Religião popular: Uso de amuletos e imagens na arte bizantina

Artigos > Idade Média  |  250 visualizações  |  1396 palavras

Capa do artigo: Religião popular: Uso de amuletos e imagens na arte bizantina

Amuleto com entalhe mostrando a passagem da Bíblia com a mulher com fluxo de sangue (Marcos 5:25–34) se postando diante de Jesus. Acreditava-se que a hematita interrompa o fluxo sanguíneo e por isso era o material preferido para amuletos relacionados à saúde reprodutiva feminina e problemas menstruais. Século 6-7. MET. N° 17.190.491

Tradução de artigo publicado no site do MET, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Edmund C. Ryder, da universidade de Binghamton, e publicado em setembro de 2008. O texto não possui bibliografia, mas uma lista de leituras indicadas, essas foram colocadas abaixo na área das referências bibliográficas. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo.

O cristianismo era central na visão de mundo e na identidade pessoal do bizantino comum; no entanto, existem abundantes evidências físicas de que alguns tipos de práticas religiosas ou "mágicas" populares foram difundidas desde a antiguidade tardia até o fim do império. Muitas dessas atividades envolviam proteção contra perigos e, mais frequentemente, problemas de saúde. A palavra apotropaica, que literalmente se refere a afastar o mal, é frequentemente aplicada a esses comportamentos rituais.

A medicina bizantina era muitas vezes impotente em remediar doenças, portanto doenças simples tinham o potencial de progredir para problemas com risco de vida. Como a causa de muitas doenças era desconhecida, elas eram atribuídas às vezes aos efeitos do mau-olhado ou a feitiços. Como conseqüência, o público recorria a métodos e práticas rituais sancionados pela igreja para prevenir doenças físicas e espirituais.

Por exemplo, imagens de Cristo e dos santos eram colocados em camafeus, objetos glípticos e fragmentos de roupas para obter proteção contra forças desconhecidas. Essas imagens eram algumas vezes acompanhadas de textos que visavam propiciar a proteção ou a cura. Tais práticas tecnicamente se enquadravam no âmbito da igreja, embora frequentemente ultrapassassem os limites do uso aceitável.

Imagens em tecidos

Um método popular de empregar imagens como forma de proteção espiritual era colocá-las em artigos de vestuário. A maioria dos exemplos existentes foi escavado no Egito, onde a areia seca e anti-séptica os preservou. Temas cristãos e pagãos foram criados em tecidos de tapeçaria e mais tarde anexados como decorações em roupas seculares, principalmente túnicas de linho.

Essas imagens foram incorporadas em roundels (orbiculi) e quadrângulos (tabulae) ou em tiras (clavi). Quando usadas para fins apotrópicos (proteger ou expulsar o mal), essas imagens costumavam ser colocadas em partes discretas de uma peça de vestuário, uma indicação de que a imagem não tinha a intenção de decorar a roupa; ao contrário, servia principalmente como "proteção" para o usuário, e pretendia repelir espíritos malignos.

Uma túnica de linho do século 5 (abaixo), provavelmente de Panopolis (Akhmim), é representativa do tipo básico de roupa usado durante a antiguidade tardia. Essas túnicas em forma de T abrem no pescoço; a roupa seria colocada sobre a cabeça e depois amarrada com um cinto. Embora as imagens neste exemplo representem cenas dionisíacas, algumas imagens pré-cristãs podem ser polivalentes e equiparadas a subtextos cristãos.

Túnica usada no século 5, é uma das quatro da coleção do MET, que acredita-se vir de Akhmim no Egito. A túnica é coberta com imagens de Dionísio e de deus. MET. N°  26.9.8

Dionísio evocava associações complexas com a morte, ressurreição e abundância que sugeriam paralelos com Cristo. Além disso, a associação íntima de Dionísio com o vinho era vista como um símbolo da Eucaristia. A presença de imagens dionisíacas em tais roupas indica que o proprietário era um devoto desse deus ou talvez um cristão que entendeu o subtexto cristão da imagem.

