César - A vida de um soberano

Livros > Roma Antiga  |  268 visualizações

Capa do livro César - A vida de um soberano, de Adrian Goldsworthy
Autor: Adrian Goldsworthy
Título original: CAESAR
Páginas: 767
Editora: Record
Ano da edição: 2011
Idioma: Português
Skoob: Acessar

Sinopse:

Nesta biografia de Caio Júlio César - o mais famoso romano que já existiu, comandante carismático de homens, sedutor em série de mulheres, político brilhante e um gênio militar, Adrian Goldsworthy descreve a rica sociedade que produziu esse líder.

Este é o primeiro trabalho em mais de uma geração a reunir todos os aspectos da personalidade de César - o general e o homem em um volume único e definitivo.


Imagens (18) / Anotações de leitura

Análise do livro

GOLDSWORTHY, Adrian. César - A vida de um soberano. Rio de Janeiro: Record, 2011.

César - A vida de um soberno é uma biografia do político, ditador e general romano Caio Júlio César (100-44 a.C.). O livro é de autoria de Adrian Goldsworthy, um historiador especializado na Roma Antiga, com diversas obras publicadas sobre esse período. Além de prolífico escritor de obras de não-ficção, Goldsworthy também é autor de alguns livros de ficção-histórica sobre a Britânia romana.

Nessa obra, o autor define claramente os seus objetivos logo no início do livro:

O propósito deste livro é examinar a vida de César em seus próprios termos e situá-lo firmemente no contexto da sociedade romana do século I a.C. Este livro não se ocupa com o que aconteceu depois de sua morte, e não haverá uma discussão real das diferenças entre o seu regime e aquilo em que se tornou nos anos de Augusto no poder. Em lugar disso, o foco está naquilo que César fez e em tentar compreender por que e como o fez. (...) Esse é um livro longo, mas não espera oferecer um relato completo da política em Roma durante a vida de César, nem tenta uma análise extensiva das campanhas na Gália ou da guerra civil. O foco está sempre em César, e não são feitas descrições maiores que o estritamente necessário dos eventos em que ele não se envolveu pessoalmente. (...) o texto principal evita, tanto quanto possível, a menção direta dos muitos estudiosos respeitados, que escreveram sobre César e a discussão de suas interpretações específicas. (GODSWORTHY, p.15-16)

A obra começa (capítulo 1) fazendo um apanhado geral da situação da república romana no século 2 e 1 a.C. O autor fala dos irmãos Graco, dos conflitos entre Sulla, Mario e Cina, e descreve rapidamente as instituições políticas e a situação econômica de Roma.

Nos capítulos seguintes o autor trabalha toda a vida de Júlio César. Podemos dividir o resto da obra em quatro períodos: Da infância ao cargo de procônsul da Gália (194 páginas sobre o tema), guerras na Gália (222 páginas), a guerra civil contra Pompeu e o senado (138 páginas) e ditadura e morte (53 páginas).

O livro é organizado em ordem cronológica, então fica muito fácil acompanhar todos os eventos, e entender o porque de cada uma das decisões de César. O autor trabalha muito bem a questão da motivação dele e de outros políticos romanos em cada um dos eventos.

A questão militar

O autor foca bastante na questão militar. Em Roma não havia uma distinção clara entre a política e a guerra. Um romano só podia se candidatar as magistraturas após realizar vários anos de serviço militar pela república. E a partir dos 39 e 42 anos, respectivamente, se conseguisse se eleger para os altos cargos de pretor e cônsul, o político automaticamente ganhava a capacidade de liderar exércitos, caso a oportunidade surgisse no futuro.

Goldsworthy dá muito destaque para a atuação militar de César, especialmente a partir da sua indicação para governador da Gália Transalpina (norte da Itália ao sul dos Alpes), quando ele se envolveu em uma série de conflitos, que duraram oito anos e acabaram com a conquista e anexação da Gália (atual França, Bélgica e Holanda). Os oito anos de lutas entre as legiões lideradas por César e os gauleses, belgas, britânicos e germânicos são narrados em detalhes, com descrições vivas das batalhas, dos principais líderes inimigos (Avioristo, Dúmnorix, Ambiorix, Cassivelauno, Vercingétorix, etc) e da situação política na região.

O autor também descreve com detalhes as duas invasões romanas a Britânia (atual Inglaterra), e a visão dos romanos sobre o evento. As expedições de César a ilha foram um fracasso, mas na capital ele foi altamente homenageado, e foi visto como uma espécie de Cristovão Colombo da época, por ter se lançado ao desconhecido e ido aonde nenhum romano havia ido antes.

Após a conquista da Gália, quando a guerra civil irrompe entre Júlio César e o senado, o autor também descreve em detalhes todo o conflito e as principais batalhas. As campanhas na Grécia, Egito, Espanha e África são discutidas em detalhes.

