes da Acádia: Sargão, Rimush, Manishtusu, Naram-Sin e Shar-Kali-Sharri, o que manteve a dinastia no poder por 142 anos antes de desmoronar.

Durante esse tempo, o acadiano substituiu o sumério como língua franca, exceto nos serviços sagrados, e a vestimenta acadiana, a escrita e as práticas religiosas se infiltraram nos costumes dos povos conquistados na região. Uma compreensão melhor da ascensão e queda da Acádia é melhor obtida através de um exame dos governantes da cidade e do império que eles mantinham.

O reinado de Sargão

Sargão, o Grande, fundou ou restaurou a cidade de Acádia e governou de 2334 a 2279 a.C. Ele conquistou o que chamou de "os quatro cantos do universo" e manteve a ordem em seu império através de repetidas campanhas militares.

Sargão da Acádia. Ilustração moderna, autor desconhecido.

A estabilidade proporcionada por este império deu origem à construção de estradas, melhoria da irrigação, uma maior esfera de influência no comércio, bem como o desenvolvimento nas artes e em outras áreas do conhecimento.

Estela da vitória de Sargão. Museu do Louvre. N° Sb 3

O Império Acadiano criou o primeiro sistema postal, onde as tabuletas de barro com escrita acadiana cuneiforme eram embrulhadas em envelopes de barro, marcados com o nome e endereço do destinatário e o selo do remetente. Essas cartas não podiam ser abertas a não ser pela pessoa que elas pretendiam, porque não havia como abrir o envelope de barro sem quebrá-lo.

A fim de manter sua presença em todo o seu império, Sargão colocou estrategicamente seus melhores e mais confiáveis ​​homens em posições de poder nas várias cidades. Os "Cidadãos da Acádia", como um texto babilônico posterior os chamou, eram os governadores e administradores em mais de 65 cidades diferentes.

Enheduanna. Nessa ilustração do site Archaeology Illustrated, a sacerdotisa está cercada de objetos que foram encontrados nas Tumbas Reais de Ur, e que datam de alguns séculos anteriores.

Sargão também colocou sua filha, Enheduanna, como Alta Sacerdotisa de Inanna em Ur e, através dela, parece ter sido capaz de manipular assuntos religiosos e culturais a distância. Enheduanna é reconhecida hoje como a primeira escritora do mundo a ser conhecida pelo nome e, pelo que se sabe de sua vida, ela parece ter sido uma sacerdotisa muito capaz e poderosa, além de ter criado os impressionantes Hinos para Inanna.

Os sucessores de Sargão: Rimush e Manishtusu

Sargão reinou por 56 anos e, após sua morte, foi sucedido por seu filho Rimush, que reinou entre 2279-2271 a.C., e manteve as políticas de seu pai.

As cidades dominadas se rebelaram após a morte de Sargão, e Rimush passou os primeiros anos de seu reinado restaurando a ordem. Ele se lançou em uma guerra contra o Elam, a quem ele derrotou, e em uma inscrição disse que trouxe grandes riquezas para a Acádia.

Ele governou por apenas nove anos antes de morrer e foi sucedido por seu irmão Manishtusu, que reinou entre 2271-2261 a.C.. Há algumas especulações de que Manishtusu teria provocado a morte de seu irmão para ganhar o trono.

A história se repetiu após a morte de Rimush e Manishtusu teve que reprimir revoltas generalizadas em todo o império antes de se envolver no negócio de governar suas terras. Ele aumentou o comércio e, de acordo com suas inscrições, engajou-se no comércio de longa distância com Magan e Meluhha (supostamente o alto Egito e o Sudão).

Ele também empreendeu grandes projetos de construção em todo o império e acredita-se que tenha ordenado a construção do Templo de Ishtar em Nínive, que foi considerada uma peça arquitetônica muito impressionante. Além disso, ele empreendeu uma reforma agrária, e teria melhorado o império de seu pai e irmão.

O obelisco de Manishtusu. Museu do Louvre. N° Sb 20

O obelisco de Manishtusu, descrevendo a distribuição de parcelas de terra, pode ser visto hoje no Museu do Louvre, em Paris. Sua morte é um tanto misteriosa, mas, de acordo com alguns estudiosos, Leick entre eles,

"Manishtusu foi morto por seus cortesãos com seus selos cilíndricos", embora nenhum motivo definido tenha sido oferecido para o assassinato (The A-Z of Mesopotamia, 111).

Naram-Sin: O maior dos reis acadianos

Manishtusu foi sucedido por seu filho Naram-Sin (ou Naram-Suen) que reinou entre 2261-2224 a.C. Como seu pai e tio antes dele, Naram-Sin teve que reprimir rebeliões através do império antes que pudesse começar a governar, mas, uma vez que seu reinado começou, o império floresceu.

Nos 36 anos que governou, ele expandiu as fronteiras do império, manteve a ordem interna, aumentou o comércio e pessoalmente fez campanha com seu exército além do Golfo Pérsico e, possivelmente, até mesmo para o Egito.

A Estela da Vitória de Naram-Sin, celebra a vitória do monarca acadiano sobre Satuni, rei dos Lullubi (uma tribo nas Montanhas Zagros) e retrata Naram-Sin subindo a montanha, pisoteando os corpos de seus inimigos, à imagem de um deus.

A Estela da Vitória de Naram-Sin. Museu do Louvre. N° Sb 4

Como seu avô, ele se dizia "rei dos quatro quadrantes do universo", mas, em um movimento mais ousado, começou a escrever seu nome com um sinal que designava a si mesmo como um deus, em pé de igualdade com qualquer um no panteão mesopotâmico.

