Livros

Informações detalhadas sobre livros de História, além de fotos e resenhas dos livros. Não vendemos livros!

Rome at War AD 293–696

Livros > Roma Antiga  |  362 visualizações

Capa do livro Rome at War AD 293–696, de Michael Whitby
Título traduzido: Roma em guerra 293-696 d.C.
Autor: Michael Whitby
Coleção: Osprey - Essential Histories
Páginas: 96
Editora: Osprey Publishing
Ano da edição: 2002
Idioma: Inglês

Sinopse:

No início do século 3 d.C., o Império Romano era uma força a ser reconhecida, controlando vastos territórios e exercendo enorme poder político da Escócia ao Saara. 400 anos depois, esse poderoso Império estava desmoronando diante de problemas sucessivos que os governantes não conseguiram lidar. Neste novo e desafiador volume, Michael Whitby aborda questões fundamentais (como a ascensão do cristianismo) que levaram ao "declínio e queda" do Império Romano e oferece uma reavaliação surpreendente do desempenho do falecido exército romano.


Análise do livro

WHITBY, Michael. Rome at War AD 293–696. Oxford: Osprey Publishing, 2002.

Essa é uma obra estranha sobre o Baixo Império Romano. O livro, que faz parte da coleção Essential Histories (Histórias Essenciais) da editora britânica Osprey, tenta tratar de tudo um pouco e acaba tratando de quase nada.

Vamos começar pelo título: Roma em guerra 293–696 d.C.:

O ano 293 é o início da tetraquia, governo de quatro imperadores estabelecido pelo imperador Dioclesiano. Porque o autor escolheu destacar esse ano é um mistério, afinal a obra começa falando da crise do século 3 e de eventos que ocorreram muito antes dessa data, além disso a data 293 normalmente não é citada por outros historiadores, que preferem destacar o ano de 284, quando Dioclesiano subiu ao poder.

O grande mistério, no entanto, é o ano de 696. O único local no livro onde ele é citado é na capa. O número 696 não aparece em nenhum outro lugar do livro, nem mesmo na lista de evento, que cita as datas mais importantes. Isso porque o ano de 696 não foi importante e nada de relevante realmente aconteceu nesse ano! Não acredita em mim? Dê uma olhada na página do Wikipédia sobre o ano 696. E a última data citada dentro do livro é o ano de 800, esse sim um ano importante na história, quando o papa coroou Carlos Magno como imperador.

No livro o autor tenta dar destaques iguais para o império romano do oriente e do ocidente, mas o problema é que nesse período os dois seguiram caminhos completamente opostos, e enfrentaram desafios diferentes. O império do ocidente deixou de existir em 476 e o oriente, com capital em Constantinopla, continou forte, inclusive sobrevivendo a cercos dos persas e ávaros (626) e das tropas árabes (674–678 e 717-718).

O autor é um defensor do conceito de "Antiguidade Tardia", uma periodização criada pelo historiador Peter Brown, que basicamente afirmava que as invasões que ocorreram entre os anos de 300-600 não causaram grandes problemas, muito da herança romana foi mantida e o período que normalmente é conhecimento como "Idade das Trevas" teria sido uma época de transição, mas não de declínio. Ou seja, para esses historiadores a queda do império do ocidente não representou uma ruptura real, os reinos bárbaros invasores não eram tão bárbaros assim e mantiveram as tradições romanas e o ocidente, mesmo com a destruição do império, se manteve muito similar ao que era antes.

É óbvio que para manter essa farsa, Michael Whitby é obrigado a passar por cima de todos os saques, massacres e destruições causadas pelos exércitos germânicos e hunos, o que ele faz sem dificuldades. Essas invasões são trabalhadas de forma muito superficial em sua obra.

O resto do livro o autor passa falando sobre como os bizantinos suportaram os ataques persas, coisa que eles também já vinham fazendo desde o século 3. Percebe? Tudo continuou igual, não houve grandes mudanças.... Quer mais uma prova de que as invasões não significaram nada? Antes das invasões já existia o cristianismo, e ele continou a existir depois! Viu só! Não houve crise ou colapso.

Eu simplesmente não tenho nada de positivo para falar sobre esse livro. Até há alguns momentos do livro em que o autor cita alguns dados interessantes, mas ele não se aprofunda em nenhum deles. Então a leitura é desagradável e pouco fluida.

Se você não sabe absolutamente nada sobre o período, talvez ache alguma coisa interessante nele. Mas de preferência leia outra obra. O livro A queda do Império Romano - A explicação militar é muito melhor, e apresenta muitas informações e teorias interessantes e mostra o verdadeiro impacto das violentíssimas guerras germânicas no século 4 e 5. Outro bom livro sobre o período de invasões bárbaras é a obra História dos Reinos Bárbaros. São duas obras que recomendo.

Resenha revisada em abril de 2021.

Resenha publicada em 01/05/2020.

Foto do membro da equipe: Moacir Führ

Escrita por

Moacir Führ

Moacir tem 35 anos e nasceu em Porto Alegre/RS. É graduado em História pela ULBRA (2008-12) e é o criador e mantenedor do site Apaixonados por História desde 2018.

Michael Whitby

Michael Whitby é um britânico, professor de Clássicos e História Antiga em Warwick. Ele é especialista em história romana tardia, história bizantina antiga e historiografia. Atualmente, ele é pró-vice-chanceler e chefe da Faculdade de Artes e Direito da Universidade de Birmingham

Historiador(a)

Mais livros sobre Baixo Império Romano

Simon MacDowall

Late Roman Cavalryman 236-565 AD

Perry Anderson

Passagens da Antiguidade ao Feudalismo

Arther Ferrill

A queda do Império Romano - A explicação militar

Edward Gibbon

Declínio e queda do Império Romano

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

Aceitar

Responda nossa pesquisa de opinião para que possamos entender melhor nosso público e oferecer melhores conteúdos:

Responder agora Já respondi