Artigos

Artigos originais e traduções de bons textos que encontramos na internet. A confiabilidade dos conteúdos oferecidos é nossa maior preocupação, por isso buscamos postar apenas textos com bibliografias e/ou que venham de fontes confiáveis.

Selos cilíndricos na Antiga Mesopotâmia - Estilos, usos e significados

Artigos > Mesopotâmia  |  1,7 mil visualizações  |  1598 palavras

Salvar nos favoritos
Capa do artigo: Selos cilíndricos na Antiga Mesopotâmia - Estilos, usos e significados

Selo cilíndrico da Era Cassita com sete linhas de inscrições em cuneiforme, ao lado de um deus.
Tamanho: 3,6 x 1,5 cm. Museu Britânico. N° 130697

Estilos

Existem dois estilos de selos cilíndricos: o estilo Uruk e o estilo Jemdet Nasr. Eles se referem aos temas usados e ao modo como os selos foram esculpidos. Os autores Megan Lewis e Marian Feldman comentam sobre os selos do estilo Uruk, escrevendo:

Os selos do estilo de Uruk mostram animais e figuras retratados de uma maneira excepcionalmente naturalista, sugerindo que os escultores de selos estavam buscando clareza expressiva. Os temas incluem narrativas rituais envolvendo templos, barcos e oferendas a deuses, bem como representações do mundo natural em arranjos hierárquicos. Eles são habilmente lapidados e detalhados, e sua composição tende a ser equilibrada e esteticamente agradável. (LEWIS e FELDMAN, p.4, tradução nossa).

Sobre os selos do estilo Jemdet Nasr, os autores comentam:

Os selos estilo Jemdet Nasr são menos detalhados que os selos estilo Uruk e são caracterizados pelo uso pesado de brocas e discos de corte, que produzem marcas redondas e lineares, respectivamente. Motivos comuns do estilo Jemdet Nasr incluem mulheres com tranças envolvidas em trabalhos domésticos e rebanhos de animais em frente aos templos. (LEWIS e FELDMAN, p.4, tradução nossa).

Eles também observam que o estilo Jemdet Nasr não está necessariamente associado, nem restrito, ao Período Jemdet Nasr de 3100-2900 a.C. e "pode ser encontrado também em contextos do período de Uruk tardio".

Selo cilíndrico no estilo Jemdet Nasr. Perceba como os desenhos seguem padrões simples e pouco personalizados. Museu do Instituto Oriental de Chicago. Via Wikimedia Commons.

Lewis e Feldman citam o estudioso e arqueólogo Hans Nissen sobre as diferenças entre os dois estilos e seu significado. Nissen afirma que os estilos têm duas funções distintas. Lewis e Feldman escrevem:

Os selos ao estilo de Uruk eram propriedade de, e costumavam identificar, indivíduos, tornando necessário que cada selo fosse visualmente distinto (Nissen 1977: 19). Eles eram usados para autorizar transações e controlar o movimento e o armazenamento de mercadorias (Nissen 1977: 20). Como eles eram mais complexos e, portanto, demorados para produzir, Nissen argumenta que eles eram propriedade de membros da elite da sociedade que estavam no topo da hierarquia administrativa (Nissen 1977: 20).
Em contraste, ele sugere que os selos Jemdet Nasr foram usados para identificar uma "pessoa legal", como uma instituição, e não um indivíduo privado (Nissen 1977: 19). Nesse caso, era menos crucial que diferentes selos se distinguissem, o que permitia o uso de motivos repetitivos (LEWIS e FELDMAN, p.6, tradução nossa).

Usos dos selos de cilindro

Como observado acima, os selos eram usados por pessoas em todos os estratos da sociedade mesopotâmica da classe dominante, passando pelo comerciante e até pelo escravo. Lewis e Feldman identificam os quatro usos dos selos cilíndricos:

1. Autenticar ou legitimar uma transação (de maneira semelhante à assinatura moderna)
2. Prevenir / restringir o acesso a recipientes, quartos ou casas
3. Servir de amuleto
4. Sinal de identidade pessoal ou afiliação profissional

Os usos dos selos eram tanto práticos quanto espirituais. A lista de Lewis e Feldman mostrada acima, aborda o uso prático de assinar o nome da pessoa, restringindo o acesso somente àqueles autorizados a quebrar o selo, e como um meio de identificação pessoal, ou um tipo de crachá de autoridade ou ocupação especializada.

