O Ensino de História e a Criação do Fato

Livros > Outros temas de História  |  240 visualizações

Capa do livro O Ensino de História e a Criação do Fato, de Jaime Pinsky (org.)
Autor: Jaime Pinsky (org.)
Páginas: 111
Editora: Contexto
Ano da edição: 1994
Idioma: Português
Skoob: Acessar

Sinopse:

Discute as formas de os historiadores "criarem" o fato histórico, de os livros didáticos reproduzirem essas "verdades" e de muitos professores apresentarem-nas como definitivas. Embora com posições teóricas diferentes, os autores (professores universitários e de ensino médio) colocam-se numa postura antipositivista e ressaltam a importância da historicidade e até do subjetivismo como ingredientes da interpretação do passado. Obra de extrema relevância para a reflexão sobre a pesquisa e o ensino de História no Brasil.

Livro da Coleção Repensando o Ensino.


Imagens

Análise do livro

Os autores do livro (da esquerda para a direita): Jaime Pinsky, Paulo Miceli, Circe M.F. Bittencourt, Nicholas Davies e  Maria C. B. Galzerani. Infelizmente, não encontramos nenhuma foto da autora Elza Nadai.

PINSKY, Jaime (org.). O Ensino de História e a Criação do Fato. São Paulo: Contexto, 1994.

Acima você confere a foto dos autores do livro, todos são professores de História com formação diversa. Jaime Pinsky e Paulo Miceli são os mais famosos, já tendo muitas obras publicadas sobre temas diversos da História.

A presente obra foi lançada originalmente em 1988, e essa versão que irei analisar é a 6° edição, publicada em 1994 pela editora Contexto. É importante ter isso em mente, porque várias temas do livro já ficaram bastante ultrapassados, especialmente àqueles que fazem críticas aos livros didáticos.

Para os professores, ou futuros professores, de História é importante destacar: Esse livro não visa ajudá-lo a dar aulas, não há dicas do que ou de como fazer. Mas ele pode ajudar os professores a não cometer certos erros, e a serem mais críticos com relação aos livros didáticos, aos temas que devem ser ensinados e com relação a própria capacidade dos alunos.

Essa é uma obra com uma abordagem materialista histórica. Ou seja, marxista. Os autores utilizam termos como ideologia, alienação, classes sociais, elites, burguesia, classes dominantes e classes populares.

A seguir farei alguns comentários sobre cada um dos sete capítulos:

Nação e Ensino de História no Brasil

Jaime Pinsky discorre sobre a invenção da ideia de nação no Brasil. Citando Pero Vaz de Caminha, Hans Staden e outros estrangeiros e focando, principalmente, no trabalho do historiador Francisco Adolfo Varnhagen, autor de História Geral do Brasil (1854).

Também discute as dificuldades ligadas a meta de criação da nação, com destaque para a questão do negro e do índio. Nessa área se destacou o trabalho de Gilberto Freyre, que criou a ideia da escravidão do bem, e de uma nação de iguais.

Os livros didáticos ainda seguem essa ideia, ignorando o preconceito racional e os conflitos com indígenas, que foram corriqueiros, principalmente, durante o período colonial. Embora, não nos esqueçamos, continuem acontecendo até hoje. O autor finaliza comentando a distância entre o Brasil real e o Brasil imaginado por ideólogos da nação brasileira.

O Ensino de História e a "Pedagogia do Cidadão"

Elza Nadai comenta as ideias que estimularam o surgimento da História como disciplina escolar autônoma. E os problemas que esses ideiais trouxeram para a modernização dessa área, que tem muita dificuldade de superar antigos paradigmas e se adaptar à uma escola contemporânea, que faça sentido para todas as classes sociais.

Por outras Histórias do Brasil

As distorções dos livros didáticos e o sentido do Fazer História são temas do artigo de Paulo Miceli. O autor também critica os professores e sua dificuldade de adaptação às novas ideias da área. E finaliza falando sobre a necessidade de uma escola mais engajada, em que a História ajude a contestar o mundo real, e o professor seja mais corajoso para enfrentar as regras.

