Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Achados arqueológicos mais famosos: Acádia

Artigos > Mesopotâmia  |  1,7 mil visualizações  |  1980 palavras

Capa do artigo: Achados arqueológicos mais famosos: Acádia

Alguns dos achados arqueológicos que serão citados no artigo (da esquerda para a direita): Cabeça de cobre, Disco de Enheduana, Estela da vitória de Sargão I, Estela da vitória de Naram-sin. Para mais informações leia o texto.

Continuamos essa série sobre os achados arqueológicos mais famosos da Mesopotâmia tratando do breve período de dominação da Acádia (cerca de 2334-2154 a.C.).

Nos dois últimos objetos, decidi apenas fazer a tradução dos excelentes textos que estão nas páginas do Museu do Louvre.

Cabeça de cobre

Data aproximada: 2250-2200 a.C. | Tamanho 30 cm.

Cabeça de cobre de rei acádio que usa uma peruca cerimonial unida por três anéis na parte de trás da cabeça. A barba é cuidadosamente penteada. Imagina-se que ela tenha sido parte de uma estátua completa em tamanho natural. E é provável que represente Sargão I, o grande líder da história da Mesopotâmia.

A cabeça foi encontrada em Nínive durante as escavações realizadas em 1931 por Reginald Thompson e Max Mallowan. Ela possui marcas de violência, principalmente nos olhos. Muitos estudiosos imaginam que os olhos deveriam ser feito de algum material mais valioso, talvez lápis-lazúli. 

Apesar do vandalismo, a cabeça restante é uma declaração poderosa da majestosa serenidade, dignidade e autoridade do rei. Os acádios foram os primeiros a introduzir o conceito de monarquia absoluta e o uso de estátuas como essa só aumentaria sua legitimidade real. O naturalismo equilibrado e a padronização abstrata são notáveis e magistrais, assim como o fato de que esta é uma das primeiras estátuas de metal vazadas oco em tamanho real.


Disco de Enheduana

Data aproximada: 2350-2300 a.C.

Este disco de calcita branca em forma de queijo foi encontrado em fragmentos no templo da consorte de Nanna, Nin-gal em Ur. É possível que o seu formato visasse representar a lua cheia, já que Nanna era o deus da Lua. O disco foi encontrado quebrado, mas foi restaurado.

Tem um friso com quatro figuras se aproximando de uma pirâmide de degraus (provavelmente um zigurate), tendo oferendas para Nanna. A segunda figura da esquerda é Enheduanna usando o capacete de uma sacerdotisa. Ela é mais alta que o resto das figuras, mostrando sua importância hierárquica, e ela está levantando a mão direita em um gesto de saudação e respeito por Nanna.

A parte de trás do disco traz uma inscrição, uma dedicação de Enheduanna ao deus da lua, que a identifica como Enheduanna,  “esposa de Nanna” e “filha de Sargão, rei do mundo”. É isso que torna o objeto tão importante - podemos identificar a pessoa que o dedicou e sua posição como alta sacerdotisa.

Nós também podemos combinar o nome dela com outras ocorrências. Selos de cilindros ou impressões de selos de seu mordomo e seu escriba foram encontrados em Ur, por exemplo, ambos mencionando o nome dela.

Também temos seus escritos, uma coleção de hinos do templo que foram transmitidos continuamente, e em uma versão da antiga Babilônia, temos esta nota: “o editor da tabuinha é Enheduanna; meu senhor, o que foi criado, que ninguém criou. A palavra “editor ” é um pouco frouxa aqui; Não está claro se ela apenas os reuniu em um só lugar, mas há uma forte indicação de que ela os tenha escrito ou reescrito também. Esta afirmação foi frequentemente tomada para colocá-la como a primeira autora identificável da história; alguém que compôs, compilou e levou crédito por seus escritos.

O tamanho do disco é de 25 cm de diâmetro por 7 cm de profundidade. Em exibição no Museu Penn. N° B16665


Estela da vitória de Sargão I

Data aproximada: 2300 a.C.

Este fragmento vem de uma estela celebrando uma vitória real. Os diferentes episódios da batalha foram retratados nestes monumentos, característicos da arte oficial no período acadiano. Neste, um guerreiro da Acádia, com arma em seu ombro, empurra inimigos presos durante a batalha. A modelagem escultural dos corpos nus é uma clara evidência da nova busca artística por um maior grau de naturalismo, que é a marca da arte deste período.

Sargão inaugurou uma nova forma de arte oficial em que as vitórias reais eram o tema predominante, ilustrado em séries de estelas feitas nas oficinas reais. Esses monumentos, grandes blocos de pedra levemente em forma de pirâmide, foram colocados nos templos das principais cidades do império. Nenhuma chegou até nós intacta, mas o Museu do Louvre tem vários fragmentos encontrados em Susa, no Irã, onde foram trazidos como espólio de guerra no século 12 aC.

Neste fragmento representando uma linha de inimigos capturados em batalha, apenas dois prisioneiros são visíveis. Nus e despojados de suas armas, suas mãos estão amarradas atrás das costas. Seus cabelos puxados para trás em um tufo no topo de suas cabeças indicam sua origem estrangeira.

O guerreiro da Acádia, usando uma tanga na altura do joelho, empurra os prisioneiros na frente dele. Seu peito é protegido por um lenço largo e cruzado, provavelmente cortado em um tecido grosso, que serviu como um peitoral. Armas parecidas com a que foi carregada em seu ombro, uma lâmina curva fixada em uma maçaneta, foram encontradas nas sepulturas reais de Ur. O nível superior, muito mal conservado, retrata a batalha: as pernas de uma figura atingida por uma lança e colapsando para trás são visíveis.

Os elementos pictóricos das cenas e seu arranjo em camadas superpostas seguem as convenções estilísticas do período anterior, mas a elegância do desenho, a modelagem vigorosa e, acima de tudo, a beleza escultórica dos corpos nus, refletem uma preocupação com o realismo que era característica da arte do período acadiano. A qualidade do relevo obtido nesta pedra vulcânica muito dura reflete o virtuosismo técnico dos artistas que trabalham nas oficinas reais. Estas pedras foram importadas de grandes distâncias, o que aumentou o prestígio e valor dos monumentos.

Fonte: Demange Françoise, do Museu do Louvre.

Tamanho: 46 cm de altura, 35 cm de largura e 18 cm de profundidade. Museu do Louvre, Paris. N° Sb 3


Estela da vitória de Naram-Sin

Data aproximada: 2254-2218 a.C.

Uma obra importante que ilustra a arte imperial da dinastia acadiana, esta estela da vitória celebra o triunfo do rei Naram-Sin sobre um povo da montanha, o Lullubi. O rei acadiano conduziu suas tropas pelas encostas íngremes do território inimigo, esmagando impiedosamente toda a resistência. A marcha da vitória do conquistador é acompanhada da ascensão pessoal de um soberano que agora poderia reivindicar estar em pé de igualdade com os deuses.

Esta grande estela de vitória de excepcional qualidade, esculpida em calcário rosa, foi encontrada não na Mesopotâmia, mas no sítio iraniano de Susa. Ela foi levado para lá no século 12 a.C. pelo rei elamita Shutruk-Nahhunte, juntamente com considerável pilhagem coletada durante sua campanha vitoriosa na Babilônia. Juntamente com a inscrição existente no primitivo cuneiforme, o rei acrescentou outro dedicado à sua própria glória e no qual ele declara que a estela foi levada após a pilhagem da cidade de Sipar.

O texto original escrito em acadiano nos diz que esta estela foi feita para celebrar a vitória de Naram-Sin, rei de Acádia, sobre os Lullubi, um povo montanhês da região central de Zagros. Naram-Sin era neto de Sargão, o fundador do império acadiano e o primeiro a unificar toda a Mesopotâmia no final do século 24 a.C.

