Os banquetes romanos

Artigos > Roma Antiga  |  156 visualizações  |  2041 palavras

Capa do artigo: Os banquetes romanos

Um banquete romano. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Tradução feita a partir de artigo publicado no site do MET, o texto original pode ser conferido aqui. Ele foi escrito por Katharine Raff, do departamento de arte greco romana do museu, e publicado em outubro de 2011. O texto não possui bibliografia, mas a autora adicionou uma lista de leituras recomendadas. Essa lista foi colocada abaixo nas referências biliográficas. Várias fotos foram adicionadas para tornar o texto mas ilustrativo, além de subtítulos. Fiz algumas pequenas alterações no texto para tornar sua leitor mais agradável.

O consumo festivo de comida e bebida era um importante ritual social no mundo romano. Conhecidos em termos gerais como convivium (latim: “morando juntos”) ou banquete, os romanos também distinguiam entre tipos específicos de reuniões, como o epulum (festa pública), a cena (jantar, normalmente comido no meio da tarde), e a comissatio (festa de bebida).

Um banquete romano. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Banquetes públicos, como as festas cívicas oferecidas a todos os habitantes de uma cidade, costumavam acomodar um grande número de jantares. Por outro lado, os jantares realizados em residências eram assuntos mais particulares, nos quais o anfitrião recebia um pequeno grupo de amigos da família, parceiros de negócios e clientes.

Fontes literárias romanas descrevem os banquetes privados da elite como uma espécie de banquete para os sentidos, durante os quais o anfitrião se esforçava para impressionar seus convidados com pratos extravagantes, louças luxuosas e diversas formas de entretenimento, tudo isso em um ambiente ricamente decorado.

Evidências arqueológicas da habitação romana lançam uma luz importante sobre os contextos em que os banquetes particulares ocorreram e os tipos de objetos empregados durante essas reuniões.

O local e os móveis

A sala de jantar era um dos espaços de recepção mais importantes da residência e, como tal, incluía acessórios decorativos de alta qualidade, como piso de mosaicos, pinturas de parede e relevos de estuque, além de objetos de luxo portáteis, como obras de arte (particularmente esculturas) e móveis.

Um banquete romano. Ilustração moderna, autor desconhecido.

Como os gregos, os romanos se reclinavam em sofás durante o banquete, embora no contexto romano mulheres respeitáveis ​​pudessem se juntar aos homens nessa reclinação. Essa prática diferenciava o convivium do simpósio grego, ou festa aristocrática masculina, em que as participantes femininas eram restritas a artistas como flautistas e dançarinas, além de cortesãs (hetaerae).

Uma sala de jantar normalmente tinha três sofás amplos, cada um com capacidade para três pessoas, permitindo assim um total de nove convidados. Esse tipo de sala é comumente descrito como um triclinium (literalmente, "sala com três sofás"), embora as salas de jantar que possam acomodar um número maior de sofás sejam atestadas arqueologicamente.

Os personagens de Átia e Marco Antônio em um banquete em cena da série Roma.

Em um triclínio, os sofás eram dispostos ao longo de três paredes da sala em forma de U, no centro da qual estava colocada uma única mesa que era acessível a todos os clientes. Os sofás eram freqüentemente feitos de madeira, mas também havia versões mais opulentas com acessórios feitos de materiais caros, como marfim e bronze.

Sofá e banco para os pés feito com ossos esculpidos e detalhes em vidro. Esse móvel foi reconstruído a partir de fragmentos descobertos na vila imperial de Lucius Verus, co-imperador entre 161 e 169. Século 1-2 d.C. MET. N° 17.190.2076

As comidas

Um jantar romano adequado incluía três pratos: os aperitivos (gustatio), o prato principal (mensae primae) e a sobremesa (mensae secundae). A comida e a bebida servidas destinavam-se não apenas a saciar os convidados, mas também a adicionar um elemento de espetáculo à refeição.

Produtos exóticos, principalmente os de animais selvagens, pássaros e peixes, eram favorecidos em jantares de elite por causa de sua raridade, dificuldade de compra e consequente alto custo, o que refletia a riqueza do anfitrião. Pratos populares, porém caros, incluíam faisões, sapinhos (ou outros pássaros canoros), ostras cruas, lagosta, frutos do mar, carne de veado, javali e pavão. Os alimentos proibidos pelas leis suntuárias, como aves engordadas e úberes de porcas, eram flagrantemente consumidos nas festas mais exclusivas.

Pintura de Anton Von Werner (1843-1915) retratando a opulência de um banquete romano.

Além disso, receitas elaboradas foram inventadas - uma obra literária sobrevivente, conhecida como Apicius, é uma compilação romana tardia de receitas culinárias. Isso geralmente exigia não apenas ingredientes e meios de preparação caros, mas também formas elaboradas, até dramáticas, de apresentação.

Por exemplo, no ficcional Cena Trimalchionis (Jantar de Trimalchio), escrito por Petrônio Árbitro durante o reinado de Nero (54–68 d.C), o rico liberto Trimalchio serve a seus convidados inúmeros pratos extravagantes, como um porco assado recheado com salsichas, um lebre decorada com asas para se parecer com um pégaso e vários alimentos dispostos na forma dos doze signos do zodíaco.

As bebidas

No banquete romano, o vinho era servido durante toda a refeição como acompanhamento da comida. Essa prática contrastava com a do deipnon grego, ou refeição principal, que se concentrava no consumo de alimentos; sendo o vinho reservado para o simpósio que se seguia.

Como os gregos, os romanos misturavam seu vinho com água antes de beber. A mistura de água quente, que havia sido aquecida com caldeiras especiais conhecidas como authepsae, parece ter sido um costume especificamente romano. Tais dispositivos (semelhantes aos samovares posteriores) são retratados nas pinturas romanas e mosaicos, e alguns exemplos foram encontrados em contextos arqueológicos em diferentes partes do império romano.

Authepsae (aquecedor de água) do século 3 d.C. Museu de Israel. N° 98.23.3

Água fria e, mais raramente, gelo ou neve também foram usados ​​para a mistura. Normalmente, o vinho era misturado ao gosto do hóspede e em seu próprio copo, ao contrário da prática grega de mistura comunitária para toda a festa em uma grande cratera (tigela). O vinho era derramado no copo com um símpulo (concha), que permitia ao servidor medir uma quantidade específica de vinho.

Símpulo é especialmente longo pois era usado para retirar vinho ou óleo de um vaso muito profundo. Século 2 d.C. MET N° 1988.11.1

Utensílios

Uma refeição luxuosa exigia um elaborado serviço de mesa, com numerosos vasos e utensílios projetados para servir tanto a fins funcionais quanto decorativos. Os utensílios de mesa mais ostensivos eram feitos de materiais caros, como prata, ouro, bronze ou pedras semipreciosas (como cristal de rocha, ágata e ônix). No entanto, mesmo uma família de meios moderados provavelmente tinham um conjunto de prata de mesa, conhecido como ministério.

As principais coleções de utensílios de mesa de prata, como as encontradas em Pompéia, Moregine (um local nos arredores de Pompéia), Boscoreale e Tivoli, refletem a diversidade nas formas e tamanhos dos vasos e utensílios usados.

Conjunto de mesa encontrado em Tivoli, próximo a Roma. Essa região era local de vilas muito luxuosass no período final da república. O conjunto pertencia a uma Sattia, filha de Lucius. Provavelmente foram enterrados durante o caos resultante das guerras civis do período. Século 1 a.C. MET. N° 20.49.2–.12

Um serviço completo de mesa incluía prata para comer (argentum escarium) e prata para beber (argentum potorium). A prata para comida incluía grandes bandejas e pratos, tigelas e pratos individuais, além de colheres, que eram o principal utensílio alimentar usado pelos romanos. A colher vinha em duas formas populares: a coclear, que possui uma tigela pequena e circular e uma alça pontiaguda que era usada para comer mariscos, ovos e caracóis; e a ligula, que possui uma tigela maior em forma de pêra.

Facas e garfos eram menos utilizados, embora exemplos tenham sobrevivido. Entre a prata para beber, as xícaras surgiram de várias formas, das quais as mais populares tiveram origem nos tipos gregos, como o cifo e o cantharus, que são xícaras de duas mãos. Em numerosos casos, copos de prata foram encontrados em pares. É possível que eles fossem destinados a rituais de convívio, como beber torradas.

Este elegante e incomum utensílio para comer servia tanto como uma colher quanto como um garfo, o último destinado mais para pegar comida de uma travessa do que para comer com o próprio prato. O cabo é decorado com uma pantera pintada, um animal frequentemente associado ao deus Dionísio. Século 3 d.C. MET. N° 2006.514.3

As xícaras de prata mais ornamentadas foram decoradas com relevos em repoussé, que freqüentemente retratam motivos florais e vegetais naturalistas, animais, cenas eróticas e assuntos mitológicos. As imagens associadas a Dionísio, o deus grego do vinho, intoxicação e folia, eram usadas popularmente em objetos projetados para servir e beber vinho.

Um par de taças da coleção do MET (abaixo), que retratam cupidos dançando e tocando instrumentos, teria sido especialmente adequado para uma festa de bebidas, porque seu tema evocava os ritos de Dionísio. As imagens dionisíacas também eram empregadas em outros acessórios para banquetes, como um acessório de punho de bronze para uma situla (vaso em forma de balde) na forma de uma máscara de sátiro ou Silenus. Tipos semelhantes de utensílios de mesa eram feitos de materiais menos dispendiosos, mas exibiam um alto nível de habilidade.

Esses taças de prata representam metal romano da mais alta qualidade no século 1 d.C. Eles foram indubitavelmente produzidos por uma das principais oficinas romanas que abasteciam a família imperial, bem como indivíduos particulares ricos e cultos. Elas são decoradas em alto relevo com figuras de cupidos dançando e tocando instrumentos, e podem estar associados a festividades dionisíacas e, portanto, eram adequados em festas de bebida. MET. N° 1994.43.1, .2

O vidro tornou-se especialmente elegante e ficou mais disponível no mundo romano após o rápido desenvolvimento da indústria de vidro romana na primeira metade do século 1 d.C. Novas técnicas permitiram aos fabricantes de vidro criar vasos de diversos estilos, como vidro monocromático, vidro de mosaico policromado, vidro com faixa de ouro e vidro incolor, este último imitando a aparência de caros vasos de cristal de rocha. O vidro camafeu, feito de talha em vidro estratificado, foi especialmente apreciado pela elite por suas imagens delicadamente entalhadas, semelhantes às encontradas nos utensílios de mesa em prata e ouro.

Travessa de cerâmica feita com terra sigillata. Século 2 d.C. MET. N° 17.194.867

Vasos de cerâmica eram outra alternativa acessível. Terra sigillata, um tipo de cerâmica feita de mofo conhecido por seu esmalte vermelho semelhante a laca, era amplamente popular. Os vasos de terra sigillata do Arretium (moderno Arezzo, Itália), conhecidos como utensílios Arretine, eram famosos por sua decoração em relevo, que normalmente era produzida com carimbos de diferentes figuras e motivos. A indústria de cerâmica sigillata também floresceu nas províncias, particularmente na Gália, onde vasos simples e decorados eram produzidos em massa e exportados para diversas partes do império.

O entretenimento

O componente final do banquete era o entretenimento, projetado para encantar os olhos e os ouvidos. As apresentações musicais geralmente envolviam a flauta, o órgão da água e a lira, além de cantos de coral. Formas ativas de entretenimento podiam incluir grupos de acrobatas, dançarinas, brigas de gladiadores, mímica, pantomima e até animais treinados, como leões e leopardos.

Havia também mais opções reservadas, como recitações de poesia (particularmente o novo épico romano, Eneida de Virgílio), histórias e performances dramáticas. Até a equipe e os escravos da casa eram incorporados ao entretenimento: os cozinheiros cantores se apresentavam ao servir os convidados, enquanto os garçons jovens, atraentes e bem-educados, forneciam uma forma adicional de distração visual.

Em suma, o banquete romano não era apenas uma refeição, mas um espetáculo calculado de exibição, destinado a demonstrar a riqueza, o status e a sofisticação do anfitrião a seus convidados, superando, ao mesmo tempo, os luxuosos banquetes de seus amigos e colegas de elite.

Gostou desse artigo?




Mais artigos sobre Roma Antiga

11 fatos que você talvez não saiba sobre os gladiadores romanos

Inscrições romanas

Arquitetura de teatros e anfiteatros no mundo romano

Fontes bibiliográficas:

Alexander, Christine. "The Workshop of Perrenius." Metropolitan Museum of Art Bulletin 2, no. 5 (January 1944), pp. 166–72.
D'Arms, John H. "Performing Culture: Roman Spectacle and the Banquets of the Powerful." In The Art of Ancient Spectacle, edited by Bettina Bergmann and Christine Kondoleon, pp. 301–19. New Haven: Yale University Press, 1999.
Dunbabin, Katherine M. D. The Roman Banquet: Images of Conviviality. New York: Cambridge University Press, 2003.
Newby, Martine, and Kenneth Painter, eds. Roman Glass: Two Centuries of Art and Invention. London: Society of Antiquaries of London, 1991.
Oliver, Andrew, and John Shelton. "Silver on Papyrus: A Translation of a Roman Silver Tableware Inventory." Archaeology 32, no. 1 (January–February 1979), pp. 21–28.
Strong, Donald Emrys. Greek and Roman Gold and Silver Plate. Ithaca, N.Y.: Cornell University Press, 1966.

Artigo publicado em 19/09/2019.



Foto de membro da equipe do site: Moacir Führ

Postado por

Moacir Führ

Moacir tem 32 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Comentários dos visitantes

Ícone alerta azul

Contribua para um debate inteligente e educado na internet. Não seja um troll.