História da decoração das armaduras européias - Baixa Idade Média e Renascença

Artigos > Idade Média  |  242 visualizações  |  1275 palavras

Capa do artigo: História da decoração das armaduras européias - Baixa Idade Média e Renascença

Detalhe de armadura milanesa do início do século 16 a.C. MET. N° 14.25.716b–f

Baixa Idade Média (cerca de 1000-1400)

Como nos séculos anteriores, a principal proteção para o soldado era uma camisa de malha, que normalmente não era decorada. A armadura do cavaleiro medieval compreendia, além dessa camisa de malha, um capuz de malha e manoplas de luva de malha anexadas a ela, e acompanhadas de defesas nas pernas também de malha.

Recriação moderna de uso de malha no corpo inteiro, uma prática do século 11 e 12.

O elmo começou a envolver completamente a cabeça e o rosto. Embora as esporas cavalheirescas, e às vezes também as malhas, pudessem ser douradas, a armadura em geral parece ter sido deixada sem adornos, e cores e padrões eram adicionados às roupas têxteis usadas sobre as malhas (como no exemplo acima).

Manuscrito do século 16-17 com reproduções de cavaleiros em torneios realizados em Nuremberg entre 1446 e 1561. MET. N° 22.229

Como o elmo agora obscurecia a identidade do usuário, os escudos eram pintados com vários símbolos para permitir a identificação (veja acima). Os mesmos dispositivos também podiam ser pintados no elmo ou aplicados como elementos separados (cristas) de madeira, couro moldado, papel machê e têxteis. Essa prática foi o começo do que passou a ser conhecido como heráldica. Embora estritamente falando, eles eram inicialmente funcionais, e não decorativos, esses dispositivos heráldicos se tornaram uma das formas mais comuns de decoração de armaduras na Idade Média e logo adornaram todos os equipamentos de cavalaria, incluindo o de seu cavalo.

A partir do final do século 13, foram adicionadas placas para reforçar a malha, particularmente em pontos vulneráveis, como ombros, cotovelos e joelhos, e, como eram geralmente expostas, eram frequentemente decoradas de várias maneiras.

Armadura italiana de cerca de 1400-1450. MET. N° 29.154.3

Para o torso, placas de metal, couro endurecido, chifre ou osso eram fixadas no interior de tecidos caros e coloridos, como veludo, brocado ou tecido de ouro. As cabeças de rebites expostas dessas defesas, conhecidas como brasões de placas e brigandines posteriores, são frequentemente dispostas em padrões decorativos.

Durante o século 14, foram introduzidas peças separadas de armaduras de couro ou metal endurecido para proteger os membros e, finalmente, o próprio tronco. As armaduras de couro podiam ser moldadas, estampadas ou gravadas com padrões florais e motivos grotescos, não muito diferentes dos encontrados nas margens dos manuscritos medievais, enquanto as bordas das placas de metal eram decoradas com latão aplicado (uma liga do cobre), que às vezes eram dourado e gravado com padrões ou inscrições florais.

Renascença (cerca de 1400–1600)

O desenvolvimento da armadura de placas foi concluído por volta de 1420, envolvendo o usuário da cabeça aos pés em uma armadura de chapas de aço articuladas, embora as defesas de malha e têxteis nunca fossem completamente abandonadas. A armadura de placas oferecia inúmeras possibilidades de decoração em uma variedade de técnicas: com aplicação de bordas, tinta, patinação térmica, estampagem, gravação e pontilhado, douramento e incrustação.

Escudo alemão para torneios de cerca de 1450. MET. N° 25.26.1

Além disso, elmos e couraças eram cobertos de tecido, enquanto os escudos de madeira (acima) continuavam sendo decorados, geralmente com dispositivos heráldicos mais ou menos elaborados. Durante a segunda metade do século 15, tornou-se moda, especialmente nos territórios de língua alemã, decorar a superfície da armadura com sulcos e espinhos elevados, às vezes correspondendo a uma decoração elaboradamente cortada nas bordas das placas, que lembra o traçado gótico.

Na mesma época, os armeiros italianos começaram a produzir a blindagem all'antica: armaduras que imitavam (ou pensavam-se que imitassem) armas e armaduras do estilo usado pelos heróis da antiguidade clássica. As “couraças musculosas” e outras armaduras figurativas em relevo reapareceram na Europa pela primeira vez desde a antiguidade e foram usadas para festividades na corte.

Armadura de Filipe II da Espanha, 1546, em exibição na National Gallery of Art.

Na Alemanha e em outras partes da Europa ocidental, uma mudança de moda por volta de 1500 resultou na mudança da ênfase da forma esbelta gótica, com sua decoração vertical e pontiaguda, para um contorno arredondado e pesado da armadura.

Até cerca de 1540, os cumes elevados se tornaram um tipo de decoração usado com mais frequência, e as superfícies principalmente das armaduras alemã e às vezes italiana eram cobertas com grupos de cumes alargados ou paralelos, uma moda às vezes erroneamente referida como “estilo de Maximiliano".

Armadura do estilo Maximiliano de cerca de 1535. MET. N°  38.128.2

Durante esse período, entre 1515 e 1535, alguns armeiros alemães produziram excelentes reproduções de roupas da época em aço (armaduras), que às vezes eram acompanhadas por elmos com os chamados grotescos ou  visores de máscara, em forma de cabeças humanas ou de animais. Essas armaduras eram usadas para fins cerimoniais ou torneios durante as elaboradas festividades da Quaresma.

Elmo do imperador Carlos V (1500-1558) produzido por Filippo Negroli.

Na Itália, entre 1530 e 1560, a armadura em relevo atingiu seu pico artístico com obras da famosa oficina italiana de Filippo Negroli, de Milão. Juntamente com seus irmãos e um primo, ele produziu armaduras de desfile no estilo all'antica para a clientela mais ilustre da nobreza européia, primorosamente gravada com decoração figurativa e floral, e muitas vezes gravada e dourada, ou adornada e incrustada de ouro e prata. Os escudos para uso cerimonial eram feitos de madeira e pintados com elaboradas cenas mitológicas ou históricas, ou - quando feitos de metal - estampados e decorados no mesmo estilo da armadura que eles acompanhavam. Os altos padrões estabelecidos pela oficina de Negroli foram imitados (embora nunca tenham sido alcançados novamente) até o final do século 16, com armaduras cerimoniais para homens e cavalos continuando sendo decoradas ao estilo all’antica.

Elmo burgonet de 1543 produzido por Filippo Negroli. Observe a sereia (figura mitológica) que está deitada sobre o elmo. MET. N° 17.190.1720

No entanto, como o relevo tendia a enfraquecer o metal e, assim, tornar a armadura inútil para batalhas ou torneios, foi a gravação - geralmente combinada com dourados e azuis - que a partir do início do século 16 se tornou a técnica mais comum de decoração de armaduras na Europa. Os assuntos representados variavam de inscrições devotas e faixas estreitas de padrões florais ou geométricos, imagens religiosas, referências históricas e mitológicas, a imagens políticas, heráldica e ordens de cavalaria.

Armadura para cavalaria leve produzida em Milão em 1510. MET. N°  14.25.716b–f

Um motivo popular em couraças de armaduras alemãs um tanto mais simples dos últimos dois terços do século 16 era a imagem de um cavaleiro ajoelhado em oração diante de um crucifixo, frequentemente acompanhado de uma inscrição devota. Com a decoração se tornando mais complexa, os armeiros agora eram frequentemente auxiliados por pintores, gravadores e gravuras, além de ourives.

Imagens religiosas (Virgem Maria e Jesus ao lado de São Jorge e São Cristóvão em armadura do início do século 16. Armadura atribuída a Kolman Helmschmid. Cerca de 1510-1520. MET. N° 38.143b–d

Ao longo do século 16, as Oficinas Reais inglesas de Greenwich também produziram armaduras para o monarca inglês e sua corte, a maioria das quais foi parcial ou totalmente gravada, azulada e dourada.

Declínio (cerca de 1600-1700)

Durante o século 17, o uso de armaduras gradualmente diminuiu. Exceto pelo uso na cavalaria pesada e em cercos, além do seu uso cerimonial e teatral, a maioria dos homens de armas descartou toda a armadura, exceto uma couraça, elmos e talvez manoplas.

Armadura de Pedro II, rei de Portugal (1683-1706) com um casaco de couro. Armadura atribuída a Richard Holden. Cerca de 1683. MET. N°  15.113.1–.5; 29.158.885

Durante as extensas guerras civis e religiosas que se arrastavam na Europa do século 17, exércitos cada vez maiores estavam sendo equipados com peças de armadura produzidas em massa, de qualidade relativamente baixa, que na maioria das vezes não eram decoradas. No entanto, os armeiros continuaram produzindo um pequeno número de armaduras decoradas, ou peças como placas de colar em relevo e damascadas para as festividades cerimoniais da nobreza. Embora os dias da cavalaria tivessem passado, tanto no design quanto na decoração, alguns desses exemplos ainda conseguiram ecoar a qualidade e a glória de períodos anteriores.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Guerra Medieval

História da decoração das armaduras européias - Antiguidade e Alta Idade Média

Artigo publicado em 10/04/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.