A origem do combate de gladiadores

Artigos > Roma Antiga  |  315 visualizações  |  1364 palavras

Capa do artigo: A origem do combate de gladiadores

Detalhe de tumba em Paestum, no sul da Itália. 340 a.C, Museu Arqueológico de Paestum. Via Wikimedia Commons.

O texto abaixo é a tradução de parte (pag.5-10) de uma tese escrita por Desiree E. Gerner, e apresentada para o Departamento de Clássicos da Universidade do Oregon, para aquisição do título de mestrado. A tese é intitulada Uma questão de vida e morte: Jogos de gladiadores, sacríficio ritual e alusão literária, e o trecho traduzido se foca nas origens das lutas de gladiadores. A tese completa pode ser acessada por aqui, todas as referências bibliográficas podem ser encontradas no texto original em inglês.

As evidências para as origens do combate gladiatorial não são confiáveis ​​e têm sido objeto de debate acadêmico há muito tempo. O consenso geral favorece a idéia de que eles cresceram a partir de práticas funerárias etruscas e eventos atléticos, mas as origens na Campânia também já foram propostas.

Existe apoio literário para as teorias etrusca e campaniana, mas nenhuma das fontes invocadas em ambos os casos é mais persuasiva que as outras. Da mesma forma, a evidência material usada para reforçar as duas teorias é, em geral, ambígua demais para ser totalmente convincente.

Um mapa aproximado da localização da Etrúria e da Campânia na Península Itálica.

O caso das origens dos gladiadores na Campania é feito através de evidências como a encontrada no Livro 9 da Historia de Roma de Lívio. Aqui, Lívio nos diz que, depois de uma batalha em 308 entre as forças conjuntas de romanos e campanianos contra os samnitas, os romanos vitoriosos dedicaram as armas capturadas dos samnitas derrotados aos deuses, enquanto os campanianos

por orgulho e ódio dos samnitas os armaram como gladiadores, sendo responsáveis pelo entretenimento em seus banquetes, nos braços ostensivos [dos derrotados] e os chamavam pelo nome de samnitas.

Esta passagem, no entanto, é dificilmente conclusiva. Podemos captar pouco disso além do fato de que o combate armado foi usado como entretenimento nas festas da Campânia no final do século 4 a.C.. Certamente, essa não é uma evidência convincente de que os campanianos inventaram a prática.

Também é importante observar que as fontes que mencionam o gosto pelo combate de gladiadores Campânia o fazem de maneira depreciativa. Sua indulgência nesse tipo de entretenimento destacaria os modos imorais dos campanianos e prenunciaria a traição de Cápua a Roma durante a 2° Guerra Púnica.

Parece improvável que os romanos adotassem uma prática com conotações negativas, inventadas por pessoas que eles odiavam ardentemente - e muito menos que adotassem essa prática como um meio de prestar homenagem a seus honrados mortos. Alguma outra fonte para os jogos, uma que talvez tanto romanos quanto campanianos tenham se baseado, seria mais crível.

Sarcófago de mulher etrusca do século 2 a.C. encontrado em Chiusi, que era uma das cidades mais importantes da Etrúria. Por mais de 100 anos Roma teve reis etruscos e a influênica etrusca é visível na arte, na política e em diversos aspectos da civilização romana. Via Wikimedia Commons.

A evidência literária em apoio às origens etruscas também é problemática. Nicolau de Damasco diz em seu Athletics que os jogos eram uma prática dada aos romanos pelos etruscos. Tertuliano admite alguma incerteza sobre as origens do combate de gladiadores, mas com base na autoridade de suas fontes, ele atribui as origens aos etruscos.

Isidorus de Sevilha oferece mais evidências das origens etruscas, baseadas na etimologia da palavra lanista, o termo técnico para o procurador e instrutor de gladiadores. Essa explicação, no entanto, é um pouco fraca. Pode-se também salientar que o talento no treinamento e no tráfico de gladiadores não tem necessariamente nenhuma influência sobre suas origens. Afinal, no final da República, grande parte do comércio de gladiadores estava concentrada na Campânia.

O anfiteatro de Pompéia foi o primeiro a ser construído em pedra em 70 a.C. A existência de muitas arenas na região da Campânia muitas vezes é usada como argumento para defender o local como ponto de origem dessa prática.

A evidência material para as origens dos jogos também é ambígua. Pinturas de tumbas etruscas, como a tumba das Bigas, são oferecidas como suporte a teoria das origens etruscas, mas as figuras representadas não estão diretamente envolvidas em combate e poderiam facilmente estar envolvidas com a dança pírrica ou outra exibição similar.

Pintura no túmulo dos Augures na Tarquínia. Cerca de 530 a.C.

No túmulo dos Augures na Tarquínia (acima), a pintura de uma figura chamada "Phersu" é, argumentam alguns, evidência de uma forma inicial de combate a animais selvagens semelhante a venationes posteriores. A cena, que consiste em Phersu segurando a trela de um cachorro ou gato grande (a deterioração da pintura dificulta a identificação do que é) atacando um homem armado com uma clava cuja cabeça está envolvida em um grande saco ou capuz, já foi interpretada de várias maneiras.

Futrell, por exemplo, acha que isso poderia ser uma combinação precoce de venatio-munus, enquanto Ville acha que é algum tipo de corrida ou competição de atletismo. Claramente, a cena é bastante vaga e, sem o apoio de evidências explícitas adicionais, é impossível tirar certas conclusões.

Pinturas de túmulo em Paestum, na Campânia. Todas as fotos via Wikimedia Commons.


Pinturas de tumbas encontradas em Paestum (acima) são igualmente usadas para argumentar sobre as origens da Campânia, mas as mesmas dúvidas sobre as pinturas etruscas se aplicam nesse caso. Nessas pinturas, homens armados estão envolvidos em algum tipo de combate, mas também podem ser facilmente representações de dança pírrica, cenas narrativas de batalhas ou outra espécie de competição atlética. Além disso, as tumbas de Paestum datam da segunda metade do século 4 a.C., o que coincide com as evidências literárias.

Paestum também é conhecida por seus templos gregos. A cidade era uma colônia grega no sul da Itália, e só foi conquistada pelos romanos por volta de 272 a.C.

Mesmo que os homens representados sejam gladiadores, a datação dos túmulos mais uma vez fornece apenas evidências de que o combate de gladiadores estava em voga na Campânia do século 4, mas não é necessariamente uma prova de que os campanianos o inventaram. Sob esse prisma, as evidências etruscas, que datam do final do século 7 e início do século 6, seriam as mais fortes - se alguém pudesse dizer com confiança que as figuras representadas eram, de fato, gladiadores. Como diz Kyle,

a origem dos combates de gladiadores provavelmente não é uma questão histórica que possa ser respondida em termos de uma única origem ou localização, um único contexto original e uma transmissão linear simples. Combates, sacrifícios e esportes de sangue eram simplesmente muito difundidos na antiguidade. .. quaisquer que sejam as origens ou precursores além de Roma, a melhor abordagem histórica é concentrar-se no contexto da adoção e no desenvolvimento em Roma do espetáculo de gladiadores.

Referindo-se ao trabalho de Wiedemann, ele também aponta que "os motivos de adoção de Roma podem diferir dos propósitos originais que esses combates tinham em outro lugar."

Alison Futrell faz muito sentido quando ressalta que o debate presume que os jogos são uma importação estrangeira.

Na enorme variedade de empreendimentos humanos, certamente a idéia de duelar como performance, seja para os vivos ou para a honra dos mortos, não é um conceito tão bizarro. Pode muito bem ser que a versão romana do combate de gladiadores fosse a sistematização de uma prática comum para os povos itálicos e não algo tão importante assim. Essa possibilidade deve ser considerada, especialmente considerando os argumentos bastante tênues dos dois lados na questão das origens.

A menos que surjam evidências mais conclusivas, as verdadeiras origens dos jogos permanecerão desconhecidas e incognoscíveis, mas a incapacidade de identificar as origens exatas dos jogos não significa que informações úteis não possam ser encontradas nas fontes disponíveis.

Keith Hopkins observa prudentemente que, apesar do fato de não termos evidências conclusivas para a localização das origens, "evidências repetidas confirmam o associação próxima entre combate de gladiadores com os funerais".

No final, embora seja impossível dizer de onde os jogos vieram com certeza, é bastante seguro dizer que eles estavam principalmente ligados ao ritual funerário. De fato, não há uma razão verdadeiramente convincente pela qual alguém precise se comprometer com uma teoria das origens em detrimento de outra. No mínimo, podemos concordar que, como Tertuliano nos disse uma vez, "porque se acreditava que as almas dos que partiam são propiciadas com sangue humano, [homens da antiguidade] costumavam sacrificar cativos ou escravos de pouco valor no funerais."

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Gladiadores

Jogos em Roma: Gladiadores e animais

Os 10 Anfiteatros mais famosos da Roma Antiga

Artigo publicado em 21/02/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.