Algumas partes desse artigo são um pouco confusas, e o autor não parece ter muito claro quais são os argumentos que quer defender.

As "Tradições Nacionais" e o Ritual das Festas Cívicas

Nesse artigo de Circe Bittencourt, é demascarado o papel da História como legitimadora dos ideiais nacionais. A autora conta a história da ideia de atividade cívica como forma de pregar o patriotismo, e o papel de pessoas como Olavo Bilac e Coelho Netto, além de movimentos como o Escotismo.

O foco nos grandes personagens, como José Bonifácio, Duque de Caxias e Tiradentes é desnudado como uma tentativa de criar "Pais Fundadores" do Brasil, seguindo o modelo nacionalista norte-americano. A glorificação de batalhas, e a exaltação dos bandeiras e sua ligação com o desenvolvimento paulista são mostrados como tentativas de se criar uma mitologia nacional.

Repensando a Noção de Tempo História no Ensino

Uma crítica geral aos professores que, segundos as autoras, seriam resistentes à mudanças. Nadai e Bittencourt também apresentam os resultados de uma pesquisa realizada com alunos do ensino fundamental (1º Grau na época), que visava medir a capacidade desses alunos entenderem a noção de tempo histórico.

A pesquisa foi feita em 1986 com a apresentação de duas imagens, seguidas por um questionário de duas páginas com perguntas objetivas sobre o entendimento dos alunos. A conclusão da pesquisa, segundo as autoras, é a reafirmação da possibilidade do ensino de História nas séries inicias do Ensino Fundamental; já que os alunos teriam demonstrado um bom entendimento da noção de tempo passado.

As camadas populares nos livros de História do Brasil

Maria Galzerani fala como o estudo, não só da resistência, mas também da apatia do povo diante das mudanças, é importante para que os alunos se vejam como parte integrante da História. No entanto, as forças populares não devem ser superestimadas e deve se fugir da idealização de líder populares. Assim se busca entender a participação popular no passado de forma mais crítica.

A autora mostra os resultados de uma pesquisa realizada com a utilização de oito livros didáticos (da década de 1980), mais a obra Formação do Brasil Contemporâneo, de Caio Prado Jr. E utilizando esses livros analisa os erros e acertos cometidos nas discussões sobre quatro temas que fazem parte da História do Brasil: o Eurocentrismo e o Etnocentrismo, a Escravidão, o Povoamento, e a Cafeicultura. E destaca que apenas com a consciência do papel de todos no passado, será possível superar a sociedades de classes.

Belas mentiras? A ideologia nos estudos sobre o livro didático

Nesse breve artigo de Maria Galzerani, a autora faz uma crítica rasa da visão marxista da História. Segundo ela, essa abordagem foi a mais utilizada na produção de livros didáticos na década de 70 e 80 no Brasil.

Ela dedica um bom tempo a censurar as conclusões apresentada em outra obra, em que são feitas críticas ao livros didáticos utilizados nas séries iniciais, em que a História é apresentada como uma disciplina com a função de mascarar o mundo real para as crianças, de acordo com os interesses da classe hegemônica.

Ao mesmo tempo que defende a análise do materialismo histórico, Galzerani critica a visão maniqueísta de alguns estudiosos que utilizam essa abordagem.

Resenha publicada em 12/10/2018.

Jaime Pinsky (o organizador da obra)

Historiador e editor. Completou sua pós-graduação na USP, onde também obteve os títulos de doutor e livre-docente. Foi professor na atual Unesp, na própria USP e na Unicamp. Escreve regularmente no Correio Braziliense e, eventualmente, em outros jornais e revistas do país. Tem mais de duas dezenas de livros publicados (autoria, coautoria, e/ou organização).

Historiador(a)
Foto do membro da equipe: Moacir Führ

Escrita por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Mais livros sobre História em sala de aula

Selva Guimarães Fonseca

Didática e Prática de Ensino de História

Selva Guimarães Fonseca

Caminhos da História ensinada

Marcos A. da Silva (org.)

Repensando a História

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.