Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Teodorico, o grande: Rei bárbaro ou soberano romano tradicional?

Artigos > Idade Média  |  100 visualizações  |  2617 palavras

Capa do artigo: Teodorico, o grande: Rei bárbaro ou soberano romano tradicional?

Moeda retratando o rei ostrogodo Teodorico. Palazzo Massimo alle Terme, Roma. Via Wikimedia Commons.

Tradução de artigo em inglês que encontrei na internet, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Ferdinand Goetzen em outubro de 2013. As referências bibiliográfias usadas pelo autor foram adicionadas ao final do texto. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo. Também adicionei alguns subtítulos para tornar a leitura mais interessante.

Nascido na Panônia em 454, filho do nobre Teodemir da dinastia dos Amalos, Teodorico o Grande, passou sua juventude e seus anos de formação como refém em Constantinopla antes de retornar ao seu povo em 471 para suceder seu pai. Não sendo o único líder gótico na Baixa Moésia, Teodorico teve que enfrentar Teodorico Strabo. Depois de derrotar Strabo, Teodorico uniu os povos góticos em 484.

Após sua vitória, Teodorico foi reconhecido pelo imperador bizantino, Zenão I, como rei dos ostrogodos, recebendo o título de Patrício, o cargo de Magister Militum e a prestigiosa posição de Cônsul Romano. Em 488, Zenão enviou Teodorico para derrubar Odoacro, o rei germânico da Itália que havia destronado o imperador Rômulo Augusto em 476. Depois de anos de guerra, tratados e traição, Teodorico finalmente derrotou Odoacro, matando-o com as próprias mãos em 493.

Teodorico matou Odoacro em um banquete realizado após um longo cerco a Ravena (cidade de Odoacro). Toda a família de Odoacro também foi morta por ordens de Teodorico. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Reivindicando a Itália com sucesso, Teodorico, o Grande, tornou-se rei, governando como representante do Império Bizantino. Embora diferente de seu antecessor na lealdade ao Oriente, ele seguiu o exemplo de Odoacro de manter a infraestrutura política do Império Romano Ocidental. Ao longo dos anos, o governo de Teodorico deixou muitos historiadores se perguntando se seu reinado foi o de um governante romano ou de um rei bárbaro.

Este ensaio pretende argumentar que Teodorico, o Grande, foi um novo e único tipo de governante, alguém que desejava adotar e promover a cultura romana sem esquecer sua herança bárbara e, portanto, não pode ser simplesmente rotulado como romano ou bárbaro. Para fazer isso, é necessário analisar o reinado de Teodorico e explicar por que o rei dos ostrogodos não apenas manteve muitos elementos do domínio romano, mas também os defendeu.

O reinado de Teodorico (493–526)

Semelhante ao seu predecessor, Teodorico governou como representante do imperador romano oriental. Ao contrário de Odoacro, porém, ele permaneceu leal a Constantinopla, permitindo-lhe governar em paz, quase independentemente. O governo de curta duração de Odoacro (480-493) representou pouca mudança no sistema governamental do antigo império. Ao ascender ao poder, Teodorico viu a vantagem em manter a infraestrutura política romana e aqueles que trabalhavam com mais eficiência nela. Teodorico desejava restaurar a Itália à sua antiga glória e espalhar a Civilitas Romana.

Teodorico preservou muito da antiga corte e permitiu que os romanos desempenhassem um papel importante na administração de seu reino. Sob Teodorico, os romanos foram autorizados a viver sob a lei romana, enquanto os godos viviam sob suas próprias leis.

Aqueles que ocuparam um papel importante sob Rômulo Augusto, como Boécio e Cassiodoro, receberam cargos de destaque no governo gótico da Itália. A corte de Teodorico foi fortemente romanizada com muitos cortesãos e oficiais romanos, espelhando a corte de Constantinopla.

Cassiodoro representado no manuscrito Gesta Theodorici. Cerca de 1176-1177. Via Wikimedia Commons.

Em 520, Boécio tornou-se o magister officiorum de Teodorico. Cassiodoro, um historiador com grande experiência em correspondência, substituiu Boécio em 523. Fausto, outro romano notável, tornou-se cônsul, questor, patrício e prefeito pretoriano sob Teodorico, desfrutando de amplo patrocínio. Até Libério, um romano que permaneceu leal a Odoacro e se recusou a se render a Teodorico, recebeu um lugar na administração. Os cargos de rerum privatarum, patrício, censor e magistrado foram todos ocupados exclusivamente por romanos.