O terceiro uso listado, "amulético", refere-se à crença mesopotâmica no selo como um amuleto, uma espécie de encanto, que poderia afastar os maus espíritos e proteger alguém do perigo. O selo também podia funcionar bem para trazer sorte e prosperidade. Um selo pode ter sido gravado com uma certa cena de uma história ou lenda sobre os deuses ou talvez com uma imagem de um demônio, que significaria "espírito poderoso" e não tinha a conotação negativa universal que tem hoje.

Selo de estampa mostrando o demônio Pazuzu, e sua impressão. Tamanho: 1,9 cm. Museu Britânico. N° 115521

O demônio Pazuzu, por exemplo, era uma criatura de aparência assustadora, mas protegia as mulheres grávidas e seus bebês por nascer se eles estivessem usando um amuleto com o rosto dele esculpido. Embora a maioria das pessoas que ouviram falar de Pazuzu o associem com o mal, devido ao filme O Exorcista (1973), ele era um guardião dos seres humanos, chegando mesmo a extrair os piores odores das cidades para áreas estéreis para que se dissipasse.

Significado dos selos de cilindro

Qualquer que seja o uso para o qual o selo foi colocado, era uma posse preciosa e sua perda foi levada tão a sério quanto hoje se veria a perda de seus cartões de crédito. Bertman escreve como, depois de descobrir que alguém perdeu o selo, "o antigo proprietário registraria a data e a hora da perda com um funcionário para garantir que as transações feitas após a perda seriam inválidas" (235).

Como observado acima, alguns selos retratavam a ocupação de uma pessoa, mas outros eram mais íntimos e revelavam a identidade pessoal, até mesmo o nome da pessoa. Não é de admirar, portanto, que as pessoas estivessem tão preocupadas com a perda de seu selo. A identidade pessoal era deixada clara pela imagem gravada no selo ou por símbolos em torno de uma imagem.

Selo no estilo Uruk, note a precisão dos detalhes. Em cima da figura humana e animal são claramente notados sinais de identificação. Período Acádio. Cerca de 2250–2150 a.C. 2,8 cm de altura. MET. N° 41.160.192.

Por exemplo, se alguém fosse um tecelão, a ocupação de uma pessoa seria simbolizada por uma aranha (que tece uma teia) e símbolos ao redor da imagem da aranha dariam o nome do indivíduo. No caso de tais selos, então, a perda teria sido tão séria na antiga Mesopotâmia quanto a perda de sua identificação pessoal é hoje, e a ameaça de "roubo de identidade" tão grande quanto é agora.

O uso dos selos como identificação pessoal é um dos aspectos mais fascinantes sobre eles para os arqueólogos e estudiosos nos dias atuais. A Dra. Senta Green, escrevendo sobre a relevância que os selos têm para os estudos modernos, observa como os historiadores estão interessados ​​nesses artefatos porque "as imagens gravadas em selos refletem com precisão os estilos artísticos permeáveis ​​do dia e a região específica de seu uso.

Em outras palavras, cada selo é uma pequena cápsula do tempo dos tipos de temas e estilos que eram populares durante a vida do proprietário "(2). Ela também observa, no entanto, que a identidade do proprietário é de igual interesse, pois um historiador moderno tem a chance de conhecer alguém "em pessoa" que viveu há mais de 2.000 anos.

Esse selo do século 17-16 a.C. é feito em Ágata e tem 2,84 cm. O selo tem a seguinte assinatura em cuneiforme acadiano: 'Parga, filho Ageya, servo de [o deus] Sin' MET. N° 47.115.1.

Em relação à iconografia dos selos, escreve Green, "cada personagem, gesto e elemento decorativo pode ser" lido "e refletido de volta no dono do selo, revelando sua posição social e até algumas vezes o nome do dono. A mesma iconografia encontrada em selos pode ser encontrada em estelas esculpidas, placas de terracota, relevos de parede e pinturas, e seu compêndio mais completo existe sobre os milhares de selos que sobreviveram desde a antiguidade "(2-3). Lewis e Feldman observam que o significado das imagens dos selos está relacionado a três áreas:

1. Famílias específicas, departamento administrativo ou eventos específicos relacionados à administração.
2. Diferentes estágios da hierarquia administrativa, o objeto ou pessoas envolvidas na transação.
3. O proprietário ou usuário do selo, ou detalhes da transação - a mercadoria em questão, sua fonte ou destino, ou um evento específico relacionado ao seu uso.