A Maldição da Acádia

Apesar de seu reinado espetacular, considerado o auge do Império Acadiano, gerações posteriores o associariam à Maldição da Acádia, um texto literário atribuído à Terceira Dinastia de Ur, mas que pode ter sido escrito antes.

Ele conta a história fascinante da tentativa de um homem de obter uma resposta dos deuses pela força; e esse homem é Naram-Sin. De acordo com o texto, o grande deus sumério Enlil retirou-se da cidade de Acádia e, ao fazê-lo, proibiu os outros deuses de entrar na cidade e abençoá-la com sua presença.

Naram-Sin não sabia o que poderia ter feito para incorrer nesse descontentamento e então rezou, pedindo sinais e presságios e caiu em uma depressão de sete anos enquanto esperava por uma resposta do deus.

Ruínas do Zigurate do Templo de Nippur. A construção no topo foi feita por arqueólogos e não pertence ao templo original.

Finalmente, cansado de esperar, ele preparou seu exército e marchou até o templo de Enlil, na cidade de Nippur, e o destruiu. Ele "põs suas espadas contra suas raízes, seus machados contra as fundações até que o templo, como um soldado morto, se prostrou" (Leick, The Invention of the City, 106).

Esse ataque, é claro, provocou a ira não apenas de Enlil, mas dos outros deuses que enviaram os Guti, "um povo que não conhece inibição, com instintos humanos, mas inteligência canina e com características de macaco" (p.106) para invadir a Acádia e destruí-la.

Houve fome generalizada após a invasão dos gutianos, os mortos apodreciam nas ruas e casas, e a cidade estava em ruínas e assim, de acordo com o conto, foi o fim da cidade de Acádia e do Império Acadiano, vítima da arrogância de um rei em face dos deuses.

Naram-Sin. Ilustração do site Archaeology Illustrated.

Não há, no entanto, nenhum registro histórico de Naram-Sin destruindo o templo de Nippur e acredita-se que "A Maldição da Acádia" tenha sido uma peça muito posterior, escrita para expressar "uma preocupação ideológica por uma relação correta entre os deuses e o monarca absoluto "(Leick, p.107) cujo autor escolheu a Acádia e Naram-Sin como personagens por causa de seu status legendário.

De acordo com o registro histórico, Naram-Sin honrou os deuses, teve sua própria imagem colocada ao lado deles nos templos, e foi sucedido por seu filho, Shar-Kali-Sharri, que reinou de 2223-2198 a.C.

O Declínio da Acádia

O reinado de Shar-Kali-Sharri foi difícil desde o início, pois ele também teve que dedicar muito esforço para reduzir as revoltas após a morte de seu pai, mas, ao contrário de seus antecessores, parecia não ter a capacidade de manter a ordem e evitar novos ataques contra o império. Leick escreve:

"Apesar de seus esforços e campanhas militares bem sucedidas, ele não foi capaz de proteger seu estado da desintegração e, após sua morte, fontes escritas deixaram de aparecer em um tempo de crescente anarquia e confusão" (A-Z da Mesopotâmia, p.159).

Curiosamente, sabe-se que "o seu projeto de construção mais importante foi a reconstrução do Templo de Enlil em Nippur" e talvez este evento, juntamente com a invasão dos Guti e uma fome generalizada, tenha dado origem à lenda posterior que se tornou a Maldição da Acádia.

Selo cilíndrico de Ibni-Sharrum, escriba do rei Shar-kali-Sharri. Cerca de 2350-2000 a.C. Museu do Louvre, N° AO 22303.

Shar-Kali-Sarri travou uma guerra quase contínua contra os elamitas, os amoritas e os invasores gutianos, mas foi a invasão gutiana que mais comumente é creditada como responsável pelo colapso do Império Acadiano e pela era das trevas que se seguiu na Mesopotâmia.

Estudos recentes, no entanto, afirmam que as mudanças climáticas causaram fome e, talvez, perturbações no comércio, enfraquecendo o império a ponto de fazer com que o tipo de invasões e rebeliões, que no passado haviam sido esmagadas facilmente, tenham se tornado um problema.

Os últimos dois reis da Acádia após a morte de Shar-Kali-Sharri, Dudu e seu filho Shu-Turul, governaram apenas a área ao redor da cidade e raramente são mencionados em associação com o império. Tal como acontece com a ascensão da cidade da Acádia, a sua queda é um mistério e tudo o que é conhecido hoje é que, uma vez, tal cidade existiu e seus reis governaram um vasto império, o primeiro império do mundo, que depois passou para a memória e para a lenda.

Gostou desse artigo?




TAGS

Acádia

Mais artigos sobre Mesopotâmia

O reinado de Ur-Nammu e seu código de leis

O Código de Hamurabi - Pena de morte, punições físicas e ordálio

As origens da escrita na Mesopotâmia

Fontes bibiliográficas:

Obelisk | Louvre Museum | Paris
Two examples of abrupt climate change
Victory Stele of Naram-Sin | Louvre Museum | Paris
Durant, W. Our Oriental Heritage. Simon & Schuster, 1954.
Kramer, S. N. The Sumerians. University of Chicago Press, 1971.
Leick, G. Mesopotamia / Mesopotamia/ The Invention of the City Origenes/ Origins. Paidos Iberica Ediciones S a, 2002.

Artigo publicado em 01/05/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.