Apoie o site pelo Apoia.se e ajude a promover a História na internet brasileira.
Contribua a partir de R$ 1,00 por mês.

Uma visão marxista da Idade Média - A Ascensão do Feudalismo Ocidental

Artigos > Idade Média  |  75 visualizações  |  1288 palavras

Capa do artigo: Uma visão marxista da Idade Média - A Ascensão do Feudalismo Ocidental

Um cavaleiro normando típico do século 11. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Texto de autoria de Neil Faulkner, arqueólogo e historiador autor da obra ‘A Marxist History of the World: from Neanderthals to Neoliberals‘. Traduzido do inglês. Texto original pode ser visto aqui. Adicionei subtítulos para facilitar a leitura.

O fim do Império Romano não foi uniforme nem repentino: foi um processo complexo, em vez de um evento único.

Primeiro, o império se dividiu em dois. Então, entre 395 e 476, a metade ocidental se desintegrou e foi substituída por uma colcha de retalhos de novos reinos germânicos. Enquanto isso, a metade oriental, o Império Bizantino, sobreviveu mais ou menos intacta por quase 250 anos, e depois de forma cada vez mais instável por mais 750 anos.

Império Bizantino

Quatro eventos marcantes marcam o longo declínio de Bizâncio:
636 - Perda da Síria para os árabes
1071 - Perda da Turquia Oriental para os turcos
1204 - Saque de Constantinopla pelos cruzados
1453 - Queda final do império

Na Batalha de Yarmuk em 636, os árabes conquistaram o controle da Síria. Na Batalha de Manzikert em 1071, os turcos seljúcidas conquistaram o controle da Anatólia Oriental (agora Turquia Oriental). Com essas duas derrotas o Império Bizantino perdeu metade de seu território.

Em 1204, os cruzados (da Europa Ocidental) saquearam a própria cidade de Constantinopla. A cidade nunca se recuperou: a população foi reduzida de 500 mil em 1203 para 35 mil em 1261. E em 1453, com a maior parte de seu território restante já invadido, a cidade foi finalmente capturada pelos turcos otomanos.

O Império Bizantino representou uma tentativa de fossilizar a ordem social da Antiguidade Tardia. Uma forma decadente do antigo imperialismo militar que era altamente explorador e profundamente conservador.

Apesar disso, durou mais de um milênio depois de 395, enquanto sua contraparte ocidental, com uma estrutura social semelhante, durou menos de um século. Por que essa diferença?

Bizâncio tinha fronteiras mais curtas para defender e um território mais rico. Em 395, quando ocorreu a divisão final, o lado oriental continha apenas um terço do exército romano tardio, mas produzia dois terços das receitas fiscais do império. O Império Bizantino foi repetidamente capaz de bloquear invasões implantando grandes exércitos profissionais de alta tecnologia em frentes relativamente estreitas.

Soldados bizantinos do século 12-13. Ilustração moderna, autor desconhecido.

O Feudalismo

A Europa Ocidental, ao contrário, tornou-se uma região politicamente fragmentada de Estados beligerantes. Este foi o contexto geopolítico para o surgimento do feudalismo.

Entre os séculos 5 e 9, a maioria dos estados da Europa Ocidental tinha um caráter essencialmente tributário. O estado coletava impostos e os usava para pagar soldados sob o controle direto do rei.

Mas esses mesmos estados adquiriram algumas características feudais, à medida que os governantes procuravam controlar o território de forma mais eficaz, repartindo-o entre seus parentes e lacaios em troca do serviço militar. E esse elemento feudal, com o tempo, tornou-se mais importante.

Em parte, isso se devia ao fato de os estados serem pequenos, instáveis ​​e relativamente fracos. Também era porque a cavalaria fortemente blindada dominava cada vez mais o campo de batalha.

Os séculos 9 e 10 foram um período de turbulência particular. Reis foram derrubados e guerras civis ocorreram. Cidades desapareceram. O comércio de longa distância diminuiu. Vikings, magiares e sarracenos realizaram ataques profundos e devastadores.

Em resposta a esta crise, sem o peso morto de fortes elites imperiais e infra-estruturas, o caminho estava aberto para forjar uma ordem social, militar e política radicalmente nova.

Para esmagar rebeldes domésticos, defender fronteiras contra invasores e repelir exércitos de reis rivais, os primeiros governantes medievais transformaram o feudalismo embrionário em um sistema de pleno direito. Eles criaram corpos armados imensamente fortes, enraizando o estado no latifúndio privado.