Mesmo após a invenção da escrita cuneiforme (cerca de 3200 a.C) os selos continuaram em uso popular. Documentos jurídicos da Mesopotâmia traduzidos pelo estudioso Theophile J. Meek sempre observam como, após os detalhes do caso ou transação serem registrados por escrito na tabuinha de argila, os nomes das pessoas envolvidas são assinados "cada um precedido por" O selo de .. '"(Pritchard, 167-172).

Selo cilíndrico no estilo Uruk. Período Acádio. Cerca de 2254-2193 a.C. O selo foi dedicado a um deus menor, Ninishkun, que é mostrado intercedendo em nome de seu dono, junto a grande deusa Ishtar. Ela coloca seu pé sobre um leão, que é segurado com uma coleira. A espada na sua mão esquerda e as armas aparecendo sobre as suas costas mostram o caráter militar da deusa. Tamanho: 4,2 x 2,5 cm. Museu do Instituto Oriental de Chicago. N° OIM A27903

O selo cilíndrico, logo, permaneceu tão significativo para seu dono depois do advento da escrita como era antes. Os símbolos que uma vez indicaram o nome do proprietário foram então substituídos pela escrita cuneiforme e, como escreve Bertman, "dados adicionais podiam incluir o nome do pai do dono, o título e / ou ocupação do proprietário e o soberano ou deus que ele serviu". (235). Assim, embora o estilo e os detalhes dos selos tenham mudado após a invenção da escrita, o significado dos selos não mudou. Bertman oferece uma explicação interessante para isso:

Os antigos eram íntimos de algo que passou cada vez mais a caracterizar as nossas vidas hoje: a impermanência. Em uma terra onde uma enchente furiosa poderia lavar uma cidade inteira, a antiga mesopotâmia entendia que poucas coisas - incluindo a própria vida - eram garantidas e seguras. Gilgamesh, lembramo-nos, segurou o frágil segredo da vida eterna em suas mãos apenas para vê-lo ser arrebatado. Para o povo da Mesopotâmia, então, o selo cilíndrico de pedra era o último símbolo de permanência em um mundo impermanente. Talvez seja por isso que ocupou uma posição tão importante em suas vidas e foi usado como um distintivo de honra (BERTMAN, p.235, tradução nossa).

Selos cilíndricos nos dias de hoje continuam a intrigar e fascinar acadêmicos, historiadores e qualquer um que pare para passar tempo com eles nas exposições em muitos museus ao redor do mundo. Os selos de cilindro possuem tal fascínio porque são um vislumbre do passado, não apenas de uma civilização, mas de um indivíduo que viveu, trabalhou, se preocupou e curtiu a vida da mesma maneira que as pessoas hoje.

Tradução de texto escrito por Joshua J. Mark
Dezembro de 2015

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Mesopotâmia

O Código de Hamurabi - A sociedade na Babilônia

[Vídeo] Excelentes vídeos do canal SmartHistory sobre a Mesopotâmia (legendados)

Quais eram os idiomas da Mesopotâmia?

Fontes bibiliográficas:

Encyclopedia Iranica: Bullae
Anna Glenn: Pigtailed Women, Johns Hopkins Archaeological Museum
USC. Cylinder Seals and the West Semitic Research
Khan Academy. Dr. Senta Green: Sign with a Cylinder Seal
Megan Lewis and Marian Feldman: Cylinder Seals and the Development of Writing in Early Mesopotamia
Mesopotamia
by Joshua J. Mark
Bertman, S. Handbook to Life in Ancient Mesopotamia. Oxford University Press, 2005.
Engelhardt, J. Agency in Ancient Writing. University Press of Colorado, 2012.
Leick, G. The A to Z of Mesopotamia. Scarecrow Press, 2010.
Pritchard, J. B. The Ancient Near East, Volume I. Princeton University Press, 1958.

Artigo publicado em 15/10/2018.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 34 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL