Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Introdução à arquitetura na Grécia Antiga

Artigos > Grécia Antiga  |  7,3 mil visualizações  |  1189 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Introdução à arquitetura na Grécia Antiga

Colunas coríntias do templo de Zeus em Atenas.

Os arquitetos gregos da Antiguidade lutaram pela precisão e excelência do acabamento, que foram as marcas da arte grega em geral. As fórmulas que eles inventaram já no século 6 a.C. influenciaram a arquitetura dos últimos dois milênios.

Ordem Dórica

As duas principais ordens na arquitetura grega arcaica e clássica são o dórico e o jônico. No primeiro, a ordem dórica, as colunas são caneladas e não têm base. Os capitéis são compostos de duas partes que consistem de uma laje plana, o ábaco e uma laje parecida com uma almofada, conhecida como equino. No capitel repousa o entablamento, que é composto de três partes: a arquitrave, o friso e a cornija.

Um modelo em 3D de um templo dórico.Detalhes da ordem dórica.A simplicidade do capitel dos templos dóricos.O templo de Hefésto em Atenas segue o padrão da ordem dórica.Detalhes da ordem dórica.

A arquitrave normalmente não era decorada, exceto por uma faixa estreita na qual estavam detalhes, conhecidos como guttae. No friso são alternadas séries de triglífos (três barras) e métopas, lajes de pedra frequentemente decoradas com escultura em relevo.

O frontão, o espaço triangular no topo de cada extremidade do edifício, era muitas vezes adornado com esculturas, logo no início em relevo e mais tarde apenas com detalhes nas arestas.

Templo dórico de Afaia em Egéia.Templo dórico de Apolo em Corinto.

Entre os exemplos mais bem preservados da arquitetura dórica arcaica estão o templo de Apolo em Corinto, construído no segundo quartel do século 6 a.C., e o templo de Apaia em Aegina, construído entre 500 e 480 a.C. Neste último foram encontrados pelo menos três diferentes grupos de escultura pedantal exemplar do desenvolvimento estilístico entre o final do 6° e início do 5° século a.C. na Ática.

Ordem Jônica

Na ordem jônica da arquitetura, as bases suportam as colunas, que têm mais ranhuras verticais do que as da ordem dórica. Capitéis jônicos têm duas volutas que repousam sobre uma faixa de ornamentos de folha de palmeira.

Detalhes da ordem jônica.O Erectéion, um templo com padrões da arquitetura jônica na Acrópolis de Atenas.Coluna jônica do templo de Ártemis em Sardis. MET. N° 26.59.1

O ábaco é estreito, e o entablamento, ao contrário da ordem dórica, geralmente consiste em três bandas horizontais simples. A característica mais importante da ordem jônica é o friso, que geralmente é esculpido com escultura em relevo disposta em um padrão contínuo ao redor do edifício.

Onde encontrar

Em geral, a ordem dórica ocorre com mais frequência no continente grego e em locais da península italiana, onde havia muitas colônias gregas. A ordem jônica era mais popular entre os gregos na Ásia Menor e nas ilhas gregas. Conheça os principais templos gregos acessando o artigo 'Os 10 Tempos mais famosos do Mundo Grego'.

Ordem Coríntia

Uma terceira ordem da arquitetura grega, conhecida como coríntia, foi desenvolvida pela primeira vez no final do período clássico, mas foi mais comum nos períodos helenístico e romano. Os capitéis coríntios têm um equino em forma de sino decorado com folhas de acanto, espirais e palmetas. Há também um par de volutas pequenas em cada canto; Assim, o capitel fornece a mesma visão de todos os lados.

Detalhes da ordem Coríntia.Detalhes da coluna coríntia do Templo de Zeus em Atenas.

A arquitetura grega e os templos

A ordem arquitetônica regia não apenas a coluna, mas também as relações entre todos os componentes da arquitetura. Como resultado, cada peça de um edifício grego é parte integrante de sua estrutura geral; um fragmento de moldagem geralmente pode ser usado para reconstruir um edifício inteiro.

Embora os gregos antigos erguessem edifícios de muitos tipos, o templo grego é o que melhor exemplifica os objetivos e métodos da arquitetura grega. O templo normalmente incorporava um plano oblongo (alongado) e uma ou mais fileiras de colunas cercando os quatro lados.

Corte em templo grego mostra sua estrutura interna básica.

A estrutura vertical do templo obedecia a uma ordem, um arranjo fixo de formas unificadas por princípios de simetria e harmonia. Havia geralmente um pronaos (câmara frontal) e um opistódomo (câmara traseira). Os elementos superiores do templo eram geralmente feitos de tijolos de barro e madeira, e a plataforma do edifício era de alvenaria.

Principais câmaras de um templo grego.

As colunas eram esculpidas em pedra local, geralmente calcário ou tufo calcário; em templos muito anteriores, as colunas eram feitas de madeira. O mármore foi usado em muitos templos, como o Partenon em Atenas, que é decorado com mármore do monte Pentélico e da ilha de Paros.

O interior do templo grego caracteristicamente consistia de uma cella, o santuário interno em que ficava a estátua do culto, e às vezes uma ou duas antecâmaras, nas quais ficavam guardadas as tesourarias com oferendas votivas.

Algumas das variações das projetos de templos gregos.

As pedreiras e o transporte de mármore e calcário eram caros e trabalhosos e constituíam frequentemente o principal custo de erigir um templo. Por exemplo, a riqueza que Atenas acumulou após as guerras persas permitiu que Péricles criasse um extenso programa de construção, que incluía o Partenon (447-432 a.C.) e outros monumentos da Acrópolis ateniense.

Tipicamente, um corpo cívico ou religioso grego cercava o arquiteto, que participava de todos os aspectos da construção. Ele costumava escolher a pedra, supervisionar sua extração e os artesãos que moldavam cada peça na pedreira. No local da construção, entalhadores especialistas davam aos blocos sua forma final, e os operários içavam cada uma no seu lugar.

Modelo de grampos metálicos utlizados para reforçar a estrutura do Partenon de Atenas.

O ajuste apertado das pedras era suficiente para mantê-las no lugar sem o uso de argamassa; grampos metálicos embutidos na pedra reforçavam a estrutura para protegê-la de terremotos. Uma variedade de trabalhadores qualificados colaborou na criação dos templos.

Trabalhadores foram contratados para construir os andaimes de madeira necessários para içar blocos de pedra e esculturas, e para fazer as telhas de cerâmica para os telhados. Metalúrgicos eram empregados para fazer os encaixes de metal usados ​​para reforçar os blocos de pedra e para modelar os acessórios necessários de bronze para cenas esculpidas no friso, metópes e frontões.

Alguns dos frisos do Partenon de Atenas, em exposição no Museu Britânico. Esses frisos eram originalmente pintados em cores vivas.

Escultores do continente grego e do exterior esculpiram esculturas e relevos para os beirais do edifício do templo. E pintores eram contratados para decorar elementos esculturais e arquitetônicos com detalhes pintados.

Tradução de texto escrito por Colette Hemingway
Outubro de 2003

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Grécia Antiga

Algumas considerações sobre a Idade das Trevas na Grécia Antiga (1200-800 a.C.)

Os 10 Templos mais famosos do Mundo Grego

Livros de Grécia Antiga gratuitos na Library Genesis

Fontes bibiliográficas:

Avery, Catherine B., ed. The New Century Handbook of Greek Art and Architecture. New York: Appleton–Century–Crofts, 1972.
Hornblower, Simon, and Antony Spawforth, eds. The Oxford Classical Dictionary. 3d ed., rev. New York: Oxford University Press, 2003.
Lawrence, A. W. Greek Architecture. 4th ed., rev. by R. A. Tomlinson. Harmondsworth: Penguin, 1983.
Pedley, John Griffiths, Greek Art and Archaeology. 2d ed. New York: Harry N. Abrams, 1998.
Pomeroy, Sarah B., et al. Ancient Greece: A Political, Social, and Cultural History. New York: Oxford University Press, 1999.
Robertson, Martin. A History of Greek Art. 2 vols. Cambridge: Cambridge University Press, 1975.

Artigo publicado em 17/06/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL