Livros

Informações detalhadas sobre livros de História, além de fotos e resenhas dos livros. Só fazemos a disponibilização do download quando o livro está em domínio público. Não vendemos livros!

O sol do Brasil

Nicolas-Antoine Taunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de d. João

Livros > Brasil Colônia  |  71 visualizações

Salvar nos favoritos
Capa do livro O sol do Brasil, de Lilia Moritz Schwarcz
Autor: Lilia Moritz Schwarcz
Páginas: 412
Editora: Companhia das Letras
Primeira publicação: 2008
Ano da edição: 2008
Idioma: Português
Skoob: Acessar

Sinopse:

Nicolas-Antoine Taunay foi um artista acadêmico, do círculo íntimo de Napoleão e Josefina, que desembarcou no Brasil em 1816, acompanhado de outros pintores como Jean-Baptiste Debret e Grandjean de Montigny. Considerado o membro mais importante do grupo, trazia na bagagem a intenção de se transformar em pintor do rei. Nunca existiu, porém, uma "missão francesa" nos moldes como a historiografia a caracterizou: d. João jamais contratou artistas para a sua corte, muito menos artífices do antigo inimigo francês, que forçara a vinda do monarca ao Brasil. Ao contrário, foram os artistas que se autoconvidaram, com o propósito de criar aqui uma Academia, igual à que existia no México. Como a vinda desses pintores não era oficial, a eles só restaria a agenda da corte: as exéquias de d. Maria, a coroação de d. João e o casamento de d. Pedro, para os quais construíram cenários frágeis e misturaram os trópicos com modelos da Antiguidade grega e romana. A vida de Taunay entre nós não foi fácil. Como homem da Ilustração, ele não encontrou lugar para os escravos em suas pinturas: se a natureza era imensa, já os escravos surgiam cada vez mais diminutos, quase borrões no meio da tela. Os trópicos pareciam difíceis de representar, e Taunay sempre reclamou da luz brilhante demais da América, dos verdes "excessivos" das florestas e do céu do Rio de Janeiro, que considerava absolutamente "exagerado". Por outro lado, a tão sonhada Academia não saía do papel, e, quando finalmente foi fundada, Taunay acabou preterido na estrutura da instituição.

Fartamente ilustrado - são 103 imagens em preto-e-branco e mais dois cadernos coloridos com 45 telas que o pintor realizou na Europa e no Brasil.


Fotos dessa edição do livro

Veja no Google Fotos

Análise do livro

Esse livro ainda não foi resenhado pelo site.

Lilia M. Schwarcz

Lilia M. Schwarcz é historiadora e professora titular do Departamento de Antropologia da USP. Escreveu, entre outras obras, As barbas do Imperador, O Sol do Brasil, O espetáculo das raças, Retrato em branco e negro, Brasil: Uma Biografia e O livro dos livros da Real Bibliotheca.

Veja outros livros desse autor (4)
Historiador(a)

Mais livros sobre Brasil Colônia

Fernando A. Novais

Portugal e Brasil na Crise do Antigo Sistema Colonial

Emília Viotti da Costa

Da Senzala à Colônia

Vera Lúcia Amaral Ferlini

A Civilização do Açúcar

Sérgio Buarque de Holanda (org.)

HGCB 2 - Administração, economia e sociedade

Fechar

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet.
Não seja um troll.

Item salvo nos seus favoritos

Nova atualização do site

Pega Title Pega URL