Painel mostrando o triunfo de Dionísio. A história de Dionísio, muito similar a de Jesus em vários aspectos, contribuiu para que esse deus fosse ligado ao cristianismo e ao ritual da Eucaristia nos primóridios da religião cristã. Século 4-6. MET. N°  90.5.873

Um exemplo de tecido com imagens puramente cristãs é um roundel do século 7, com a história de José, filho de Jacó (abaixo). Imagens narrando a vida de José eram extremamente populares no Egito, e muitos exemplos são encontrados em roupas de tamanho infantil.

Roundel com um episódio bíblico da história de José, filho de Jacó, cuja história é citada no Gênesis. A vida de José era um tema popular da arte do Egito copta. A imagem de José na infância pode ter sido apropriada para roupas de criança e também como proteção contra o mal. Egito, século 7. MET. N° 63.178.2

Os episódios relatam os vários perigos e provações que José venceu durante a infância com a ajuda de Deus; portanto, o uso de tais imagens nas túnicas das crianças era altamente apropriado. Além disso, a igreja egípcia acreditava que histórias bíblicas, como a história de José e episódios da infância de Cristo, refletiam  positivamente a importância do Egito no quadro da história sagrada e, no caso de José, serviam para glorificar um personagem santo "local".

Roundels como este eram tipicamente colocados perto da bainha ou na área dos ombros de uma peça de roupa. Outro roundel na coleção do MET, tecido de seda, traz uma imagem de guerreiros montados lanceando um leão (abaixo). Imagens de cavaleiros vitoriosos sobre as forças do mal eram pensadas para proteger o proprietário de forças malignas semelhantes.

Representado nesse roundel estão dois cavaleiros e um leão. MET. N° 90.5.16

Os cavaleiros neste roundel de seda são mostrados matando um leão. No antigo Egito pré-cristão, animais selvagens freqüentemente simbolizavam os poderes do caos. Esta imagem fornece um exemplo de um tema pagão que se tornou uma fonte para a iconografia cristã dos santos a cavalo, como São Jorge, Sisinnios e Teodoro de Amásia. O que aparece inicialmente como uma imagem secular e aristocrática é na verdade impregnada de um tema religioso e protetivo.

Amuletos

Além de roupas, os bizantinos também empregavam pendentes de pedra para combater os efeitos da doença e afastar o onipresente perigo do mau-olhado. A crença em amuletos e nas propriedades mágicas das pedras não eram relegadas ao reino dos incultos e supersticiosos.

Durante o século 12, o autor e intelectual Miguel Pselo (1018 a 1081), descrevendo os vários efeitos das gemas em sua obra Sobre o Poder das Pedras, observou que o conhecimento desses efeitos medicinais remonta aos antigos sofistas Anaxágoras e Empédocles, uma tentativa, talvez, de dar a esse sistema de crenças um verniz de autoridade.

Pselo lista as propriedades de várias pedras: por exemplo, ágata cura dores de cabeça, sardonyx evita abortos quando cingidos na cintura e hematita, literalmente "pedra de sangue", quando misturada com água, cura problemas oculares. Acredita-se também que a hematita interrompa as hemorragias e era usada para amuletos destinados a aliviar problemas menstruais.

Amuleto com imagem de mulher com problemas de sangue pedindo a cura à Jesus. O lado reverso mostra a mulher curada. O material desse amuleto era a hematita. As inscrições são uma abreviação da passagem narrada em Marcos 5:25-34, relacionadas a esse milagre. Século 6-7. MET. N°  17.190.491

Um exemplo de um talismã que combina perfeitamente a iconografia e as propriedades "curativas" do material é um amuleto de hematita esculpido em entalhe representando uma Mulher com a Questão de Sangue (acima), que é milagrosamente curada ao tocar na túnica de Cristo. É provável que a mulher que usava esse objeto sofresse algum tipo de sangramento descontrolado; ela esperava ser curada, como a mulher retratada no amuleto, através de sua própria fé, mas também através do contato com as propriedades materiais da pedra, que se acreditava absorver sangue. O resultado desejado, a cura do mal, é representado no reverso do amuleto.