O caráter militar da sociedade

O Ducado da Normandia, um estado criado pelos colonos Viking do século 10, foi um exemplo extremo. O poder era altamente centralizado. O governante era o proprietário legal de todas as terras, e seus nomeados detinham as grandes propriedades. Esses homens eram seus vassalos, seus inquilinos-chefes, sujeitos a serem rejeitados se merecessem o desfavor de seu senhor.

Sob eles, a terra foi subdividida em feudos, cada um capaz de sustentar um cavaleiro, cada um suficiente para libertar um homem da necessidade de trabalhar, permitindo que ele se dedicasse em tempo integral à guerra e ao treinamento para a guerra, e para fornecer-lhe o cavalos, a cota de malha e o armamento de um cavaleiro pesado.

Esse era o núcleo do estado normando: vários milhares de cavaleiros blindados, organizados em séquitos senhoriais, ligados por laços de lealdade e dependência pessoais, e enraizados no controle e na riqueza das propriedades rurais.

O cavaleiro com armadura foi o tanque do campo de batalha do século 11. Uma carga frontal de um bloco de várias centenas de cavaleiros, compactados e com várias fileiras de profundidade, era virtualmente imparável em terreno aberto.

O cavalo pesado era tão importante para a guerra medieval quanto a infantaria pesada havia sido para as guerras dos gregos e romanos. O feudalismo foi o mecanismo socioeconômico mais eficaz para produzi-lo.

Ao vincular a propriedade da terra ao serviço militar, o feudalismo forjou um vínculo estreito entre o estado e a classe dominante. Também assegurava que a base agrária do sistema fosse cuidadosamente cuidada, já que a manutenção da posição do nobre passava a depender em parte da boa administração das propriedades.

Mas havia perigos. O sistema era inerentemente instável. O poder do Estado estava diretamente relacionado ao número de feudos e cavaleiros controlados pelo governante, intensificando a luta entre políticas rivais por território.

Além disso, para evitar que os feudos fossem subdivididos e se tornassem inviáveis ​​(ou seja, incapazes de sustentar um cavaleiro), a regra da primogenitura prevalecia, segundo a qual o filho mais velho herdava toda a propriedade. Os filhos mais novos, portanto, tiveram que lutar por seu lugar no mundo.

Sem herança e ameaçados de perda de posição, eles tiveram que sobreviver por meio do serviço mercenário ou ganhando um novo feudo. Isso era verdade para cavaleiros, nobres e príncipes - todas as classes da aristocracia feudal produziam filhos mais jovens, capazes de manter a sua posição apenas por meio da força militar.

As oportunidades eram inúmeras. As guerras civis e estrangeiras eram frequentes. A competição pelo território garantiu que as classes dominantes feudais estivessem internamente divididas e que as políticas feudais rivais sempre estivessem em conflito. Filhos mais novos, em busca de butim, pagamento e terras, forneceram a vanguarda desses conflitos.

O feudalismo era, portanto, instável, dinâmico e expansionista. Durante a metade do século 11, os normandos conquistaram grande parte do norte da França, toda a Inglaterra e praticamente todo o sul da Itália e Sicília.

Um cavaleiro normando. Ilustração baseada na Tapeçaria Bayeux (ao fundo), que retrata a conquista da Inglaterra em 1066. Autor desconhecido.

A violência feudal era contraditória. Era essencial para a sobrevivência dos estados feudais: o exército guerreiro defendia a pátria, conquistava novos territórios e mantinha a ordem interna. Mas a violência tinha uma dinâmica própria e o potencial de explodir a ordem feudal.

Válvulas de pressão eram necessárias para liberar o excesso de violência do sistema. Esta foi a gênese das Cruzadas. No confronto de 200 anos entre os cruzados e os estados árabes-turcos do Oriente Médio, vemos expostos o poder e os limites da nova ordem feudal criada pela anarquia político-militar que caracterizou o início da Europa ocidental medieval.

Continue lendo essa série:
Uma visão marxista da Idade Média - Cruzada e Jihad

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Feudalismo

Uma visão marxista da Idade Média - Cruzada e Jihad

Uma visão marxista da Idade Média - Senhores, burgueses e camponeses

Artigo publicado em 12/11/2020.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 33 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.