Ao longo do livro um outro aspecto chama a atenção. Godsworthy mostra os conflitos de forma muito mais realista, sua narração não se foca apenas nas grandes batalhas. O autor descreve as escaramuças, as dificuldades de logística, obtenção de suprimentos e a busca por comida (esse tópico é constantemente repetido), os exércitos que se negavam a se oferecer para batalha, as constantes esperas dos soldados e os longos cercos. É uma descrição militar bem mais minuciosa e interessante do que eu estava acostumado a ler.

A política

César era, acima de tudo, um político e sua grande meta de vida era a ascesão política, o aspecto militar era apenas uma ferramenta para esse fim. Então essa questão também é muito bem trabalhada. O autor descreve em detalhes o sistema político romano da época, e o caos geral que a república vivia nos seus últimos anos, com a constante necessidade da intervenção das legiões para acabar com as brigas entre gangues, sempre ligadas a algum político e a sua pauta.

A vida privada

Ao longo da obra, o autor também fala muito sobre a personalidade de César, e narra eventos que mostram como ele resolveu os conflitos que surgiram ao longo de sua trajetória política. Além disso o também fala sobre seus diversos affairs com famosas mulheres da época, e a relação com parentes e amigos, embora é importante deixar claro, no que diz respeito as relações privadas de César, temos realmente poucas informações.

Fontes primárias

Quando o assunto é a vida de César, os historiadores Suetônio, Cássio Dio e Plutarco dificilmente podem ser chamados de fontes primárias. Todos eles viveram muitas décadas após a morte do ditador romano, e escreveram suas obras utilizando fontes que existiam na época e não sobreviveram. Mesmo assim, é o que temos. E Godsworthy faz constante referências a obra desses autores antigos, mostrando como eles discordavam com relação a alguns eventos, ou como têm interessantes informações a acrescentar.

A obra do próprio Júlio César é uma das principais fontes usadas pelo autor para descrever as guerras na Gália, os Comentários (De Bello Gallico), é um relato escrito pelo próprio César durante a campanha, que sobreviveu até os dias de hoje e permanece sendo a principal fonte sobre o conflito.

Sobre o estilo do autor

Essa é uma obra de leitura muito agradável, leve e prazerosa, fiquei surpreso pela qualidade da escrita do autor, já que historiadores nem sempre sabem escrever livros de forma tão natural.

Infelizmente há poucos livros do autor publicados no Brasil, mas eu com certeza pretendo ler mais obras dele, estou especialmente de olho na biografia de Augusto (que não tem versão em português). Ele é o meu imperador favorito, então com certeza lerei essa obra no futuro. Além disso, o autor também tem duas outras obras já lançadas no Brasil: Antônio e Cleópatra - A história dos amantes mais famosos da Antiguidade e Em Nome de Roma.

Como sempre, você pode ver mais detalhes sobre o contéudo da obra, conferindo as minhas anotações de leitura e as fotos do livro nos links acima da resenha.

Pontos negativos

O livro em si não tem nenhum ponto negativo, ele cumpre o que promete. Eu, pessoalmente, gostaria que houvessem mais informações sobre a questão política, especialmente fatos que aconteceram durante a vida de César, mas nos quais ele não esteve tão envolvido como, por exemplo, o caos causado por Clódio durante seu período na política, a conspiração de Catilina, as discussões sobre a questão agrária e as colônias romanas, etc. Mas, como o próprio autor definiu na introdução da sua obra, esse não era o propósito do livro.

Também achei meio estranha a escolha da capa brasileira. Com tantos bustos e estátuas de César tendo sobrevivido, a editora Record decidiu usar como foto de capa a estátua David, de Michelangelo, uma escolha no mínimo estranha.

Minha crítica realmente é com relação a edição da Record. O livro tem um papel muito grosso e uma fonte muito grande e, embora isso torne a leitura agradável, é realmente desconfortável segurar um volume tão grande durante tanto tempo. O próprio livro sofreu com isso, e conforme eu me aproximava da metade da obra, ele simplesmente não aguentou o próprio peso e quebrou no meio. É realmente um problema, já que eu paguei 92 reais por essa obra!! Veja foto abaixo:

Devido ao seu próprio peso, o livro rachou no meio durante a leitura.Isso fez com que nas páginas seguintes o volume se tornasse mais difícil de segurar.

 

Resenha publicada em 18/04/2020.

Adrian Goldsworthy

Adrian Goldsworthy é um historiador britânico nascido em 1969. Especializado em História da Roma Antiga é graduado pela Universidade de Oxford e sua dissertação se tornou seu primeiro livro: "O Exército Romano em Guerra 100 a.C. à 200 d.C.". Ele têm mais de dez livros publicados sobre o tema, alguns deles lançados no Brasil. Também é autor de uma série de ficção-histórica sobre as Guerras Napoleônicas.

Historiador(a)

Foto do membro da equipe: Moacir Führ

Escrita por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Mais livros sobre Júlio César

Tom Holland

Rubicão

Suetônio

A Vida dos Doze Césares

Joel Schmidt

Júlio César

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.