Amuleto com São Teodoro de Amásia matando um dragão de várias cabeças. O verso do medalhão diz Jesus Cristo, Senhor, ajude seu servo que você, o sagrado, conhece. 1300 ou depois. MET. N°  1999.325.227

O intaglio oval com uma imagem de São Teodoro de Amásia matando um dragão (acima) foi esculpido em ágata por volta de 1300. Santos militares eram extremamente populares em Bizâncio e eles eram os guardiões celestes do império bizantino. Nesta pequena imagem, São Teodoro mata um dragão de várias cabeças; a postura e a iconografia da figura têm precedentes nas imagens clássicas de Héracles matando a Hidra.

Santos militares são tipicamente representados como fisicamente aptos e em ação vigorosa; isso contrasta com imagens de monges santos e bispos, cujas poses hieráticas e corpos espectrais ressaltam seu ascetismo e rejeição ao corpo. No exemplo acima vemos o jovem santo ativamente envolvido com as pernas afastadas. A ação do santo, quando ele lança sua lança no dragão monstruoso, um símbolo do diabo, destaca a função de amuleto desse objeto.

Amuleto pendente com o arcanjo Miguel e Daniel na cova dos leões. Para os fiéis bizantinos, Daniel era a representação da salvação para os que acreditavam. Connstantinopla, século 12 ou depois. MET. N° 1987.442.4

Talvez o mais importante protetor da humanidade contra o mal tenha sido o Arcanjo Miguel. Durante o final do período bizantino, ele foi ocasionalmente representado junto com a figura do profeta Daniel, que simbolizava a salvação dos fiéis. Os bizantinos normalmente representavam o Profeta Daniel com trajes orientais, com um chapéu quadrado, botas e um manto com um fecho. Esses sinais indicavam que a história de Daniel havia ocorrido na Babilônia, na corte de Nabucodonosor . A presença do Arcanjo Miguel e do Profeta Daniel em um único pingente (acima) ofereceu ao seu proprietário proteção contra perigos espirituais e físicos, bem como a possibilidade de redenção.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Império Bizantino

A basílica de Santa Sofia, a grande construção do Império Bizantino

As pragas na antiguidade - A praga Justiniana e suas consequências

Fontes bibiliográficas:

Barb, A. A. "The Survival of Magic Arts." In The Conflict Between Paganism and Christianity in the Fourth Century, edited by Arnaldo Momigliano, pp. 100–125.. Oxford: Clarendon Press, 1963.
Cannuyer, Christian. Coptic Egypt: The Christians of the Nile, p. 15.. New York: Abrams, 2000.
Evans, Helen C., ed. Byzantium: Faith and Power (1261–1557). Exhibition catalogue.. New York: Metropolitan Museum of Art, 2004
Kalavrezou-Maxeiner, Ioli. Byzantine Icons in Steatite. Vienna: Verlag der Österreichischen Akademie der Wissenschaften, 1985
Kalavrezou, Ioli, ed. Byzantine Women and Their World. Exhibition catalogue.. New Haven: Yale University Press, 2003.
Maguire, Henry. The Icons of Their Bodies: Saints and Their Images in Byzantium. Princeton: Princeton University Press, 1996.
Maguire, Henry, ed. Byzantine Magic. Washington, D.C.: Dumbarton Oaks, 1995.
Psellos, Michael. Michaelis Pselli Philosophica Minora, vol. 1, Opuscula logica, physica, allegorica, alia. Edited by J. M. Duffy. . Leipzig: B. G. Teubner, 1989.
Temkin, Owsei. "Byzantine Medicine: Tradition and Empiricism." Dumbarton Oaks Papers 16 (1962), pp. 95–115. . n/a: n/a, n/a.
Tuerk, Jacquelyn. "An Early Byzantine Inscribed Amulet and Its Narratives." Byzantine and Modern Greek Studies 23 (1999), pp. 25–42.. n/a: n/a, n/a.
Vikan, Gary. "Joseph Iconography on Coptic Textiles." Gesta 18, no. 1 (1979), pp. 99–108.. n/a: n/a, n/a.

Artigo publicado em 05/08/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.