Naram-Sin reinou após seu tio Rimush e seu pai Manishtusu, fazendo dele o quarto soberano da dinastia. A lista do rei sumério declara que ele reinou por trinta e seis anos, entre 2254 e 2218 a.C. Embora nenhum documento contemporâneo confirme um reinado tão longo, o império acadiano parece ter alcançado seu auge durante esse período.

O brilhantismo do reinado de Naram-Sin se reflete na execução desta estela, que comemorou sua vitória sobre Satuni, rei dos Lullubi. Pela primeira vez, o escultor rejeitou a divisão tradicional das esculturas em registros em camadas, optando por uma composição unificada e dinâmica construída em torno da figura glorificada do soberano.

O exército acadiano está subindo as encostas íngremes das Montanhas Zagros, lar dos Lullubi. Esta marcha ascendente varre toda a resistência. À direita de uma linha de árvores agarradas à encosta da montanha, os inimigos derrotados são retratados em uma postura de submissão. Aqueles que foram mortos são pisoteados pelos soldados acadianos ou caem no precipício. Essas pessoas da montanha estão vestidas com uma túnica de couro e usam seus longos cabelos amarrados para trás.

A composição é dominada pela figura elevada do rei, a quem todos os olhos - os dos soldados acadianos e de seus inimigos de Lullubi - são transformados. O soberano triunfante, mostrado mais alto que os outros homens da maneira tradicional, lidera seu exército no ataque à montanha. Ele é seguido por porta-estandartes que marcham diante de soldados com capacetes carregando arcos e machados.

Naram-Sin atropela os corpos de seus inimigos, enquanto um Lullubi ajoelhado tenta arrancar a flecha perfurando sua garganta. Outro leva as mãos à boca, implorando ao rei acadiano por misericórdia. Mas o olhar do conquistador é direcionado para o topo da montanha. Acima de Naram-Sin, os discos solares parecem irradiar sua proteção divina para ele, enquanto ele se eleva para encontrá-los. O soberano acádio usa um capacete cônico com chifres - um símbolo tradicionalmente o privilégio dos deuses - e está armado com um grande arco e um machado.

Esta ascensão vitoriosa esculpida em pedra celebra assim um soberano que se considera em pé de igualdade com os deuses. Nas inscrições oficiais, o nome de Naram-Sin foi, portanto, precedido por um determinante divino. Ele ampliou as fronteiras do império mais do que nunca, de Ebla, na Síria, a Susa, em Elam, e liderou seu exército "onde nenhum outro rei havia estado antes dele". Ele agora aparece como um monarca universal, proclamado por seu título oficial de "Rei das Quatro Regiões" - ou seja, do mundo inteiro.

Fonte: Pouysségur Patrick, do Museu do Louvre

A estela da vitória de Naram-Sin. Tamanho: 2 metros de altura. Museu do Louvre. N° Sb 4

No próximo artigo veremos os principais achados arqueológicos da Babilônia na antiguidade.

Continue lendo essa série:
Achados arqueológicos mais famosos: Babilônia

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Mesopotâmia

A língua Suméria

Capitais Assírias - Dur-Sharrukin (Khorsabad)

Conheça os principais zigurates da Antiga Mesopotâmia

Fontes bibiliográficas:

KRIWACZEK, Paul. Babilônia - A Mesopotâmia e o nascimento da civilização. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.
LEICK, Gwendolyn. Mesopotâmia - A Invenção da Cidade. Rio de Janeiro: Imago, 2003.
ROAF, Michael. Grandes Civilizações do Passado: Mesopotâmia. Barcelona: Folio, 2006

Sites acessados:

Annenberg Learner. Royal portrait head. Acesso em 26 set. 2018.
Louvre Museum. Fragment of a victory stele. Acesso em 26 set. 2018.
Louvre Museum. Victory Stele of Naram-Sin. Acesso em 26 set. 2018.
Penn Museum. Calcite disc of Enheduanna. Acesso em 26 set. 2018.
Penn Museum. Ur Digitization Project: Item of the Month, June 2012. Acesso em 26 set. 2018.
Wikimedia Commons. Sargon of Akkad. Acesso em 26 set. 2018.

Artigo publicado em 26/09/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Escrito por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.