O governo de Teodorico era dirigido por uma administração romana com métodos romanos. Sob seu governo, o senado foi preservado e respeitado como fora durante o Império, apesar do fato de que apenas o imperador em Constantinopla detinha o poder de nomear senadores. Embora Teodorico tenha "ajustado" a máquina política romana para adaptá-la ao seu povo, os principais aspectos de seu governo, como a lei, o tribunal e sua administração, foram inspirados ou preservados do Império.

O Édito de Teodorico (Edictum Theodorici regis), por exemplo, foi inteiramente derivado de obras romanas. O Anônimo Valesiano afirma que Teodorico não desejava fundar um novo Estado e deixar as duas nações coexistirem sem serem mescladas. Governando sobre uma população mista, a decisão de Teodorico de aceitar a faceta romana da sociedade permitiu uma relativa paz. Muitos romanos permaneceram na região e continuaram trabalhando para Teodorico, aceitando-o como governante e até competindo pelos cargos mais altos de sua administração. A disposição dos romanos em continuar trabalhando sob o domínio gótico sugere que Teodorico não era de forma alguma hostil à tradição e cultura romanas.

Além de preservar o sistema político romano, Teodorico manteve laços estreitos com a Igreja católica, atuando como árbitro durante as controversas eleições papais entre Lourenço e Símaco em 498, bem como durante o cisma que ocorreu nessa época. Apesar de suas "crenças heréticas" (ele era cristão ariano), Teodorico era amigo dos católicos, permitindo total liberdade para praticar o catolicismo em seu reino.

Teodorico também foi um patrono da arte e cultura romanas, e foi chamado de um dos salvadores da cultura romana. Teodorico investiu fundos significativos na restauração e promoção da arte e arquitetura romanas. Ele restaurou o teatro de Pompeu e encomendou a construção da basílica de St. Apolinário (não confundir com a Basílica de São Apolinário em Classe, construída no período bizantino após a morte de Teodorico). As restaurações e a construção foram realizadas no estilo da arquitetura romana, o maior exemplo da qual é a capital de Teodorico, Ravenna, que ao longo de seu reinado foi transformada em uma cidade vibrante de arte, cultura e prosperidade.

O interior da basílica de St. Apollinaire, Ravena.

A conservação e o desenvolvimento da sociedade romana sob Teodorico sugerem que ele foi um governante romano. Alguns argumentam que o fato de ele ter sido criado como refém em Constantinopla influenciou suas opiniões e maneiras, levando-o a se identificar com a cultura romana. Certos estudiosos acreditam que é provável que os godos tenham se tornado um povo "romanizado" na época em que governaram a Itália.

Como cristãos, é possível que eles se identificassem com a cultura romana, especialmente se alguém acreditar, como Walter Goffart, que provavelmente não existia uma verdadeira identidade bárbara. Elementos do "gótico", no entanto, desempenharam um papel importante em todo o reinado de Teodorico.

Embora a cultura e a tradição romanas tenham desempenhado um papel fundamental na gestão do reino de Teodorico, não se pode afirmar que ele foi um rei romano. Teodorico introduziu elementos góticos em muitos aspectos da sociedade.

O elemento bárbaro mais significativo para o reinado de Teodorico é a identidade. Apesar de ter sido criado na corte bizantina, suas ações e capacidade de unificar os ostrogodos sob sua liderança sugerem que deve ter havido algum tipo de fator de identificação. O fato de Teodorico ter encomendado a Cassiodoro a escrita da obra "História dos Godos" em 12 volumes pode sugerir que ele sentia ou ansiava por uma nobre identidade gótica.

Da mesma forma, ao dar a sua filha um nome gótico (Amalasuntha), Teodorico também sugeria uma continuidade bárbara dentro do governo da Itália. Casar Amalasuntha com o rei espanhol visigodo Eutárico sugere que Teodorico se identificava mais com seus homólogos góticos do que com os romanos, uma vez que uma aliança romana poderia ter sido "politicamente valiosa". Alguns argumentam que foi uma escolha deliberada unificar os dois reinos góticos em vez de investir na possibilidade de um futuro imperador gótico-romano. Se essa escolha foi política ou cultural, só podemos especular.

A cultura gótica estava presente na literatura, na arte e principalmente na arquitetura. Embora fortemente inspirados por Roma, muitas obras artísticas e literárias mostram traços significativos da sociedade gótica. A Basílica de St. Apolinário Novo foi construída para servir à Igreja Ariana. Muitos edifícios dentro e ao redor de Ravenna têm traços de arquitetura gótica, um dos principais exemplos disso é o mausoléu de Teodorico, onde elementos do "gótico" são aparentes.

O mausoléu do rei ostrogodo Teodorico, em Ravena.Reconstrução da aparência original do mausoléu do rei ostrogodo Teodorico, em Ravena.


Os aspectos góticos do governo de Teodorico não eram apenas culturais, mas também políticos. Embora houvesse grande ênfase na preservação da harmonia religiosa e cultural, havia uma separação clara entre os ostrogodos arianos e os romanos católicos, sugerindo uma separação potencial devido à identidade. O casamento misto, por exemplo, foi proibido sob o governo de Teodorico.

Essa separação também é evidente quando se analisa a estrutura social sob Teodorico. Ambos os povos viviam separados sob suas próprias leis e costumes e havia uma clara divisão de trabalho em que os romanos dirigiam a administração, enquanto os godos estavam no comando do exército. Quase todas as funções militares foram oferecidas exclusivamente aos godos. Outros cargos dentro da igreja e da administração também foram oferecidos aos godos, como Gudila e Bedculphas, que foram apresentados como "supervisores" godos nos Sínodos Romanos. Os cronistas da época afirmam que Teodorico distribuiu um terço das terras ao seu povo. Embora muitos contestem essa afirmação, poucos negam o fato de que os godos devem ter colhido benefícios significativos sob Teodorico, em comparação com seus homólogos romanos.

Perto do final de seu reinado e apesar de ter governado com sucesso uma população multiétnica e religiosamente diversa por três décadas, a harmonia estabelecida por Teodorico começou a entrar em colapso. Com a resolução do cisma, o Papa e o Império Bizantino começaram a perseguir os arianos em todo o Império.

A proibição do arianismo por Justiniano I levou a mudanças significativas nos últimos anos do governo de Teodorico. Teodorico se voltou contra muitos romanos em sua administração, como Boécio, que foi condenado por traição e executado em 425. As tensões aumentaram à medida que Teodorico se tornava cada vez mais paranóico com a ameaça imperial. Acredita-se que Teodorico iniciou uma campanha contra os católicos romanos publicando um édito ordenando a expulsão de todos os católicos de suas igrejas. No entanto, esses planos nunca foram concretizados devido à sua morte em 526.

Representação do imperador Justiniano em mosaico na Basilica de San Vitale, em Ravena.

Teodorico: germânico ou romano?

Os historiadores discordam sobre se essa reação tardia foi uma simples reação à perseguição ariana ou uma genuína "recaída" na barbárie. A reação de Teodorico sugere que a tolerância religiosa e cultural sob seu governo era principalmente política, em vez de cultural.

Ao analisar os fatos, torna-se claro que os elementos góticos e romanos foram proeminentes sob o reinado de Teodorico. A chave para entender a natureza de seu governo é analisar suas intenções a fim de determinar quais decisões foram puramente políticas e quais culturais.

Sob muitos aspectos, Teodorico foi um governante de muito sucesso; nenhum governante havia administrado a Itália com eficiência comparável desde o início do século 5. Teodorico era sábio e bem-educado e, na época de seu reinado, já havia experimentado seu quinhão de poder político.

Embora alguns acreditem que os aspectos romanos do governo de Teodorico sugerem que ele seja um governante romano, parece mais plausível que ele adotou métodos, cultura e infraestrutura romanos por causa de sua utilidade em seu reino. A razão pela qual Teodorico escolheu manter pessoas como Cassiodoro e Boécio em sua administração é que ele sabia que eles eram eficientes e até necessários para o sucesso do governo de seu reino.

Em vez de focar na cultura, identidade e nepotismo, Teodorico nomeou indivíduos para cargos com base na meritocracia. Um exemplo é o do Bispo Severus, que foi encarregado das estimativas financeiras porque havia demonstrado sua capacidade de lidar com as finanças no passado. Isso explicaria por que os romanos receberam a maioria dos postos administrativos, enquanto os godos receberam principalmente posições militares: as posições eram concedidas de acordo com a capacidade.

Nas paredes do interior da basílica de St. Apollinaire há uma representação daquilo que se acredita ser o palácio de Teodorico em Ravena.

Da mesma forma, os godos preservaram a arte, a filosofia, o sistema de estradas, os banhos e os aquedutos romanos porque eram o melhor que o mundo tinha a oferecer; não havia razão para mudá-los. Isso sugeriria que a insistência de Teodorico na continuidade romana era pragmática e baseada no desejo de reviver o antigo Império sob a nova liderança gótica.

Teodorico tomou decisões de acordo com o que ele acreditava que favoreceria seu reino. Essa linha de pensamento explica por que ele decidiu permanecer leal ao Império do Oriente: essa aliança era muito benéfica para o desenvolvimento da Itália ostrogótica.

Da mesma forma, a tolerância de Teodorico para com várias culturas e religiões pode estar profundamente enraizada em seu desejo de governar com sucesso. A adoção de elementos romanos em seu reinado promoveu seu governo politicamente, criando uma sociedade tolerante que permitia a harmonia social e religiosa.

A fachada do palácio de Teodorico em Ravena. Partes do prédio ainda estão em pé.

Católicos, cristãos ortodoxos e judeus foram todos tolerados e tratados com igualdade aos olhos da lei. Teodorico usou a crença ideológica para justificar sua reivindicação ao trono e adaptou muito de seu governo à natureza cosmopolita de sua sociedade. O grau de liberalismo religioso sob Teodorico, o Grande, era inédito na época. Teodorico foi citado como tendo dito: “Não podemos comandar a religião de nossos súditos, já que ninguém pode ser forçado a acreditar contra sua vontade”. A ordem religiosa permitiu a tranquilidade social e um governo eficiente. Portanto, é provável que a tolerância de Teodorico fosse mais política do que pessoal, especialmente dada a época de seu governo.

A reação de Teodorico no final de seu reinado apoiaria a ideia de que sua tolerância religiosa era política. Quando os esforços para preservar a harmonia entre os povos de seu reino começaram a falhar, ele reagiu muito duramente e reprimiu aqueles que ele acreditava que ameaçavam seu sistema.

Alguns podem argumentar que Teodorico não era bárbaro, nem romano, e que ele próprio não tinha uma identidade definida, o que explicaria sua tolerância com outras culturas e religiões. Nascido um gótico ariano, ele cresceu na corte de Constantinopla, onde aprendeu e adotou grande parte da cultura romana. Muitos godos da época teriam se identificado com a cultura romana até certo ponto, e isso é demonstrado por sua disposição de coexistir com os romanos sob Teodorico.

Teodorico tinha o desejo de reviver o Império Romano sob o domínio gótico e foi capaz de incorporar "o melhor dos dois mundos" em seu reinado. Sua formação o qualificou para criar um sistema no qual elementos góticos e romanos pudessem florescer e onde a eficácia política tivesse precedência sobre o favoritismo étnico. Portanto, parece justo dizer que Teodorico não era nem um governante romano nem bárbaro, mas uma nova espécie de governante.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Idade Média

Carlos Magno - Uma análise de três fontes primárias

As pragas na antiguidade - A praga Justiniana e suas consequências

Armas e armaduras - Equívocos comuns

Fontes bibiliográficas:

Burns, T.S. (1980)The Ostrogoths: Kingship and Society, Wiesbaden: F. Steiner
Burns, T.S. (1984)A History of the Ostrogoths, Bloomington: Indiana University Press
Hen, Y. (2007) Roman Barbarians: The Royal Court and Culture in the Early Medieval West,New York: Palgrave Macmillan
Jordanes (1915) The Origin and Deeds of the Goths, Translated by Charles C. Mierow
König, I. (1997) Aus der Zeit Theoderichs des Grossen: Einleitung, Text, Übersetzung und Kommentar Einer Anonymen, Darmstadt: Wissenschaftliche Buchgesellschaft
Lafferty, S.D.W. (2013) Law and Society in the Age of Theoderic the Great: A Study of the Edictum Theoderici, Cambridge: Cambridge University Press
Moorhead, J. (1983) ‘The Last Years of Theoderic’ Historia: Zeitschrift für Alte Geschichte, Vol. 32, No 1, pp. 106-120, Stuttgart: Franz Steiner Verlag
Moorhead, J. (1992) Theodoric in Italy, Oxford: Clarendon Press
Sinnigen, W.G. (1965) ‘Administrative Shifts of Competence Under Theoderic’ Traditio,Vol. 21, pp. 456-467, New York: Fordham University

Artigo publicado em 20/09/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.